A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Universidade Federal do Pampa Curso de Engenharia de Alimentos Análise de Alimentos Prof. ª Valéria Terra Crexi Engenheira de Alimentos.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Universidade Federal do Pampa Curso de Engenharia de Alimentos Análise de Alimentos Prof. ª Valéria Terra Crexi Engenheira de Alimentos."— Transcrição da apresentação:

1 Universidade Federal do Pampa Curso de Engenharia de Alimentos Análise de Alimentos Prof. ª Valéria Terra Crexi Engenheira de Alimentos

2 Recomendações Gerais no Trabalho de Laboratório 1.1 Regras gerais de segurança e procedimentos no laboratório Segurança pessoal -Usar sempre o material de proteção (luvas, óculos, máscaras) indicado para cada caso particular; - Usar uniforme (jalecos) adequados, de preferência em tecido de algodão, longo e fechado, sem bolsos inferiores, de comprimento adequado, evitando mangas muito compridas ou largas;

3 - Proteger os pés, usando calçados adequados, bem fechados, evitando saltos e solados lisos; - Não comer, beber ou fumar no ambiente de trabalho; -Evitar o uso de excesso de acessórios como pulseiras, anéis, corrente; -Proteger os cabelos, especialmente quando compridos, amarrando-os ou colocando uma touca; -Manter boa postura em laboratório, evitando se inclinar sobre bancadas ou equipamentos;

4 -Evitar o trabalho em laboratório quando estiver sozinho, principalmente em horários fora do expediente normal de trabalho; -Em qualquer momento estar consciente do que estiver fazendo.

5 Segurança no ambiente -Manter sempre limpo o local de trabalho; -Não descartar nas lixeiras fósforos acesos, materiais aquecidos, vidros ou solventes; -Não colocar as tampas dos frascos e pipetas diretamente sobre as bancadas -Ao derramar alguma substância sobre a bancada ou no cão,limpar imediatamente o local para evitar acidentes; -Nunca trabalhar ou aquecer tubos de ensaio com abertura dirigida contra si ou outra pessoa, sempre direionar para o lado ou interior da capela;

6 Segurança no ambiente -Sempre usar exaustor ao trabalhar com solventes voláteis; -Não trabalhar com material imperfeito ou quebrado, principalmente vidro; -Após trabalhar com material tóxico, lavar bem as mãos, o local de trabalho e os materiais utilizados; -Lubrificar com silicone (camada fina) toda e qualquer conexão em que há superfície esmerilhada -Não colocar materiais sólidos ou solventes orgânicos dentro da pia ou nos ralos, colocá-los em recipientes especiais para o descarte posterior;

7 Segurança no ambiente -Ter o conhecimento da localização dos chuveiros de emergência, lavadores de olhos e extintores e saber utilizá- los corretamente; -Em incêndio produzido por papel, madeira ou material que deixa brasa ou cinzas, usar água, sempre dirigindo o jato de água para a base do fogo; -Ao se retirar do laboratório, verificar se não torneiras de água ou gás abertas; desligar todos os aparelhos, deixar todo o equipamento limpo e lavar as mãos; -Evitar o trabalho prolongado em ambiente com excesso de ruídos provenientes de aparelhos do laboratório ( como de digestores, capelas, moinhos)

8 Cuidado com soluções, reagentes e solventes -Ler os rótulos dos reagentes com atenção e utilizar os mesmos com os devidos cuidados; -Tomar os cuidados necessários ao trabalhar com substâncias ácidas e básicas, principalmente as soluções concentradas; -Quando for diluir ácidos fortes, adicionar sempre o ácido sobre a água e nunca a água sobre o ácido; -Ao preparar soluções que produzem reações altamente exotérmicas, utilizar capela de exaustão e banho de gelo;

9 Cuidado com soluções, reagentes e solventes -Ao preparar reagentes, rotular imediatamente os frascos, identificando adequadamente e colocando a data da preparação; -Evitar o trabalho ou a colocação de frascos com inflamáveis próximo de chamas ou resistências elétricas; -Evitar o aquecimento de substâncias voláteis ou combustíveis ( como álcool, éter etílico, éter de petróleo, hexano e benzeno) diretamente ao fogo, sempre usar manta térmica ou banho de água; -Evitar inalar vapores de gases irritantes ou tóxicos; sempre utilizar a capela de exaustão

10 Cuidado com soluções, reagentes e solventes -Nunca cheirar diretamente no recipiente contendo uma solução ou solvente; -Não aquecer reagentes em sistemas fechados, ou fechar hermeticamente os aparelhos ou recipientes onde há desprendimento de gases; - Materiais inflamáveis ou tóxicos devem ser guardados em recipientes especiais em capela; -Combustíveis e substâncias altamente inflamáveis devem ter local próprio e bem determinado no laboratório, pois podem inflamar-se acidentalmente;

11 Cuidado com soluções, reagentes e solventes -Algumas substâncias se alteram mesmo na temperatura ambiente, devendo ser conservadas em câmara fria, geladeira ou freezer; -Substâncias higroscópicas devem ser acondicionadas em dessecador; - Pipetar com cuidado, nunca deixar que o líquido entre em contato com a boca; se isso acontecer, lavar a boca com enxágues de água vária vezes; -Para substâncias voláteis ou tóxicas,usar pêra de pipetagem, nunca pipetar diretamente com a boca;

12 Cuidado com soluções, reagentes e solventes -Não retornar os reagentes aos vidros originais, mesmo que não tenham sido usados; -Quando se trabalha em análise quantitativa, evitar pegar diretamente papel filtro ou recipiente previamente pesado,manipular preferencialmente com pinças adequadas.

13 Procedimento para pequenos acidentes Qualquer acidente deve ser comunicado ao responsável do laboratório, e os casos mais graves devem ser levados imediatamente ao atendimento médico. Princípios de incêndio - Desligar conexões de gases (se estiverem sendo usadas); - Tentar abafar o fogo com objetos adequados.Os recipientes contendo líquido devem ser cobertos com tela de amianto, ou outro objeto apropriado, para evitar a entrada de ar, apagando deste modo o fogo;

14 Procedimento para pequenos acidentes Princípios de incêndio - Não jogar água em fogo produzido por líquidos inflamáveis que não sejam miscíveis e água; - Apagar as chamas com extintores (espuma, pó químico ou CO2) ou abafar imediatamente; - Não usar extintores de líquido em circuito elétricos, usar sempre extintores de CO2; - Em casos mais graves, comunicar imediatamente o responsável.

15 Natureza de alguns reagentes e solventes químicos Muitas substâncias podem provocar a incidência de alterações carcinogênicas, mutagênicas e úlceras; nos pulmões, nos olhos, na pele, nas membranas mucosas e no sistema nervoso. Entre eles enquadram-se: Químicos tóxicos - Mercúrio: evitar o contato com a pele e não respirar seus vapores; - Asbestos (lã de vidro): possui efeito carcinogênico e induz a problemas respiratórios. Sempre usar luvas e máscara de segurança

16 Natureza de alguns reagentes e solventes químicos Químicos tóxicos - Tolueno e benzeno: são carcinogênicos; sempre trabalhar em capela; - Éter e clorofórmio: afetam o sistema nervoso; evitar respirar seus gases, procurar trabalhar em capela ou ambiente bem ventilado.

17 Natureza de alguns reagentes e solventes químicos Químicos inflamáveis / explosivos - Éter etílico contendo peróxidos (tomar cuidado com éter armazenado por um período de tempo muito longo, pode ocorrer a formação de peróxidos); - Ácido perclórico

18 Natureza de alguns reagentes e solventes químicos Químicos corrosivos - Ácidos em geral: nítrico, sulfúrico, clorídrico e perclórico; - Bases fortes: hidróxido de sódio, de potássio e de amônio.

19 Natureza de alguns reagentes e solventes químicos Substâncias sensíveis à luz - Deve-se trabalhar em ambiente com pouca luminosidade, utilizando frascos âmbar ou envolvidos com papel alumínio, sempre com tampa; - A maioria dessas soluções deve ser preparada no momento do seu uso, por serem estáveis por apenas pequeno período de tempo;

20 Natureza de alguns reagentes e solventes químicos Substâncias sensíveis à luz - Preparar apena quantidade necessária para a análise, a sobra deve ser descartada; - Nunca aquecer esta substâncias, a não ser em casos específicos; -Ex: soluções de iodo, de iodeto de potássio, de clorofilas e de tocoeróis.

21 Local de armazenamento de produtos químicos e de solventes - É imprescindível o conhecimento das informações disponíveis sobre os produtos químicos que serão armazenados (ler com cuidado as informações no rótulo); - Evitar excesso de reagentes/solventes em estoque;possuir um sistema ágil de controle procedendo a compra segundo a necessidade; - Estabelecer segregação adequada,separando segundo as características inerentes às substâncias e suas incompatibilidade;

22 Local de armazenamento de produtos químicos e de solventes - Utilizar estantes, armários protegidos, refrigeração, ventilação e piso adequado; - Realizar o isolamento/confinamento em locais apropriados, recomendável para produtos inflamáveis, cancerígenos, mutagênicos, que possuam odores fortes e/ou com alta toxicidade; - Prover sistema de exaustão em locais ou armários especiais com ventilação ou exaustão apropriada.

23 Limpeza de material e utensílios de laboratório - De maneira geral os sólidos são descartados diretamente no lixo. Os líquidos devem ser colocados em recipientes adequados ou na pia; solventes e tóxicos devem ser colocados em recipientes adequados; - Lavar os utensílios/vidrarias com esponjas adequadas ao formato dos materiais; - Lavar as vidrarias inicialmente com água corrente, após com detergente neutro e novamente com água; no final sempre enxaguar com água destilada;

24 Limpeza de material e utensílios de laboratório - Para materiais mais sujos, sempre deixar a vidraria submersa em água com detergente por algum tempo (pelo menos 4 horas) antes de efetuar a lavagem; - Para os utensílios com resíduos de material carbonizado, primeiro lavar com ácido clorídrico concentrado, após enxaguar com água corrente, e após realizar a lavagem; - Recipientes sujos com gordura, lavar inicialmente com acetona comercial ou com solução de hidróxido de potássio a 4% (deixando em imersão por alguns minutos), e após realizar a lavagem;

25 Limpeza de material e utensílios de laboratório - Depois da limpeza secar em estufa em temperaturas próximas ao ponto de ebulição da água OBS: * Buretas e materiais volumétricos: deixar secar em temperaturas inferiores a 40 0 C; nunca colocar em estufa a altas temperaturas; * Quando o procedimento de limpeza não for suficiente para a limpeza completa colocar o material imerso em solução sulfocrômica por cerca de horas, e repetir a lavagem

26 Limpeza de material e utensílios de laboratório OBS: * Não expor materiais metálicos (tipo cápsulas de metal) em contato com solução sulfocrômica ou com outros ácidos ou bases fortes.


Carregar ppt "Universidade Federal do Pampa Curso de Engenharia de Alimentos Análise de Alimentos Prof. ª Valéria Terra Crexi Engenheira de Alimentos."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google