A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

ATIVIDADES DE AVENTURA INICIA Ç ÃO. Poucas coisas associam tão bem o ú til ao agrad á vel quanto as atividades de aventura. Praticar atividade f í sica.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "ATIVIDADES DE AVENTURA INICIA Ç ÃO. Poucas coisas associam tão bem o ú til ao agrad á vel quanto as atividades de aventura. Praticar atividade f í sica."— Transcrição da apresentação:

1 ATIVIDADES DE AVENTURA INICIA Ç ÃO

2

3 Poucas coisas associam tão bem o ú til ao agrad á vel quanto as atividades de aventura. Praticar atividade f í sica faz bem à sa ú de, ajuda a combater o estresse e deixa nosso corpo em forma. A aventura na natureza, então, é uma ben ç ão para o esp í rito! Esportes de Aventura a seu alcance – Ed. Bei

4 Mandamentos do praticante de Atividades de Aventura 1 – Não fa ç a barulho desnecess á rio. (Escute mais do que fale!) A simples presen ç a humana j á provoca algum impacto ambiental 2 – Traga de volta todo o lixo que produziu.

5 Mandamentos do praticante de Atividades de Aventura 3 – Use roupas de cores s ó brias. 4 – Evite caminhar em grupos grandes.

6 Mandamentos do praticante de Atividades de Aventura 5 – Não fa ç a fogueiras. Principais desculpas: Cozinhar Aquecer Iluminar Proteger Sinalizar Queimar lixo Aconchegar Caso seja necessário: Solo firme, sem vegetação Limpe a área antes (folhas, gravetos) Afaste de barracas, árvores, moitas Faça vigília constante Certifique-se da extinção total do fogo Água sobre cinzas e misture com terra.

7 Mandamentos do praticante de Atividades de Aventura 6 – Não persiga animais selvagens. 7 – Não interfira na rela ç ão entre os animais.

8 Mandamentos do praticante de Atividades de Aventura 8 – Não abra clareiras para acampamento. 9 – Nunca colete flores, pedras, conchas, etc. 10 – Não polua as fontes de á gua limpa.

9 Mandamentos do praticante de Atividades de Aventura 11 – Nunca se aventure sozinho. 12 – Se não conhece o local, procure um guia especializado. 13 – Em caso de emergência, sempre mantenha a calma. 14 – Deixe aviso sobre seu destino, rota e tempo estimado.

10 Mandamentos do praticante de Atividades de Aventura 16 – Teste sempre os equipamentos que vai levar, principalmente se forem novos. 17 – Previna-se contra doen ç as endêmicas. 15 – Procure saber sobre as condi ç ões clim á ticas, vegeta ç ão, relevo e particularidades do local onde vai praticar atividade.

11 Locais Públicos para a pr á tica das Atividades de Aventura

12 Parques Podem ser: Nacionais, Estaduais ou Municipais. Eleitos por beleza paisag í stica, importância ecol ó gica e potencial ecotur í stico. Falta de Infraestrutura impede a visita ç ão de alguns deles. Á reas de Prote ç ão Ambiental (A.P.A) Criadas para prote ç ão da natureza de desmatamentos, ca ç a, pesca abusiva e de empreendimentos de potencial poluidor. Pode englobar terras do estado e particulares. Seu uso e normas são definidos caso a caso. Reserva Particular do Patrimônio Natural (R.P.P.N.) Á rea particular que o dono resolveu preservar permanentemente. Não pode ser vendida, virando heran ç a de fam í lia. Liberado de impostos, o dono pode desenvolver atividades sustent á veis.

13 P.N. do Igua ç u P.N. da Tijuca P.N. da Serra da Bocaina P.N. do Cabo Orange

14 P.E. da Cantareira P.E. Tur í stico do Alto Ribeira P.E. do Pico do Jaragu á

15 A.P.A. CAPIVARI-MONOS Munic í pio de São Paulo-SP

16 RPPN S í tio Curucutu S.Paulo-SP RPPN S í tio Capuavinha Mairiporã-SP RPPN Carbocloro Cubatão-SP

17 Vou para outra cidade praticar uma atividade de Aventura..... E agora??? O que eu levo de roupa???

18 VESTIMENTAS APROPRIADAS A utiliza ç ão da roupa adequada é fundamental para o sucesso da aventura Processo das Camadas – Parte Superior do Corpo 1 ª Camada2 ª Camada Em contato com a pele. Deve absorver o suor levando-o para as camadas seguintes ou para fora do corpo. Algodão ou Dry-Fit. Deve proteger pesco ç o e punhos. Deve ser folgada e em climas quentes pode ser a ú ltima camada.

19 VESTIMENTAS APROPRIADAS Processo das Camadas – Parte Superior do Corpo 3 ª Camada 4 ª Camada Apenas em climas frios/temperados. Deve ser retirada no momento da pr á tica da atividade. Malha de lã ou Jaqueta felpuda. Deve isolar o corpo do vento e ser a prova d á gua. Em climas frios pode ser um casaco forrado e em climas quentes o importante é apenas a impermeabilidade.

20 VESTIMENTAS APROPRIADAS Parte Inferior do Corpo É sempre recomend á vel o uso de cal ç as, mesmo no calor. Proteger de picadas de inseto, espinhos de plantas, etc. Material leve: moletom, tactel, lycra., por é m sempre flex í vel para não impedir os movimentos. Nunca se deixe enganar pela temperatura: Ande protegido do sol, coberto dos p é s a cabe ç a com roupas claras, eliminando os malef í cios dos raios solares!

21

22 VESTIMENTAS APROPRIADAS Pés (Meias) 1 ª Camada 2 ª Camada 3 ª Camada

23 VESTIMENTAS APROPRIADAS Cal ç ados Tênis: Mais confort á veis al é m de secar mais r á pido. Bom para caminhadas longas. NUNCA parta para uma atividade de aventura antes de amaciar um cal ç ado novo! Tênis Aqu á ticos: Pr ó prios para atividades aqu á ticas. Usados sem meias e com material imperme á vel, tem solado aderente, por é m não serve para outras atividades, pois a prote ç ão é m í nima.

24 VESTIMENTAS APROPRIADAS Cal ç ados Botas de Tecido: Boas para caminhadas curtas em terrenos não muito dif í ceis. Protegem menos que as de couro, mas secam mais rapidamente. Botas de Couro: Boas na maioria das situa ç ões. Tem solas fortes com travas e corpo de couro resistente e imperme á vel. D á bom suporte aos tornozelos. Limpando sua bota: 1 – Remova cadar ç os e palmilhas e lave-os bem para tirar toda a lama. Fa ç a o mesmo com a bota. 2 – Deixe-os secar completamente, mas mantenha-os longe do calor direto. O calor pode danificar tecido e couro. 3 – Impermeabilize as botas friccionando o produto adequado com os dedos. Sempre guarde o cal ç ado em lugares frescos.

25 VESTIMENTAS APROPRIADAS Cal ç ados Botas de Selva: Sola de borracha e parte superior em tecido para secagem r á pida. Tem v á lvulas de escape para a á gua sair dos p é s. Botas de Deserto: Parte superior em camur ç a e sola grossa para isolar do calor. Demora muito para secar. Botas de Neve - Grampões:. Botas de neve têm muito isolamento. Mantém os pés rígidos quando se utilizam grampões. São desajeitadas para caminhar. Dentro do resistente revestimento plástico há botas térmicas independentes.

26 BOLHAS As piores inimigas dos andarilhos! Dicas: Na d ú vida sobre o tipo de cal ç ado,fique sempre com o mais confort á vel. Se for necess á rio estourar a bolha para continuar caminhando: 1.Limpe a á rea com antiss é ptico. 2.Esterilize uma agulha no fogo at é ficar em brasa. Deixe esfriar. 3.Fure a bolha na á rea vizinha a pele sã. 4.Pressione o local para sair o flu í do. 5.Proteja a á rea com um band-aid com cuidado para que a pele da bolha não se desloque durante o atrito Lesões mais frequentes na Aventura: 1- Bolhas / Assaduras 2- Entorse de Tornozelo 3 – Entorse de Joelho

27 Caso tenha que continuar a caminhada: Com alguma estrutura macia (pedaço de neoprene ou espuma do isolante térmico ou gaze), faça uma almofada com o centro vazado para centralizar o local da bolha. Fixe-a com esparadrapo e pronto! A bolha ou região machucada não sofrerá mais atrito ou pressão!

28 VESTIMENTAS APROPRIADAS Outros Acess ó rios Comuns

29 A MOCHILA Para ter a mobilidade necess á ria ao carregar todo equipamento de acampamento ou caminhada, uma boa mochila é fundamental! Por suportarem muito peso algumas mochilas tem uma arma ç ão met á lica no seu interior que permite distribuir uniformemente o peso nas costas do aventureiro. As mochilas mais comuns no mercado variam sua capacidade de carga entre 20 e 90 litros. Os modelos mais pr á ticos tem abertura não s ó por cima e sim nas laterais e na parte inferior

30 A MOCHILA A mochila não deve ficar mais larga que os ombros do aventureiro, nem mais alta que sua cabe ç a. A parte que vai em contato com as costas deve ter tecido fino e os cinturões para apoio extra na cintura (Barrigueira) e no peito devem ser presentes. Al é m da mochila cargueira, o aventureiro deve ter uma menor (mochila de ataque). Esta deve ser usada em pequenas atividades ou caminhadas, podendo deixar o grosso do equipamento no acampamento.

31 A MOCHILA Como arrum á -la... Zona A: Itens mais pesados (barraca, fogareiro, enlatados) Zona B: Tamb é m itens pesados como sacos de alimento, panelas, etc. Zona C: Itens mais leves como roupas, toalhas, kit de primeiros socorros, artigos de higiene pessoal. Zona D: Tudo que tem de ficar à mão (repelente, filtro solar, lanterna, mapa, b ú ssola, canivete, isqueiro, frutas, sacos de lixo). Com as fitas que ficam do lado de fora, amarre isolante, colchonete, saco de dormir e lona da barraca. Feche a mochila e verifique se est á pendendo para algum lado. Em caso afirmativo é necess á rio novo ajuste.

32 NUNCA leve em uma mochila mais do que 30% de seu peso!

33 O KIT DE SOBREVIVÊNCIA Em uma caixa ou lata imperme á vel, sempre tenha:

34 O KIT DE PRIMEIROS SOCORROS Tenha sempre uma sacolinha com:

35 O ACAMPAMENTO O que levar... Uma boa e conservada barraca Uma lona

36 O ACAMPAMENTO O que levar... Repelente Lampião E o m á ximo de á gua....

37 O ACAMPAMENTO O que levar... Fogareiro Lanternas

38 O ACAMPAMENTO O que levar... Isolante T é rmico Utens í lios de cozinha Comida!!!

39 O ACAMPAMENTO O que levar... Sacos ou Roupas de dormir

40 O ACAMPAMENTO Montando a barraca... Para um acampamento bem sucedido é necess á rio duas coisas: planejamento e equipamento! O aventureiro, antes de acampar deve: - Familiarizar-se com seu equipamento. - Montar e desmontar a barraca algumas vezes e sistematizar esse processo. - Cronometrar o tempo que se gasta para mont á -la. NUNCA espere anoitecer para montar a barraca. Isso deve ser feito at é 2 horas antes de anoitecer!

41 O ACAMPAMENTO Dicas Valiosas.... A barraca deve estar sempre perto de uma fonte de á gua para o abastecimento de á gua (lavar utens í lios, beber, tomar banho). Por é m suficientemente distante para impedir alagamentos. Evite o cotovelo de rios. Caso não seja poss í vel, acampe no lado de fora da curva, pois a á gua parada (lado de dentro da curva) é mais sujeita a visita de animais selvagens. O ideal é acampar em terrenos planos pr ó ximos a montes e montanhas. O solo mais elevado tende a ser mais seco e o local é mais protegido de ventos. Cuidado apenas para não ficar pr ó ximo a escoadouros de á gua.

42 O ACAMPAMENTO Dicas Valiosas.... Em per í odo chuvoso é necess á rio a escava ç ão de um pequeno canal em torno da barraca para que a á gua seja drenada e não inunde a barraca. Em locais de muito nevoeiro pode ser colocada uma linha guia at é a á gua e latrina. Recomenda-se sempre acampar perto de á rvores, por é m verifique se não estão secas ou podres. A exce ç ão é feita em é poca de tempestades el é tricas pois a á rvore pode atrair descargas el é tricas. Regra do 3 da Sobrevivência: 3 minutos sem ar 3 horas sem abrigo em clima extremo 3 dias sem água 3 semanas sem comida

43 O ACAMPAMENTO Dicas Valiosas.... O local da latrina deve ser distante da barraca e da fonte de á gua. Se poss í vel em menor eleva ç ão do que a barraca e em dire ç ão contr á ria do vento por motivos ó bvios. Recomenda-se cavar buracos de 20 cms e cobri-los posteriormente. Observar o sentido do vento e posicionar a porta da barraca no sentido oposto a ele. Em caso de ventos fortes, prender as cordas em pedras grandes. No caso NECESS Á RIO fazer uma fogueira, coloque-a pr ó xima da barraca (para espantar insetos) e de forma que a fuma ç a não entre na barraca pela a ç ão do vento.

44 Á GUA É VITAL... A hidratação deve ser feita antes, durante e depois da atividade. Água potável, isotônicos e água de coco são as mais recomendadas. Para tratar a á gua: Ferver: Método mais confiável. Destrói todos microorganismos, porém não é prático. Dicloro: Destrói quase todos microorganismos. É vendido em pastilhas. Iodo: Em tabletes ou líquido, é barato e destrói bactérias, vírus e a maioria dos protozoários. Tem contra indicações, e não deve se usar por mais de uma semana. Filtros: Eficaz contra bactérias e protozoários, mas não contra vírus. Combinado com o iodo é perfeito na eliminação de microorganismos.

45 Á GUA É VITAL... Para transportar a á gua: O corpo humano necessita de 4 a 5 litros de água por dia. Durante as atividades de aventura, recomenda-se beber 100 ml de líquido a cada 20 minutos. Cantil: Custo baixo e capacidade térmica boa. É o mais clássico meio de transporte de água. Squeeze ou Caramanhola: Leves, resistentes e com bocal de fácil acesso. Tem em vários tamanhos e capacidades térmicas. Hidropacks: Mais moderno e mais caro. A água fica em um bolso interno que vai preso as costas do aventureiro como uma mochila. A ponta do canudo vai presa a gola da camisa e para beber, basta morder sua ponta.

46 ...E COMIDA TAMB É M! Carboidratos: Respons á vel pela reserva energ é tica. F á cil digestão é absorvido em at é 3 horas. Prote í na: Regenera e forma tecidos musculares. Retarda a fadiga. Gordura: Principal combust í vel de atividades de longa dura ç ão.

47 LOCALIZADORES Cartas Topogr á ficas Mapas B ú ssola GPS

48

49

50 LOCALIZADORES


Carregar ppt "ATIVIDADES DE AVENTURA INICIA Ç ÃO. Poucas coisas associam tão bem o ú til ao agrad á vel quanto as atividades de aventura. Praticar atividade f í sica."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google