A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

TECNOLOGIAS E FERRAMENTAS PARA GARANTIR A SEGURANÇA.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "TECNOLOGIAS E FERRAMENTAS PARA GARANTIR A SEGURANÇA."— Transcrição da apresentação:

1 TECNOLOGIAS E FERRAMENTAS PARA GARANTIR A SEGURANÇA

2 1. PESQUISA- EXPLICAÇÃO DO FUNCIONAMENTO Como vivemos na era da informática na qual trabalhamos, fazemos compras, fazemos transações bancáriais, e estudamos por meio de um computador, precisamos garantir a segurança e a privacidade das transações realizadas por pessoas e empresas dentro do ambiente virtual. Por isso precisa-se de uma certificação digital que é uma carteira de identidade virtual que permite a identificação segura do autor de uma transação efetuada em serviços oferecidos por orgãos púbicos e privados, que possibilita mesmo sem a presença física do cidadão, a assinatura de contratos. o fechamento de transações comerciais, além do acesso a informações sensíveis

3 1. PESQUISA- EXPLICAÇÃO DO FUNCIONAMENTO A ICP- Brasil ou Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira, foi instituída pela Medida Provisória , de 24 de agosto de 2001 que criou o Comitê Gestor da ICP Brasil, a Autoridade Certificadora Raiz Brasileira e define as demais entidades que compõem sua estrutura. A partir dessa MP, foram elaborados os regulamentos que regem as atividades das entidades integrantes da Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira: Resoluções do comite gestor da ICP-Brasil, as Instruções Normativas e outros documentos.

4 1. PESQUISA- EXPLICAÇÃO DO FUNCIONAMENTO O modelo de Infraestrutura adotado pela ICP-Brasil foi o de Certificado com Raiz única. O Instituto Nacional de Tecnologia da Informação ITI, autarquia federal ligada à Casa Civil da Presidência da República está na ponta deste processo como Autoridade Certificadora Raiz. Cabe ao Instituto credenciar os demais participantes da cadeia, supervisionar e fazer auditoria dos processos.

5 2.VALOR DA ASSINATURA A infra- estrtura de Chave Pública se baseia num par de chaves, sendo uma pública e outra privada, que são geradas em um mesmo momento, são dependentes porem ineduzíveis matematicamente uma da outra. O remetente assina com a chave privada, gerando o não repúdio ou irretratabilidade e o destinatário confere com a chave pública, gerando a integridade e autenticidade que é o objetivo da assinatura digital. Os atores interessados são cidadãos, profissionais liberais, empresas, orgãos públicos e privados, que podem acessar documentos e operar transações eletrônicas.

6 3. APLICAÇÕES Um caso de sucesso é a adoção da Nota Fiscal Eletrônica que vêm substituindo as notas anteriormente emitidas em papel. É parte de uma iniciativa mais abrangente que tem por objetivo tornar eletrônico tanto a escrituração fiscal, como a escrituração contábil. A NFE é um primeiro passo neste sentido e otimiza os processos que envolvem as empresas, a Secretaria da Fazenda a a Receita Federal. Pode-se também citar os acessos aos serviços e informações da Receita Federal disponibilizados para pessoas f;isicas e jurídicas, uma aplicação muito conhecida da certificação digital. O contribuinte se beneficia devido ter acesso a uma quantidade maior de serviços por formas eletrônicas de interação, sem a necessidade presencial em uma das unidades da RFB. Por outro lado, a RFB se beneficia da Certificação digital devido ao aumento de serviços prestados por canais de interação eletrônica, que diminui a pressão nas unidades permitindo a melhoria da qualidade do atendimento.

7 3. APLICAÇÕES Outra aplicação é no Poder Judiciário que está ganhando agilidade ao reduzir custos ao desmaterializar a sua rotina com o uso da certificação digital. Os processos virtuais já são uma realidade tanto nos tribunais federais como nos regionais. Os benefícios são vários e estão ligados principalmente à celeridade e à eficiência na sua tramitação A certificação digital é também a última etapa do projeto TIS (Tecnologia da Informação na Saúde) da Agência Nacional de Saúde, vindo para garantir a relação e a confidencialidade das informações que são geradas dentro dos hospitais, dos laboratórios e dos médicos que são enviadas para as operadoras de serviço. O obetivo maior do TIS é fazer com que essas relações e o sigilo principalmente com o diagnóstico sejam mantidas.

8 3. APLICAÇÕES Também ba Gestão Publica a Certificação Digital é aplicada em diversas cidades.como na de Colatina –ES, que tem hohe diversos processos governamentais internos realizados eletronicamente, gerando uma GP transparente e moderna. As micro e pequenas empresas podem por meio da Certificação Digital comprovar sua identidade no meio virtual realizando operações comerciais e financeiras com validade jurídica, segurança e agilidade entre outros benefícios, sendo uitizads por mais de um milhão de empresas.

9 4. DDA

10 DDA é um sistema que permite o recebimento em meio eletrônico de boletos de cobrança, atualemente emitidos em papel. Foi lançado em 19/10/2009. Os objetivos são proporcionar: - Confidencialidade: eliminação do manuseio do boleto por intervenientes externos, além dos bancos; - Controle: possibilidade de se visualisar no banco em que se cadastrar como sacado eletrônico, todos os boletos da carteira de cobrança registrada em que figure como sacador/pagador, independentemente da instituição financeira emissora da cobrança;

11 4. DDA - Praticidade: eliminação da necessidade da digitação dos dados da cobrança; - Agilidade: chegada da cobrança para o sacado eletrônico em um dia útil (hoje são até seis dias úteis após o registro). Quanto a segurança, há a eliminação da possibilidade de perda ou extravio de documentos, eliminando fraudes, além de só o sacado ter acesso ao boleto, evitando alterações.


Carregar ppt "TECNOLOGIAS E FERRAMENTAS PARA GARANTIR A SEGURANÇA."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google