A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Embriologia Profs.: Frederico Guilherme de A. Andrade Rodrigo Monjardim.

Cópias: 1
Embriologia. Gametogênese EspermatogêneseOvogêneseGametogênese.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Embriologia Profs.: Frederico Guilherme de A. Andrade Rodrigo Monjardim."— Transcrição da apresentação:

1 Embriologia Profs.: Frederico Guilherme de A. Andrade Rodrigo Monjardim

2 Gametogênese EspermatogêneseOvogêneseGametogênese

3 Espermatogênese Fase de Multiplicação ou Germinativa – Ciclo de mitoses que dura a vida toda. Espermatogônia de 1ª ordem Espermatogônia de 2ª ordem Espermatogônia de 3ª ordem. Esses 3 tipos de células são diplóides (2n).

4 Fase de Crescimento – À partir da puberdade sob estímulo hormonal. Muitas Espermatogônias interrompem o ciclo de reproduções e passam a crescer. Com isso tornam-se Espermatócitos de 1ª ordem ou Espermatócitos I. Os Espermatócitos I são ainda células 2n. Fase de Maturação Cada Espermatócito I passa por uma meiose (2 etapas). Na 1ª divisão meiótica (R!), cada Espermatócito I dá origem a 2 Espermatócitos II (n). Na 2ª divisão meiótica (E!), cada Espermatócito II gera 2 Espermátides.

5 Espermiogênese – Cada Espermátide sofre grandes transformações tornando-se um Espermatozóide com cabeça fusiforme, uma região intermediária e um longo flagelo. Parte do citoplasma é descartado. Núcleo ocupa praticamente toda a cabeça, à frente dele posiciona-se o acrossomo (oriundo do CG). Na peça intermediária localiza-se o que restou do citoplasma, mitocôndrias e os centríolos.

6

7 Espermiogênese

8 Ovogênese, Oogênese ou Ovulogênese Fase de Multiplicação ou Germinativa – Ciclo de mitoses que por volta da 15ª semana (3 meses e pouco) da vida fetal prepara-se para encerrar. Existem Ovogônias de diversas ordens. Essas células são diplóides (2n). Fase de Crescimento – Ocorre até o 7º mês do desenvolvimento fetal. Ovogônias de última ordem sofrem um grande aumento volumétrico, transformando-se em Ovócitos I. Os Ovócitos I são ainda células 2n.

9 Fase de Maturação – À partir do 7º mês de gestação. Todos os Ovócitos I iniciam uma meiose, entretanto, após realizarem 4 das 5 subfases da Prófase I, antes que ocorra a diacinese, o processo se interrompe até a adolescência. A interrupção da meiose chama-se Dictióteno. Com a puberdade, sob estímulo hormonal, um único Ovócito I, a cada mês, completará a meiose. Ao terminar a 1ª divisão meiótica, o Ovócito I dá origem a duas células haplóides de diferentes tamanhos. Uma maior, o Ovócito II e, uma menor, o 1º Glóbulo Polar que é inviável. O Ovócito II realiza a 2ª divisão meiótica, formando novamente duas células diferentes. Uma menor, o 2º Glóbulo Polar e, uma maior, o Óvulo. Lembrando que: a 2ª divisão meiótica só ocorre se houver fecundação.

10

11

12 Fertilização Fases: Passagem do sptz através da corona radiata Penetração da Zona Pelúcida Reação Zonal Anfimixia Fusão do pró-núcleo masculino com o feminino

13

14

15 Gemelaridade

16 ~ 30% dos casos ~ 70% dos casos

17 Embriologia: ciência que estuda o desenvolvimento dos animais desde a fecundação até a formação do embrião.

18 Tipos de Ovos e Segmentações Classificação de acordo com a distribuição e quantidade de vitelo Oligolécito Mamíferos e Equinodermos Heterolécito Anfíbios, Moluscos e Anelídeos Megalécito Aves, Répteis, Peixes e Mamíferos Ovíparos Centrolécito Artrópodes

19 Holoblástica ou Total Meroblástica ou Parcial

20 Tipos de ovos

21 Fases do Desenvolvimento Mórula Blástula Gástrula Nêurula

22 Tipos de ovos

23 Tipos segmentação:

24 Tipos de segmentação: holoblástica igual. Ovos oligolécitos ou isolécito sem diferenciação polar. Equinodermos e mamíferos.

25

26 Tipos de segmentação: holoblástica desigual. Ovo oligolécito ou isolécito com diferenciação polar. Anfioxo.

27

28 Tipos de segmentação: holoblástica desigual. Ovo heterolécito ou medialécito ou teloléci to incompleto. Anfíbios, anlídeos e moluscos.

29 Tipos de segmentação: meroblástica discoidal. Ovo megalécito ou telolécito completo. Aves, répteis, mamíferos monotremados e cefalópodes.

30

31 Tipos de segmentação: Meroblástica superficial. Ovos centrolécitos. Artrópodes.

32

33 Clivagem ou segmentação Série de divisões mitóticas a partir da fertilização Forma os blastômeros

34

35 Desenvolvimento do anfioxo

36

37

38

39 Neurulação

40 Classificação em função da embriologia :

41

42 Diblásticos: Cnidários

43 Triblásticos acelomados: Platelmintos

44 Triblásticos pseudocelomados: nematelmintos

45 Triblásticos celomados: de anelídeos a cordados.

46

47 Esquizocelia - Bloco de mesoderma cresce separadamente em cada lado da gástrula. Animais protostômios. O blastóporo forma a boca antes do ânus.

48 Enterocelia - Envaginação da mesoderme. Animais deuterostômios. O blastóporo forma o ânus antes da boca

49

50 Anexos Embrionários Sem anexos completos: anaminiotas ou analantoidianos: Peixes e anfíbios. Com todos os anexos: aminiotas ou alantoidianos: Répteis, aves e mamíferos.

51 Anexos Embrionários do ovo: permeável a gases (O 2 e CO 2 ) e impermeável à água.

52 Saco vitelínico: armazenar nutrientes. Âmnio (líquido amniótico): evitar ressecamento do embrião e protegê-lo de choques mecânicos Alantóide: armazenar excretas (ácido úrico) e auxiliar nas trocas gasosas. Córion: se une ao alantóide formando o alantocórion: fornece proteção e realiza trocas gasosas. Nos mamíferos, o córion se une ao alantóide formando a placenta. Âmnio e Córion são ectodérmicos e mesodermicos, Saco vitelínico e Alantóide são endodérmicos e mesodermicos)

53

54 Placenta: Ocorre apenas nos mamíferos e é formada pela união do córion e alantoide (vilosidades coriônicas), mais o endométrio materno. Permite a fixação do embrião na parede do útero. Realiza trocas gasosas entre o feto e o sangue materno e permite a passagem nutrientes para o embrião e promove a retirada de excretas. No início da formação produz o hCG (gonadotrofina coriônica humana), depois produz a progesterona durante toda a gravidez.

55 Formação da placenta: nidação ou implantação: No fim da primeira semana o Blastocisto se adere ao endométrio pela extremidade trofoblástica (futura placenta) produção de hCG.

56

57

58

59

60 Destino dos Folhetos Embrionários Ectoderme : Epiderme e fâneros; mucosas da boca, nariz e ânus; todo o tubo neural, logo encéfalo, medula espinhal, hipófise. Mesoderme: Serosas (Pleura, Pericárdio e Peritônio); derme; tecidos cartilaginosos, ósseos, musculares, sanguíneo. Endoderme: Tubo digestivo (exceto mucosa oral e anal), inclusive as glândulas anexas fígado e pâncreas, tireóide e paratireóides, todas as demais mucosas.

61 Anexos Embrionários Saco Vitelínico: Abriga o material nutritivo do embrião (Vitelo). Residual nos mamíferos Alantóide: Ausente em peixes e anfíbios. Realiza trocas gasosas, armazena excretas e absorve sais de cálcio da casca do ovo. Residual nos mamíferos. Âmnio e Cório: Ausente em peixes e anfíbios. Amortecer choques mecânicos e evitar a dessecação do embrião. Placenta : Presente somente nos mamíferos. Nutrição fetal, imunização fetal, função hormonal (HCG e progesterona).

62 Em Aves

63

64

65 PeixesAnfíbiosRépteisAves Mamíferos Saco Vitelínico (residual) Alantóide (residual) Âmnio Placenta ----+


Carregar ppt "Embriologia Profs.: Frederico Guilherme de A. Andrade Rodrigo Monjardim."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google