A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

DIAGNÓSTICO SITUACIONAL U.S.F. FORTE SÃO JOÃO GRUPO: Ana Cláudia, Carlos, Heliane, Roberta, Wallace UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO NÚCLEO DE ESTUDOS.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "DIAGNÓSTICO SITUACIONAL U.S.F. FORTE SÃO JOÃO GRUPO: Ana Cláudia, Carlos, Heliane, Roberta, Wallace UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO NÚCLEO DE ESTUDOS."— Transcrição da apresentação:

1 DIAGNÓSTICO SITUACIONAL U.S.F. FORTE SÃO JOÃO GRUPO: Ana Cláudia, Carlos, Heliane, Roberta, Wallace UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO NÚCLEO DE ESTUDOS EM SAÚDE COLETIVA PÓS-GRADUAÇÃO EM ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA

2 A UNIDADE DE SAÚDE

3 FONTES DE DADOS Diagnóstico situacional elaborado pelos servidores da Unidade que participaram da Pós-graduação em Gestão de Unidades de Saúde – GERUS; Relatório de pesquisa da Poligonal 2 do Projeto Terra Mais Igual; Classificação de risco realizada pelas equipes de saúde da família; Relatório do SIAB; Bancos de dados da Vigilância da Saúde da SEMUS; Site Google Maps

4 ÁREA DE ABRANGÊNCIA Bairros: Forte São João Romão Cruzamento Área se estende de Jucutuquara até a Esplanada Capixaba, no centro da cidade. 4 Equipes de ESF com 3 Equipes de Saúde Bucal

5 LOCALIZAÇÃO CRUZAMENTO ROMÃO FSJ P. MULLER AV VITÓRIA US FSJ AV BEIRA MAR FONTE: Google Maps, 2010

6 HISTÓRIA A ocupação do Cruzamento e do Forte São João se deu na década de 30 e do Romão na década de 50. O processo de ocupação se deu por imigrantes das áreas rurais do interior do Estado em busca de melhores oportunidades de emprego na grande Vitória. Nos anos 50, a Prefeitura doou lotes no Romão aos moradores. Nas décadas de 70 e 80 houve um crescimento desordenado, por meio de invasões.

7 Aspectos Geográficos, Demográficos e Econômicos

8 População total segundo estimativa do IBGE, População total segundo SIAB, fev/ % da população é SUS dependente Ocupação – predominam domésticas, trabalhadores do setor informal e da construção civil Renda familiar – 0 a 3 salários mínimos 21,2% das famílias do território são beneficiárias do Programa Bolsa Família Região íngreme, com poucas ruas de acesso, realizado principalmente por meio de escadas e passarelas.

9 Cultura e Lazer Escola de Samba Imperatriz do Forte Centro de Referência da Juventude (oficinas de música, de teatro, de dança, de produção audio-visual, entre outros) Encenação da Paixão de Cristo Grupos de Teatro (da Melhor Idade, Art e Expressão) Arraiás do Zé Carneiro e do Chocolate Grupo de Jogadores de Dominó Três Paus Grupos de Pagode Carecas em Samba e Samba da Gente 45 organizações religiosas de diferentes credos Uma Praça Duas quadras de esportes (Romão e Forte São João) Parque Municipal Gruta da Onça (Forte São João) Mirante (Romão)

10 Rede Social – Organizações Não-governamentais Associação de moradores do Romão, do Forte São João e do Cruzamento Associação dos Idosos Centro Salesiano do Menor Obra Social Nossa Senhora das Graças Pastoral da Criança Projeto Sarça Missão Batista

11 Rede Social – Equipamentos Públicos SEMMAM – Parque Municipal Gruta da Onça/Projeto Abraço Verde; SEMUS - US Forte de São João; Centro de Referência de Atendimento ao Idoso; Maternidade Pró-Matre (entidade filantrópica, com apoio institucional da Prefeitura de Vitória e maternidade de referência para o Município); Módulo do SOE SETGER – Economia Solidária; Cursos Profissionalizantes; Telecentro do Forte São João; SEMCID – Promotores de Cidadania e Comissão Temática Mulher; SEMAS - Centro de Referência da Juventude e CRAS de Jucutuquara; CAJUN do Romão; Projovem Adolescente; Núcleo Comunitário de Defesa Civil;

12 Rede Social – Equipamentos Públicos SEME - CMEI Maria Goretti Coutinho Cosme, CMEI Robson José Massur, CMEI Terezinha Vasconcelos Salvador e EMEF Irmã Jacinta Soares de S. Lima; SEMSU – PRONASCI /Projeto Mulheres da Paz; SEHAB – Projeto Vitória de Todas as Cores; SEGES – Projeto Terra Mais Igual; OUTROS TIPOS DE ORGANIZAÇÕES Conselho local de saúde; Comitê materno-infantil;

13 INDICADORES DE SAÚDE

14

15

16

17 Mortalidade por causas externas: Forma de violência, segundo faixa etária, Fonte: SEMUS/ NUPREVI/ SIMONE, 2002 a 2009

18 INDICADORES DE SAÚDE FemininoMasculino SUFOCAMENTO/ASFIXIA MECÂNICA/ACIDENTAL QUEDA PROJÉTIL DE ARMA DE FOGO PEDRADAS NÃO SE APLICA NÃO ESPECIFICADO FACADAS ESPANCAMENTO DESMORONAMENTO/DESABAMENTO CADÁVER PUTREFEITO/ CARBONIZADO/ESQUELET ATROPELAMENTO AFOGAMENTO ACIDENTE DE TRÂNSITO (exceto moto) ACIDENTE DE MOTO AÇÃO CONTUNDENTE Mortalidade por causas externas: Forma de violência, segundo sexo, Fonte: SEMUS/ NUPREVI/ SIMONE, 2002 a 2009

19 INDICADORES DE SAÚDE Oito primeiras causas de demanda ambulatorial, 2009 Fonte: Relatório Produção Ambulatorial Consolidada, 2009

20 ESTIMATIVA RÁPIDA Qual o principal problema da comunidade? Realizada nos dias 09 e 10/06/10, na sala de espera da US; 61 entrevistados (24 do FSJ, 20 do Romão e 17 do Cruzamento), sendo 26% do sexo masculino e 74% do sexo feminino, com idade entre 14 e 73 anos (61% entre 20 e 39 anos). FORTE SÃO JOÃO PROBLEMANº% Infra-estutura urbana1138% saúde414% limpeza414% organização comunitária310% lazer310% descaso do governo27% segurança27% total29100%

21 ESTIMATIVA RÁPIDA Qual o principal problema da comunidade? ROMÃO PROBLEMANº% limpeza1141% Infra-estutura urbana1037% segurança27% saúde27% lazer14% educação14% total27100% CRUZAMENTO PROBLEMANº% lazer735% limpeza420% Infra-estutura urbana315% saúde210% organização comunitária 210% transporte15% educação15% total20100%

22 CONCLUSÕES Território com muita aglomeração populacional, ocupação sem planejamento, pouca infra-estrutura urbana, de baixa renda, com pouca qualificação profissional; População predominantemente jovem, fato decorrente da alta natalidade e alta mortalidade abaixo dos 50 anos; Carece de opções de lazer e cultura, principalmente no bairro Cruzamento; Rede social é ampla, porém recente – destaque para o PROJETO TERRA; CMI vem caindo melhoria no nível de saúde demonstra impacto das ações de saúde; Diminuição do Índice de Swaroop-Uemura e mortalidade por causas externas na população jovem (VIOLÊNCIA) indicativo das condições gerais de vida necessidade de priorizar ações voltadas para os jovens.

23 CONCLUSÕES Dados mostram um território com muitos problemas sociais e econômicos que tem impacto na saúde da população. Necessidade de incorporar a concepção ampliada de saúde qualidade de vida Atuar nos determinantes sociais do processo saúde/ doença (cultura, lazer, trabalho e renda, etc) INTERSETORIALIDADE

24 OBRIGADO!


Carregar ppt "DIAGNÓSTICO SITUACIONAL U.S.F. FORTE SÃO JOÃO GRUPO: Ana Cláudia, Carlos, Heliane, Roberta, Wallace UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO NÚCLEO DE ESTUDOS."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google