A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

1 Autarquia Educacional do Vale do São Francisco – AEVSF Faculdade de Ciências Sociais e Aplicadas de Petrolina – FACAPE Curso de Ciências da Computação.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "1 Autarquia Educacional do Vale do São Francisco – AEVSF Faculdade de Ciências Sociais e Aplicadas de Petrolina – FACAPE Curso de Ciências da Computação."— Transcrição da apresentação:

1 1 Autarquia Educacional do Vale do São Francisco – AEVSF Faculdade de Ciências Sociais e Aplicadas de Petrolina – FACAPE Curso de Ciências da Computação SEGURANÇA E AUDITORIA DE SISTEMAS Cynara Carvalho

2 2 Ementa: Auditoria de sistemas, PED nas empresas; segurança, formação de Departamentos de auditoria, levantamentos, procedimentos. Conteúdo: 1- Conceitos e Organização de Auditoria 2– Segurança nas informações 3– Auditoria da Tecnologia da Informação 4– Segurança em Redes e Internet. Bibliografia: Dias, Cláudia. Segurança e Auditoria da Tecnologia da Informação. 1ª Edição, AXCEL BOOKS, LYRA, Maurício Rocha. Segurança e Auditoria em Sistemas de Informação. Gil; Antonio de Loureiro. Auditoria de Computadores – 5ª Edição, Atlas 2000 Autor Anônimo. Segurança Máxima, 2ª Edição, Editora Campus, 2000 Tribunal de Contas da União, Manual de Auditoria de Sistemas, SÊMOLA, Marcos. Gestão da Segurança da Informação: uma visão executiva. Rio de Janeiro: Campus, 2003.

3 3 Conceitos e Organização de Auditoria Auditoria: é uma atividade que engloba o exame das operações, processos, sistemas e responsabilidades gerenciais de uma determinada entidade, com o intuito de verificar sua conformidade com certos objetivos e políticas institucionais, orçamentos, regras, normas ou padrões. Fases da Auditoria: Planejamento Execução Relatório

4 4 Auditoria e Conceitos básicos 1. CAMPO 1.1 Objeto. Pode ser uma entidade completa (instituição pública ou privada), uma parte selecionada ou uma função dessa entidade. 1.2 Período. Pode ser de um ano, um mês ou período de uma gestão. 1.3 Natureza. Serão apresentados em seguida os tipos mais comuns, classificados sob os aspectos: órgão fiscalizador, forma de abordagem do tema e tipo ou área envolvida.

5 5 Natureza da Auditoria Quanto ao Órgão Fiscalizador: Auditoria Interna Auditoria Externa Auditoria Articulada Quanto à Forma de Abordagem do Tema: Auditoria Horizontal – Auditoria com tema específico realizada em várias entidades ou serviços paralelamente. Auditoria Orientada – Auditoria focada em uma atividade específica qualquer ou em atividade com fortes indícios de erros ou fraudes. Quanto ao Tipo ou Área Envolvida: Auditoria de programas de governo Auditoria de planejamento estratégico Auditorias administrativa, contábil, financeira, legalidade Auditoria operacional Auditoria de TI

6 6 Auditoria e Conceitos básicos AMBITO Constitui-se da amplitude e exaustão dos processos de auditoria, incluindo uma limitação racional dos trabalhos a serem executados. Define então até que ponto serão aprofundadas as tarefas de auditoria e seu grau de abrangência. 3. ÁREA DE VERIFICAÇÃO É o conjunto formado por campo e âmbito da auditoria. Delimita de modo preciso os temas da auditoria, em função da entidade a ser fiscalizada e da natureza da auditoria.

7 7 ObjetoPeríodoNatureza Campo Âmbito Sub 1Sub 2Sub 3 Área de Verificação Abrangência de Auditoria

8 8 Controles É a fiscalização exercida sobre as atividades de pessoas, órgãos, departamentos para que tais atividades, ou produtos, não se desviem das normas preestabelecidas. Tipos de Controle: Controle Preventivo - Usados para prevenir erros, omissões ou atos fraudulentos. Controle Detectivos - Usados para detectar erros, omissões ou atos fraudulentos e ainda relatar sua ocorrência Controles Corretivos - Usados para reduzir impactos ou corrigir erros uma vez detectados. Outros Termos importantes:

9 9 São metas de controle a serem alcançadas, ou efeitos negativos a serem evitados, para cada tipo de transação, atividade ou função fiscalizada. Outros Termos importantes: Objetivo de Controle Procedimentos Formam um conjunto de verificações necessárias à formulação da opinião do auditor. Em geral, são lista de pontos a serem verificados durante a auditoria. Achados de Auditoria São fatos significativos observados pelo auditor durante a execução da auditoria. Podem ser falhas ou irregularidades ou mesmo pontos fortes da instituição auditada.

10 10 Papéis de Trabalho São registros que evidenciam atos e fatos observados pelo auditor. Podem estar na forma de documentos, arquivos informatizados, etc... Estes papéis dão suporte ao relatório final da auditoria, pois registram a metodologia adotada, procedimentos, verificações, fontes, etc.. Relatório de Auditoria Onde são feitas as recomendações ou determinações da auditoria, para corrigir eventuais falhas detectadas, além de apontar responsáveis, quando for o caso. Outros Termos importantes:

11 11 Auditoria da Tecnologia da Informação É um tipo de auditoria operacional, que analisa a gestão de recursos, enfocando os aspectos de eficiência, eficácia, economia e efetividade. Pode abranger: O ambiente de informática como um todo. A organização do departamento de informática Controles sobre BD´s Redes Diversos aplicativos Sub-Áreas de auditoria em ambientes informatizados : Auditoria da segurança de informações Auditoria da tecnologia da informação Auditoria de aplicativos

12 12 Auditoria da segurança de informações Determina a postura da organização com relação à segurança das suas informações. Faz parte da auditoria de TI. Escopo: Avaliação da política de segurança Controles de acesso lógico Controles de acesso físico Controles ambientais Planos de contingências e continuidade dos serviços

13 13 Auditoria da tecnologia da informação Abrange todos os aspectos relacionados com a auditoria da segurança das informações além de outros controles que podem influenciar a segurança de informações e o bom funcionamento dos sistemas da organização. Controles: Organizacionais De mudanças De operação dos sistemas Sobre bancos de dados Sobre microcomputadores Sobre ambientes cliente-servidor

14 14 Auditoria de aplicativos Voltada para a segurança e o controle de aplicativos específicos. Controles: Desenvolvimento de sistemas aplicativos Entrada, processamento e saída de dados Sobre conteúdo e funcionamento do aplicativo, com relação a área por ele atendida

15 15 Exercícios 1. Definir AUDITORIA. 2. Quais as principais FASES de uma Auditoria? Comente sobre cada uma. 3. Definir CONTROLE. 4. A Auditoria é uma atividade de controle? 5. Como pode ser classificado os Controles? Fale sobre cada um. 6. O que são OBJETIVOS DE CONTROLE? 7. O que são PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA? Exemplifique. 8. Falar da relação Objetivos de Controle X Procedimentos de Auditoria. 9. Citar os tipos mais comuns (NATUREZA) de Auditoria. 10. Definir AUDITORIA DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. 11. Quais as 3 grandes áreas da Auditoria da Tecnologia da Informação? Fale sobre cada uma delas. 12. Quais as sub-áreas da Auditoria da Segurança da Informação? 13. Quais as sub-áreas da Auditoria da Tecnologia da Informação? 14. Quais as sub-áreas da Auditoria de Aplicativos? Cláudia Dias – págs – 08 a 14

16 16 Equipe de Auditoria Profissionais de alta capacidade técnica, em constante aperfeiçoamento, comprometidos com a organização e com postura adequada. Conhecimentos necessários: Na área que atua, com experiências práticas anteriores. Bom nível em sistemas computacionais para planejar, dirigir, supervisionar e revisar o trabalho executado. Quanto mais complexos os elementos do ambiente computacional e o grau de profundidade esperado dos exames de auditoria, maior a necessidade de especialização da equipe e/ou do auditor. Algumas vezes torna-se necessário contratação externa. Normalmente os conhecimentos básicos englobam sistemas operacionais, software básico, bancos de dados, redes LAN/WAN, avançando até softwares de controle de acesso, planos de contingências e de recuperação e metodologias de desenvolvimento de sistemas

17 17 Equipe de Auditoria Composição da Equipe: Contratação de consultoria externa Desenvolver habilidades em informática nos auditores com formação básica em contabilidade e auditoria Desenvolver habilidades em auditoria funcionários com formação em análise de sistemas, ciência da computação, etc...

18 18 Equipe de Auditoria Recomendável para sistemas de alta complexidade e especialização. Análise minuciosa do custo-benefício. Extensão do trabalho dos consultores, utilizando externa somente onde não houver disponibilidade na própria equipe. Em caso de contratação, os acertos financeiros e cláusulas contratuais devem ser o mais claros possíveis. Deve-se optar por empresas/pessoas já com experiência na atividade e checar seus desempenhos em trabalhos anteriores. A equipe externa deve se envolver desde o início dos trabalhos. Deve-se estabelecer etapas bem definidas e pontos de controle, com supervisão contínua de integrante da organização contratante. Contratação de consultoria externa

19 19 Equipe de Auditoria Qual o tipo de consultoria mais adequada? Deve ter recursos (humanos e tecnológicos) adequados para atingir os objetivos da auditoria dentro do prazo e com a qualidade esperada. Firmas ou organizações – podem dispor de mais recursos e oferecer uma gama maior de serviços ou profissionais para cada tipo de atividade. No entanto isso não garante a qualidade dos seus serviços. Profissionais autônomos – podem atuar no planejamento estratégico da auditoria ou nas verificações de campo. Podem complementar a equipe interna em todo a verificação ou em determinadas fases do processo. Tanto firmas como especialistas autônomos podem ser de grande utilidade no planejamento da auditoria, na condução de entrevistas com o auditado, na avaliação de controles, na captação de dados dos sistemas, na revisão dos resultados obtidos e nas recomendações finais do relatório de auditoria. Contratação de consultoria externa

20 20 Equipe de Auditoria Analisando os Candidatos ao Serviço de Consultoria Externa Estudar bem as propostas, detalhando os custos do serviços, os recursos humanos oferecidos, suas habilidades técnicas, plano de trabalho, etc... Seleção inicial dos possíveis candidatos, identificando consultores que já prestaram serviços à organização e reconhecidos no mercado por sua especialização e qualidade dos serviços. Definir os critérios para a análise das propostas dos consultores. A proposta tem que ser compatível com os requisitos e prazos estabelecidos. Os custos devem ser bem explicitados para que não haja dúvidas sobre sua composição. Contratação de consultoria externa

21 21 Equipe de Auditoria Relacionamento com os Consultores Externos Para assegurar a qualidade do trabalho, o entrosamento da equipe é essencial, principalmente se membros não fizerem parte do corpo funcional da organização. Nas auditorias com participação externa, é necessário que os aspectos relevantes estejam sempre sob o controle do coordenador da equipe, necessariamente um funcionário da organização. Devem ser estipulados pontos de controle durante a execução da auditoria para que o coordenador avalie periodicamente o trabalho. É recomendável a transferência de conhecimentos entre os consultores e os membros internos da equipe, visando a capacitação dos mesmos para auditorias semelhantes no futuro. Contratação de consultoria externa

22 22 Equipe de Auditoria Avaliando o trabalho realizado É importante analisar os resultados, com a participação da equipe interna, coordenador e gerência da organização contratante. Discutir os pontos fortes e fracos, relatar as dificuldades. Comparar resultados esperados com alcançados. Orçamento, Prazos, Níveis de qualidade : previsto X real Cooperação entre equipe externa e interna, sugestões para futuras auditorias. Contratação de consultoria externa

23 23 Equipe de Auditoria A compreensão pode ser mais difícil. A linguagem técnica e as evoluções constantes podem dificultar um aprendizado adequado. As dificuldades decorrentes da falta de boa vontade dos profissionais de informática ou o uso excessivo de vocabulário técnico. Um bom nível de especialização só é conseguido após anos de de formação e práticas. Composição da Equipe: Desenvolver habilidades em informática nos auditores com formação básica em contabilidade e auditoria

24 24 Equipe de Auditoria Pode produzir resultados mais satisfatórios e em menor tempo. Normalmente as ferramentas de auditoria são computacionais. O potencial do profissional de informática que se deseja capacitar e sua capacidade de adaptação devem ser avaliados criteriosamente. A preparação tem que ser contínua, mesmo um profissional já experiente deve-se manter em dia com os assuntos referentes a auditoria de sistemas. Participações em seminários e cursos de especialização é indispensável. Participação em fóruns e consultas a sites de referência também são válidos. A equipe deve se preocupar em montar um Manual de Auditoria da TI para a organização, além de manter um acervo com livros e revistas especializadas para consultas a qualquer tempo. Composição da Equipe: Desenvolver habilidades em auditoria funcionários com formação em análise de sistemas, ciência da computação, etc...

25 25 A computação está em constante evolução tecnológica; O treinamento constante de auditores é imprescindível para que estejam preparados para realizar auditorias com qualidade e com grau de profundidade técnica adequado; Os sistemas atuais são muito complexos e exigem conhecimentos que vão desde sistemas operacionais, planos de contingências, desenvolvimento de aplicativos, segurança de informações que trafegam pela internet etc.; Devem ser traçadas estratégias diferentes de treinamentos a depender do nível de conhecimento dos auditores. Equipe de Auditoria Treinamento

26 26 Devem ser estimulados a participar de:. Seminários. Cursos de especialização. Workshops. Congressos. Grupos de discussão. Boletins. Home pages de organizações especializadas. Equipe de Auditoria Treinamento

27 27 Em alguns países existem organizações que promovem certificações de qualificação profissional de auditores de sistemas: ISACA (Information Systems Audit and Control Association – Certificado de Auditor de Sistemas de Informação (CISA) British Computer Society – Exame da Sociedade Britânica de Informática Institute of Internal Auditors (IIA) – Qualificação em Auditoria Computacional Equipe de Auditoria Qualificação Profissional

28 28 O IIA e a ISACA, em especial, desempenham um papel ativo no desenvolvimento de padrões de auditoria e controle de sistemas de informação. Sob demanda, provêem informações sobre suas publicações, padrões e qualificação. A certificação de auditor de sistemas é sempre atualizada. Algumas organizações ao contratar serviços de auditoria exigem a apresentação de certificados atualizados. Equipe de Auditoria Qualificação Profissional

29 29 OBJETIVO: Orientar o trabalho dos auditores Difundir o conhecimento nessa área - O nível de detalhamento desse material dependerá do tamanho da equipe, do tempo disponível para desenvolver essa documentação e do grau de qualificação técnica de seus componentes. - Caberá à chefia decidir se serão elaborados documentos específicos ou se serão utilizadas publicações de outras entidades de fiscalização e controle em TI. Equipe de Auditoria Manual de Auditoria – Tecnologia da Informação

30 30 O grupo de auditores deverá ter à sua disposição uma biblioteca técnica para consulta. Com isso: Os trabalhos serão orientados de acordo com padrões existentes; A equipe estará sempre atualizada; Terão à disposição publicações técnicas como fonte de pesquisa; Deve manter nessa biblioteca todos os relatórios de auditorias em TI; Deverá dispor ainda: legislação e normas, manuais de auditoria e procedimentos, livros de informática, revistas, manuais de treinamentos, artigos de jornais relacionados etc. Equipe de Auditoria Biblioteca Técnica

31 31 Uma única pessoa não deterá todos os conhecimentos necessários em TI para uma auditoria; É necessário que uma equipe de auditoria seja formada por auditores com diferentes especializações; Cabe à gerência desenvolver as especializações que faltam, através de treinamento adequado, e administrar o grupo como um time coeso que se complementa; Formada essa equipe, esta pode atuar em auditorias de tecnologia da informação ou como suporte técnico a outras equipes de auditoria. Equipe de Auditoria Organização da Equipe Especializada

32 32 Auditores de sistemas são considerados recursos humanos escassos, por isso suas atividades são definidas apenas nos casos em que sua atuação é realmente necessária; Uma forma de amenizar essa escassez é formando auditores para atuar como suporte básico de informática nas equipes de auditoria de caráter genérico - AUDITOR GENERALISTA; Normalmente o auditor generalista executa atividades de caráter preliminar em ambientes de informática ou sistemas considerados pouco complexos para determinar a estratégia de auditoria mais adequada. Equipe de Auditoria Administrando Recursos Escassos

33 33 É necessário que as atividades de cada auditor sejam bem definidas, bem como o suporte técnico dado pelos auditores especializados, limites de atuação, relacionamentos entre eles, etc.; Os planos de auditoria devem ser elaborados levando em conta os recursos humanos disponíveis. Devem ser elaborados planos de preferência anual; A tendência é que no futuro todos os auditores tenham conhecimentos necessários para realizar auditorias de sistemas; É necessário que a função de auditoria se adapte aos novos ambientes e necessidades do mercado. Espera-se com o uso cada vez mais intenso do computador que haja um aumento no mercado desse profissionais. Equipe de Auditoria Administrando Recursos Escassos

34 34 Em organizações de auditoria geralmente as atividades são planejadas em três níveis, baseados em períodos de tempo diferentes: Plano Estratégico de Longo Prazo: Normalmente para períodos de 3 a 5 anos; Objetivos mais amplos, atinge toda a organização e tem que ser aprovado pela gerência superior; Define metas, forma de atuação, recursos necessários, necessidades de treinamento etc. É aconselhável revisar a atualizar anualmente. Equipe de Auditoria Planejamento de Atividades

35 35 Em organizações de auditoria geralmente as atividades são planejadas em três níveis, baseados em períodos de tempo diferentes: Plano Estratégico de Médio Prazo: Traduz o plano de longo prazo para um programa de atividades para o ano que se inicia; Em geral, procura atender as demandas das auditorias genérica por auditorias mais especializadas; Normalmente aprovada pela gerência intermediária, define os objetivos macros das auditorias a serem feitas em seguida; Deve ser flexível para aceitar as alterações necessárias. Equipe de Auditoria Planejamento de Atividades

36 36 Em organizações de auditoria geralmente as atividades são planejadas em três níveis, baseados em períodos de tempo diferentes: Plano Estratégico Operacional: Baseia em auditorias individualizadas Contem detalhes exatos dos objetivos, áreas a serem auditadas, recursos necessários, prazos, objetivos de controle e procedimentos de auditoria a serem seguidos. É o plano específico de uma determinada auditoria; Será tratado a seguir (planejamento e execução). Equipe de Auditoria Planejamento de Atividades

37 37 Exercícios 1. Que habilidade deve ter um gerente de equipe de auditoria? 2. Que habilidade deve ter um Auditor de Tecnologia da Informação? 3. Que habilidade deve ter um Auditor de Tecnologia da Informação, segundo o Padrão Internacional de Auditoria? 4. Quais são as 3 opções possíveis na formação de uma equipe de auditoria? 5. Das 3 opções da questão anterior qual a que você considera mais viável para a formação de uma equipe de Auditoria em Tecnologia da Informação? 6. Quais são as 2 categorias de consultoria externa? Fale sobre cada uma delas. 7. Quais os principais meios de qualificação/atualização na área de tecnologia da informação? Fale sobre cada um deles. 8. Quais são os níveis de planejamento de atividades em auditoria de tecnologia da informação? Fale sobre cada um deles. Cláudia Dias – págs 14 a 25

38 38 Planejamento e Execução de Auditoria A maior quantidade possível de informações da entidade auditada e seu ambiente de informática deve ser levantada. Estas informações possibilitam uma noção da complexidade dos sistemas e estabelecer os recursos e conhecimentos técnicos necessários. Tipos de informações técnicas: hardware, SO, sistemas de segurança, aplicativos e os responsáveis pelas áreas. Pesquisa de fontes de informação: A fase de planejamento identifica os instrumentos indispensáveis à sua realização. Estabelece, entre outras coisas: Recursos necessários Área de verificação Metodologias Objetivos de controle Procedimentos a serem adotados

39 39 Planejamento e Execução de Auditoria O campo da auditoria é composto por objeto, período e natureza. Em auditorias de informática, a natureza é a própria auditoria de TI. O Objeto pode englobar um sistema computacional, uma ou mais seções do deptº de informática ou toda a organização em termos de políticas de informática. O período depende do grau de profundidade das verificações (âmbito) e das sub-áreas. Tendo definido o conjunto campo e âmbito, é fixada toda a área de verificação Definindo Campo, Âmbito e Sub-áreas Recursos humanos Recursos econômicos Recursos técnicos Definindo os Recursos Necessários

40 40 ObjetoPeríodoNatureza Campo Âmbito Sub 1Sub 2Sub 3 Área de Verificação – DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA Planejamento e Execução de Auditoria Avaliação da eficácia dos controles Segurança de informações 01/08 a 30/09/2002 Audit. TI Controles de Acesso Físico Controles de Acesso Lógico Backup

41 41 Metodologias Entrevista de Apresentação Entrevistas de Coleta de Dados Entrevistas de discussão das deficiências encontradas Entrevistas de encerramento Entrevistas Apresentar o plano de auditoria, coletar dados, identificar falhas e apresentar os resultados do trabalho. Uso de Ferramentas de Apoio (CAATs) Técnicas de análise dados Técnicas para verificação de controles de sistemas Outras ferramentas

42 42 Técnicas de análise dados Os dados do auditado pode ser coletados e analisados com o auxílio de softwares de extração de dados, de amostragem, de análise de logs e módulos ou trilhas de auditoria embutidas nos próprios sistemas aplicativos da entidade Técnicas para verificação de controles de sistemas Permite testar a efetividade dos controles dos sistemas do auditado. Pode- se analisar sua confiabilidade, e ainda determinar se estão operando corretamente a ponto de garantir a fidedignidade dos dados. Dentre as técnicas mais utilizadas, pode-se citar: - Massa de dados de teste, simulações, software de comparação de programas, - mapeamento e rastreamento de processamento Planejamento e Execução de Auditoria Metodologias

43 43 Outras ferramentas Existem ferramentas que não são necessariamente de apoio à auditoria, mas auxilia o auditor durante a execução da auditoria e na elaboração do relatório. Se encontram nessa categoria: editores de textos, planilhas eletrônicas, banco de dados e softwares para apresentações. Metodologias

44 44 Os objetivos de controle norteiam a auditoria em várias áreas especializadas e organizacionais. Para realizar uma avaliação da atuação de outros profissionais, é necessário que o avaliador tenha um modelo normativo, um conjunto de padrões, de como a atividade deveria estar sendo feita. O modelo normativo é traduzido em objetivos de controle a serem avaliados pelo auditor em cada área específica. Objetivos de Controle e Procedimentos de Auditoria

45 45 EXEMPLO: Na área de segurança, um dos objetivos de controle pode ser o estabelecimento de regras para acesso aos recursos computacionais. Alguns procedimentos de auditoria relacionados ao objetivo acima citado pode ser: verificar se há documento formal que justifique a necessidade do usuário para acessar determinados recursos computacionais; ou verificar se existem procedimentos que definem os recursos computacionais que poderão ser acessados e os tipos de transações que poderão ser executadas por cada usuário autorizado. Objetivos de Controle e Procedimentos de Auditoria

46 46 ENFOQUES E MOTIVAÇÕES: Segurança – dados e sistemas em que são essenciais a confidencialidade, a integridade, a disponibilidade de informações; Atendimento a solicitações externas – verificação de indícios de irregularidades motivados pela imprensa, denuncia, solicitação de órgãos superiores; Materialidade – valor significativo dos sistemas computacionais, transações, em termos econômico-financeiro; Altos custos de desenvolvimento – sistemas com altos custos de desenvolvimento envolvem riscos mais altos para a organização. Objetivos de Controle e Procedimentos de Auditoria

47 47 ENFOQUES E MOTIVAÇÕES: Grau de envolvimento dos usuários - sistemas elaborados sem o envolvimento dos usuários em geral não atendem satisfatoriamente às suas necessidades; A partir do momento em que foram definidas a área de verificação e as subáreas a serem auditadas, a equipe seleciona os objetivos de controle mais apropriados e, por fim, utiliza procedimentos de auditoria para testar se os respectivos objetivos de controle estão sendo seguidos pela entidade. Normalmente as organizações ligadas à auditoria da tecnologia da informação publicam manuais de orientação contendo objetivos de controle e procedimentos de auditoria típicos em um ambiente de informática. Objetivos de Controle e Procedimentos de Auditoria

48 48 Procedimentos de Auditoria Execução: Na execução, a equipe deve reunir evidências confiáveis, relevantes e úteis para os objetivos da auditoria. Tipos: Evidência física Evidência documentária Evidência fornecida pelo auditado Evidência analítica Todas essas evidências devem estar organizadas nos papéis de trabalhos, para facilitar a elaboração do relatório.

49 49 Relatório A forma como o auditor apresenta seus achados e conclusões, com comprovações, incluindo recomendações e, conforme o caso, determinações. Deve ser claro, objetivo, sem uso exagerado de termos técnicos. Glossário ao final, caso haja uso de termos e siglas. Bem organizado. Relatórios preliminares podem ser apresentados e discutidos com a parte auditada e/ou com a autoridade contratante. O relatório final deve ser revisado por todos os membros da equipe, para verificar sua consistência, omissões como também uma revisão gramatical.

50 50 Relatório Estrutura: Dados da entidade auditada. Síntese – breve resumo do relatório Dados da auditoria – objetivos, período, equipe, metodologia, etc.. Introdução – breve histórico, resumo de audit. Anteriores, estrutura hierárquica dos deptº auditados, etc... Falhas detectadas – Detalhamento das falhas e irregularidades, com comentários e justificativas e parecer da equipe. Conclusão – Resumo dos principais pontos e recomendações finais para correção das falhas e apontar pontos fortes. Pareceres – Quando necessário, de instâncias superiores.

51 51 Exercícios Propostos 1. Qual o objetivo do Planejamento de Auditoria? 2. Quais as informações básicas que devem estar contidas em um Plano de Auditoria? 3. Quais as principais fontes de informações para a elaboração de um Plano de Auditoria? 4. Quais os recursos necessários para uma auditoria? Fale sobre cada um. 5. Quais as principais metodologias utilizadas em uma atividade de auditoria. Fale sobre cada uma delas. 6. Em uma auditoria, a equipe deve reunir evidências suficientemente confiáveis, relevantes e úteis para a consecução dos objetivos da auditoria. Fale sobre cada uma dessas evidências. 7. O que deve conter em um relatório de auditoria? Cláudia Dias – págs – 25 a 36


Carregar ppt "1 Autarquia Educacional do Vale do São Francisco – AEVSF Faculdade de Ciências Sociais e Aplicadas de Petrolina – FACAPE Curso de Ciências da Computação."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google