A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Prof. João Bosco da Mota AlvesINE/CTC/UFSC - Teoria Geral de Sistemas1 Modelo de um Sistema Bacharelado em Sistemas de Informação (1 a fase - 4 créditos)

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Prof. João Bosco da Mota AlvesINE/CTC/UFSC - Teoria Geral de Sistemas1 Modelo de um Sistema Bacharelado em Sistemas de Informação (1 a fase - 4 créditos)"— Transcrição da apresentação:

1 Prof. João Bosco da Mota AlvesINE/CTC/UFSC - Teoria Geral de Sistemas1 Modelo de um Sistema Bacharelado em Sistemas de Informação (1 a fase - 4 créditos) Parte 5 de 8 Prof. João Bosco da Mota Alves INE/CTC/UFSC Março de 2002

2 Prof. João Bosco da Mota AlvesINE/CTC/UFSC - Teoria Geral de Sistemas2 Referências Todo o material deste tópico se baseia em duas referências –http://www.psychstat.smsu.edu/introboo k/sbk04m.htmhttp://www.psychstat.smsu.edu/introboo k/sbk04m.htm –http://facstaff.uww.edu/eamond/216/N otes/Models/Models.htmhttp://facstaff.uww.edu/eamond/216/N otes/Models/Models.htm

3 Prof. João Bosco da Mota AlvesINE/CTC/UFSC - Teoria Geral de Sistemas3 Modelos Em geral, mundo visto via modelos Método científico e modelos de mundo –Cria –Verifica –Modifica Mesmo nas coisas banais –Trabalha-se com modelos

4 Prof. João Bosco da Mota AlvesINE/CTC/UFSC - Teoria Geral de Sistemas4 Modelos Método científico –Simplifica/explica complexidade do mundo Cientistas usam esses modelos para –Prever eventos/sistemas –Controlar eventos/sistemas Mesmo não cientistas o fazem –Administradores, médicos, jogadores,...

5 Prof. João Bosco da Mota AlvesINE/CTC/UFSC - Teoria Geral de Sistemas5 Modelo: definição Uma representação da estrutura essencial de algum objeto ou evento no mundo real Tal representação pode ser –Física –Simbólica

6 Prof. João Bosco da Mota AlvesINE/CTC/UFSC - Teoria Geral de Sistemas6 Modelo Físico Representação física reduzida –Aeromodelo –Maquetes Serve para estudar propriedades –Relações entre componentes –Dimensões relativas –etc.

7 Prof. João Bosco da Mota AlvesINE/CTC/UFSC - Teoria Geral de Sistemas7 Modelo Simbólico Representação abstrata –Equações matemáticas –Programa de computador –Mapa conceitual Serve para estudar propriedades via –Simulação –Emulação, etc.

8 Prof. João Bosco da Mota AlvesINE/CTC/UFSC - Teoria Geral de Sistemas8 Características de Modelos Necessariamente incompletos –Não inclui todos os aspectos do mundo –Apenas estruturas essenciais do mundo Para estudar-se relações entre objetos e/ou eventos do mundo –Visam extrair suposições para explicar fenômenos

9 Prof. João Bosco da Mota AlvesINE/CTC/UFSC - Teoria Geral de Sistemas9 Características de Modelos Pode ser manipulado com facilidade –Muda-se o modelo e vê-se o resultado –Simples, resultado pode ser catastrófico –Mudar simbólico mais fácil que físico –Simular multidões (Modelo de formigas) Simbólico –Simular vôos (Tunel Aerodinâmico) Físico

10 Prof. João Bosco da Mota AlvesINE/CTC/UFSC - Teoria Geral de Sistemas10 Linguagens de Modelos Modelo físico –Mais usado por arquitetos e engenheiros Modelo simbólico –Mais usado por cientistas Linguagens naturais e formais –Conjunto de símbolos –Conjunto de regras para os símbolos

11 Prof. João Bosco da Mota AlvesINE/CTC/UFSC - Teoria Geral de Sistemas11 Linguagens de Modelos Conjunto de símbolos –Vocabulário Lingua portuguesa –Símbolos formam palavras (dicionário) Linguagem algébrica –Símbolos formam números, operadores, variáveis: 23, -45, m, >, =, +,...

12 Prof. João Bosco da Mota AlvesINE/CTC/UFSC - Teoria Geral de Sistemas12 Linguagens de Modelos Consiste de strings de símbolos Nem todo string possível é válido –Em português (çapo, por exemplo) –Em álgebra (2 +/ 4) Há regra para isso: Léxica Outra regra: Sintaxe –Sou português eu; 2 + / 4 5

13 Prof. João Bosco da Mota AlvesINE/CTC/UFSC - Teoria Geral de Sistemas13 Linguagens de Modelos Português: Linguagem natural Álgebra: Linguagem formal Ambas permitem mudanças em sentença, sem alterar significado Em português –Eu comi o bolo –O bolo foi comido por mim

14 Prof. João Bosco da Mota AlvesINE/CTC/UFSC - Teoria Geral de Sistemas14 Linguagens de Modelos Em álgebra –2a + ab –2 (a + b) Isso se chama transformação Em álgebra a transformação permite provar que uma sentença é igual a outra (teorema)

15 Prof. João Bosco da Mota AlvesINE/CTC/UFSC - Teoria Geral de Sistemas15 Linguagens de Modelos Para a construção de modelos –Deve-se usar uma linguagem formal Exemplo –UML –DFD –Diagrama de Estado –etc.

16 Prof. João Bosco da Mota AlvesINE/CTC/UFSC - Teoria Geral de Sistemas16 Construção de Modelos Método científico –Construção e verificação de modelos Após problema formulado, 4 etapas –Simplificação/idealização –Representação/mensuração –Manipulação/transformação –Verificação

17 Prof. João Bosco da Mota AlvesINE/CTC/UFSC - Teoria Geral de Sistemas17 Simplicação/Idealização Um modelo contém estruturas essenciais do objeto/evento Esse primeiro estágio identifica –Aspectos relevantes do objeto/evento –Considerando uma primeira aproximação –Tendo em mente sempre a simplificação

18 Prof. João Bosco da Mota AlvesINE/CTC/UFSC - Teoria Geral de Sistemas18 Representação/medida Símbolos são usados para representar –Objetos, eventos e relações Exemplo: Lei de OHM (V=R I) –V: tensão elétrica, diferença de potencial, (V, volts) –R: resistência elétrica, (, ohms) –I: corrente elétrica, (A, ampères) –Símbolos (V,, A) representam medidas

19 Prof. João Bosco da Mota AlvesINE/CTC/UFSC - Teoria Geral de Sistemas19 Manipulação/Transformação Sentenças sofrem transformações Esse procedimento permite –Derivar novas interpretações –Derivar novos insights para o modelo –Retirar conclusões –Básico para aperfeiçoar modelo

20 Prof. João Bosco da Mota AlvesINE/CTC/UFSC - Teoria Geral de Sistemas20 Verificação Implicações derivadas dos estágios prévios são confrontadas através de –Observações do mundo real –Experimentos no mundo real Esse processo prossegue até que o modelo seja depurado Exemplo da Lei de OHM

21 Prof. João Bosco da Mota AlvesINE/CTC/UFSC - Teoria Geral de Sistemas21 Construção de Modelos

22 Prof. João Bosco da Mota AlvesINE/CTC/UFSC - Teoria Geral de Sistemas22 Construção de Modelos Uma ilustração

23 Prof. João Bosco da Mota AlvesINE/CTC/UFSC - Teoria Geral de Sistemas23 Exercícios em classe Pense em um fenômeno, objeto ou evento físico real Construa um modelo: 4 estágios –Simplificação/Idealização –Representação/Medida –Manipulação/Transformação –Verificação

24 Prof. João Bosco da Mota AlvesINE/CTC/UFSC - Teoria Geral de Sistemas24 Movimento em queda livre Suponha que você solte um objeto de uma certa altura e observe os dados –1 s depois, cai 5 m –2 s depois, cai 20 m –4 s depois, cai 80 m –8 s depois, cai 320 m Pergunta: pode-se extrair um modelo? Dobra o tempo, quadruplica a altura

25 Prof. João Bosco da Mota AlvesINE/CTC/UFSC - Teoria Geral de Sistemas25 Queda livre: modelo Note que a relação obedece certa regra –5/1=5; 20/2=10; 80/4=20; 320/8=40 Se chamarmos altura de y e o tempo t –Representar y = 5 t, so serve ao 1 0 –Depois de ralar, chega-se a y = 5 t 2

26 Prof. João Bosco da Mota AlvesINE/CTC/UFSC - Teoria Geral de Sistemas26 Queda livre: modelo Sabemos, hoje, que depende da aceleração da gravidade O fator 5 vale para a superfície da terra: diferente em outros planetas –O correto é y = ½ g t 2 –Como g 10 m/s 2, o modelo está razoável –Ou, seja y = 5 t 2


Carregar ppt "Prof. João Bosco da Mota AlvesINE/CTC/UFSC - Teoria Geral de Sistemas1 Modelo de um Sistema Bacharelado em Sistemas de Informação (1 a fase - 4 créditos)"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google