A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Capítulo 36 Interferência. 36.1 Interferência Luz solar (branca) composta (cores) Arco-íris Bolha de sabão = refração interferência.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Capítulo 36 Interferência. 36.1 Interferência Luz solar (branca) composta (cores) Arco-íris Bolha de sabão = refração interferência."— Transcrição da apresentação:

1 Capítulo 36 Interferência

2 36.1 Interferência Luz solar (branca) composta (cores) Arco-íris Bolha de sabão = refração interferência

3 Interferência superposição construtiva destrutiva Óptica ondulatória

4 Aplicações Filmes anti-reflexivos para lentes, espelhos dielétricos, filtros de interferência, etc

5 36.2 A luz como uma onda Christian Huygens (1678) teoria ondulatória Princípio de Huygens: Frente de onda Fontes pontuais Nova frente (tangente)

6 A lei da refração 1 2 h c 1 2 g e

7 Definição índice de refração: Nosso caso: ou Lei de Snell

8 Verificação A figura abaixo mostra um raio de luz monocromática atravessando um material inicial (a), materiais intermediários (b) e (c) e voltando a atravessar um material a. Coloque os materiais na ordem das velocidades com que a luz se propaga em seu interior, da maior velocidade para a menor. a b c a

9 Comprimento de onda e índice de refração Veloc. varia varia veloc. n E a freqüência? não muda!

10 Relembrando: Interferência superposição construtiva destrutiva Depende da fase dif. caminhos ópticos dif. de fase

11 Diferença de caminho óptico n1n1 n2n2 L N número de no meio

12 Diferença de caminho óptico n1n1 n2n2 L n 2 > n 1

13 Diferença de caminho óptico n1n1 n2n2 L Destrutiva ( ) Construtiva (2 ) N número de no meio

14 Verificação As ondas luminosas dos raios da figura abaixo têm o mesmo comprimento de onda e estão inicialmente em fase. (a) Se o material de cima comporta 7,60 comprimentos de onda e o material de baixo comporta 5,50 comprimentos de onda, qual é o material com maior índice de refração? (b) Se os raios luminosos forem levemente convergentes, de modo que as ondas se encontrem em uma tela distante, a interferência produzira um ponto muito claro, um ponto moderadamente claro, um ponto moderadamente escuro ou um ponto escuro? n1n1 n2n2 L

15 36.3 Difração onda + obstáculo = difração Sem distinção entre interferência e difração

16 Pelo princípio de Huygens

17 36.4 O experimento de Young Thomas Young (1801) luz é onda sofre interferência - mediu méd = 570 nm luz solar (hoje 555 nm)

18 O experimento de Young Figura de interferência

19 A localização das franjas tela D Intensidade L L D >> d d (franjas claras) (franjas escuras) S1S1 S2S2

20 A localização das franjas

21 Verificação Na figura abaixo, qual é o valor de L (em número de comprimentos de onda) e a diferença de fase (em comprimentos de onda) para os dois raios se o ponto P corresponde (a) a um máximo lateral de terceira ordem e (b) a um mínimo de terceira ordem? tela D L D >> d d S1S1 S2S2

22 (franjas claras) (franjas escuras) ordem

23 Exercícios e Problemas 36-14E. Em um experimento de Young, a distância entre as fendas é de 100 vezes o valor do comprimento de onda da luz usada para iluminá-las. (a) Qual é a separação angular em radianos entre o máximo de interferência central e o máximo mais próximo? (b) Qual é a distância entre estes máximos se a tela de observação estiver a 50,0 cm de distância das fendas?

24

25 36.5 Coerência Fontes coerentes dif. de fase não varia com t Maioria das fontes parcialmente coerentes (ou incoerentes) interferência coerência Exp. de Young: 1a. fenda essencial se fonte não coerente Sol: parcialmente coerente Laser: coerente intensidade das franjas

26 36.6 Intensidade das franjas de interferência No ponto P: dif. de fase Se = cte. ondas coerentes fonte

27 Campo elétrico, representação senoidal e fasores

28 Combinando campos: fasores + = E 2 = (ang. ext.)

29 Como: Logo: Onde: dif. de fase dif. de dist. percorrida intens. por apenas 1 fenda

30 Máximos em: Então: Ou: Mínimos em: Ou:

31 I 4I ,51,52,51,50,52,5 m mín. m máx. L/ Se fontes incoerentes (t) I = 2 I 0 (toda tela) Interferência não cria nem destrói energia luminosa Coerentes ou não I med = 2 I 0

32 + de 2 ondas ? Usar fasores !!!

33 Verificação Cada um dos quatro pares de ondas luminosas chega num certo ponto de uma tela. As ondas tem o mesmo comprimento de onda. No ponto de chegada, suas amplitudes e diferenças de fase são (a) 2E 0, 6E 0 e rad; (b) 3E 0, 5E 0 e rad; (c) 9E 0, 7E 0 e 3 rad; (d) 2E 0, 2E 0 e 0 rad. Ordene de forma decrescente os quatro pares segundo a intensidade da luz nesses pontos.

34 Exercícios e Problemas 36-27P. S 1 e S 2 na Fig são fontes pontuais de ondas eletromagnéticas com um comprimento de onda de 1,00 m. As fontes estão separadas por uma distância d = 4,00 m e as ondas emitidas estão em fase e têm intensidades iguais. (a) Se um detector for deslocado para a direita ao longo do eixo x a partir da fonte S 1, a que distância de S 1 serão detectados os três primeiros máximos de interferência? (b) A intensidade do mínimo mais próximo é exatamente zero? (Sugestão: O que acontece com a intensidade da onda emitida por uma fonte pontual quando nos afastamos da fonte?) d S1S1 S2S2 x Fig

35 a)

36

37 36.7 Interferência em filmes finos Cores interf. reflex. 2 interfaces Espessura aprox. comprim. de onda ( ) Espessura > coerência < (da fonte)

38 incidente transmitido refletido 2 refletido 1 filme Claro ou escuro? Se r 1 e r 2 em fase clara Se r 1 e r 2 fora de fase escura n2n2 n1n1 n3n3 a c b i r1r1 r2r2 Se 0 dif. de caminho 2L So saber 2L não basta! L em meio diferente do ar dif. 2)Reflexão mudança fase ? L

39 Mudanças de fase causadas por reflexão Refração fase não muda Reflexão fase pode mudar ou não Caso da óptica: Reflexãomudança de fase Meio com n menor0 Meio com n maior0,5 (ou ) antes depois antes depois

40 n2n2 n1n1 n3n3 a c b i r1r1 r2r2 inverte não inverte Retomando a figura: Supondo: n 2 > n 3 e n 2 > n 1 !!!!

41 Equações para a interferência em filmes finos causado por: 1.Reflexão 1 das ondas 2.Diferença de percurso 3.Propagação em meios com n diferentes Supondo: n 2 > n 3 e n 2 > n 1 !!!! Reflexãor 1 r 2 0,5 Dist. percorrida2L n dist. Percorridan 2

42 Equações para a interferência em filmes finos Logo: Em fase: 2L=(número impar/2) ( /n 2 ) fora: 2L=(número inteiro) ( /n 2 ) (max-claro) (min-escuro) ATENÇÃO: Ainda supondo: n 2 > n 3 e n 2 > n 1 !!!! Caso contrário as equações podem ser invertidas.

43 Exercícios e Problemas 36-34E. Uma lente com índice de refração maior que 1,30 é revestida com um filme fino transparente de índice de refração 1,25 para eliminar por interferência a reflexão de uma luz de comprimento de onda que incide perpendicularmente a lente. Qual é a menor espessura possível para o filme?

44

45 36.8 O interferômetro de Michelson o. modelo de interf.

46 Esquemático s d2d2 d1d1 M M2M2 M1M1 observador Despreza-se a espessura de M Dif. de trajeto: 2d 2 – 2d 1 Se existe meio L, n no caminho: (meio) (antes) Mud. de fase desl. 1 franja

47 Metro: linha do tempo 1790 A Assembléia Nacional da França decide que a medida do novo metro seria igual a medida do comprimento de um pêndulo com a metade do período com duração de um segundo A Assembléia Nacional da França aceita a proposta da Academia Francesa de Ciências da nova definição do metro ser igual a um décimo de milionésimo do comprimento do meridiano terrestre ao longo do quadrante passando por Paris, o qual é a distância entre o equador e o pólo norte Barra métrica construída em latão A Assembléia Nacional da França especifica a barra métrica de platina, construída em 23 de Junho de 1799 e depositada nos Arquivos Nacionais, como o padrão A primeira Conferência Geral sobre Pesos e Medidas define o metro como a distância entre duas linhas numa barra padrão de uma liga de platina com 10% de irídio, medida na temperatura de fusão do gelo A sétima Conferência Geral sobre Pesos e Medidas ajusta a definição de metro como sendo a distância, a 0 °C, entre os eixos de duas linhas centrais marcadas numa barra protótipo de platina-irídio, esta barra estando sujeita a pressão padrão de uma atmosfera e suportada por dois cilindros de pelo menos um centímetro de diâmetro, simetricamente colocados no mesmo plano horizontal a uma distância de 571 milímetros um do outro A décima primeira Conferência Geral sobre Pesos e Medidas define o metro como igual a ,73 comprimentos de onda no vácuo da radiação correspondente à transição entre os níveis quânticos 2p10 e 5d5 do átomo de criptônio A décima sétima Conferência Geral sobre Pesos e Medidas define o metro como igual a distância percorrida pela luz durante o intervalo de tempo de de segundo O Comitê Internacional de Pesos e Medidas recomenda que esta definição seja restrita a distâncias, as quais são suficientemente curtas para que os efeitos preditos pela teoria geral da relatividade sejam desprezíveis com respeito às incertezas da medida."

48 1875 – [m] padrão metal Sèvres Michleson: m = ,5 Cd Nobel 1907

49 Exercícios e Problemas 36-57P. Uma câmara selada, com 5,0 cm de comprimento e janelas de vidro, é colocada em um dos braços de um interferômetro de Michelson, como na Fig Uma luz de comprimento de onda = 500 nm é usada. Quando a câmara é evacuada, as franjas se deslocam de 60 posições. A partir destes dados, determine o índice de refração do ar a pressão atmosférica.

50


Carregar ppt "Capítulo 36 Interferência. 36.1 Interferência Luz solar (branca) composta (cores) Arco-íris Bolha de sabão = refração interferência."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google