A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

UNILINS CONTABILIDADE GERENCIAL PROF: ANTÔNIO RUIZ FILHO SEGUNDO SEMESTRE 2010.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "UNILINS CONTABILIDADE GERENCIAL PROF: ANTÔNIO RUIZ FILHO SEGUNDO SEMESTRE 2010."— Transcrição da apresentação:

1 UNILINS CONTABILIDADE GERENCIAL PROF: ANTÔNIO RUIZ FILHO SEGUNDO SEMESTRE 2010

2 CURRICULUM ANTÔNIO RUIZ FILHO Rua Osvaldo Cruz, 110 sala 104, Centro, CEP Cidade de Araçatuba-SP- Telefone ( 018) OBJETIVO: cursos e palestras na área de contabilidade QUALIFICAÇÕES EM DESTAQUE:. Mais de vinte anos de experiência profissional como professor em diversas Faculdades ( FEA, FATEB, TOLEDO, THATHI COC, UNIESP, UNIP, UNILINS E SOMAY., mantendo sempre uma postura receptiva, tanto com os alunos como com os coordenadores e uma posição pro-ativa com relação ao conteúdo e didática nas disciplinas que lecionou.. Professor nas seguintes disciplinas da área de contabilidade: Geral, Social, Gerencial, Custos, Análise de Balanços Patrimonial, Tributária, bem como Economia Monetária.

3 . Pesquisador, atualizando sempre o conteúdo das disciplinas em relação às exigências de mercado e enad, provão.. Coordenador de estágios e Trabalhos de conclusão de Cursos TCC, Banca examinadora de monografias, interligando o conhecimento empírico com o teórico.. Coordenador da Empresa Júnior da FAC-FEA, acompanhando o desenvolvimento do trabalho dos estudantes, orientando-os na parte contábil: Escrita Contábil e Fiscal.. Utilização de estudos de caso para fixar conteúdos.. Adaptável ao trabalho em equipe, liderando e colaborando.. Trinta anos vivência e experiência no mercado de trabalho ( Chade/Skol, Serlube, Cobrac, Industria Bandeirante de Laje) como contador, como executivo de grandes companhias.. Como Consultor, Auditor de empresas públicas e privadas, ( Prefeitura Municipal de Santa Fé do Sul, Departamento de Água e Esgoto de Araçatuba, Ritinha Prates, Apae, Tecol, Ford Caminho, Fernanda Prata Cunha).. Como Perito Contábil de empresas Públicas e Privadas e Também nas Varas Cíveis, Trabalhistas e Federais.

4 HABILIDADES SIGNIFICATIVAS E REALIZAÇÕES:. Participou como Facilitador do Sebrae.. Participou como instrutor do programa Brasil Empreendedor.. Participou com expositor, do tema: Perícia Contábil: Uma ferramenta Gerencial no I Seminário Internacional realizado pela UNORP.. Ministrou Palestra com o tema Encerramento de Balanço – Aspectos Práticos e Legais no SENAC.. Ministrou cursos Correção Monetária e Encerramento de Balanço no SENAC. Ministrou cursos de: Análise de crédito, Contabilidade Gerencial e Análise de Balanço, na Federação do Sindicato dos Bancários do Estado de São Paulo.. Elaborou e realizou projetos de pesquisa tanto acadêmicos como empíricos.. Participou de encontros das Empresas de Serviços Contábeis do Estado de São Paulo.. Participa de ações Sociais.

5 INSTRUÇÃO E DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL:. Bacharel em Ciências Contábeis pela Faculdade de Ciências Contábeis e Atuariais da Alta Noroeste – Pós-Graduação – Administração Financeira pela Faculdade Toledo – Pós-Graduação – Administração Estratégica pela INBRAPE – Instituto Brasileiro de Pesquisa – Pesquisador pela Universidade de Extremadura – Espanha – Instituto Intercontinental Universitário – Doutorando pelo Centro Univertário do Norte Paulista ( UNORP) Universidade de Extremadura – Espanha. EMPRESARIO: Empresa: Ruiz Auditoria e Serviços S/C Ltda. Rua Osvaldo Cruz nº 110 – 1º Andar - sala 104 –CEP: Araçatuba – SP- Serviços: Auditoria, consultoria, pericia Contábil, Treinamentos, Serviços Contábeis e realização e planejamento de concursos públicos.

6 PLANO DE ENSINO I- EMENTA Campo de Atuação da Contabilidade. Registros Contábeis, Contas e Movimentações. Demonstrações Financeiras. Princípios e Convenções Contábeis. Leitura e Interpretação de Balanços. A contabilidade e a Legislação. II- OBJETIVOS GERAIS Desenvolver com os alunos, as seguintes competências, objetivando o sentido de gerência financeira que é necessário ao administrador:. Pensamento Estratégico. Visão Sistêmica. Orientação para Resultado. Consciência Ética e Social. Capacidade de Identificar; Analisar e Solucionar Problemas. Orientação para o Empreendedorismo.

7 III- OBJETIVOS ESPECÍFICOS Conhecer como é feita a elaboração das demonstrações financeiras, e as inter-relações Gerenciais e Interdependências entre os componentes destas demonstrações. Entender como se faz um leitura das demonstrações financeiras, e destas habilidade iniciar o desenvolvimento do bom senso financeiro e Gerencial, conhecimento indispensável à prática de tomada de decisão no campo das finanças empresariais. IV- CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 1- Campo de Atuação da Contabilidade 1.1- A Contabilidade como Sistema de Informação e Controle 1.2- O Patrimônio Empresarial 1.3- A Contabilidade e as Finanças Empresariais 1.4- A Contabilidade e a Economia e o Direito

8 2- Registro Contábeis 2.1- Princípio Básico de Origem e Aplicação de Recursos 2.2- Débito e Crédito como Mecanismo 2.3- Adição e Subtração como Mecanismo 2.4- Registro das Operações Contábeis 3- Contas e Movimentações 3.1- Conceito de Conta 3.2- Contas Devedoras e Credoras 3.3- Lançamentos Contábeis 3.4- Balanços Sucessivos 4- Demonstrações Financeiras 4.1- Balanço Patrimonial – BP Demonstração do Resultado – DRE 4.3- Demonstração do Fluxo de Caixa – DFC 4.4- Demonstração do Valor Adicionado – DVA

9 5- Princípios e Convenções Contábeis 5.1- Princípios do Custo como Base de Valor 5.2- Princípios do Denominador Comum Monetário 5.3- Princípio da Realização da Receita 5.4- Princípio do Confronto das Despesas com as Receitas 5.5- Princípio da Entidade e da Continuidade 5.6- Princípio da Competência 5.6- Convenção do Conservadorismo 5.7- Convenção da Consistência 6- Leitura e Interpretação de Balanços 6.1- Conceito 6.2- Principais Fórmulas para Interpretação 7- A Contabilidade e a Legislação 7.1- O Tamanho da Empresa e a Legislação 7.2- Legislação do Imposto de Renda e a Contabilidade 7.3- Lucro Real x Lucro Presumido 7.4- Legislação Comercial e a Contabilidade.

10 V- ESTRATÉGIAS DE TRABALHO Para ser possível atingir-se os propósitos desta disciplina serão desenvolvidas aulas expositivas dialogadas, com ampla discussão dos diversos aspectos que envolvem a escrituração, os benefícios que a contabilidade traz ao desenvolvimento das finanças empresariais e Gerenciais. Serão privilegiados os debates e questionamentos, sempre com base em casos práticos trazidos das demonstrações contábeis publicadas nos jornais. Em todas as estratégias estarão inseridas as buscas pelas competências objetivadas pelo curso. VI- AVALIAÇÃO O processo formal de avaliação do aprendizado através de provas, será complementado com avaliações através de silulados-surpresa ou não, constantes de testes objetivos em situações previamente estudadas pelos alunos. A participação nos questionamentos será privilegiada através de pontuações adicionais.

11 VII- BIBLIOGRAFIA Bibliografia Básica Morante, Antonio Salvador, Contabilidade – Noções para análise de resultados e balanço patrimonial da empresa. Atlas: Iudícibus, Sérgio de (Coord) Contabilidade Introdutória. Atlas: Marion, José Carlos. Contabilidade Básica. Atlas: Bibliografia Complementar Iudícibus, Sérgio. Curso de Contabilidade para não Contadores. Atlas: Marion, José Carlos. Contabilidade Empresarial. Atlas: Reis, Arnaldo. Demonstrações Contábeis: estrutura e análise. Saraiva: Padoveze,Clóvis Luis e Benedicto; Gideon. Carvalho. Análise das Demonstrações Financeiras. Thomson: 2003.

12 CONTABILIDADE CONCEITO INSTRUMENTO INFORMAÇÕES ÚTEIS TOMADA DE DECISÕES CAMPO DE APLICAÇÃO COMÉRCIO – INDÚSTRIA – ENTIDADES PÚBLICAS – HOSPITAIS – AGROPECUÁRIA - ENTIDADES SEM FINALIDADES LUCRATIVAS OU DE FILANTROPIA S – SEGURADORAS - INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS.

13 FINALIDADE DA CONTABILIDADE. CONTROLE PATRIMONIAL. INFORMAÇÕES Composição e Variações Patrimoniais Resultados da atividade econômica USUÁRIOS DA CONTABILIDADE Administradores – Proprietários – Investidores - Bancos – Fornecedores – Governo – Empregados – etc... FASES DA GESTÃO EMPRESARIAL ESTUDADAS Econômica - Patrimonial – Financeira

14 PATRIMÔNIO Conhecimento Comum = Conjunto de Bens Conceito Contábil = Bens, Direitos e Obrigações ASPECTO QUALITATIVO DO PATRIMÔNIO BENS Coisas úteis que satisfazem ás necessidades Material (Tangível) – Imaterial ( Intangível ) Móveis ( removível – Imóvel ( vinculado ao solo) DIREITOS Valores a receber de terceiros OBRIGAÇÕES Valores a pagar para terceiros

15 PATRIMÔNIO ASPECTO QUALITATIVO DO PATRIMÔNIO BENS Dinheiro ,00 Veículos ,00 Máquinas ,00 DIREITOS Contas a Receber ,00 Notas Promissórias a Receber ,00 OBRIGAÇÕES OBRIGAÇÕES DE TERCEIROS Contas a Pagar ,00 Impostos a Pagar ,00 Fornecedores ( Duplicatas a Pagar) ,00 OBRIGAÇÕES PRÓPRIAS Capital dos sócios ou Acionistas ,00

16 BALANÇO PATRIMONIAL BENS E DIREITOS OBRIGAÇÕES BENS OBRIGAÇÕES DE TERCEIROS Dinheiro5.000,00Contas a Pagar8.000,00 Veículos9.000,00Impostos a Pagar1.000,00 Máquinas8.000,00Salários a Pagar1.000,00 Total de Bens22.000,00Total das obrigações10.000,00 DIREITOS PATRIMÔNIO LÍQUIDO Contas a Receber7.000,00OBRIGAÇÕES PRÓPRIAS Nota Promissória a Receber2.000,00Capital Social (sócios )21.000,00 Total de Direitos9.000,00Total das obrigações proprias21.000,00 Total dos Bens e Direitos31.000,00Total das Obrigações31.000,00

17 EXERCÍCIOS Indicar se a conta corresponde a : BENS, DIREITOS, OBRIGAÇÕES DE TERCEIROS, OBRIGAÇÕES PRÓPRIAS. Veículos( ) Contas a Pagar( ) Nota Promissória a Receber( ) Nota Promissória a Pagar( ) Duplicatas a Receber( ) Estoques( ) Bancos conta Movimento( ) Caixa( ) Prédios( ) Capital do Sócio( ) Fornecedores ( Duplicatas a Pagar)( ) Maquinários( ) Móveis e Utensílios( )

18 PATRIMÔNIO LIQUIDO PATRIMÔNIO LÍQUIDO = BENS + DIREITOS - OBRIGAÇÕES DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Coleta de dados Contabilidade Usuários da Contabilidade

19 PATRIMÔNIO LÍQUIDO PL = BENS + DIREITOS – OBRIGAÇÕES DE TERCEITOS PL = , ,00 – ,00 PL = ,00

20 CONCEITO DE DEMONSTRAÇÃO FINANCEIRA APRESENTAÇÃO RESUMIDA, ORDENADA E PERIÓDICA FORMANDO OS RELATÓRIOS CONTÁBEIS PRINCIPAIS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS. Balanço Patrimonial (BP). Demonstração do resultado do exercício (DRE). Demonstração de Lucros ou Prejuízos Acumulado (DLPAc. Demonstração das Origens e Aplicação de Recursos

21 BALANÇO PATRIMONIAL Principal Relatório Contábil Padrão de medida Moeda Nacional Identifica a Situação Patrimonial e Financeira A EXPRESSÃO BALANÇO ATIVOPASSIVO E PATRIMÔNIO LÍQUIDO

22 REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DO BALANÇO BALANÇO PATRIMONIAL BENS Dinheiro ,00 Veículos ,00 Máquinas ,00 DIREITOS Contas a Receber ,00 Notas Promissórios a Receber 2.000,00 TOTAL DO ATIVO ,00 OBRIGAÇÕES Contas a Receber ,00 Impostos a Pagar ,00 Salários a Pagar ,00 PATRIMÔNIO LÍQUIDO Capital ,00 TOTAL DO PASSIVO ,00 ATIVO PASSIVO E PATRIMÔNIO LÍQUIDO EQUAÇÃO FUNDAMENTAL DO PATRIMÔNIO A = P – PL

23 ORIGENS E APLICAÇÃO DE RECURSOS BALANÇO PATRIMONIAL AP + PL APLICAÇÃO $ $ $ ORIGEM $ $ $ RECURSOS DE TERCEIROS E PRÓPRIOS A = ATIVO P = PASSIVO PL = PATRIMÔNIO LÍQUIDO

24 Fluxo Recursos entre a empresa, os mercados financeiros e o governo Governo (Tributos) Pagar dívidas ou dividendos aos acionistas Reinvestimentos Investidor aloca recursos financeiros (próprios e/ou terceiros) Investidor aplica recursos financeiros em ativos Capital de Giro INVESTIMENTO EM ATIVOS Ativo Permanente Recursos de Terceiros ESTRUTURA DE CAPITAL Recursos Próprios Custos e Receitas Resultados PRODUÇÃO

25 EXERCÍCIO DE FIXAÇÃO; BALANÇOS SUCESSIVO ENUNCIADO: 50 Fazendeiros resolveram constituir uma destilaria de álcool e açúcar, do tipo S/A, com Capital de R$ ,00. (valor unitário de R$ 1,00 por ação. BALANÇO PATRIMONIAL ATIVOPASSIVO + PATRIMÔNIO LÍQUIDO Capital Social ,00 Capital a Realizar.. ( ,00) TOTAL DO ATIVO 0,00TOTAL DO PASSIVO 0,00

26 EXERCÍCIO DE FIXAÇÃO; BALANÇOS SUCESSIVO ENUNCIADO: Cada acionista comprometeu a integralizar ações cada um, nesse ato resolveram integralizar ações com depósito em Banco. ( x 50 = ações a R$ 1,00 = R$ ,00. BALANÇO PATRIMONIAL ATIVOPASSIVO + PATRIMÔNIO LÍQUIDO Bancos c/ Movimento ,00 Capital Social ,00 Capital a Realizar.. ( ,00) TOTAL DO ATIVO ,00TOTAL DO PASSIVO ,00

27 EXERCÍCIO DE FIXAÇÃO; BALANÇOS SUCESSIVO ENUNCIADO: Os acionistas decidiram adquirir Maquinários, a vista, no valor de R$ ,00 BALANÇO PATRIMONIAL ATIVOPASSIVO + PATRIMÔNIO LÍQUIDO Bancos c/ Movimento ,00 Maquinários ,00 Capital Social ,00 Capital a Realizar.. ( ,00) TOTAL DO ATIVO ,00TOTAL DO PASSIVO ,00

28 EXERCÍCIO DE FIXAÇÃO; BALANÇOS SUCESSIVO ENUNCIADO: Os acionistas decidiram integralizar, à vista, mais ações cada um, no valor unitário de R$ 1,00 ( x 50 = de ações ) no valor total de R$ ,00. BALANÇO PATRIMONIAL ATIVOPASSIVO + PATRIMÔNIO LÍQUIDO Bancos c/ Movimento ,00 Maquinários ,00 Capital Social ,00 Capital a Realizar.. ( ,00) TOTAL DO ATIVO ,00TOTAL DO PASSIVO ,00

29 EXERCÍCIO DE FIXAÇÃO; BALANÇOS SUCESSIVO ENUNCIADO: Os acionistas investiram, a vista, R$ ,00 em Obras Civis e R$ ,00 em plantio de Cana de Açúcar. BALANÇO PATRIMONIAL ATIVOPASSIVO + PATRIMÔNIO LÍQUIDO Bancos c/ Movimento ,00 Maquinários ,00 Obras Civis ,00 Plantio de Cana ,00 Capital Social ,00 Capital a Realizar.. ( ,00) TOTAL DO ATIVO ,00TOTAL DO PASSIVO ,00

30 EXERCÍCIO DE FIXAÇÃO; BALANÇOS SUCESSIVO ENUNCIADO: Os acionistas investiram, a vista, R$ ,00 em Obras Civis e R$ ,00 em plantio de Cana de Açúcar. BALANÇO PATRIMONIAL ATIVOPASSIVO + PATRIMÔNIO LÍQUIDO Bancos c/ Movimento ,00 Maquinários ,00 Obras Civis ,00 Plantio de Cana ,00 Capital Social ,00 Capital a Realizar.. ( ,00) TOTAL DO ATIVO ,00TOTAL DO PASSIVO ,00

31 EXERCÍCIO DE FIXAÇÃO; BALANÇOS SUCESSIVO ENUNCIADO: Os acionistas resolveram adquirir 30 caminhões Financiado pelo Banco BNDS no valor de R$ ,00. BALANÇO PATRIMONIAL ATIVOPASSIVO + PATRIMÔNIO LÍQUIDO Bancos c/ Movimento ,00 Maquinários ,00 Obras Civis ,00 Plantio de Cana ,00 Veículos ,00 Financiamento BNDS ,00 Capital Social ,00 Capital a Realizar.. ( ,00) TOTAL DO ATIVO ,00TOTAL DO PASSIVO ,00

32 CONTAS NOME TÉCNICO: COMPONENTES PATRIMONIAIS ( B + D + - O = PL ) CLASSIFICAÇÃO DAS CONTAS 1) PATRIMONIAL ATIVAS BENS E DIREITOS PASSIVAS OBRIGAÇÕES E PATRIMÔNIO LÍQUIDO 2) DE RESULTADO DESPESAS / CUSTOS RECEITA Aparecem e encerram no mesmo Exercício Social. Espaço de tempo para apu- ração da situação patri- monial e econômica.

33 INTERLIGAÇÃO BALANÇO PATRIMONIAL E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADO DO EXERCÍCIO. A T I V OP A S S I V ORESULTADOS BENS E DIREITOS OBRIGAÇÕES (DÍVIDAS) E PATRIMÔNIO LÍQUIDO RESERVA DE LUCRO OU PREJUÍZO ACUMULADO RECEITAS (-) CUSTOS (-) DESPESAS (=) LUCRO OU PREJUÍZO

34 INTERLIGAÇÃO BALANÇO PATRIMONIAL E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADO DO EXERCÍCIO. A T I V OP A S S I V ORESULTADOS BENS DIREITOS TOTAL OBRIGAÇÕES DÍVIDAS PATRIMÔNIO LÍQUIDO CAPITAL LUCRO TOTAL RECEITAS (-) CUSTOS (-) DESPESAS (=) LUCRO OU PREJUÍZO

35 AGRUPAMENTO DAS CONTAS DO BALANÇO PATRIMONIAL ATIVO PASSIVO + PATRIMÔNIO LÍQUIDO. ATIVO CIRCULANTE. PASSIVO CIRCULANTE Disponível Dívida a Pagar Dividendos a Pagar Créditos. PASSIVO NÃO CIRCULANTE Estoques.EXIGÍVEL A LONGO PRAZO Despesas Exercício Seguinte Dividas a Pagar. ATIVO NÃO CIRCULANTE. PATRIMÔNIO LÍQUIDO. REALIZÁVEL A LONGO PRAZO Capital Social Créditos Prejuízos Acumulado. PERMANENTE Reservas Legal ( lucro) Investimento Imobilizado Intangível

36 DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS A Lei 6.404/76 prevê as seguintes Demonstrações Financeiras: - Balanço Patrimonial - Demonstração do Resultado do Exercício - Demonstração de Lucros ou Prejuízos ou - Demonstração das Mutações do Patrimônio Líquido - Demonstração das Origens e Aplicação de Recursos - Demonstração de Fluxo de Caixa.

37 BALANÇO PATRIMONIAL Tem como finalidade demonstrar a composição do Patrimônio da empresa no encerramento do Exercício Social. DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO Evidencia o resultado ( Lucro ou Prejuízo) da empresa na gestão de suas atividades durante um determinado período.

38 DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS Demonstra o lucro apurado no exercício contábil, sua destinações, seus ajustes e reversões de reservas. DEMONSTRAÇÃO DAS MUTAÇÕES PATRIMONIAIS Mostra as modificações ocorridas no Patrimônio Líquido demonstrando os saldos anteriores, os ajustes de exercícios anteriores, os aumentos de capital as reversões de reservas o lucro líquido do exercício e suas destinações ( Reservas de Lucros, Reservas de Capital.

39 DEMONSTRAÇÃO DE ORIGENS E APLICAÇÃO DE RECURSOS Indicará as modificações na posição financeira da empresa discriminando as Fontes e Aplicações de recursos.

40 ATIVO ( BENS E DIREITOS)PASSIVO (OBRIGAÇÕES CIRCULANTEAquilo que já éCIRCULANTEDívidas que serão DisponívelDinheiro ou será pagas rapidamente Créditos Realizáveistransformado em Estoquesdinheiro rapitamente NÃO CIRCULANTEBens e DireitosNÃODividas que irão Realizável a Longo Prazo que irão demorar muitoCIRCULANTEdemorar muito tempo tempo pareceber para ser paga Investimento Bens que normalmentePATRIMÔNIO LÍQUIDODívidas que não serão Imobilizadonão é vendido, pois é exigidas enquanto a Intangívelde uso da empresa. empresa estiver em continuidade. BALANÇO PATRIMONIAL

41 CONCEITO BALANÇO PATRIMONIAL O Balanço Patrimonial é uma demonstração contábil que tem como finalidade apresentar a situação patrimonial de uma entidade em um dado momento No Balanço Patrimonial o ATIVO da empresa é indicado no lado esquerdo e o Passivo no lado direito. No ATIVO tem-se os Grupos, Subgrupos e Contas No PASSIVO tem-se os Grupos de Contas De acordo com a lei 6.404/76, no ATIVO as contas serão disposta em ordem decrescente de Grau de Liquidez e no PASSIVO em ordem decrescente de Grau de Exigibilidade.

42 ATIVO Classificam-se os Bens e Direitos a Receber, dividindo-se em CIRCULANTE, REALIZÁVEL A LONGO PRAZO E PERMANENTE ATIVO CIRCULANTE Neste Grupo devem ser classificados todas as contas a Curto Prazo, vencíveis até o exercício seguinte. Dividindo-se em DISPONÍVEL, CRÉDITOS REALIZÁVEIS, ESTOQUES E DESPESAS DO EXERCÍCIO SEGUIINTE. DISPONÍVEL Neste Sub Grupo classificam-se as contas representativas de bens numerários. Ex. Caixa, Bancos conta Movimento, Aplicações Financeiras

43 CRÉDITOS REALIZÁVEIS Devem ser classificados as contas que representam Direitos a Receber e as respectivas contas Retificadoras. Exemplo: Duplicatas a Receber Títulos a Receber ( - ) Duplicatas Descontadas ( - ) Provisão para Devedores Duvidosos

44 ESTOQUE Classificam –se as contas destinadas a comercialização ou industrialização Exemplo: Mercadorias Matéria Prima Produtos Acabados Material de Consumo Material de Expediente

45 DESPESAS DO EXERCÍCIO SEGUINTE Classificam –se as despesas pagas antecipadamente. Exemplo : Seguros a Vencer Aluguel a Vencer Juros a Vencer

46 ATIVO NÃO CIRCULANTE ATIVO REALIZÁVEL A LONGO PRAZO Classificam-se as contas realizáveis após o exercício seguinte e os empréstimos a acionistas, diretores, controlada independente do prazo de vencimento. Exemplo: Títulos a Receber Empréstimos a Coligadas ou Controlada, etc., bem como os bens destinados a atividade operacional da empresa, cuja característica é de não se destinarem a revenda.

47 INVESTIMENTOS Neste Subgrupo classificam-se as contas destinadas a gerar renda ou valorização, e respectivas contas retificadoras. Exemplo: Ações de Outras Empresas Quadro de obra de arte Imóvel para Renda ou Valorização ( - ) Provisão para Perdas c/ Investimentos

48 IMOBILIZADO Neste Subgrupo devem ser classificados as contas destinadas a manutenção da atividade operacional da empresa e respectivas contas retificadoras. Exemplo: Veículos ( - ) Depreciação Acumulada Móveis e Utensílios ( - ) Depreciação Acumulada Imóveis para Uso ( - ) Depreciação Acumulada

49 INTANGÍVEL Neste Subgrupo são classificados os bens que não possuem existência física, são denominados de ativos incorpóreos, devendo também ser classificado caso haja a característica de intangível as contas que se destinam a recursos aplicados em despesas que contribuirão para a formação de mais de um exercício social e respectivas contas retificadoras. Exemplo: Gastos Pré Operacionais Gastos de Ampliação ( - ) Amortização Acumulada

50 PASSIVO (No passivo classificam-se as obrigações a pagar), dividindo- se em CIRCULANTE, NÃO CIRCULANTE (EXIGÍVEL A LONGO PRAZO E PATRIMÔNIO LÍQUIDO).

51 PASSIVO CIRCULANTE ( Neste Grupo classificam-se as contas de obrigações a pagar a curto prazo vencíveis até o exercício seguinte). Exemplo: Títulos a Pagar Contribuições a Recolher

52 PATRIMÔNIO LÍQUIDO Neste Grupo classificam-se as contas representativas do capital próprio. Exemplo: Reservas de Capital Reservas de Lucros Ajuste de Avaliação Patrimonial Ações em Tesouraria Prejuízo Acumulado

53 APURAÇÃO DO RESULTADO ( LUCRO OU PREJUÍZO) Causas Principais da Variação do Patrimônio Líquido 1- Investimento Inicial de Capital ou Aumento/Diminuição 2- Resultado confronto entre RECEITAS E DESPESAS / CUSTOS RECEITA Decorrem da Venda de Bens e da Prestação de Serviços Aumentam o Patrimônio Líquido DESPESAS Decorrem do consumo de Bens e utilização de Serviços Diminuem o Patrimônio Líquido

54 RESULTADO EXERCÍCIO É A DIFERENÇA ENTRE AS Receitas e Despesas/Custos em um período. LUCRO Receita maior Despesas e Custos PREJUÍZO Receita menor Despesas e Custos ENCAIXE Entrada de Dinheiro no Caixa DESENCAIXE Saída de Dinheiro no Caixa

55 EXERCÍCIO SOCIAL Espaço de tempo para apuração da situação patrimonial e econômica Regime de competência de Exercício Receita e Despesas são consideradas em função do seu fato gerador, e não em função de recebimento ou pagamento. REGRAS DESPESAQuando consumida ou incorrida RECEITAQuando gerada ( Venda) Regime de Caixa REGRAS DESPESA RECEITA Quando do desencaixe ( pagamento ) Quando do encaixe ( Recebimento \0

56 DIFERENÇA ENTRE CUSTO E DESPESA CUSTO : São os gastos no processo de industrialização ( matéria – prima, mão – de – obra, energia elétrica, etc.) ou com a aquisição de mercadoria no comércio. DESPESA: Consumo de bens ou Serviços para a obtenção de receita.

57 DIFERENÇA ENTRE DESPESA E ATIVO ( INVESTIMENTO ) ATIVO: gasto que trará benefícios futuros para a empresa DESPESA: depois da sua ocorrência, não traz mais benefícios á empresa.

58 DIFERENÇA ENTRE ATIVO E CUSTO HIPÓTESE: Compra de uma mercadoria para revenda e ou/ gastos com matéria – prima, mão – de – obra, etc., para produzir um produto.

59 MOVIMENTAÇÃO DAS CONTAS OPERAÇÕESA PRAZOÀ VISTA maisMais RECEITAContas a ReceberCaixa ( ATIVO )Encaixe maismenos DESPESA/CUSTOContas a PagarCaixa ( PASSIVO)( DESENCAIXE) RESULTADOBalanço Patrimonial

60 BALANÇO PATRIMONIAL INICIAL ATIVOPASSIVO + PATRIMÔNIO LÍQUIDODEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO ATIVO CIRCULANTEPATRIMÔNIO LÍQUIDO Bancos c/Movimento 200,00 Capital Social 1.200,00Não houve Movimentação Estoques 1.000,00 TOTAL ATIVO 1.200,00 TOTAL DO PASSIVO 1.200,00 Venda a Prazo de todo Estoque acima por R$ 1.500,00. ATIVOPASSIVO + PATRIMÔNIO LÍQUIDODEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO ATIVO CIRCULANTEPATRIMÔNIO LÍQUIDOVendas 1.500,00 Bancos c/Movimento 200,00 Capital Social 1.200,00( - ) Custos 1.000,00 Estoques 0 Lucro Acumulado 500,00( = ) Lucro 500,00 Duplicata a Receber 1.500,00 TOTAL DO ATIVO 1.700,00TOTAL DO PASSIVO 1.700,00

61 O efeito do lucro ou prejuízo do exercício Social no Balanço Patrimonial. BALANÇO PATRIMONIAL ATIVOPASSIVO Fornec. Empresti mo Lucro Prejuízo Patrimôn. Líquido Bens e Direito Capital de Terceiros Resultado Receita Despesas Custos Lucro ou Prejuízo Lucro : aumenta a capacidade de adquirir Bens e Direitos. Prejuízo: Diminui Bens e Direitos.

62 O efeito do lucro ou prejuízo do exercício Social no Balanço Patrimonial. BALANÇO PATRIMONIAL ATIVOPASSIVO Fornec. Emprestimo ,00 Lucro 5.000,00 Patrimôn. Líquido Bens e Direito Capital de Terceiros ,00 Demonst. Resultado Receita ,00 Despesas Custos ,00 Lucro 5.000,00 Lucro : aumenta a capacidade de adquirir Bens e Direitos. Prejuízo: Diminui Bens e Direitos. Capital , ,00 Total ,00

63 EXERCÍCIO O efeito do lucro ou prejuízo do exercício social no Balanço Patrimonial Uma empresa com Capital Social de $ ,00, Bens e Direitos $ ,00, Empréstimo a Pagar $ ,00, Receita de Venda de $ ,00 e Despesas/Custos $ Qual o Lucro ? Como o Lucro é representado no Balanço Patrimonial? ATIVO PASSIVODEMONSTRAÇÃO RESULTADO Patrimônio Líquido

64 DEMONSTRAÇÃO RESULTADO DO EXERCÍCIO É resumo das Receitas e Despesas em determinado período. DEDUTIVA E VERTICAL RECEITA BRUTA50.000,00 ( - ) DEDUÇÕES: Impostos, devoluções e Abatimentos.4.000,00 ( = ) RECEITA LÍQUIDA46.000,00 ( - ) CUSTOS DAS VENDA ( CMV, CPV, CSP)16.000,00 ( = ) LUCRO BRUTO30.000,00 ( - ) DESPESAS OPERACIONAIS: Despesas Com Vendas, Administrativas e Financeiras ,00 ( + ) ou (- ) RECEITAS E/OU DESPESA NÃO OPERACIONAIS5.000,00 ( = ) RESULTADO ANTES DO IMPOSTO DE RENDA E DA CSLL13.000,00 ( IMPOSTO DE RENDA E CSLLL3.500,00 ( = ) LUCRO LÍQUIDO9.500,00

65 DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO A função desta Demonstração, é evidenciar o resultado econômico da empresa RECEITA OPERACIONAL BRUTA DE VENDAS Vendas: É a conta destinada ao registro das vendas efetuadas por uma empresa. DEDUÇÕES DE VENDAS São as parcelas dedutivas das vendas para apurar o resultado líquido das vendas, ICMS sobre vendas, Pis s/Faturamento, Cofins s/Faturamento, ISS s/ Serviços, Abatimento sobre vendas, Devoluções de Vendas.

66 ( =) RECEITAS OPERACIONAL LÍQUIDA DE VENDAS São as vendas do período já deduzidas os descontos, abatimentos, devoluções e impostos. ( - ) CMV, CPV, CSV É o custo de aquisição das mercadorias, produtos ou serviços, vendidos. LUCRO BRUT0 É a diferença entre a receita líquida de vendas ou serviços e o custo das mercadorias vendidas ou dos serviços prestados. ( - ) DESPESAS São os gastos incorridos pela empresa, com o objetivo de obter receitas. Essas despesas podem ser operacionais e não Operacionais

67 DESPESAS OPERACIONAIS São aquelas decorrentes do desenvolvimento das atividades normais da empresa, tais como: Despesas Administrativas, Despesas Tributárias, Despesas Comerciais, Despesas Financeiras, etc. DESPESAS TRIBUTÁRIAS São despesas decorrentes das obrigações fiscais, tais como: pagamento de impostos, taxas e contribuição. Representa o custo tributário de uma empresa, isto é, a soma de valores devido ao fisco. DESPESAS COMERCIAIS São as que ocorrem nos estabelecimentos, que têm como finalidade, vender

68 DESPESAS FINANCEIRAS São aquelas realizadas com a finalidade de se obter o Capital de terceiros e os juros cobrados remuneram tais tais capitais. ( + ) RECEITAS Representa o lado positivo de uma empresa, ou seja, são operações que fatalmente aumentará o ativo e consequentemente aumentará o patrimônio líquido da empresa. As receitas representam as entradas, ou recuperação de investimentos e formam o lado positivo da apuração dos resultados. RECEITAS OPERACIONAIS São aquelas decorrentes do desenvolvimento normais da empresa, como aluguéis, juros, etc.

69 ( = ) RESULTADO DO EXERCÍCIO ANTES DO IR E CSLL É o resultado obtido pela empresa em função da sua atividade operacional, antes da dedução do imposto de renda e Contribuição social s/ lucro líquido. PARCELA DO IMPOSTO DE RENDA E CONTRIBUIÇÃO SOCIAL S/ LUCRO LÍQUIDO Parcela do lucro obtido pela empresa e que é canalizado para o Governo. ( = ) LUCRO LÍQUIDO DO EXERCÍCIO É o lucro líquido obtido pela empresa.

70 ReceitasReceitas e despesas não-operacionais são aquelas receitas e despesas decorrentes de transações não incluídas nas atividades principais ou acessórias que constituam objeto da empresa. Podem ser entendidas como despesas não-operacionais, as subvenções para investimentos, inclusive mediante isenção ou redução de impostos, concedidas como estímulo à implantação ou expansão de empreendimentos econômicos e doações do Poder Público (RIR/1999, art. 443);despesasobjetoinvestimentosimpostosempreendimentosPoder Público RECEITAS E DESPESAS NÃO OPERACIONAL

71 METODO BALANÇOS SUCESSIVOS VERSOS CONTROLE INDIVIDUAL DE CONTAS Razonete facilita o raciocínio contábil Nome da Conta débitocrédito BALANÇO PATRIMONIAL ATIVOPASSIVO Banco C/C Capital Banco C/CCapital 900

72 REGRAS DE CONTABILIZAÇÃO DOS RAZONETES. Toda conta de Ativo e todo acréscimo de Ativo Lado Esquerdo. Toda conta de passivo Patrimônio Líquido e todo acréscimo Lado Direito DÉBITO e CRÉDITO CONTA DE ATIVO CONTA DE PASSIVO E PL DÉBITOCRÉDITODÉBITOCRÉDITO ( aumento )(diminuição) ( aumento )

73 CONTABILIZAÇÃO DAS CONTAS DO BALANÇO PATRIMONIAL. Aumento do Ativo Debita-se. Diminuição do Ativo Credita-se. Aumento do Passivo Debita-se. Diminuição do Passivo e PL Debita-se Para todo o valor de débito equivale igual a valor de crédito, e vice – versa. Saldo das Contas Bancos Conta Corrente Débito Crédito

74 CONTABILIZAÇÃO DAS CONTAS DE RESULTADO As contas de Resultados são utilizadas para apuração do Resultado ( Lucro ou Prejuízo) do Exercício. Receitas aumentam o patrimônio Líquido Despesas diminuem o Patrimônio Líquido CONTA DO PATRIMÔNIO LIQUIDO Conta de Despesa/Custo Débito Débito ( diminuição )Crédito ( aumento ) Conta de Receita Crédito

75 RESUMO GERAL DE CONTABILIZAÇÃO NATUREZA DAS CONTASDÉBITOCRÉDITO Contas de AtivoAumentoDiminuição Contas de Passivo e Patrimônio LíquidoDiminuiçãoAumento Contas de Resultado Despesa/Custo (aumenta)Receita ( aumenta)

76 EXERCÍCIO FIXAÇÃO CONTABILIZAÇÃO Início da atividade com Capital de R$ ,00, em Caixa CaixaCapital ,00 BALANÇO PATRIMONIAL AtivoPassivo + Patrimônio Líquido Caixa ,00Capital ,00

77 EXERCÍCIO FIXAÇÃO CONTABILIZAÇÃO Receita de prestação de serviços, de R$ ,00 no período, sendo R$ ,00 à vista. BALANÇO PATRIMONIAL AtivoPassivo + Patrimônio Líquido Caixa ,00 Duplicatas a Receber ,00 Capital ,00 Lucro ,00 Prestação Serviço Duplicatas ReceberCaixa , , , , , ,00 Total do Ativo ,00Total do Passivo ,00 DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO Prestação de Serviços ,00 ( Despesas / Custos 0,00 Lucro ,00

78 EXERCÍCIO FIXAÇÃO CONTABILIZAÇÃO Despesas com salários, à vista R$ ,00. Caixa Despesas de SaláriosDuplicatas Receber , , ,00 LucroCapital , ,00 AtivoPassivo e Patrimônio Líquido Caixa ,00 Duplicatas a Receber ,00 Total ,00 Capital ,00 Lucro ,00 Total ,00 BALANÇO PATRIMONIAL Demonstração do Resultado do Exercício Receita 0,00 (-) Despesas / Custo ,00 ( = ) Prejuízo ( ,00)

79 EXERCÍCIO FIXAÇÃO CONTABILIZAÇÃO Despes com material de consumo (todo ele foi consumido no período) R$ 4.000,00 a vista e R$ 3.000,00 a prazo. Caixa Despesas com materialDuplicatas Receber , , , ,00 LucroCapital ,00 AtivoPassivo e Patrimônio Líquido Caixa ,00 Duplicatas a Receber ,00 Total ,00 Capital ,00 Lucro ,00 Total ,00 BALANÇO PATRIMONIAL Demonstração do Resultado do Exercício Receita 0,00 (-) Despesas / Custo 7.000,00 ( = ) Prejuízo ( 7.000,00) ,00 Duplicatas Pagar 3.000,00

80 INVENTÁRIO Relação parcial ou total dos elementos patrimoniais INVENTÁRIO DOS ESTOQUES Objetivo : apurar o resultado econômico ( Lucro ou Prejuízo ) SISTEMAS Inventário Permanente Inventário Periódico

81 OPERAÇÕES COM MERCADORIAS R.C.M = Vendas – Custo Mercadoria Vendidas DRE= RCM + Outras Receitas - Despesas CMV = Estoque Inicial + Compras – Estoque Final

82 DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS Saldo Inicial: xxxx Refere-se ao saldo da conta Lucros Acumulados ( + ) Ajustes de Exercícios Anteriores Xxxx Valores não considerados no exercício anteriores ( = ) Saldo Ajustado Xxxx ( + ) Lucro do Exercício Xxxx Corresponde ao valor do lucro apurado no fechamento do exercício ( + ) Reversão de Reservas Xxxx Corresponde aos ajustes de reservas ( = ) Saldo a disposição Xxxx Saldo a ser distribuído ( - ) Distribuição Corresponde as distribuições de reservas e dividendos ( = ) Saldo no Final do período Xxxx Saldo final da conta Lucros ou Prejuízos Acumulado

83 ESTRUTURA DA DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS Saldo do início do período Xxxx ( + ) ou (- ) Ajustes de Exercícios Anteriores Xxxx ( = ) Saldo Ajustado Xxxx ( +) ou ( -) Lucro ou Prejuízo do exercício Xxxx ( - ) IRR Fonte s/ Lucro Líquido Xxxx ( + ) Reversão de Reservas Xxxx ( = ) Saldo a Disposição Xxxx DESTINAÇÃO DO EXERCÍCIO Reserva Legal Xxxx Reserva Estatutária Xxxx Reservas para Contingências Xxxx Outras Reservas Xxxx Dividendos Xxxx ( = ) Saldo no fim do exercício xxxx

84 CAPITALRESERVAS OPERAÇÕESA.REALIZARINTEGRALIZARLEGAL ESTATU- TARIALUCROS CONTIN- GENCIA LUCROS ACUM.TOTAL SALDO EM / /. Ajustes de Ex.Anterior Aumento de Capital Lucro Líquido do Exercício Reversão de Reservas Reserva Legal Reseva Estatutária Reserva de Lucros Reservas de Contigências Dividendos SALDO EM / /. DEMONSTRAÇÃO DAS MUTAÇÕES DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO

85 A Demonstração das mutações do Patrimônio Líquido é uma demonstração não obrigatória pela legislação societária, a empresa que elaborar tal demonstração está dispensada de efetuar a demonstração de Lucros ou Prejuízos Acumulados. As sociedades de capital aberto estão obrigadas por resolução da (CMV) Comissão de Valores Mobiliários a elaborar a Demonstração das Mutações do Patrimônio Líquido. O Objetivo principal da DMPL é mostrar as modificações no capital próprio (PL) da empresa ela difere DLPA ( Demonstração de Lucros ou Prejuízos Acumulados), pois esta ( DLPA) mostra apenas a alteração na conta lucros acumulados enquanto aquela (DMPL) demonstra as alterações em todo patrimônio liquido em um determinado período contábil. Observa-se que todo o aumento ou diminuição do PL é retrato nessa demonstração, pois ela é muito mais abrangente e rica em informações.


Carregar ppt "UNILINS CONTABILIDADE GERENCIAL PROF: ANTÔNIO RUIZ FILHO SEGUNDO SEMESTRE 2010."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google