A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Turma 2010 - 1º semestre Rio de Janeiro. Paredes e Lajes em Sistemas Pré-moldados em Concreto.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Turma 2010 - 1º semestre Rio de Janeiro. Paredes e Lajes em Sistemas Pré-moldados em Concreto."— Transcrição da apresentação:

1 Turma º semestre Rio de Janeiro

2 Paredes e Lajes em Sistemas Pré-moldados em Concreto

3 GRUPO Luiz Heleno Fernandes de Souza Glêdson Pereira Lima Marcelo Paranhos Marcos Carneiro Márcio Gonçalves Rodrigo Reis

4 Introdução Histórico dos Pré Fabricados Cronologia Mercado Atual Indicadores Definições e Planejamento Sistema Construtivo Outros Sistemas Conclusão e Debate Final OBJETIVOS

5 Um teto pra viver... Na Bahia. INTRODUÇÃO

6 Periferia de Bogotá e Caracas INTRODUÇÃO

7 INTRODUÇÃO Zona Sul do Rio – Rocinha – Empare States

8 Habitação de Interesse Social na China INTRODUÇÃO

9 Qual a melhor forma de sistemas ? Pré-Fabricados? Metálicos? Convencionais ? Será que a solução esta em projetos verticalizados, como na China, ou em Módulos Habitacionais como no Japão? Afinal qual o nosso padrão de industrialização? Qual a tecnologia mais viável e correta ambientalmente? INTRODUÇÃO

10 Esta reposta deve ser tratada de forma Plural, com a união das melhores soluções, sistemas e materiais, ou seja, utilizando a chamada Tecnologia Dura, de forma mista e conjunta. INTRODUÇÃO

11 HISTÓRICO DOS PRÉ FABRICADOS

12 Primeira Obra (1926) - Hipódromo da Gávea (Christiani-Nielsen); Déc. 50 – Inicio da preocupação com a industrialização; Déc. 60 – Déficit Habitacional – Criação do BNH - Conj. Residencial da USP em 1964 (12 Pavtos). Déc. 70 – Estimulo – Aumento do Déficit; Déc Estudos e Canteiros Experimentais - Problemas patológicos – Demolições – Falta de incentivo; Déc. 90 – Retorno de Investimentos com Shoppings e Hotéis; Atualmente -Edifícios de até 10 Pavtos pré-fabricadas - 50 MPa;

13 1950 a 1970 – Falta de edificações – Devastação pela Guerra – Construção de edifícios, habitacionais, escolares, hospitais e industriais; 1970 a 1980 – Período de acidentes com alguns edifícios construídos com grandes painéis préfabricados - Rejeição Social = Profunda Revisão no Conceito de utilização - Início do declínio dos sistemas préfabricados – Demolição de grandes conjuntos habitacionais - Quadro crítico, de rejeição social e deterioração funcional. Consolidação de uma pré-fabricação de ciclo aberto, à base de componentes compatíveis, de origens diversas. CRONOLOGIA

14 Podemos considerar, que boa parte do MERCADO AINDA É OBSOLETO MERCADO ATUAL

15 ÍNDICE DE PRODUTIVIDADE BRASIL (internamente) – Variação em mais de 10 vezes com mesmos Sistemas Construtivos. FALTA DE PLANEJAMENTO X BAIXA QUALIFICAÇÃO – Grande Vilão -Falta de planejamento e de sistemas construtivos (perfil da MO igual); PERDAS – Chegam a 50 vezes mais com prejuízo de 15% do custo total da obra; 1,3 Bi = Economia se diminuirmos em 50% as Perdas na Construção Civil/Ano MERCADO ATUAL

16 ONDE ESTAMOS ? HOJE – 109 mil empresas - Dominadas por processos convencionais com mais de 100 anos; MACRO-COMPLEXO DA CONSTRUÇÃO CIVIL - 14 % do PIB Fala-se em Tecnologia, Sistemas, Racionalização e Produtividade - Ainda estamos a passos muito curtos Mercado ainda tradicionalmente formado por empresa de estrutura familiar e com nível de profissionalização muito baixo. MERCADO ATUAL

17 Frases de grandes profissionais que atuam em prol da Engenharia e Industrialização: Não há motivo para ser otimista no caminho da industrialização. Caminha-se muito lentamente. Esse é um setor muito tradicional. O que ocorre na construção em 20 anos, ocorre na medicina em 20 meses e na microeletrônica em 20 dias. Julián Salas, 1988 (Arquiteto e Engenheiro Espanhol) Habitação Manufaturada: em um século a população mundial saltou de um para seis bilhões, enquanto a expectativa de vida dobrou. Os problemas que dividimos são plurais. A prática e a educação na Arquitetura, no entanto, ainda permanecem fixadas à idéia do singular. Bruce Mau em Massive Change: A Manifesto for the Future Global Design Culture, 2004 (Designer e Escritor Canadense) MERCADO ATUAL

18 INDICADORES

19 Maior Influência na Tomada de Decisão - Estrutura INDICADORES

20 Inovações em Sistemas O que mais impacta ? INDICADORES

21 INDICADORES

22 É um elemento estrutural ou de vedação, como pilares, vigas, lajes paredes e outros, que são moldados previamente e adquirem certo grau de resistência, antes do seu posicionamento definitivo no local de aplicação. Por este motivo, este conjunto de peças é também conhecido pelo nome de pré-moldados. O que é um Pré-Moldado ? DEFINIÇÕES E PLANEJAMENTO

23 SISTEMAS PRÉ-FABRICADOS Não são uma técnica alternativa para a execução da construção convencional – Projeto com regras básicas: Tipificação de peças e soluções, Coordenação Dimensional e Modular. DEFINIÇÕES E PLANEJAMENTO

24 Os Pré-moldados podem ser adquiridos junto à empresas especializadas, ou moldados no próprio canteiro da obra, para serem montadas no momento oportuno. A decisão de produzi-los na própria obra depende sempre de características específicas de cada projeto, sendo de fundamental importância um estudo criterioso dos custos que envolvem transportes, dimensões das peças, aquisição ou fabricação de formas, tempo de execução, espaço no canteiro, equipamentos disponíveis, controle tecnológico, acabamento da obra e qualidade. Em engenharia não existem soluções prontas, somente um bom planejamento, baseado nas necessidades específicas de cada obra, na sua localização e no recursos disponíveis para sua execução é que podem definir a melhor alternativa. Aplicação de Pré-Moldados DEFINIÇÕES E PLANEJAMENTO

25 Em tempos de escassez de mão de obra, alta competitividade e necessidade novos métodos que possibilitem ganhos de gestão e produtividade, a industrialização e redução de prazos e recursos na execução das obras aponta para a construção pré-moldada que apresenta entre muitas vantagens, as principais citadas abaixo: Principais vantagens dos Pré-Moldados Padronização de processos executivos Rastreabilidade dos serviços Redução de desperdícios Redução de ociosidade de mão de obra Maior organização dos canteiros Simplificação do planejamento executivo Redução de custos indiretos Menor estrutura administrativa e de fiscalização Redução de custos de produção DEFINIÇÕES E PLANEJAMENTO

26 Dubai – 15% de todas Gruas do Mundo estão lá ! DEFINIÇÕES E PLANEJAMENTO

27 Premissas: - Produtos feitos em escala/série; - Utilização otimizada de materiais; - Redução no tempo de construção; - Fluxo contínuo de Obras; - Definição de requisitos de Qualidade. DEFINIÇÕES E PLANEJAMENTO

28 LAJES PRÉ-MOLDADAS Vantagens na execução Padronização de Lajes Eliminação de formas convencionais Eliminação de escoramentos Racionalização de montagem de armaduras e instalações Eliminação de desperdícios de concreto Simplificação do rastreamento e controle tecnológico Prazo de preparo e lançamento de 72 horas por pavimento Lançamento da laje mecanizada, com apenas um montador Liberação imediata dos serviços de alvenaria após o lançamento Liberação dos serviços no pavimento inferior Exemplos de Pré-Moldados SISTEMAS CONSTRUTIVOS

29 Execução de lajes Pré-moldadas SISTEMAS CONSTRUTIVOS

30 Execução de lajes Pré-Moldadas SISTEMAS CONSTRUTIVOS

31

32 Execução de lajes Pré-moldadas SISTEMAS CONSTRUTIVOS

33 PAREDES PRÉ-MOLDADAS Vantagens na execução Uniformização de processo Eliminação de vedações convencionais Redução de mão de obra Racionalização de montagem de instalações Padronização de vãos de esquadrias Simplificação do rastreamento e controle tecnológico Redução do prazo de execução por pavimento Liberação imediata dos serviços de revestimento após desforma Redução de etapas no processo Exemplos de Pré-Moldados SISTEMAS CONSTRUTIVOS

34 Execução de Paredes Pré-Moldadas SISTEMAS CONSTRUTIVOS

35 Execução de Paredes Pré-Moldadas SISTEMAS CONSTRUTIVOS

36 Execução de Paredes Pré-Moldadas SISTEMAS CONSTRUTIVOS

37 Execução de outros tipos de Pré-moldados SISTEMAS CONSTRUTIVOS

38 Execução de outros tipos de Pré-moldados SISTEMAS CONSTRUTIVOS

39 NERVURADA (INOVAÇÃO); OUTROS SISTEMAS

40 NERVURADA (SISTEMA BUBBLE DECK); OUTROS SISTEMAS

41 PRÉ LAJE (PAINÉIS TRELIÇADOS): OUTROS SISTEMAS

42 PRÉ LAJE (PAINÉIS TRELIÇADOS): OUTROS SISTEMAS

43 PAINÉIS ALVEOLARES: OUTROS SISTEMAS

44 LAJE PRÉ-MOLDADA (VIGOTAS): OUTROS SISTEMAS

45 SISTEMA CONSTRUTIVO TILT-UP Empregado principalmente em obras industriais; Consiste em minimizar o uso de formas para a execução de fechamentos verticais; Os Painéis são içados, fixados, aprumados na sua posição final até que depois seja feito o travamento; Espessura das paredes varia de 10 a 20 com; Podem ter EPS no meio para diminuir o peso das mesmas; Vantagens: Painéis produzidos sem ter que pensar nas limitações do transporte, mas apenas com as dos equipamentos de içamento. OUTROS SISTEMAS

46 OUTROS SISTEMAS

47

48

49

50 Edifício de Apartamentos em Yachiyro City, Chiba – Japão A Empresa Obayashi Corporation desenvolveu uma grande cúpula e construiu este edifício com 26 pavimentos em 4 meses. OUTROS SISTEMAS

51 CONCRETO – FOTO GRAVADO e TRANSLUCIDO: OUTROS SISTEMAS

52 SISTEMA ESTRUTURAL K: Mais Difundido na Itália; Característica principal: Sistema Construtivo com Estrutura; Reticular com dimensões variáveis e fechamento em painéis; Auto-Portantes de Vedação ou outros Materiais; Sistema Construtivo Industrializado aberto; Fabricação continua de Pilares e Vigas (pista); Pré-Lajes de Concreto; Banheiros Prontos; Já Fabricado no Brasil. OUTROS SISTEMAS

53 SISTEMA ESTRUTURAL K OUTROS SISTEMAS

54 SISTEMA ESTRUTURAL K OUTROS SISTEMAS

55 SISTEMA ESTRUTURAL K OUTROS SISTEMAS

56 SISTEMA MISTO Pilares tubulares estruturais de aço - seção de 9 x 9; Comprimento Máx.6,00m preenchidos com concreto; Paredes perimetrais portantes de 5 cm de espessura; Lajes de 10 cm de espessura, com larguras entre 0,90 m e 1,80 m e comprimento Maximo de 3,60 m; Paredes divisórias constituídas por elementos Planos de Microconcreto, com 3 cm de espessura; Lajes de cobertura de microconcreto com espessura de 2,5 cm de espessura e capacidade para suportar uma sobrecarga de 150kg/m2 - revestimento de telhas cerâmicas. OUTROS SISTEMAS

57 SISTEMA MISTO Pilares são contínuos e têm as ligações semi-rígidas e resistentes à flexão; Edifícios maiores com "estrutura híbrida" - combinam sistemas moldados "in loco" com prémoldados + Lajes alveolares e vigas protendidas são associadas a pilares moldados no local, compondo uma estrutura aporticada sem núcleo rígido ou contraventamento; Edifícios mais esbelto, o contraventamento pode ser necessário; As ligações solidarizadas com concretagem no local simulam uma estrutura monolítica. OUTROS SISTEMAS

58 SISTEMA MISTO OUTROS SISTEMAS

59 SISTEMA MISTO OUTROS SISTEMAS

60 CASA 10 OUTROS SISTEMAS

61 CASA 10 OUTROS SISTEMAS Video

62 OUTROS SISTEMAS PAINÉIS FACHADA + LAJES ALVEOLARES

63 OUTROS SISTEMAS: Estrutura Metálica em Chapa OUTROS SISTEMAS

64 OUTROS SISTEMAS: Estrutura Metálica em Chapa OUTROS SISTEMAS

65 DESAFIO - Vivemos um grande desafio em toda a América Latina - Indústria da construção imobiliária muito escassa (principalmente habitações), com enormes déficits; QUALIDADE - Alerta não somente a Questão Quantitativa com o Impulso de Construir, mas também a questão qualitativa; PASSIVO - Cuidado com Enorme Passivo, desenvolvendo empreendimentos e projeto com problemas construtivos de difícil acerto ; CONCLUSÃO

66 INFORMALIDADE – População resolveu o seu próprio problema, independente das condições de habitabilidade com soluções possíveis; PAPEL DA CADEIA CONSTRUTIVA- Preparar modelos claros de construção com tecnologias limpas, respeitando requisitos mínimos de desempenho e habitabilidade; PROCESSO DE INDUSTRIALIZAÇÃO DA CONSTRUÇÃO – Temos a chance de alcançar patamares de evolução jamais atingidos. CONCLUSÃO

67 Olhar para o Futuro. Muito mais que para o passado; Existem muito críticos de arte e poucos avalistas; Perdemos o Bonde da História; Brasil – Déc.80 - Excelência em sistemas construtivos (Habit.); Detínhamos a tecnologia e exportávamos; Hoje perdemos a expertise; Devemos fazer uma mea-culpa; Tecnologia e Industrialização tratados como temas secundários; Indústria da Construção Civil - Braço Industrial mais tradicional; Industrialização - Pensada desde o começo; Foco - Aumento da Densidade Tecnologia, ou seja, no valor agregado dos produtos; CONCLUSÃO

68 CONCLUSÃO Criação de sistemas flexibilizados de pré-fabricação que possui alto grau de especificação e que podem ser combinados com outros sistemas construtivos. Tornaram-se fundamentais na construção civil por serem econômicos, já que não há desperdícios na sua execução e montagem. Vantagem da velocidade na construção do edifício, ressalta-se que o processo deve ser cuidadosamente planejado e os intervenientes devidamente identificados. Análise Critica de fatores econômicos, logísticos, organizacionais e culturais. Divulgar a potencialidade do uso atual dos préfabricados de concreto armado.

69 BIBLIOGRAFIA Internet – Sites: ABESC ABCP IBRACON Artigos – Revista Techne - Editora PINI; Arquivos Particulares;

70 DEBATE Perguntas, Críticas, Observações e Sugestões...

71 "Se planejamos para um ano, devemos plantar cereais. Se planejamos para décadas, devemos plantar árvores. Se planejamos para toda a vida, devemos educar o homem. (Kwantzu, China, III a.C.) Muito Obrigado ! AGRADECIMENTO


Carregar ppt "Turma 2010 - 1º semestre Rio de Janeiro. Paredes e Lajes em Sistemas Pré-moldados em Concreto."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google