A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

O Projeto Defensoria Pública e Conselhos Tutelares: Diálogo Permanente.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "O Projeto Defensoria Pública e Conselhos Tutelares: Diálogo Permanente."— Transcrição da apresentação:

1 O Projeto Defensoria Pública e Conselhos Tutelares: Diálogo Permanente

2 A DEFESA DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE: A EXPERIÊNCIA EMBLEMÁTICA DOS CONSELHOS TUTELARES “Muitas vezes, se tem observado que juizes e promotores de justiça intervêm indevidamente nos Conselhos Tutelares, como se foram seus "superiores administrativos hierárquicos", desrespeitando a autonomia funcional dos conselhos tutelares, prevista no Estatuto. Prática estranha e perigosa essa, pois se configura numa franca usurpação de poderes, numa intervenção ilegal de um Poder (Judiciário e Ministério Público, estaduais) sobre outro (Executivo, municipal) Não existe nenhuma linha de subordinação ou vinculação administrativa entre juizes, promotores e delegados de polícia – por exemplo – e os conselheiros tutelares.

3 NETO, Vanderlino Nogueira. Sistema-Garantia-Direitos Humanos. A defesa dos direitos da criança e do adolescente: a experiência emblemática dos Conselhos Tutelares. neto.blogspot.com.br/search?updated-max= T12:44:00-07:00&max-results=7. Consultado em Existe sim, o poder do Ministério Público de fazer “recomendações” ao conselho tutelar, nos termos do art. 201, § 5°, "c", do Estatuto – como a qualquer autoridade pública. O conselho tutelar, na esfera da sua autonomia, cumpre ou não a "recomendação público-ministerial". Em não cumprindo, se sujeita a ser pólo passivo de uma ação judicial, ajuizada pelo representante do Ministério Público, se couber – caindo assim na esfera do controle judicial dos atos administrativos.”

4 RESOLUÇÃO Nº 113, DE 19 DE ABRIL DE 2006 (alterada pela Resolução CONANDA nº 117 de 11/07/2006) Art. 10º Os conselhos tutelares são órgãos contenciosos não-jurisdicionais, encarregados de "zelar pelo cumprimento dos direitos da criança e do adolescente", particularmente através da aplicação de medidas especiais de proteção a crianças e adolescentes com direitos ameaçados ou violados e através da aplicação de medidas especiais a pais ou responsáveis (art. 136, I e II da Lei 8.069/1990). Parágrafo Único. Os conselhos tutelares não são entidades, programas ou serviços de proteção, previstos nos arts. 87, inciso III a V, 90 e 118, §1º, do Estatuto da Criança e do Adolescente. Art. 11 As atribuições dos conselhos tutelares estão previstas no Estatuto da Criança e do Adolescente, não podendo ser instituídas novas atribuições em Regimento Interno ou em atos administrativos semelhante de quaisquer outras autoridades. Parágrafo Único. É vedado ao Conselho Tutelar aplicar e ou executar as medidas socioeducativas, previstas no artigo 112 do Estatuto da Criança e do Adolescente. Art. 12 Somente os conselhos tutelares têm competência para apurar os atos infracs praticados por crianças, aplicando-lhes medidas especificas de proteção, previstas em lei, a serem cumpridas mediante requisições do conselho. (artigo 98, 101,105 e 136, III, “b” da Lei 8.069/1990). Art. 13 Os conselhos tutelares deverão acompanhar os atos de apuração de ato infracional praticado por adolescente, quando houver fundada suspeita da ocorrência de algum abuso de poder ou violação de direitos do adolescente, no sentido de providenciar as medidas específicas de proteção de direitos humanos, prevista em lei e cabível.


Carregar ppt "O Projeto Defensoria Pública e Conselhos Tutelares: Diálogo Permanente."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google