A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Introdução Resultados Metodologia Análise de Pigmentos Fotossintéticos em Espécies Lenhosas em dois sítios de Cerrado no Parque Nacional de Brasília, DF.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Introdução Resultados Metodologia Análise de Pigmentos Fotossintéticos em Espécies Lenhosas em dois sítios de Cerrado no Parque Nacional de Brasília, DF."— Transcrição da apresentação:

1 Introdução Resultados Metodologia Análise de Pigmentos Fotossintéticos em Espécies Lenhosas em dois sítios de Cerrado no Parque Nacional de Brasília, DF Carvalho, A. P. F 1; Bustamante, M. M. C. 1; Asner, G. P. 2; Orthen, B. 3 & Albuquerque, E. A. F. 1 1 Departamento de Ecologia, Universidade de Brasília, , Brasil 2 Universidade de Stanford, Estados Unidos 3 Universidade de Munster, Alemanha Estudos envolvendo constituintes bioquímicos de folhas vêm sendo conduzidos com a finalidade de investigar o potencial do sensoriamento remoto em estimá-los, em regiões temperadas. A aplicação desses estudos em regiões tropicais, onde a diversidade de espécies é muito maior, consiste em um verdadeiro desafio. As savanas do Brasil Central (Cerrado), além da diversidade florística apresentam diversidade estrutural variando de áreas dominadas por gramíneas (campos) a formações com denso estrato arbóreo (cerradão). No presente trabalho é feita a determinação dos pigmentos fotossintéticos em espécies lenhosas e sua comparação em duas comunidades de cerrado com diferentes densidades de espécies lenhosas (cerrado ralo e cerrado sentido restrito) para futuramente relacioná-la aos espectros foliares e aos espectros dessas comunidades (espectrsocopia de imageamento). As concentrações dos pigmentos são apresentadas na tabela 2. No período de agosto-setembro, as espécies Kielmeyera coriacea e Dalbergia miscolobium estavam sem folhas enquanto a espécie Qualea parviflora apresentava folhas senescentes (completamente secas). Os gráficos mostram que as concentrações de clorofilas a e b e carotenóides diferiram significativamente entre os sítios (P<0,05) no período de seca (junho-julho). A concentração de carotenóides totais diferiu significativamente entre os sítios (P<0,05) no período de transição seca-chuva (agosto-setembro). A concentração dos pigmentos não diferiu significativamente entre os sítios no período de chuva (novembro- dezembro), quando todas as plantas apresentam folhagem em verde mais intenso. Conclusôes As concentrações dos pigmentos fotossintéticos variaram amplamente para as espécies estudadas. As menores concentrações ocorreram no período de transição (agosto-setembro) e as maiores diferenças entre os sítios ocorreram no período de seca (junho-julho). Área de estudo O estudo está sendo conduzido em dois sítios de Cerrado, sendo um deles um cerrado sentido restrito (CW) e o outro um cerrado ralo (WC), no Parque Nacional de Brasília, Brasília-DF (figura 1). Situado entre as coordenadas 15°35 e 15º45 S e 48º05 e 48º53 WGR, o parque conta com uma área de ha. (EO-1 Hyperion, 20/07/2001 (850/650/550nm, RGB) Fonte: Miura et al., 2003 Figura 1. Localização dos sítios de pesquisa no PNB, Brasília-DF. Seleção das Espécies Foi feita uma seleção das espécies lenhosas mais representativas de cada sítio por meio de inventários e da classificação das espécies segundo o Índice de Valor de Importância – IVI, que hierarquiza as espécies de acordo com sua abundância, dominância e freqüência relativas. Foram selecionadas 12 espécies na área de cerrado sentido restrito e 11 espécies na de cerrado ralo com 6 espécies comuns entre as duas áreas (tabela 1). Acosmium dasycarpumCW Byrsonima coccolobifoliaCW e WC Caryocar brasilienseCW Dalbergia miscolobiumCW Eremanthus glomerulatusWC Eremanthus goyazensisCW Eriotheca pubescensCW Kielmeyera coriaceaCW e WC Miconia sp.WC Ouratea hexaspermaWC Qualea grandifloraCW Qualea parvifloraCW e WC Roupala montanaCW e WC Salacia crassifoliaCW Sclerolobium paniculatumCW e WC Vellozia squamataCW e WC EspécieSítio(s) de ocorrência Vochysia thyrsoideaWC Determinação dos pigmentos fotossintéticos Das espécies selecionadas a partir do IVI foram coletadas folhas, de seis diferentes indivíduos, para análises de pigmentos (clorofila a, clorofila b, e carotenóides totais) nos períodos: junho-julho (seca), agosto-setembro (transição seca-chuva) e novembro-dezembro (chuva). A extração de clorofilas a e b e dos carotenóides foi feita a partir de discos foliares de 6 mm de diâmetro incubados em Dimetilsulfóxido (DMSO) a 65 o C, com período de incubação definido em testes preliminares para cada espécie. Os extratos foram submetidos a ensaios espectrofotométricos, com quantificação a partir dos comprimentos de onda de absorção máxima e coeficientes de absorção de Wellburn (1994). PigmentounidadeNperíodomin-maxmédiadesvio padrão Clorofila a g.cm Jun-Jul Ago-Set Nov-Dez 20,20-80,71 13,02-82,98 17,07-71,43 43,32 37,84 42,17 13,24 17,15 11,49 Clorofila b g.cm Jun-Jul Ago-Set Nov-Dez 6,21-24,22 4,23-25,79 5,79-20,14 12,10 10,55 11,79 3,63 6,69 3,64 Carotenóides g.cm Jun-Jul Ago-Set Nov-Dez 3,27-26,51 2,24-16,33 2,84-14,36 10,62 7,82 8,41 3,63 3,43 2,56 Tabela 2. Concentrações dos pigmentos fotossintéticos Figura 2. Comparação das concentrações dos pigmentos entre os sítios em: a) junho-julho, b) agosto- setembro e novembro- dezembro Tabela 1. Espécies comuns e exclusivas dos sítios


Carregar ppt "Introdução Resultados Metodologia Análise de Pigmentos Fotossintéticos em Espécies Lenhosas em dois sítios de Cerrado no Parque Nacional de Brasília, DF."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google