A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Objetos e Lugares na Celebração da Liturgia. Celebração da Liturgia Quando ia celebrar com seus discípulos a ceia Pascal, onde institui o sacrifício do.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Objetos e Lugares na Celebração da Liturgia. Celebração da Liturgia Quando ia celebrar com seus discípulos a ceia Pascal, onde institui o sacrifício do."— Transcrição da apresentação:

1 Objetos e Lugares na Celebração da Liturgia

2 Celebração da Liturgia Quando ia celebrar com seus discípulos a ceia Pascal, onde institui o sacrifício do seu Corpo e Sangue, o Cristo Senhor mandou preparar uma sala ampla e mobiliada. Lc 22,12 ( Ele vos mostrará no andar superior uma grande sala mobiliada, e ali fazei os preparativos. )

3 Celebração da Liturgia A Igreja sempre julgou dirigida a si esta ordem, estabelecendo como preparar, os lugares, os ritos os textos, para a celebração da Missa. Na missa ou Ceia do Senhor, o povo de Deus é convocado e reunido, sob a presidencia do sacerdote que representa a pessoa de Cristo, para celebrar a memória de Senhor ou sacrifício eucarístico.

4 Celebração da Liturgia Por isso, a esta reunião local da Santa Igreja aplica-se, de modo eminente, a promessa de Cristo: (Mt 18,20) Onde dois ou três estão reunidos no meu nome, eu estou no meio deles.

5 Celebração da Liturgia Vasos sagrados Outros objetos sagrados Panos de Altar Vestes litúrgicas Outros objetos do culto Livros litúrgicos Espaços sagrados

6 Os vasos sagrados

7 Patena e Cálice Servem para oferecer, consagrar o pão e o vinho e comungar o Corpo e o Sangue do Senhor

8 Os vasos sagrados Cálice Segundo as recentes orientações litúrgica, o material do cálice e dos outros vasos sagrados não só deve ser impermeável como determina o Código de Direito Canônico, mas também inquebrável. O cálice e outros vasos sejam abençoados segundo o Ritual Romano da bênçãos. Não se usem em nenhum caso canecas, ou outras vasilhas não integralmente correspondentes às normas estabelecidas. Recipiente digno e decoroso em que se deposita o vinho que vai ser consagrado. O cálice é uma espécie de taça, em geral feito de metal e artisticamente trabalhado.

9 Os vasos sagrados Patena É uma espécie de pratinho em que se coloca a hóstia maior usada pelo presidente da celebração. Recomenda-se que a patena seja grande o suficiente para conter mais partículas para dar conotação que a patena não é exclusiva do padre. Também os coroinhas, de acordo com as últimas instruções litúrgicas, usam patenas no momento da distribuição da comunhão.

10 Corporal Pala Hóstia Patena Sangüíneo ou Purificatório Cálice

11 Os vasos sagrados Âmbula ou Cibório É o recipiente onde se guarda o pão eucarístico. É semelhante á forma de um cálice, mas fechado com uma tampa. Em geral as âmbulas são de metal como o cálice. O importante é que o material seja nobre e inquebrável. Após a comunhão, a âmbula com as partículas consagradas é guardada no tabernáculo (sacrário).

12 Os vasos sagrados Teca ou Píxide É uma âmbula de menor tamanho, parecido com um invólucro ou estojo, utilizado no transporte da Eucaristia aos doentes e idosos. Normalmente, a teca é inserida numa pequena bolsa com um laço que se coloca por sobre a cabeça, de forma que a Eucaristia fique na altura do coração do ministro, lembrando o testemuno do Diácono São Tarcísio (25/08/0257). Esta bolsa também deve conter um sangüíneo para a purificação da teca.

13 Os vasos sagrados Ostensório ou Custódia É o objeto para a exposição solene e procissão do Santíssimo Sacramento. É formado por uma haste de suporte e um recipiente transparente, de forma circular, que expões a Eucaristia para a adoração. Luneta Faz parte da Custódia. É o pequeno semicírculo que sustenta a Hóstia.

14 Os vasos sagrados Âmbulas Vasos que se destinam a conter os santos óleos: do Crisma, dos Catecúmenos e para a Unção dos Doentes.

15 Outros objetos sagrados

16 Galhetas São duas jarrinhas, em geral de vidro, nas quais se colocam o vinho e a água, e são apresentadas pelos fiéis ao sacerdote nas oferendas da missa. Outros objetos sagrados

17 Turíbulo É um recipiente de metal, preso a correntes para as inscensações. Instrumento onde se preparam brasas para queimar o incenso.

18 Outros objetos sagrados Naveta Pequeno vaso de metal, geralmente em forma de navio, que contêm grãos de incenso para serem depositados sobre as brasas incandescentes do turíbulo para as incensações.

19 Outros objetos sagrados Incenso É uma resina aromática extraída de várias espécies de árvores. O uso incenso é muito comum no culto judaico e foi herdado pela Liturgia Cristã. A turificação ou incensação exprime a reverência e a oração como é significada na Sagrada Escritura (Sl 140, 2; Ap 8,3).Sl 140, 2Ap 8,3

20 Outros objetos sagrados Jarro com Água e bacia para o Lavabo O presidente da celebração após apresentar as oferendas, lava as mãos como sinal de purificação e da humildade diante do grande Mistério que irá ocorrer com a consagração, sem mérito de sua parte.

21 Outros objetos sagrados Seria mais conveniente utilizar um jarro com água e uma bacia para realizar o gesto de lavar as mãos, e não somente molhar os dedos. O gesto de lavar as mãos na celebração eucarística é exclusivo do presidente da celebração, de modo que os diáconos, concelebrantes, ministros extraordinários,... devem lavar as suas mãos na sacristia antes de iniciar a celebração.

22 Outros objetos sagrados Purificador Pequeno vaso onde os Ministros Extraordinários da Comunhão purificam os dedos.

23 Outros objetos sagrados Caldeirinha e Hissope É usado para a aspersão de água benta durante as bênçãos. Entretanto difere do aspersório por não conservar fechada a água benta no seu recipiente.

24 Outros objetos sagrados Aspersório É um instrumento longo que conserva água benta para a aspersão sobre so fiéis ou ojetos. Geralmente é de metal. Numa das extremidades, há uma cabeça com rosca e furos que permite a passagem da água benta.

25 Outros objetos sagrados LEGIO ou ATRIL É o suporte para o missal. Hoje se usa mais uma pequena almofada confeccionada para esta finalidade. O legio contribui para a visibilidade dos textos e, conseqüentemente, para uma melhor proclamação das orações realizada pelo sacerdote. O legio deve ser utilizado quando houver necessidade.

26 Panos de Altar

27 Toalha de Altar Toalha que embeleza a Mesa Eucarística.

28 Panos de Altar Corporal Chama-se corporal porque sobre ele se coloca o Corpo e Sangue do Senhor.

29 Panos de Altar Corporal É uma espécie de toalha quadrada (mais ou menos 50 x 50 cm) que se desdobra em três partes e nos dois sentidos, no centro do altar. É confeccionado de um linho branco, normalmente com uma cruz bordada ou pintada no centro. O corporal recorda o Santo Sudário, o lençol branco no qual, José de Arimatéia, segundo a tradição, envolveu o corpo de Cristo após a descida da cruz para o sepultamento.

30 Panos de Altar Corporal Sua função é de recolher os fragmentos do pão ou gotas de vinho consagrados, caso estes venham a cair dos vasos sagrados. Não é permitido estender o corporal sobre o altar lançando-o para o ar como uma toalha de mesa, ois pode conter fragmentos da Eucaristia.

31 Panos de Altar Pala É uma palavra que vem do latim palliare (cobrir, esconder). É uma peça quadrada e dura, revestida de linho branco e normalmente bem ornamentada com desenhos bordados ou pintados. Serve para cobrir o cálice com vinho durante a apresentação das oferndas até a comunhão.

32 Panos de Altar Sangüíneo ou Purificatório Sangüíneo provêm do termo de sangue porque toca no sangue de Cristo. Tem a forma de uma toalhinha comprida de cor branca, semelhante a um lenço dobrado duas vezes ao longo. Coloca-se sobre o cálice, ficando as pontas caídas para os dois lados. Serve para purificar o cálice, a patena e os vibórios no final da celebração, ou após a comunhão. Por isso, pede-se que o tecido da confecção do sangïíneo tenha a propriedade de enxugar verdadeiramente os vasos sagrados (evitar os tecidos sintéticos).

33 Panos de Altar Manustérgio Do latim manus, que quer dizer mãos. É uma toalha branca com a qual o sacerdote enxuga as mãos após o lavabo.

34 As vestes litúrgicas

35 Alva ou Túnica Veste branca, comum a todos os ministros na Liturgia.

36 As vestes litúrgicas Cíngulo Cordão que o sacerdote sustenta e prende a alva ou a túnica à altura da cintura. O cíngulo é o símbolo da vigilância, prescrita por Javé, durante a celebração da ceia pascal dos judeus (Ex 12, 11) Eis a maneira como o comereis: tereis cingidos os vossos rins, vossas sandálias nos pés e vosso cajado na mão. Comê-lo-eis apressadamente: é a Páscoa do Senhor.

37 As vestes litúrgicas Estola Tira de pano que é o distintivo principal do Sacerdote ou Diácono, em várias cores, como as casulas ou dalmáticas, conforme os tempos litúrgicos.

38 As vestes litúrgicas Estola É uma faixa, separada da túnica, a qual desce dos ombros do ordenado, com duas pontas. Para os sacerdotes, a estola desce dos ombros verticalmente, simbolizando o ministério de mediação entre o Céu e a Terra. Para os diáconos, a estola desce do ombro esquerdo, presa no lado direito à altura da cintura, simbolizando aquele que está a serviço, a exemplo de Jesus que lavou os pés dos discípulos na útlima ceia. A estola tem cores diferentes que variam de acordo com o tempo lit´rugico que se celebra.

39 As vestes litúrgicas Casula Veste solene, de diferentes cores, conforme os tempos litúrgicos, que o sacerdote usa na Missa.

40 As vestes litúrgicas Dalmática Veste própria do Diácono.

41 As vestes litúrgicas Véu de ombros ou Umeral Veste usada para o Sacerdote ou o Diácono darem a Bênção do Santíssimo.

42 As vestes litúrgicas Pluvial ou Capa de Asperges Que o Sacerdote utiliza especialmente nas procissões.

43 Outros objetos do culto

44 Pálio Um sobre-céu portátil usado sobretudo nas Procissões Eucarísticas para proteger o Santíssimo Sacramento.

45 Outros objectos do culto Umbela Espécie de chapéu de sol com as mesmas funções do Pálio, para utilizar dentro de uma igreja, por exemplo na Trasladação do Santíssimo.

46 Livros litúrgicos

47 Leccionários Livros que contêm o essencial da Sagrada Escritura para ser lida nas Celebrações da Liturgia.

48 Livros litúrgicos Evangeliário Recolhe os textos do Evangelho a proclamar nos Domingos, Festas e Solenidades.

49 Livros litúrgicos Missal Romano Livro que contém os textos que o Sacerdote utiliza para presidir à Celebração

50 Livros litúrgicos Oração Universal Livro que contém formulários para a oração que a comunidade faz pela Igreja, pelo mundo e pelas diversas necessidades dos homens no mundo atual.

51 Espaços sagrados

52 O igreja ou templo O lugar onde se reúne a comunidade em assembleia, para o encontro com o Senhor. Com ele todos os baptizados se identificam…

53 Espaços sagrados O lugar da Assembléia Não é exagero dizer que é o lugar principal do templo, pois é lá que se reúnem os dois ou três em nome de Jesus para a oração. Este lugar é o critério para a escolha e preparação dos outros espaços…

54 Espaços sagrados Presbitério Lugar ocupado pelo Sacerdote que preside e todos os ministros que servem na celebração litúrgica.

55 Espaços sagrados Altar É o lugar principal do presbitério. De preferência deve estar fixo. Nele acontece o Mistério da Presença de Jesus na Eucaristia. Só a este lugar se deve fazer reverência (inclinação), dentro da celebração.

56 Espaços sagrados Ambão A Mesa da Palavra, lugar onde se proclama a Palavra de Deus.

57 Espaços sagrados Lugar da Presidência É a Cadeira onde se senta o presidente da celebração. À sua volta existem outros lugares dispostos para os acólitos e outros ministros sagrados.

58 Espaços sagrados Credência Pequena mesa que existe dentro do presbitério onde são guardados s vasos e os dons para a celebração eucarística.

59 Espaços sagrados Sacrário Lugar especial onde se guardam as Hóstias consagradas na celebração litúrgica, forma pela qual se prolonga a Presença Eucarística de Jesus na Igreja. Pode encontrar-se numa capela pequena, dentro do templo.

60 Espaços sagrados Batistério Lugar onde se encontra a Pia Batismal, a Fonte onde nascem para a Igreja os filhos de Deus.

61 Espaços sagrados Confessionário Ainda que não de forma exclusiva, é o lugar visível da Celebração do Sacramento da Reconciliação.

62 Espaços sagrados Porta ou átrio É o lugar do acolhimento no início de todas as celebrações, sobretudo da Eucaristia e especialmente no Batismo.

63 Salmo 140, 2 Que minha oração suba até vós como a fumaça do incenso, que minhas mãos estendidas para vós sejam como a oferenda da tarde.

64 Apocalipse 8, 3 Adiantou-se outro anjo e pôs-se junto ao altar, com um turíbulo de ouro na mão. Foram-lhe dados muitos perfumes, para que os oferecesse com as orações de todos os santos no altar de ouro, que está adiante do trono.

65 2006 –


Carregar ppt "Objetos e Lugares na Celebração da Liturgia. Celebração da Liturgia Quando ia celebrar com seus discípulos a ceia Pascal, onde institui o sacrifício do."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google