A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

MÓDULO MÓDULO MÓDULO SELEÇÃO: EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO RESPIRATÓRIA FILTROS MECÂNICOS E QUÍMICOS 2 2.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "MÓDULO MÓDULO MÓDULO SELEÇÃO: EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO RESPIRATÓRIA FILTROS MECÂNICOS E QUÍMICOS 2 2."— Transcrição da apresentação:

1

2 MÓDULO MÓDULO MÓDULO SELEÇÃO: EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO RESPIRATÓRIA FILTROS MECÂNICOS E QUÍMICOS 2 2

3 SELEÇÃO LIMITAÇÕES E USO DE RESPIRADORES ( IN / PPR Parágrafo 4.1 ) FATORES QUE INFLUEM: IMPORTANTE; IMPORTANTE; USAR SOMENTE RESPIRADORES USAR SOMENTE RESPIRADORES COM C.A. ALTERAÇÕES PODEM AFETAR COM C.A. ALTERAÇÕES PODEM AFETAR O DESEMPENHO O DESEMPENHO ATIVIDADE DO USUÁRIO Trabalho pesado Trabalho pesado Permanece continuamente Permanece continuamente na área de Risco na área de Risco LOCALIZAÇÃO DA ÁREA DE RISCO Fuga em emergências Fuga em emergências Serviços de manutenção Serviços de manutenção CARACTERÍSTICAS DA TAREFA Mobilidade CARACTERÍSTICAS E LIMITAÇÕES DOS EPR CARACTERÍSTICAS E LIMITAÇÕES DOS EPR

4 SELEÇÃO DE RESPIRADORES PARA USO ROTINEIRO ( IN / PPR Parágrafo ) IDENTIFICAÇÃO DO RISCO Determinar qual contaminante está ou poderá estar no ambiente Limite de tolerância (exposição) Normas específicas aplicáveis (asbesto / sílíca) Deficiência de oxigênio ( medir risco potencial) Concentração do contaminante (medir / estimar) Estado físico do contaminante (Poeira, névoa, fumos, gás e vapor) Absorção pela peleAbsorção pela pele Propriedades de advertência do contaminante (odor, limite de odor x limite de tolerância, sabor e irritação)Propriedades de advertência do contaminante (odor, limite de odor x limite de tolerância, sabor e irritação)

5 ( IN / PPR Parágrafo ) PASSOS PARA A SELEÇÃO DO TIPO DE RESPIRADOR SELEÇÃO DE RESPIRADORES PARA USO ROTINEIRO ( IN / PPR Parágrafo ) PASSOS PARA A SELEÇÃO DO TIPO DE RESPIRADOR RISCO DESCONHECIDO RISCO DESCONHECIDO CONSIDERAR O AMBIENTE CONSIDERAR O AMBIENTE = = IPVS TOXIDEZ DESCONHECIDA TOXIDEZ DESCONHECIDA CONSIDERAR O AMBIENTE CONSIDERAR O AMBIENTE = IPVS = IPVS DEFICIÊNCIA DE OXIGÊNIO DEFICIÊNCIA DE OXIGÊNIO ESPAÇOS CONFINADOS ESPAÇOS CONFINADOS ATMOSFERAS IPVS ATMOSFERAS IPVS ATMOSFERAS NÃO IPVS ATMOSFERAS NÃO IPVS

6 CONCENTRAÇÃO DO CONTAMINANTE 1 - MAIOR QUE IPVS = IPVS 2 - MENOR QUE IPVS - CALCULAR O FATOR DE PROTEÇÃO REQUERIDO (FPr) 3 - FPr = CONCENTRAÇÃO L.TOLERÂNCIA 4 - FATOR DE PROTEÇÃO ATRIBUÍDO (FPA) (VER QUADRO I DA IN) - CONCENTRAÇÃO DO CONTAMINANTE 1 - MAIOR QUE IPVS = IPVS 2 - MENOR QUE IPVS - CALCULAR O FATOR DE PROTEÇÃO REQUERIDO (FPr) 3 - FPr = CONCENTRAÇÃO L.TOLERÂNCIA 4 - FATOR DE PROTEÇÃO ATRIBUÍDO (FPA) (VER QUADRO I DA IN) - - ( IN / PPR Parágrafo ) PASSOS PARA A SELEÇÃO DO TIPO DE RESPIRADOR SELEÇÃO DE RESPIRADORES PARA USO ROTINEIRO ( IN / PPR Parágrafo ) PASSOS PARA A SELEÇÃO DO TIPO DE RESPIRADOR

7 FATORES DE PROTEÇÃO ATRIBUÍDOS (a) (ADAPTADO DO QUADRO I DA IN Nº 1 DE 11/04/1994) a) O Fator de Proteção Atribuído não é aplicável para respiradores de fuga b)Inclui a peça quarto facial, a peça semifacial filtrante e as peças semifaciais de elastômeros. c)A máscara autônoma de demanda não deve ser usada para situações de emergência, como de incêndios. d)Os Fatores de Proteção apresentados são de respiradores com filtros P3 ou sorbentes (cartuchos químicos pequenos ou grandes). Com filtros classe P2, deve-se usar Fator de Proteção Atribuído 100, devido às limitações do filtro. e)Embora esses respiradores de pressão positiva sejam considerados os que proporcionam maior nível de proteção, alguns estudos que simulam as condições de trabalho concluíram que nem todos os usuários alcançaram o Fator de Proteção Com base nesses dados, embora limitados, não se pode adotar um Fator de Proteção definitivo para esse tipo de respirador. Para planejamento de situações de emergência, onde as concentrações dos contaminantes possam ser estimadas, deve-se usar um Fator de Proteção Atribuído não maior que f)Ver definição no Anexo 1. NOTA:Para combinação de respiradores, como por exemplo, respirador de linha de ar comprimido equipado com um filtro purificador de ar na peça facial, o Fator de Proteção a ser utilizado é o do respirador que está em uso.

8 SELEÇÃO DE RESPIRADORES SELEÇÃO DE RESPIRADORES ( IN / PPR Parágrafo ) A ESCOLHA DO TIPO DE RESPIRADOR É FEITA PELO FATOR DE PROTEÇÃO REQUERIDO = FP PROCURAR NO QUADRO I DA I.N. O TIPO DE RESPIRADOR QUE POSSUI. FP atribuído > FP requerido - (VERIFICAR SE O FILTRO ESCOLHIDO É COMPATÍVEL COM A CONCENTRAÇÃO E A PEÇA FACIAL ESCOLHIDA!) FP = CONCENTRAÇÃO DO CONTAMINANTE = C LIMITE DE TOLERÂNCIA LT r r

9 FATOR DE PROTEÇÃO ATRIBUIDO (PPR - ANEXO I - DEFINIÇÕES) DEFINIÇÃO: É o nível de proteção que se espera alcançar no ambiente de trabalho, quando um trabalhador treinado usa um respirador (ou classe de respirador) em bom estado, ajustado de modo correto, durante todo o tempo que permanece na área contaminada. EXEMPLO: RESPIRADOR Purificador de Ar com peça facial inteira FP = 100 Significado: Se o filtro escolhido for o correto, espera-se que, para 95% dos usuários dessa classe de respirador, a concentração do ar inalado seja, no mínimo, 100 vezes menor que a concentração do ar ambiente

10 Item (J) - Para poeiras e névoas, usar P1, em geral; (se a concentração estiver abaixo de 10 vezes o limite de tolerância, também poderá ser utilizada uma PFF1) P3, se o contaminante for altamente tóxico (p.exe. LT< 0,05 mg/m 3 ). (se a concentração estiver abaixo de 10 vezes o limite de tolerância, também poderá ser utilizada uma PFF3). Item (K) - Para fumos, usar P2, em geral; (se a concentração estiver abaixo de 10 vezes o limite de tolerância, também poderá ser utilizada uma PFF2) P3, se o contaminante for altamente tóxico (p.exe. LT< 0,05 mg/m 3 ). (se a concentração estiver abaixo de 10 vezes o limite de tolerância, também poderá ser utilizada uma PFF3) FILTRO MECÂNICO SELEÇÃO (DE ACORDO COM PPR-FUNDACENTRO, Item )

11 item (L) - Se o aerossol contem asbesto ou sílica cristalizada, ver o Anexo 7 da publicação PPR-Fundacentro. SÍLICA CRISTALIZADA Por exemplo: Se o diâmetro aerodinâmico médio mássico (D) for > 2 µm usar P1 com peça semifacial ou PFF1; (para concentrações até 10 X LT); < 2 µm usar P3 com peça semifacial ou PFF1; (para concentrações até 10 X LT); (Ver Quadro II - Recomendações de EPR para Sílica Cristalizada) FILTRO MECÂNICO SELEÇÃO (DE ACORDO COM PPR-FUNDACENTRO, Item )

12 QUADRO II - RECOMENDAÇÕES DE EPR PARA SÍLICA CRISTALIZADA

13 Item (L) - Se o aerossol contem asbesto ou sílica cristalizada, ver o Anexo 7 da publicação PPR-Fundacentro. ASBESTO Por exemplo: Até 2 fibras/cm 3, usar respirador com peça semifacial com filtro P2 ou PFF2. (Ver Quadro III - Recomendações de EPR para Asbesto) FILTRO MECÂNICO SELEÇÃO (DE ACORDO COM PPR-FUNDACENTRO, Item )

14 QUADRO III - RECOMENDAÇÕES DE EPR PARA ASBESTO

15 A finalidade destes exercícios é de fixar os procedimentos recomendados. Por razões didáticas deixamos de considerar outros efeitos dos contaminates sobre o organisno, como por exemplo: ação sobre a pele, irritação dos olhos, bem como o tempo de uso durante a jornada de trabalho, etc. A finalidade destes exercícios é de fixar os procedimentos recomendados. Por razões didáticas deixamos de considerar outros efeitos dos contaminates sobre o organisno, como por exemplo: ação sobre a pele, irritação dos olhos, bem como o tempo de uso durante a jornada de trabalho, etc. - Vamos admitir que o respirador indicado para uma dada situação seja do tipo purificador de ar com peça semifacial (porque o Fator de Proteção requerido foi menor que 10). Vamos neste exercício escolher o filtro apropriado que deve ser usado com esse respirador em três situações distintas: Exemplo Selecionar o filtro mecânico para ser usado em um respirador purificador de ar com peça semifacial, que será utilizado em um ambiente com: a - poeira de madeira dura; b - poeira de prata (sais); c - fumos de manganês. EXEMPLOS DE SELEÇÃO DE FILTRO MECÂNICO

16 EXEMPLOS DE SELEÇÃO DE FILTRO MECÂNICO - SOLUÇÃO : a - segundo o item alínea j o filtro indicado contra poeira é o classe P1, ou P3. Como o LT da madeira dura (1mg/m 3 ), ela não é considerada altamente tóxica, o filtro indicado é o P1. Para o exercício anterior também poderá ser indicada uma PFF1, porque o Fator de Proteção requerido foi menor que 10. b - segundo o item alínea j o filtro indicado contra poeira é o classe P1, ou P3. Como o LT da prata (sais) é 0,01mg/m 3, a poeira é considerada altamente tóxica, pois o LT é menor que 0,0 5mg/m 3 e nestes casos o filtro deve ser o P3. Para o exercício anterior também poderá ser indicada uma PFF3, porque o Fator de Proteção requerido foi menor que 10. c - segundo o item alínea k o filtro indicado contra fumos é o classe P2, ou P3. Como o LT do manganês (fumos) é 0,2mg/m 3, esses fumos não são considerados altamente tóxica (0,0 5mg/m 3 ) neste caso o filtro indicado é o P2. Para o exercício anterior também poderá ser indicada uma PFF2, porque o Fator de Proteção requerido foi menor que 10.

17 Item (h) - Se for tinta, esmalte, verniz contendo solvente orgânico usar filtro combinado: filtro para vapor orgânico e filtro mecânico P1. Item (i) - Se o contaminante for agrotóxico contendo veículo orgânico, usar filtro combinado: filtro químico para vapor orgânico e filtro mecânico P2; se o veículo for água, usar, somente, filtro P2. Item (m) - Se o contaminante gasoso possuir fracas propriedades de alerta, ou o Limite de Tolerância for menor que o Limiar de Odor, usar: 1- respirador de adução de ar; 2- filtro químico com indicador de fim de vida útil confiável (mercúrio); 3- filtro químico com troca programada considerando o ensaio de vida útil, em laboratório, realizado com o próprio contaminante. FILTRO QUÍMICO SELEÇÃO (DE ACORDO COM PPR-FUNDACENTRO, Item )

18 Item (g) - Escolher o filtro químico adequado: vapor orgânico, gás ácido, amônia ou especial (monóxido de carbono, agrotóxico, mercúrio). - Deve-se obedecer, porém, simultaneamente outras condições 1ª - Concentração de oxigênio > 18%. 2ª - Concentração do contaminante < Concentração IPVS. 3ª - Concentração do contaminante < Máxima Concentração de Uso (*) do filtro: FBC1 (Filtro químico de baixa capacidade) - MCU = 50 ppm (vapor orgânico) classe 1 (cartucho pequeno) - MCU = 1000ppm (vapor orgânico) classe 2 (cartucho médio) - MCU = 5000ppm (vapor orgânico) classe 3 (cartucho grande) - MCU = 10000ppm (vapor orgânico) 4ª - O filtro escolhido deve ser compatível com a peça facial selecionada à partir do Fator de Proteção Atribuído. (*) (*) Para melhor compreensão das condições 3 e 4, convém consultar a tabela de Máxima Concentração de Uso dos filtros químicos, ( apostila pg.41). FILTRO QUÍMICO SELEÇÃO (DE ACORDO COM PPR-FUNDACENTRO, Item )

19 Pode-se usar filtro classe 1 (cartucho pequeno) contra vapores orgânicos, pois, MCU dessa classe é 1000 ppm, e a concentração no ambiente é 800 ppm. FILTRO QUÍMICO SELEÇÃO (DE ACORDO COM PPR-FUNDACENTRO, Item ) Exemplo: - Escolher o filtro químico apropriado para vapor de acetato de etila na concentração de 800 ppm. (IPVS = ppm). A situação não é IPVS, pois : 800ppm < ppm. Solução: Observe, se este filtro poderá ser usado em qualquer tipo de peça facial.

20 RESPIRADORES PARA USO EM ATMOSFERAS IPVS LOCAL É IPVS QUANDO: RESPIRADORES PARA USO EM ATMOSFERAS IPVS ( IN / PPR Parágrafo 4.3 ) Qualquer atmosfera que apresente risco imediato à vida ou produza imediato efeito debilitante irreversivel à saúde. LOCAL É IPVS QUANDO: 1.Concentração superior a concentração IPVS ou suspeita de ser superior à IPVS. 2.Espaço confinado com % O 2 menor 20,9 % (a não ser que a causa da redução seja conhecida ou controlada ). 3.% O 2 menor que 12,5 % ao nível do mar (ou pressão parcial de oxigênio menor que 95 mmHg). 4.Pressão atmosférica local menor que 450 mmHg (4240 m de altitude ). IPVS Imediatamente perigoso á vida ou à saúde. IPVS Imediatamente perigoso á vida ou à saúde.

21 RESPIRADORES PARA CONDlÇÕES IPVS RESPIRADORES PARA CONDlÇÕES IPVS ( IN / PPR Parágrafo ) RESPIRADORES: MÁSCARA AUTÔNOMA DE DEMANDA COM PRESSÃO POSITIVA RESPIRADOR DO TIPO LINHA DE AR COMPRIMIDO DE DEMANDA COM PRESSÃO POSITIVA COM PEÇA FACIAL INTEIRA, COMBINADO COM CILINDRO DE AUXILIAR PARA FUGA ( autonomia: 3, 5, 10 min. )

22 CONDlÇÕES: REQUER UM ASSISTENTE PRESENTE E PREPARADO PARA ENTRAR IMEDIATAMENTE NA ÁREA DE RISCO. COMUNICAÇÃO CONTÍNUA ENTRE O ASSISTENTE E A PESSOA QUE ENTROU NA ÁREA DE RISCO. USO DE CINTURÃO APROPRIADO, COM CORDA PARA PERMITIR RESGATE. OUTRAS PROVIDÊNCIAS CONDlÇÕES: REQUER UM ASSISTENTE PRESENTE E PREPARADO PARA ENTRAR IMEDIATAMENTE NA ÁREA DE RISCO. COMUNICAÇÃO CONTÍNUA ENTRE O ASSISTENTE E A PESSOA QUE ENTROU NA ÁREA DE RISCO. USO DE CINTURÃO APROPRIADO, COM CORDA PARA PERMITIR RESGATE. OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

23 Devemos, porém, escolher a classe do filtro químico. Sabemos que existem quatro classes: Filtros de Baixa Capacidade (FBC); Filtros classe 1 (cartuchos pequenos); Filtros classe 2 (cartuchos médios) e Filtros classe 3 (cartuchos grandes). EXEMPLO DE SELEÇÃO DE RESPIRADORES - Selecionar o respirador que vai ser usado numa operação de pintura spray cujo solvente é orgânico (LT = 70 ppm; IPVS = 3000 ppm) e a concentração 200 ppm. Solução: Como o FPr = 200/70 = 2,8. Um respirador purificador de ar com peça semifacial pode ser indicado. Qual Filtro deve ser usado? Na pintura, o risco respiratório aparece como névoa e vapor do solvente. De acordo com o item alínea hdo PPR, deve ser usado filtro mecânico P1 e filtro contra vapor orgânico.

24 Também, pela tabela de Máxima Concentração de Uso dos filtros químicos, verificamos que o filtro classe 1 é compatível com a peça semifacial. EXEMPLO DE SELEÇÃO DE RESPIRADORES A Máxima Concentração de Uso de cada classe, para vapor orgânico, conforme vimos no curso, é 50 ppm para o FBC1, 1000 ppm para os da classe 1, 5000 ppm para a classe 2 e ppm para os de classe 3. Vimos também, que os filtros nunca podem ser usados acima da concentração IPVS, nem em ambientes com teor de oxigênio abaixo de 18%. Com essas informações poderemos escolher o filtro correto. Como a concentração do solvente é 200 ppm, está impedido o uso de filtro da classe FBC1, pois eles só podem ser usados até 50ppm. Os cartuchos pequenos podem ser escolhidos, pois eles podem ser usados até 1000 ppm, desde que este valor seja menor que a concentração IPVS, como ocorre neste caso. Portanto, deve-se usar o filtro mecânico P1 e o filtro químico, contra vapor orgânico, classe 1, isto é cartucho pequeno.

25 EXEMPLOS DE SELEÇÃO DE EPR Exemplo 1- Um trabalhador necessita fazer reparos numa galeria de esgotos industriais e não dispõe de nenhum instrumento para avaliar o teor de oxigênio, nem os contaminantes presentes. Sabe-se apenas que a atmosfera não é explosiva. Escolher o respirador apropriado. Solução: O risco é desconhecido, pois o teor de oxigênio e os contaminantes presentes são desconhecidos. Portanto, o ambiente deve ser considerado IPVS (PPR, item alínea (a). Neste caso, conforme o item 4.3 do PPR, os EPR(s) que devem ser usados são: Máscara autônoma de demanda com pressão positiva, ou o Respirador de linha de ar comprimido de demanda com pressão positiva e com cilindro auxiliar. Exemplo 2 - Dentro de um tanque vazio, de grandes dimensões, foi medida a concentração de vapores de ciclohexanona igual a 2000 ppm. Escolher o EPR apropriado para realizar serviços de manutenção sabendo que a atmosfera não é explosiva e que o ambiente não é deficiente de oxigênio. Solução: Da literatura obtemos o LT = 25 ppm e a concentração IPVS = 700 ppm. Como a concentração do ambiente é superior a 700 ppm, o ambiente é IPVS e os EPR(s) que devem ser usados são os mesmos do exemplo 1. Máscara autônoma de demanda com pressão positiva, ou o Respirador de linha de ar comprimido de demanda com pressão positiva com cilindro auxiliar.

26 EXEMPLOS DE SELEÇÃO DE EPR Exemplo 3- Uma operação de revestimento de uma câmara frigorífica, de grandes dimensões, verificou-se que a concentração de acetato de n-propila no ar é de 500 ppm. Que EPR você recomendaria? Solução: Da literatura obtemos o LT = 8 ppm e a concentração IPVS = 1700 ppm. Como a situação não é IPVS, pois a concentração do ambiente é menor que 1700 ppm. Vamos então calcular o Fator de Proteção Requerido (FPr). FPr = CONCENTRAÇÃO DO CONTAMINANTE = C LIMITE DE TOLERÂNCIA LT FPr= 500 = 62,5 8 Isto significa que a concentração no ambiente está 62,5 vezez maior que o LT. Procurando os EPR(s) que possuem Fator de Proteção atribuído maior que 62,5, verificamos que podemos indicar: 1 - Respirador purificador de ar com peça facial inteira e com filtro para vapores orgâncios classe 1 (FPA=100) 2 - Respirador de adução de ar, linha de ar comprimido de demanda sem pressão positiva - (FPA=100 ) 3 - Respirador de adução de ar, máscara autônoma de circuito aberto sem pressão positiva - (FPA=100) 4 - Respirador de linha de ar comprimido com fluxo contínuo, com peça facial inteira, ou com capuz (FP=1000).

27 QUEDA DO FATOR DE PROTEÇÃO DE UM USUÁRIO DEVIDO A OMISSÃO DE USO DURANTE PARTE DO TEMPO QUE PERMANECE NA ÁREA CONTAMINADA: EQUAÇÃO GERAL PARA O CÁLCULO DO FATOR DE PROTEÇÃO EFETIVO DEVIDO A OMISSÃO DE USO T FP E = (T U / FP A ) + T O FP E = FATOR DE PROTEÇÃO EFETIVO T = TEMPO DURANTE O QUAL RESPIRADOR DEVE SER USADO T = TEMPO DURANTE O QUAL RESPIRADOR DEVE SER USADO T U = TEMPO DURANTE O QUAL RESPIRADOR FOI EFETIVAMENTE USADO FP A = FATOR DE PROTEÇÃO ATRIBUÍDO T O = TEMPO DE OMISSÃO DE USO DO RESPIRADOR

28 RESPIRADORES PARA AMBIENTES COM DEFICIÊNCIA DE OXIGÊNIO - (IN / PPR PARÁGRAFO ) Condições IPVS ou Não IPVS Efeitos combinados: Altitude e porcentagem de oxigênio(a)

29 OBSERVAÇÕES SOBRE A TABELA : OBSERVAÇÕES SOBRE A TABELA : a) ppO2 = 95mmHg, que dita a necessidade de máscara autônoma ou combinação linha de ar/mascara autônoma, admite que a saúde do usuário seja normal. Deve ser levada em consideração qualquer condição médica que afete desfavoravelmente os Indivíduos com intolerância à redução do teor de 02. Para estes Indivíduos, é maior a ppO2 a partir da qual é necessário o uso de máscara autônoma. Esta é uma decisão do médico. b) Observe que em altitudes maiores que 3O3Om, um respirador de adução de ar ou autônomos que forneça ar com 20,9% de oxigênio não consegue atingir o pp O 2 de 122 mmHg. Portanto, nos casos em que se exige o uso de respirador porque o teor de O 2 está abaixo de 20,9%, deve-se escolher um respirador especial, aprovado, do tipo de adução de ar que forneça oxigênio enriquecido ou máscara autônoma de circuito fechado. A 3O3Om de altitude deve-se usar ar com no mínimo 23% de O 2 e 4240 m o ar deve conter 27% de O 2.

30

31 RESPIRADORES PARA TUBERCULOSE

32 Atendimentos a emergências Enfermeiras Médicos Responsáveis por terapias respiratórias Atendentes Limpeza Manutenção Profissionais mais expostos: em hospitais

33 Out/93 - CDC - recomenda o uso de respiradores certificados pela NIOSH Jan/94 - OSHA - requer o uso de respiradores com filtro para particulados de alta eficiência - HEPA Set/95 - OSHA recomenda uso de respiradores com aprovação N95 para Tb À partir de 1998 não é mais aceito nos USA o uso das atuais máscaras cirúrgicas. Recomendações de Proteção Respiratória - USA:Contra TB

34 RESPIRADORES PARA TB QUEM SÃO AS N95 AQUI NO BRASIL? PFF-2 ou P2

35 USA: 42CFR (NaCl) ( 83 L/min / 0,3 m) Método de ensaio BRASIL : ABNT - NBR13698/96 (NaCl ) (95L/min / 0,5 m) PENETRAÇÃO MÁXIMA DE NaCl % N95 = 5% PENETRAÇÃO MÁXIMA DE NaCl % PFF2 = 6%

36 TUBERCULOSE Importante: Não existe método de teste para determinar a eficácia de nenhum respirador contra o Mycobacterium tuberculosis, entretanto existem estudos de que o tamanho das gotículas contendo o bacilo está entre 1- 5 m. Não existem limites de tolerância definidos para agentes biológicos

37 Respiradores descartáveis - uso por apenas uma pessoa. Sem válvula de exalação Descarte: Saturação ou deformação/sujeira (??) Recomendações no uso de respiradores (TB) : - CDC Recomendações no uso de respiradores (TB) - : - CDC:

38 Referências Bibliográficas (TB): Coordenação Nacional de Pneumologia Sanitária/CENEPI: (061) / OSHA Federal Register: Occupational Exposure to Tuberculosis; Proposed Rules (http://www.osha- slc.gov/FedReg_osha_data/FED html) CDC - Guidelines for Preventing the transmission of Mycobacterium tuberculosis in Health care facilities, 1994 OSHA Regulations: respiratory Protection for M. tuberculosis

39 Referências bibliográficas (TB): NIOSH Guide to the Selection and Use of Particulate Respirators - 42CFR84, 1996 (http://www.cdc/niosh/respguid.html) OSHA Respiratory Protection Standard, 1998 NBR da ABNT - Equipamentos de Proteção Respiratória: Peça Semifacial Filtrante para partículas Programa de Proteção Respiratória: Recomendações, Seleção e Uso de Respiradores. Coordenação de Maurício Torloni: Fundacentro: 2ª. Ed p.


Carregar ppt "MÓDULO MÓDULO MÓDULO SELEÇÃO: EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO RESPIRATÓRIA FILTROS MECÂNICOS E QUÍMICOS 2 2."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google