A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

OBJETOS LITÚRGICOS. Água - É água natural. Serve para purificar as mão do sacerdote durante a cerimônia do lavabo e ser misturada no vinho, na preparação.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "OBJETOS LITÚRGICOS. Água - É água natural. Serve para purificar as mão do sacerdote durante a cerimônia do lavabo e ser misturada no vinho, na preparação."— Transcrição da apresentação:

1 OBJETOS LITÚRGICOS

2 Água - É água natural. Serve para purificar as mão do sacerdote durante a cerimônia do lavabo e ser misturada no vinho, na preparação das oferendas, para simbolizar a humanidade que se une à divindade de Cristo (vinho). Também é usada na purificação do cálice e das âmbulas após a comunhão. A água simboliza a vida (remete-nos, sobretudo, ao nosso batismo, no qual renascemos para uma vida nova). Contudo, também pode simbolizar a morte (enquanto por ela morremos para o pecado). ÁGUA

3 Alfaias: É a expressão utilizada para referenciar todos os aparatos utilizados nas ações litúrgicas. Normalmente se utiliza a expressão paramentos litúrgicos. As formas e materiais destas peças estão suficientemente definidas pelo direito litúrgico e compete aos bispos velar por que sejam respeitadas, quer na sua execução quer na sua conservação e lim­peza. A Encíclica Sacrosanctum Concilium assim descreve a importância da dignidade dos objetos utilizados na liturgia: A Igreja preocupou-se com muita solicitude em que as Alfaias Sagradas contribuíssem para a dignidade e beleza do culto. Dessa forma não cumpre o papel a que se propõem, objetos que não exaltem essa dignidade, tais como: cálices comuns ou patenas improvisadas. ÁLFAIAS SAGRADA

4 Altar: É a mesa do banquete eucarístico; é a peça mais importante do edifício cristão. Deve ser de material sólido e fixo. Ele representa o próprio Jesus na Liturgia. O altar é o próprio cordeiro crucificado. A toalha do altar deve reduzir-se ao tamanho da mesa (parte superior) ou cair dos lados para não decepar o altar e, assim ignorarmos o símbolo mais importante do edifício cristão. Em princípio, nas igrejas novas deve haver um só altar, fixo e afastado da parede. O altar voltado para o povo torna mais comunitária a celebração e facilita a participação da assembléia. Nas antigas igrejas, com altar encostado à parede, pode adotar-se a solução de um segundo altar, desde que não desdiga da arquitetura do lugar de culto. Esta solução pode implicar a colocação do sacrário fora do altar numa capela lateral, o que poderá favorecer a intimidade da visita ao SS. Sacramento. ALTAR

5 Ambão: Também conhecida como mesa da Palavra, é o local de onde é proclamada a Palavra de Deus. Simboliza o sepulcro vazio de Cristo, de onde parte a Boa nova da Ressurreição. A dignidade da palavra de Deus requer que haja na igreja um lugar adequado para a sua proclamação e para o qual, durante a liturgia da palavra, convirja espontaneamente a atenção dos fiéis. Do ambão são proferidas unicamente as leituras, o salmo responsorial e o precônio pascal. Podem também fazer-se do ambão a homilia e proporem-se as intenções da oração universal ou oração dos fiéis. A dignidade do ambão exige que só o ministro da palavra suba até ele. Convém que um novo ambão, antes de ser destinado ao uso litúrgico, seja benzido segundo o rito que vem no Ritual Romano[116]. AMBÃO

6 ÂMBULA, PÍXIDE OU CIBÓRIO Âmbula: Vasos usados para guardar os Santos Óleos (Catecúmenos, enfermos e o Santo Crisma) Píxide ou Cibório: Vaso sagrado semelhante ao cálice. Possui copa mais larga e tampa. Porta o santíssimo corpo de Nosso Senhor para a comunhão dos fiéis. Quando tampada, exceto se conter apenas partículas que ainda não foram consagradas, leva sobre si o véu o cibório.

7 ASPERSÓRIO OU HISSOPO Aspersório (Latim: aspergillum; aspergere – aspergir) é um pequeno objeto onde se coloca água benta para o sacerdote aspergir o povo, lugares e objetos a serem abençoados. Alguns ainda podem ser usados com uma caldeirinha onde se deposita a água.

8 BATISTÉRIO OU PIA BATISMAL Batistério: O mesmo que pia batismal. É onde acontecem os batizados.

9 BANDEJA DE COMUNHÃO Bandeja de Comunhão: Pequeno prato, geralmente munido de aste, usado durante a comunhão sob o queixo daquele que comunga para evitar que se perca alguma partícula das sagradas espécies.

10 BOLSA DO CORPORAL OU BURÇA Bolsa do Corporal / Burça: Formada por duas partes rígidas encapadas e unida por tecido, é utilizada para guardar o corporal e colocada sobre o véu do cálice. Sua cor acompanha o tempo litúrgico.

11 CÁLICE Cálice: O cálice com a patena são os vasos sagrados mais importantes pois nos remetem ao mandatum novum (nova aliança) do Senhor. Tem suas raízes na páscoa judaica. Esses objetos são consagrados pelo bispo com o santo óleo do Crisma, como o altar, e devem ser tocados com respeito. O cálice já foi de vidro, madeira, cerâmica, marfim, pedra esculpida com duas ou sem alças. Já foi bem grande e com muitos enfeites inúteis como no período barroco. Hoje novamente pequeno e sóbrio como os primeiros (de 0,18 a 20cm de altura) deve ser de metal dourado (ao menos o interior da copa e em três partes: a copa, o nó central para segurá-lo e o pé para sustentá-lo).

12 CAMPAINHA OU CARRILHÃO Campainha ou Carrilhão: Conjunto de sinos, geralmente pequenos e unidos que tocam juntos. Geralmente é usado como campainha durante a consagração.

13 CINZAS Cinzas: As cinzas que os cristãos católicos recebem neste dia são um símbolo para a reflexão sobre o dever da conversão, da mudança de vida, recordando a passageira, transitória, efêmera fragilidade da vida humana, sujeita à morte.

14 CÍRIO PASCAL Círio Pascal: Uma vela grande onde se pode ler ALFA e ÔMEGA (Cristo: começo e fim) e o ano em curso. Tem grãos de incenso que representam as cinco chagas de Cristo. Usado na Vigília Pascal, durante o Tempo Pascal, e durante o ano nos batismos. Simboliza o Cristo, luz do mundo. O círio porta os seguintes símbolos: –O alfa (Α), ou a letra A (Cristo é princípio). –O ómega (Ω), ou a letra Z (Cristo é o fim). –O ano em curso (A Ele o tempo e a eternidade). –A cruz (símbolo da redenção). –O (Chi) Χ e o (Rho) ρ (letras gregas) que são o anagrama de Cristo (Χριστός);

15 CONOPEU Conopeu: Cortina colocada na frente do sacrário.

16 COROA DO ADVENTO OU GUIRLANDA Coroa de Advento: Desde a sua origem a Coroa de Advento possui um sentido especificamente religioso e cristão: anunciar a chegada do Natal, sobretudo às crianças, preparar-se para a celebração do Santo Natal, suscitar a oração em comum, mostrar que Jesus Cristo é a verdadeira luz, o Deus da Vida que nasce para a vida do mundo. O lugar mais natural para o seu uso é família. A coroa de advento é feita com ramos verdes, geralmente envolvida por uma fita vermelha e nela 4 velas são afixadas. Ela simboliza a preparação das pessoas para receber o Natal. O círculo da coroa: simboliza a nova aliança de Deus com a humanidade. Os ramos verdes, da coroa do advento significam a esperança, essa mesma esperança que leva a perseverança, uma entrega total da vida a Deus. A fita vermelha: está ligada à cor do fogo e do sangue. Simboliza a cor da vida, do amor e ao mesmo tempo do derramamento do sangue, sacrifício. As 4 velas: uma vela para cada domingo que antecede ao dia 25 de dezembro. As velas da coroa são acesas (a cada domingo mais uma), para iluminar a vigília do Advento, a preparação para vinda da Luz do Mundo, Jesus Cristo.

17 CORPORAL Corporal: Pano sagrado de tamanho retangular. O sacerdote desdobra no centro do altar no começo do santo sacrifício da missa para nele descansarem o cálice com o preciosíssimo Sangue, e a patena com o sacratíssimo Corpo de nosso Senhor Jesus Cristo e a âmbula para a consagração, com a finalidade de proteger as Sagradas espécies se por ventura vierem a cair.

18 CREDÊNCIA Credência: Mesinha de apoio ao lado do altar, utilizada para colocar os paramentos que serão utilizados.

19 CRUCIFIXO Crucifixo: Fica sobre o altar ou acima dele, lembra que a Ceia do Senhor é inseparável do seu Sacrifício Redentor. O Crucifixo é a de dupla travessa, também chamada de Cruz Episcopal ou Patriarcal, que nesta cruz na travessa superior mais curta, tem uma tabuleta que foi pregado com a inscrição INRI, que significa Iesus Nazarenus Rex Iudaeorum (Jesus de Nazaré, Rei dos Judeus), e referido na história do Cristianismo.

20 EVANGELIÁRIO Evangeliário, é o livro católico, usado na santa missa, durante a liturgia da palavra. O livro, contém os evangelhos para os domingos e festas do Ano Litúrgico, ou seja, contém trechos do evangelhos de Mateus, Marcos, Lucas e João. Sua entrada no começo da Missa, é bem solene, geralmente é trazido por um Diácono. Antes da proclamação do Evangelho, é mantido sobre o Altar. Também é conhecido como Livro dos Evangelhos.

21 FOGO Fogo: O fogo ora queima, ora aquece, ora brilha, ora purifica. Está presente na liturgia da Vigília Pascal do Sábado Santo e nas incensações, como as brasas nos turíbulos. O fogo pode multiplicar-se indefinidamente. Daí, sua forte expressão simbólica. É símbolo sobretudo da ação do Espírito Santo. O Fogo Sagrado é descrito pelos cristãos ortodoxos como um milagre que ocorre todos os anos na Igreja do Santo Sepulcro em Jerusalém, no Grande Sábado ou Sábado Santo, o dia que antecede a Páscoa na Igreja Ortodoxa. Este evento é considerado por muitos escritores como o mais antigo milagre anual atestado no mundo cristão.

22 GALHETAS Galhetas: pequenos jarros onde são colocados a água e o vinho para serem usados na Celebração Eucarística.

23 HÓSTIA MAGNA Hóstia Magna: É utilizada pelo celebrante. A palavra significa vítima que será sacrificada. É maior apenas por uma questão de prática. Para que todos possam vê-la na hora da elevação, após a consagração.

24 INCENSO Incenso: Resina de aroma suave que ao ser queimada que gera uma fumaça que sobe aos céus humildemente, simbolizando as nossas preces e orações. É empregado em missas solenes tendo-se em mente que é uma homenagem a Deus, quando o padre, que representa Cristo, e os fiéis são incensados. A idéia é que suba a Deus um aroma agradável de louvor. Em Jerusalém, no século IV, já se empregava em todos os grandes Ofícios. O recipiente em que se queima o incenso é chamado incensário ou turíbulo.

25 LAMPARINA Lamparina : É a lâmpada do Santíssimo.

26 LAVABO Lavabo: Conjunto de bacia e jarro com que o sacerdote lava as mãos ao fim do ofertório. O acompanha uma alfaia: o manustérgio. Usada com o jarro para as purificações litúrgicas.

27 LECIONÁRIO Lecionário: Livros que contém as leituras da Missa. Podendo ser Lecionário Dominical (leituras dos Domingos e solenidades); Lecionário Semanal (leituras da semana); Lecionário Santoral (leitura dos dias de santos e festas).

28 LUNETA Luneta: Objeto em forma de meia-lua utilizado para fixar a hóstia grande dentro do ostensório.

29 LUZ Luz: A luz brilha, em oposição às trevas, e mesmo no plano natural é necessária à vida, como a luz do sol. Ela mostra o caminho ao peregrino errante. A luz produz harmonia e projeta a paz. Como o fogo, pode multiplicar-se indefinidamente. Uma pequenina chama pode estender-se a um número infinito de chamas e destruir, assim, a mais espessa nuvem de trevas. É o símbolo mais expressivo do Cristo Vivo, como no Círio Pascal. A luz é, pois, a expressão mais viva da ressurreição.

30 MANUSTÉRGIO Manustérgio: Toalha usada junto ao lavabo, pelo sacerdote, para enxugar as mãos depois da purificação antes, durante e depois do ato litúrgico.

31 MATRACA Matraca: Instrumento de madeira que produz um barulho surdo. Substitui os sinos durante a semana santa.

32 MISSAL Missal: Livro que contém o ritual da missa, menos as leituras.

33 NAVETA Naveta: Objeto usado para acomodar o incenso, antes de queimá-lo no turíbulo.

34 ÓLEO Óleo: Temos na liturgia os óleos dos Catecúmenos, do Crisma e dos Enfermos, usados liturgicamente na celebração dos sacramentos. Trata- se do gesto litúrgico da unção. A unção com o óleo atravessa toda a história do Antigo Testamento, na consagração de reis, profetas e sacerdotes, e culmina no Novo Testamento, com a unção misteriosa de Cristo, o verdadeiro Ungido de Deus. A palavra Cristo significa, pois, ungido. No caso, o Ungido, por excelência.

35 ÓSTENSÓRIO OU CUSTÓDIA Ostensório ou Custódia: É uma peça usada para expor solenemente a Hóstia Consagrada sobre o Altar ou para transportá-la solenemente em procissão

36 PALA Pala: Como uma tampa de linho branco, serve para ser colocada sobre o cálice e a patena para protegê-los.

37 PARTÍCULA OU HÓSTIA Partícula: Pão Eucarístico. Na etimologia significa hostiam, que significa vítima. Jesus, a vítima de nós mesmos, seres humanos, para a remissão dos nossos pecados. A hóstia é o termo usado para o pão consagrado. O pão mais litúrgico para o rito eucarístico é o pão ázimo. A produção do pão ázimo ainda é feito de forma artesanal em algumas localidades, mas já existem máquinas para facilitar o processo. A fabricação artesanal é realizada principalmente por religiosos em geral em mosteiros, onde o corte pode ser feito com tesoura, uma a uma. No processo industrial, realizado por empresas privadas ou organizações religiosas, são produzidas hóstias de dois tamanhos: 3 centímetros de diâmetro, pesando 0,6 gramas, para os fiéis, e 7,8 centímetros, para os sacerdotes.diâmetro Vale lembrar que quando o pão está na condição de não-consagrado, é denominado de partícula.

38 PATENA Patena: Prato onde é colocada a Hóstia Grande que será consagrada e apresentada aos fiéis. Acompanha o estilo do cálice, pois é complemento.

39 RELICÁRIO Relicário: Onde são guardadas as relíquias dos santos.

40 SACRÁRIO OU TABERNÁCULO Sacrário: Local onde é guardada a Eucaristia após a celebração. Também é conhecido como Tabernáculo.

41 SANGÜÍNEO Sanguíneo: pano retangular que serve para a purificação dos vasos sagrados (cálice, patena e âmbulas).

42 TECA Teca: Pequeno recipiente onde se leva a comunhão para pessoas impossibilitadas de ir à missa.

43 TURÍBULO Turíbulo: Recipiente de metal usado para queimar o incenso. Quanto ao uso do turíbulo devemos distinguir dois elementos: o ducto e o icto. No momento da incensação segurando as correntes pela extremidade superior entre o polegar e o indicador com a mão esquerda sobre o peito e com a mão direita segurando a extremidade inferior da corrente com o polegar o indicador e o médio. Estando o turíbulo fechado, num só movimento, eleva-se à altura do rosto e dirige-se horizontalmente para a pessoa ou objeto a incensar, este é o ducto. Nesta posição imprime-se ao turíbulo um ligeiro movimento de oscilação em direção a mesma pessoa ou objeto, este movimento, de menor intensidade que o primeiro, é o icto, que pode ser realizado uma ou duas vezes conforme o caso. Daí temos o ducto duplo (de dois ictos).

44 VÉU DO CÁLICE Véu do Cálice: Pano utilizado para cobrir o cálice com o sangüíneo, a pala e a patena.

45 VINHO Vinho: É vinho puro de uva. Normalmente é conhecido como "vinho canônico" por estar de acordo com as normas (cânon) da Igreja


Carregar ppt "OBJETOS LITÚRGICOS. Água - É água natural. Serve para purificar as mão do sacerdote durante a cerimônia do lavabo e ser misturada no vinho, na preparação."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google