A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

RELATO DE CASO MN, 33 anos, f, b, G2P1, hipertensa crônica, em uso de MTD 500 mg de 6/6 h, interna por aumento persistente da PA (160:110 mmHg) constatado.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "RELATO DE CASO MN, 33 anos, f, b, G2P1, hipertensa crônica, em uso de MTD 500 mg de 6/6 h, interna por aumento persistente da PA (160:110 mmHg) constatado."— Transcrição da apresentação:

1 RELATO DE CASO MN, 33 anos, f, b, G2P1, hipertensa crônica, em uso de MTD 500 mg de 6/6 h, interna por aumento persistente da PA (160:110 mmHg) constatado na 5ª consulta no pré-natal de alto risco, com IG de 27 semanas + 4 dias (por US de 13 semanas). Paciente é colocada em repouso em DLE e é realizada avaliação do bem-estar fetal com MAP que não demonstrou variabilidade, acelerações transitórias e desacelerações, sendo compatível com a prematuridade. Após 30minutos de repouso, obteve-se estabilização do nível tensional (143/92). Avaliação laboratorial solicitada evidenciou Ht 38,4%, Hb 13,4%, EQU com duas cruzes de proteína, uréia 16 mg/dL, creatinina 0,81 mg/dL, ácido úrico 4,4 mg/dL e proteinúria 2,6g/24 h. Estabelecido diagnóstico de PE, foi adotada conduta conservadora, com registro dos sinais vitais maternos, MAP, PBF e controle da MF diariamente. Eco Doppler (Fig.1) realizado demonstrou FU,long, cef, IG 27+6, LA no limite inferior da normalidade, PFE 718g, PBF 8/8,RCIU tipo II, resistência elevada e incisura protodiastólica pronunciada em artérias uterinas bilateralmente, diástole zero em artéria umbilical e ducto venoso sem alterações. Após duas doses de Betametasona 12 mg IM e 4 dias de internação, inicia-se Nifedipina 20mg VO devido crise hipertensiva (180/120mmHg). MAP (Fig.2) realizado demonstrou FCF basal de 160 bpm com desacelerações variáveis de mau prognóstico - profundas, duradouras, com morfologia em W - com retorno à linha de base. Indicada cesárea por sofrimento fetal agudo após contato com UTI neonatal e aplicação de sulfato de magnésio EV e IM na gestante. Nasceu com peso de 695g, Índice de Apgar de 7 e 8 (primeiro e quinto minuto), Capurro (29+1). Atualmente, RN encontra-se na UTI neonatal com1200g (Fig.3). RELATO DE CASO MN, 33 anos, f, b, G2P1, hipertensa crônica, em uso de MTD 500 mg de 6/6 h, interna por aumento persistente da PA (160:110 mmHg) constatado na 5ª consulta no pré-natal de alto risco, com IG de 27 semanas + 4 dias (por US de 13 semanas). Paciente é colocada em repouso em DLE e é realizada avaliação do bem-estar fetal com MAP que não demonstrou variabilidade, acelerações transitórias e desacelerações, sendo compatível com a prematuridade. Após 30minutos de repouso, obteve-se estabilização do nível tensional (143/92). Avaliação laboratorial solicitada evidenciou Ht 38,4%, Hb 13,4%, EQU com duas cruzes de proteína, uréia 16 mg/dL, creatinina 0,81 mg/dL, ácido úrico 4,4 mg/dL e proteinúria 2,6g/24 h. Estabelecido diagnóstico de PE, foi adotada conduta conservadora, com registro dos sinais vitais maternos, MAP, PBF e controle da MF diariamente. Eco Doppler (Fig.1) realizado demonstrou FU,long, cef, IG 27+6, LA no limite inferior da normalidade, PFE 718g, PBF 8/8,RCIU tipo II, resistência elevada e incisura protodiastólica pronunciada em artérias uterinas bilateralmente, diástole zero em artéria umbilical e ducto venoso sem alterações. Após duas doses de Betametasona 12 mg IM e 4 dias de internação, inicia-se Nifedipina 20mg VO devido crise hipertensiva (180/120mmHg). MAP (Fig.2) realizado demonstrou FCF basal de 160 bpm com desacelerações variáveis de mau prognóstico - profundas, duradouras, com morfologia em W - com retorno à linha de base. Indicada cesárea por sofrimento fetal agudo após contato com UTI neonatal e aplicação de sulfato de magnésio EV e IM na gestante. Nasceu com peso de 695g, Índice de Apgar de 7 e 8 (primeiro e quinto minuto), Capurro (29+1). Atualmente, RN encontra-se na UTI neonatal com1200g (Fig.3). MATERIAIS E MÉTODO Revisão de prontuário médico e análise de artigos de interesse. MATERIAIS E MÉTODO Revisão de prontuário médico e análise de artigos de interesse. AVALIAÇÃO DO BEM-ESTAR FETAL EM FETO COM PREMATURIDADE EXTREMA Luiza Müller Caye; Bibiana Prado Dutra; André Campos da Cunha OBJETIVOS Descrever a estratégia utilizada na avaliação do bem estar fetal de um feto com prematuridade extrema e a sua relação com o momento da tomada de conduta de interrupção da gestação. OBJETIVOS Descrever a estratégia utilizada na avaliação do bem estar fetal de um feto com prematuridade extrema e a sua relação com o momento da tomada de conduta de interrupção da gestação. Bibliografia: 1.Miyadahira S, Francisco RPV, Zugaib M. Como utilizar a dopplervelocimetria para o rastreamento do bem-estar fetal no período anteparto? Rev Assoc Med Bras 2005; 51(3): Valcamonico A, et al. Absent or reverse end-diastolic flow in the umbilical artery: intellectual development at school age. Eur. J. Obstet. Gynecol. Reprod. Biol., v.114, p , Valcamonico A, et al. Absent end-diastolic velocity in umbilical artery: risk of neonatal morbidity and brain damage. Am. J. Obstet. Gynecol., v.170, p , Muller T, Nanan R, Rehn M, Kristen P, Dietl J. Arterial and ductus venosus Doppler in fetuses with absent or reverse end-diastolic flow in the umbilical artery: correlation with short-term perinatal outcome.Acta Obstet Gynecol Scand Sep;81(9): Gonçalves, L. et al. Dopplerfluxometria em obstetrician. Fêmina, v.23, n.7, p , Francisco RPV, Nomura RM, Miyadahira S, Zugaib M. Diástole zero ou Reversa na dopplervelocimetria das artérias umbilicais. Rev Assoc Med Bras 2001; 47:30-6. Bibliografia: 1.Miyadahira S, Francisco RPV, Zugaib M. Como utilizar a dopplervelocimetria para o rastreamento do bem-estar fetal no período anteparto? Rev Assoc Med Bras 2005; 51(3): Valcamonico A, et al. Absent or reverse end-diastolic flow in the umbilical artery: intellectual development at school age. Eur. J. Obstet. Gynecol. Reprod. Biol., v.114, p , Valcamonico A, et al. Absent end-diastolic velocity in umbilical artery: risk of neonatal morbidity and brain damage. Am. J. Obstet. Gynecol., v.170, p , Muller T, Nanan R, Rehn M, Kristen P, Dietl J. Arterial and ductus venosus Doppler in fetuses with absent or reverse end-diastolic flow in the umbilical artery: correlation with short-term perinatal outcome.Acta Obstet Gynecol Scand Sep;81(9): Gonçalves, L. et al. Dopplerfluxometria em obstetrician. Fêmina, v.23, n.7, p , Francisco RPV, Nomura RM, Miyadahira S, Zugaib M. Diástole zero ou Reversa na dopplervelocimetria das artérias umbilicais. Rev Assoc Med Bras 2001; 47:30-6. DISCUSSÃO Em gestações de alto risco, nas quais os resultados adversos do nascimento geralmente advêm da insuficiência placentária, a avaliação eletrônica da freqüência cardíaca fetal é largamente utilizada como teste de rastreamento do bem-estar fetal. Como a cardiotocografia apresenta altas taxas de resultados falso-positivos e baixa sensibilidade, outros métodos devem ser associados, quando disponíveis, para o screening da falência placentária. Nesse sentido, a dopplervelocimetria apresenta-se, nos dias atuais, como a melhor ferramenta1. A avaliação hemodinâmica da circulação placentária nos compartimentos materno (artérias uterinas) e fetal (artérias umbilicais) constitui exame relevante nos cuidados pré-natais. Diante de resultados alterados, tanto nas artérias uterinas (de 18 a 26 semanas de gestação) quanto nas umbilicais (a partir de 24 semanas de gestação), cuidados pré-natais mais diferenciados devem ser adotados em função dos riscos adicionais para a ocorrência de RCF e sofrimento fetal1. A ausência de fluxo na diástole ou diástole zero (DZ) – vista na artéria umbilical - denota importante grau de insuficiência placentária e se relaciona com altas taxas de mortalidade fetal e neonatal e risco de déficit neurológico pós-natal2, 3,4. Esta alteração dopplervelocimétrica pode ser vista semanas antes do feto apresentar sinais de sofrimento, podendo preceder em dias as alterações no MAP5, 6. Portanto, o diagnóstico de DZ não coincide necessariamente com o momento em que se deve interromper a gestação6. Em gestações em que se verifica diástole zero, a determinação do fluxo no ducto venoso é um importante parâmetro adicional para predizer o desfecho fetal e o momento do nascimento1, 4. Atualmente, a posição obstétrica mais difundida consiste na vigilância intensiva (avaliação do bem-estar fetal) dos casos com DZ com o objetivo de evitar mortes intra-uterinas e de diminuir a morbidade e mortalidade neonatais6. A associação de fatores como o quadro clínico materno, a RCIU tipo II, a DZ na artéria umbilical e as desacelerações variáveis de mau prognóstico na cardiotocografia- ainda que sob prematuridade extrema-, foi determinante para definir o momento da interrupção da gestação. Esta abordagem clínica possibilita o acompanhamento destas gestações e a conseqüente diminuição da prematuridade iatrogênica 6. DISCUSSÃO Em gestações de alto risco, nas quais os resultados adversos do nascimento geralmente advêm da insuficiência placentária, a avaliação eletrônica da freqüência cardíaca fetal é largamente utilizada como teste de rastreamento do bem-estar fetal. Como a cardiotocografia apresenta altas taxas de resultados falso-positivos e baixa sensibilidade, outros métodos devem ser associados, quando disponíveis, para o screening da falência placentária. Nesse sentido, a dopplervelocimetria apresenta-se, nos dias atuais, como a melhor ferramenta1. A avaliação hemodinâmica da circulação placentária nos compartimentos materno (artérias uterinas) e fetal (artérias umbilicais) constitui exame relevante nos cuidados pré-natais. Diante de resultados alterados, tanto nas artérias uterinas (de 18 a 26 semanas de gestação) quanto nas umbilicais (a partir de 24 semanas de gestação), cuidados pré-natais mais diferenciados devem ser adotados em função dos riscos adicionais para a ocorrência de RCF e sofrimento fetal1. A ausência de fluxo na diástole ou diástole zero (DZ) – vista na artéria umbilical - denota importante grau de insuficiência placentária e se relaciona com altas taxas de mortalidade fetal e neonatal e risco de déficit neurológico pós-natal2, 3,4. Esta alteração dopplervelocimétrica pode ser vista semanas antes do feto apresentar sinais de sofrimento, podendo preceder em dias as alterações no MAP5, 6. Portanto, o diagnóstico de DZ não coincide necessariamente com o momento em que se deve interromper a gestação6. Em gestações em que se verifica diástole zero, a determinação do fluxo no ducto venoso é um importante parâmetro adicional para predizer o desfecho fetal e o momento do nascimento1, 4. Atualmente, a posição obstétrica mais difundida consiste na vigilância intensiva (avaliação do bem-estar fetal) dos casos com DZ com o objetivo de evitar mortes intra-uterinas e de diminuir a morbidade e mortalidade neonatais6. A associação de fatores como o quadro clínico materno, a RCIU tipo II, a DZ na artéria umbilical e as desacelerações variáveis de mau prognóstico na cardiotocografia- ainda que sob prematuridade extrema-, foi determinante para definir o momento da interrupção da gestação. Esta abordagem clínica possibilita o acompanhamento destas gestações e a conseqüente diminuição da prematuridade iatrogênica 6. Fig.1 Fig. 2 Fig.3 Prefeitura Municipal de Porto Alegre Hospital Materno Infantil Presidente Vargas Prefeitura Municipal de Porto Alegre Hospital Materno Infantil Presidente Vargas DUCTO VENOSO


Carregar ppt "RELATO DE CASO MN, 33 anos, f, b, G2P1, hipertensa crônica, em uso de MTD 500 mg de 6/6 h, interna por aumento persistente da PA (160:110 mmHg) constatado."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google