A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

ANÁLISE LITERÁRIA Memória Póstumas de Brás Cubas EFEITO BORBOLETA.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "ANÁLISE LITERÁRIA Memória Póstumas de Brás Cubas EFEITO BORBOLETA."— Transcrição da apresentação:

1 ANÁLISE LITERÁRIA Memória Póstumas de Brás Cubas EFEITO BORBOLETA

2 O FILME Título: O Efeito Borboleta Título: O Efeito Borboleta Direção: Eric Bress/J. Mackye Gruber Direção: Eric Bress/J. Mackye Gruber Gênero: Ficção Científica Gênero: Ficção Científica Ano: 2004 Ano: 2004 Produção: EUA Produção: EUA

3 Efeito borboleta é um termo que se refere às condições iniciais dentro da teoria do caos. Este efeito foi analisado pela primeira vez em 1963 por Edward Lorenz. Segundo a cultura popular, a teoria apresentada, o bater de asas de uma simples borboleta poderia influenciar o curso natural das coisas e, assim, talvez provocar um tufão do outro lado do mundo. O que acontece é que quando movimentos caóticos são analisados através de gráficos, sua representação passa de aleatória para padronizada depois de uma série de marcações onde o gráfico depois de analisado passa a ter o formato de borboleta.

4 ENREDO Evan Treborn é um jovem estudante de psicologia que teve diversos problemas enquanto criança e adolescente, sofrendo de desmaios e bloqueios de memória. Evan Treborn é um jovem estudante de psicologia que teve diversos problemas enquanto criança e adolescente, sofrendo de desmaios e bloqueios de memória. Após reencontro com seu amor de infância, Kayleigh, Evan descobre que, ao ler seu diário, consegue enviar sua consciência adulta para o passado, em seu corpo de criança. Ele altera atitudes e muda completamente o seu destino, de sua namorada e amigos. Mas Evan rapidamente descobre que ter o dom de manipular o passado, não significa controlar o futuro. Após reencontro com seu amor de infância, Kayleigh, Evan descobre que, ao ler seu diário, consegue enviar sua consciência adulta para o passado, em seu corpo de criança. Ele altera atitudes e muda completamente o seu destino, de sua namorada e amigos. Mas Evan rapidamente descobre que ter o dom de manipular o passado, não significa controlar o futuro.

5 PERSONAGENS Evan Evan Kayleigh (namorada) Kayleigh (namorada) Lenny Lenny Andrea (mãe) Andrea (mãe)

6 TEMÁTICA Fazer escolhas (consequências); Fazer escolhas (consequências); A brevidade da vida (saber viver); A brevidade da vida (saber viver); Fazer a diferença; Fazer a diferença; O acaso (essência). O acaso (essência).

7 A OBRA TÍTULO: Memórias Póstumas de Brás Cubas TÍTULO: Memórias Póstumas de Brás Cubas AUTOR: Machado de Assis AUTOR: Machado de Assis PUBLICAÇÃO: 1881 PUBLICAÇÃO: 1881 ESCOLA LITERÁRIA: Realismo ESCOLA LITERÁRIA: Realismo

8 O AUTOR MACHADO DE ASSIS ( ) Joaquim Maria Machado de Assis, cronista, contista, dramaturgo, jornalista, poeta, novelista, romancista, crítico e ensaísta, nasceu na cidade do Rio de Janeiro em 21 de junho de Filho de um operário mestiço de negro e português, Francisco José de Assis, e de D. Maria Leopoldina Machado de Assis, aquele que viria a tornar-se o maior escritor do país e um mestre da língua, perde a mãe muito cedo e é criado pela madrasta, Maria Inês, também mulata, que se dedica ao menino e o matricula na escola pública, única que freqüentará o autodidata Machado de Assis.

9 UM DEFUNTO QUE NARRA Publicado em 1881, Memórias Póstumas de Brás Cubas, além de inaugurar o Realismo brasileiro, apresenta as mais radicais experimentações na prosa do país até então. Publicado em 1881, Memórias Póstumas de Brás Cubas, além de inaugurar o Realismo brasileiro, apresenta as mais radicais experimentações na prosa do país até então. Narrado por um defunto, de forma digressiva e agressiva, o romance apresenta a vida inútil e desperdiçada do anti- herói Brás Cubas. Narrado por um defunto, de forma digressiva e agressiva, o romance apresenta a vida inútil e desperdiçada do anti- herói Brás Cubas. Utilizando recursos narrativos e gráficos inusitados, o autor surpreende a cada página com sua ironia cortante e, acima de tudo, com a inteligência que prende até o leitor mais desconfiado. Utilizando recursos narrativos e gráficos inusitados, o autor surpreende a cada página com sua ironia cortante e, acima de tudo, com a inteligência que prende até o leitor mais desconfiado. Antecipando procedimentos modernistas e descobertas da psicanálise, esta obra ácida e irônica de Machado de Assis eleva a literatura brasileira a um patamar jamais antes atingido. Antecipando procedimentos modernistas e descobertas da psicanálise, esta obra ácida e irônica de Machado de Assis eleva a literatura brasileira a um patamar jamais antes atingido.

10 O BURGUÊS O livro relata a história de um sujeito que não conseguiu fazer realmente nada de significativo na vida. Contudo, não é a vida insípida da personagem principal que torna o romance fascinante, mas o modo como essa história é contada, há a fragmentação do enredo (alinear). O livro relata a história de um sujeito que não conseguiu fazer realmente nada de significativo na vida. Contudo, não é a vida insípida da personagem principal que torna o romance fascinante, mas o modo como essa história é contada, há a fragmentação do enredo (alinear). O autor usa a ironia para trazer à tona padrões de comportamento característicos da sociedade brasileira, especialmente, da elite dominante que queria se mostrar moderna, adotando, no discurso, idéias e postura européias, mas defendendo, na prática, a manutenção de um sistema retrógrado. Assim, as relações de Cubas com outras personagens revelam dissimulação, jogo de interesses, um desejo sempre presente de se dar bem, ainda que lançando mão de estratagemas nada éticos. O autor usa a ironia para trazer à tona padrões de comportamento característicos da sociedade brasileira, especialmente, da elite dominante que queria se mostrar moderna, adotando, no discurso, idéias e postura européias, mas defendendo, na prática, a manutenção de um sistema retrógrado. Assim, as relações de Cubas com outras personagens revelam dissimulação, jogo de interesses, um desejo sempre presente de se dar bem, ainda que lançando mão de estratagemas nada éticos. A mais terrível das tragédias, para a burguesia nacional, seria depender do próprio trabalho para sua sobrevivência. Daí o protagonista do romance poder afirmar, depois de listar seus fracassos, que coube-me a boa fortuna de não comprar o pão com o suor do meu rosto. A mais terrível das tragédias, para a burguesia nacional, seria depender do próprio trabalho para sua sobrevivência. Daí o protagonista do romance poder afirmar, depois de listar seus fracassos, que coube-me a boa fortuna de não comprar o pão com o suor do meu rosto.

11 CONTEXTO HISTÓRICO Segunda Metade do século XIX: - Revolução Industrial; - Ascensão da burguesia; - Ideais republicanos (no Brasil); - Valorização da razão (ciência sobrepondo a fé); - Cientificismo, Determinismo e Positivismo.

12 PERSONAGENS Brás Cubas (protagonista); Brás Cubas (protagonista); Quincas Borba (influencia o protagonista); Quincas Borba (influencia o protagonista); Virgília (grande amor de Brás Cubas); Virgília (grande amor de Brás Cubas); Marcela (amor da adolescência de Brás); Marcela (amor da adolescência de Brás); Eugênia (por quem Brás se interessa); Eugênia (por quem Brás se interessa); Nhá Lo Ló (possível esposa para Brás); Nhá Lo Ló (possível esposa para Brás); Lobo Neves (marido de Virgília); Lobo Neves (marido de Virgília); Dona Plácida (empregada de Virgília confidente e protetora de sua relação extra conjugal); Dona Plácida (empregada de Virgília confidente e protetora de sua relação extra conjugal); Prudêncio (escravo de Brás). Prudêncio (escravo de Brás).

13 O REALISMO Escola Literária que se opõe ao Romantismo (escola anterior): - Valorização do homem comum, real; - Engajamento social (tematização das desigualdades sociais); - Abordagem psicológica (personagens reflexivos, mais próximos do ser humano); - Oposição ao subjetivismo, à fantasia e à idealização (realidade nua e crua).

14 HUMANITISMO AO VENCEDOR, AS BATATAS A frase significa que os vencedores podem desfrutar das batatas nos campos de guerra, simplificando ao máximo o Humanitismo e seu preceito básico de que, na luta pela sobrevivência, quem vence é o mais forte (Darwinismo) A teoria do Humanitismo é pessimista e aponta para o absurdo da existência, opondo-se à filosofia do Humanismo, que valoriza o homem, colocando-o no centro de tudo. Ao vencido, ódio ou compaixão; ao vencedor, as batatas.

15 TEMÁTICA Vida de não – realizações; Vida de não – realizações; Superficialidade da Burguesia; Superficialidade da Burguesia; A brevidade da vida; A brevidade da vida; Fazer ou não fazer a diferença. Fazer ou não fazer a diferença. A alienaridade dos fatos. A alienaridade dos fatos.

16 INTERTEXTUALIDADE Superficialidade das relações humanas; Superficialidade das relações humanas; O acaso as escolhas (a alienaridade); O acaso as escolhas (a alienaridade); A brevidade da vida; A brevidade da vida; Fazer ou não fazer a diferença. Fazer ou não fazer a diferença.

17 É PRECISO SABER VIVER Quem espera que a vida Seja feita de ilusão Pode até ficar maluco Ou morrer na solidão É preciso ter cuidado Pra mais tarde não sofrer É preciso saber viver Toda pedra do caminho Você pode retirar Numa flor que tem espinhos Você pode se arranhar Se o bem e o mal existem Você pode escolher É preciso saber viver É preciso saber viver É preciso saber viver É preciso saber viver Saber viver, saber viver! (Roberto Carlos/Erasmo Carlos)


Carregar ppt "ANÁLISE LITERÁRIA Memória Póstumas de Brás Cubas EFEITO BORBOLETA."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google