A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

MACROECONOMIA AULA 1. INTRODUÇÃO CONCEITOS Economia -> grego OIKOS (casa); nomos (normas, lei). Ciência social que estuda como o indivíduo e a sociedade.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "MACROECONOMIA AULA 1. INTRODUÇÃO CONCEITOS Economia -> grego OIKOS (casa); nomos (normas, lei). Ciência social que estuda como o indivíduo e a sociedade."— Transcrição da apresentação:

1 MACROECONOMIA AULA 1

2 INTRODUÇÃO CONCEITOS Economia -> grego OIKOS (casa); nomos (normas, lei). Ciência social que estuda como o indivíduo e a sociedade decidem utilizar recursos produtivos escassos, na produção de bens e serviços, de modo a distribuí-los entre as várias pessoas e grupos da sociedade, com a finalidade de satisfazer as necessidades humanas. Escassez de fatores de produção Objeto da Ciência Econômica?

3 INTRODUÇÃO Se não houvesse escassez de recursos, não haveria necessidade de estudarmos questões como...:

4 INFLAÇÃO

5 CRESCIMENTO ECONÔMICO Fonte: Banco Central.

6 DESEMPREGO

7 CONCENTRAÇÃO DE RENDA FONTE: IPEA

8 BALANÇO DE PAGAMENTOS Fonte: Banco Central.

9 QUESTÃO DA ESCASSEZ E PROBLEMAS ECONÔMICOS É necessário fazer escolhas! O QUE E QUANTO PRODUZIR? + bens de consumo ou + bens de capital? COMO PRODUZIR? Métodos capital-intensivo? Mão de obra- intensivo? Terra-intensivo? PARA QUEM PRODUZIR? Trabalhadores? Capitalistas? Proprietários de terra?

10 RESUMINDO

11 ORGANIZAÇÃO ECONÔMICA – SISTEMAS ECONÔMICOS O que é um sistema econômico? Quais os sistemas econômicos existentes? Como as sociedades resolvem seus problemas econômicos?

12 ORGANIZAÇÃO ECONÔMICA – SISTEMAS ECONÔMICOS Duas formas principais de organização econômica: Economia de mercado (descentralizada); Economia planificada (centralizada) SISTEMA ECONÔMICO ATUAL: formas intermediárias.

13 FUNCIONAMENTO DA ECONOMIA DE MERCADO CONCORRÊNCIA PURA CONCORRÊNCIA MISTA (governo)

14 SISTEMA DE CONCORRÊNCIA PURA Laissez-faire Milhares de produtores e milhões de consumidores tem condições de resolver os problemas econômicos fundamentais Hipótese da mão invisível; Adam Smith ( ) Pai da Economia

15 SISTEMA DE CONCORRÊNCIA PURA Como tornar possível a mão invisível? Liberalismo econômico. MECANISMOS DE PREÇOS Se houver excesso de oferta? Se houver excesso de demanda? O mercado resolve os problemas

16 SISTEMA DE CONCORRÊNCIA PURA COMO OS PROBLEMAS ECONÔMICOS SÃO RESOLVIDOS? O que e quanto produzir? Produtores decidem através dos preços Como produzir? A empresa escolhe (comparação de preços de tecnologias..) Para quem produzir? Encontro da demanda e oferta.

17 FUNCIONAMENTO B Á SICO DO MERCADO CAPITALISTA SEM GOVERNO Empresas Mercado de fatores de produção. ex. MDO Mercado de bens e serviço. Ex. alimentos Famílias Oferta de bens e serviço demanda de bens e serviço Linha vermelha: fluxo monetário – fluxo circular da renda. ???

18 IMPERFEIÇÕES DO SISTEMA DE CONCORRÊNCIA PURA Simplificação da realidade; Flutuação dos preços? –Sindicatos; –poder de monopólios, oligopólios; intervenções do governo – impostos, tarifas, preços públicos, reajustes; –fixação de preços mínimos; –congelamento de preços; –política cambial; Externalidades; Distribuição de renda.

19 SISTEMA DE MERCADO MISTO: O PAPEL ECONÔMICO DO GOVERNO Já existiu concorrência perfeita? XVIII a XIX: período + próximo Século XX: sindicatos, monopólios, mercado de capitais, comércio internacional... Depressão de Estado: eliminação das distorções alocativas.

20 SISTEMA DE MERCADO MISTO: O PAPEL ECONÔMICO DO GOVERNO Como o Estado pode intervir? –Atuação sobre preços (taxa de juros, impostos, subsídios, taxa de câmbio..) –Complemento da iniciativa privada. –Fornecimento de serviços públicos. –Compra de bens e serviços do setor privado.

21 FUNCIONAMENTO DE UMA ECONOMIA CENTRALIZADA Órgão central de planejamento. Meios de produção: Estado. Meios de sobrevivência: indivíduos. Exemplo: URSS ( )

22 SISTEMAS ECONÔMICOS: SÍNTESE Propriedade pública X propriedade privada dos meios de produção; Problemas econômicos fundamentais; Por que o socialismo fracassou?

23 FRONTEIRA DE POSSIBILIDADES DE PRODUÇÃO – CUSTO DE OPORTUNIDADE Ilustração escassez e alternativas. Curva de Possibilidade de Produção. Fronteira máxima em que a economia pode produzir, dados os recursos produtivos limitados e a tecnologia. É preciso fazer escolhas entre diversas alternativas de produção.

24 FRONTEIRA DE POSSIBILIDADES DE PRODUÇÃO – CUSTO DE OPORTUNIDADE Exemplo: Suponhamos que a economia produza dois bens: canhões e manteiga! Emprego de todos os recursos produtivos (mão de obra, capital, terra, tecnologia e matérias-primas). ALTERNATIVAS DE PRODUÇÃO

25 FRONTEIRA DE POSSIBILIDADES DE PRODUÇÃO – CUSTO DE OPORTUNIDADE

26 Limite máximo de produção!

27 FRONTEIRA DE POSSIBILIDADES DE PRODUÇÃO – CUSTO DE OPORTUNIDADE Empresa opera com capacidade plena

28 FRONTEIRA DE POSSIBILIDADES DE PRODUÇÃO – CUSTO DE OPORTUNIDADE

29 CUSTOS DE OPORTUNIDADE Valor econômico da melhor alternativa sacrificada ao se optar pela produção de um determinado bem ou serviço.

30 CUSTOS DE OPORTUNIDADE QUAL O CUSTO DE OPORTUNIDADE DE PASSAR DA ALTERNATIVA C PARA D? Não existe almoço grátis

31 CUSTOS DE OPORTUNIDADE Existe custo de oportunidade em pontos internos da C.P.P?

32 CUSTOS DE OPORTUNIDADE

33 FRONTEIRA DE POSSIBILIDADES DE PRODUÇÃO – CUSTO DE OPORTUNIDADE

34 - Melhoria tecnológica - Descoberta de matérias Primas.

35 FRONTEIRA DE POSSIBILIDADES DE PRODUÇÃO – CUSTO DE OPORTUNIDADE

36 ANÁLISE POSITIVA E ANÁLISE NORMATIVA ECONOMIA NORMATIVA: juízo de valor. Políticas públicas ECONOMIA POSITIVA: conhecimentos objetivos, que respeita cânones científicos. Fenômeno observado Os argumentos normativos referem-se ao que deveria ser, os argumentos positivos revelam ao que é. Exemplos: Defendo a distribuição de renda, para um aumento do bem-estar.. ISSO É BOM OU RUIM? Deve-se utilizar política tributária para a redução da concentração de renda...

37 RELAÇÃO DA ECONOMIA COM AS DEMAIS CIÊNCIAS Idade Média: economia era parte integrante da Filosofia, moral e ética. Lei da Usura, preço justo... Descomercialização de mercadorias; Agrária;

38 RELAÇÃO DA ECONOMIA COM AS DEMAIS CIÊNCIAS MERCANTILISTAS SÉCULO XVIII Liberalismo.

39 RELAÇÃO DA ECONOMIA COM AS DEMAIS CIÊNCIAS HISTÓRIA: Guerras e revoluções alteraram o comportamento e a evolução da economia. GEOGRAFIA: localização de empresas, composição setorial... DIREITO: leis antitruste, agências regulatórias, Constituição Federal. MATEMÁTICA E ESTATÍSTICA: instrumentos, modelos.

40 RELAÇÃO DA ECONOMIA COM AS DEMAIS CIÊNCIAS Consumo (f) =Renda Oferta (f) = (preço do bem, preço dos fatores, preços de bens substitutos, tecnologia, fatores climáticos). Demanda (f) = (preço do bem, preço de bens substitutos, preço dos bens complementares, renda do consumidor, gostos e hábitos).

41 RELAÇÃO DA ECONOMIA COM AS DEMAIS CIÊNCIAS ECONOMIA É UMA CIÊNCIA SOCIAL! Na economia, o átomo aprende, pensa, reage, projeta, finge...

42 DIVISÃO DO ESTUDO ECONÔMICO MICROECONOMIA: comportamento das unidades econômicas básicas: consumidores e produtores. MACROECONOMIA: determinação e comportamento dos grandes agregados. INFLAÇÃO E TAXA DE JUROS DESEMPREGO E CARGA TRIBUTÁRIA EXPORTAÇÕES E TAXA DE CÂMBIO

43 DIVISÃO DO ESTUDO ECONÔMICO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO: elevação do padrão do vida (longo prazo) ECONOMIA INTERNACIONAL ECONOMIA DO TRABALHO ECONOMIA INDUSTRIAL ECONOMIA MONETÁRIA


Carregar ppt "MACROECONOMIA AULA 1. INTRODUÇÃO CONCEITOS Economia -> grego OIKOS (casa); nomos (normas, lei). Ciência social que estuda como o indivíduo e a sociedade."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google