A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Síntese, caracterização e estabilização de nanopartículas de prata para aplicações bactericidas Marcus Vinicius D. Garcia Prof. Dr. Wagner S. Oliveira.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Síntese, caracterização e estabilização de nanopartículas de prata para aplicações bactericidas Marcus Vinicius D. Garcia Prof. Dr. Wagner S. Oliveira."— Transcrição da apresentação:

1 Síntese, caracterização e estabilização de nanopartículas de prata para aplicações bactericidas Marcus Vinicius D. Garcia Prof. Dr. Wagner S. Oliveira Junho/ 2011

2 Objetivos Discutir sobre propriedades das nanopartículas Discutir a ação bactericida da prata Discutir os métodos de síntese química constantes na literatura ( Lee and Meisel – 1982, Turkevitch – 1951) Analisar a reprodutibilidade dos métodos de síntese Analisar a estabilidade dos colóides produzidos em diversos meios

3 Revisão bibliográfica Quando uma partícula decresce em tamanho uma grande proporção de seus átomos é encontrada na superfície comparada às camadas mais internas. Nanopartículas possuem uma muito maior superfície por unidade de massa comparadas a partículas maiores. Como reações químicas ocorrem nas superfícies, significa que nanopartículas são extremamente mais reativas do que uma massa de material composta de partículas maiores (8,10)

4 Revisão bibliográfica Tamanho da partícula (nm) Número de átomosFração na superfície (%) 0,51- 1, , , , , Tabela 1. Relação entre tamanhos de partículas e a fração de átomos na superfície. Fonte : (Fonte : Guozhong Cao Nanoestructures and nanomaterials pg 37-50, imperial Press 2004 )

5 Revisão bibliográfica A maior dificuldade para se desenvolver a fabricação de nanopartículas pelo método químico reside no fato de controlar o tamanho das partículas e fazer cessar o crescimento daquelas por agregação.

6 Revisão bibliográfica Partículas finas, incluindo as em escala nanométrica, devido à sua grande superfície, frequentemente se aglomeram para formar partículas secundárias a fim de minimizar a área total e com isso baixar a tensão de interface do sistema.

7 Revisão bibliográfica Estabilização por dispersão por repulsão eletrostática resultante da interação entre a electrical double layer (EDL) que cerca as partículas. A estabilização eletrostática ocorre quando as forças eletrostáticas repulsivas superam as forças atrativas de Van der Waals.

8 Revisão bibliográfica Dispersão pela ação de forças estéricas : Moléculas de surfactantes são absorvidas pela superfície das partículas e suas cadeias liofílicas fazendo uma interação com o solvente. A interação entre as moléculas aumenta a energia livre do sistema e produz uma barreira energética contra a aproximação das partículas uma das outras. É efetiva em meios aquosos e não aquosos e usada para meios de ata concentração (19,20)

9 Prata e ação bactericida (11,15,18,30,31) A prata possui uma ação antimicrobiana contra a maioria das bactérias e fungos. Na forma de nanopartículas tem uma superfície de contato infinitamente maior e suas propriedades são enormemente aumentadas. A medicina tem demonstrado que a prata destrói mais de 650 organismos patogênicos. Os efeitos bactericidas são estudados desde meados de 1800 embora conhecidos desde cerca de 1000 a.c. Tempo de contato eficaz na ordem de horas

10 Prata e ação bactericida Inibe a cadeia respiratória celular (Bragg & Rainnie, 1973) Inibe de transporte de fosfatos (Schreurs & Rosenberg, 1982). Influi na retirada de cátions Ca++ e Zn++ das células bacterianas por efeito de substituição. inibe a multiplicação e crescimentos dos microorganismos ( ação bacteriostática ) que causam odor e infecções O efeito biocida é diretamente proporcional à concentração de íons Ag+. Assim, quanto maior a concentração de prata maior seu efeito antimicrobiano

11 Prata e ação bactericida Concentração efetiva para atuação contra microorganismos : 0,1 µg /l Concentração tóxica a seres humanos : 10 mg / l

12 Prata e ação bactericida Usos da prata como bactericida : Curativos Cateteres Colóides tópicos Tubos traqueais Tecidos biocidas

13 Prata e ação bactericida Tabela 2. Relação entre o tamanho de nanopartículas de prata e redução de microorganismos em contato. Fonte : Quator Nanotecnologia.

14 Síntese química de nanopartículas de prata Basicamente as reações de síntese química de nanopartículas de prata usam o Nitrato de Prata ( AgNO 3 ) como material de partida. A prata pode ser reduzida de seu nitrato por uma gama de substâncias orgânicas como alcoóis, carboidratos, ácido tartárico, ácido ascórbico, etc. Os métodos de redução podem variar tanto do tipo do agente redutor como da quantidade e concentração destes, bem como a temperatura de reação, velocidade de agitação e duração do processo de redução. Os diâmetros da partículas de prata resultantes da síntese dependem dessas condições.

15 Síntese química de nanopartículas de prata Além da microscopia eletrônica que permite a visualização das partículas de prata, também estas podem ser caracterizadas pela espectroscopia de uv-visível com picos de absorção ao redor de 400 nm. Mesmo com picos de absorção semelhantes, uma maior largura dos picos indica agregação de partículas Uma característica de metais nobres sob a forma de nanopartículas é a forte coloração de suas dispersões coloidais que é causada pela absorção de plasmon de superfície. A ressonância de plasmon de superfície é ausente tanto em nível atômico como em aglomerados.

16 Síntese química de nanopartículas de prata Tamanho da partícula (nm)Comprimento de onda ( nm) Tabela 3. Correlação de tamanhos de nanopartículas de prata e comprimento de onda na análise por Espectroscopia UV-Vis. Fonte : Journal of Chemical Education Vol. 84 No. 2 February 2007

17 Síntese química de nanopartículas de prata Foram estudados dois métodos de redução de prata : Redução pelo Borohidreto de sódio ( N aBH 4 ) Redução pelo Citrato de sódio ( C 6 H 5 O 7 Na 3 )

18 Síntese química de nanopartículas de prata A reação química do nitrato de prata com borohidreto de sódio é dada por : AgNO 3 + NaBH 4 Ag + ½ H 2 + ½ B 2 H 6 + NaNO 3 ( Lee and Meisel, 1982 )

19 Síntese química de nanopartículas de prata Características do método: –Partículas entre 5 a 20 nm ( absorção UV-Vis faixa nm ) –Concentração dos reagentes: ( AgNO 3 / NaBH 4 = 1:2) –Agitação constante –Requer baixas temperaturas para a síntese –Exige Correta colocação de reagentes (sem inversões ) –Requer total ausência de redutores contaminantes

20 Síntese química de nanopartículas de prata Esquema de agitação e resfriamento 2.Gotejamento de AgNO3 sobre solução de NaBH4 3.Reflexão de raio laser indicando partículas metálicas 4.Agregação típica pela adição de eletrólito. 5.Estabilização do colóide com polímero solúvel impedindo a agregação por ação de eletrólito Fonte: Journal of Chemical Education Vol. 84 No February 2007

21 Síntese química de nanopartículas de prata Figura 3. Prata coloidal em vários estágios de agregação, (A) amarelo pálido, (B) alaranjado, (C) violeta, e (D) acinzentado, Conforme avanço da agregação. Fonte: Journal of Chemical Education Vol. 84 No. 2 February 2007

22 Síntese química de nanopartículas de prata Figs 4 e 5. Espectrometria de uv-visível característica de presença de nanopartículas de prata. Fonte : 10. Jiang, L. P.; Xu, S.; Zhu, J. M.; Zhang, J. R.; Zhu, J. J.; Chen, H. Y.; Inorg. Chem. 1 2

23 Síntese química de nanopartículas de prata A reação química do nitrato de prata e o citrato de sódio é dada por : 4 Ag + C 6 H 5 O 7 Na H 2 O 4 Ag+ + C 6 H 5 O 7 H Na + + H + + O2 Turkevitch et al ( 1951 ), Lee and Meisel (1982)

24 Síntese química de nanopartículas de prata Características do método: –Partículas entre 50 a 100 nm ( absorção UV-Vis faixa nm ) –Concentração dos reagentes: ( AgNO 3 / C 6 H 5 O 7 H 3 = 1:30) –Agitação constante –Requer ebulição para a síntese –Exige Correta colocação de reagentes (sem inversões ) –Requer total ausência de redutores contaminantes

25 Síntese química de nanopartículas de prata Figura 6. Esquema de gotejamento, agitação e aquecimento da síntese de nanopartículas de prata por redução por citrato de sódio. Fonte : Autor

26 Síntese química de nanopartículas de prata Figuras 7 (esq) e 8 (dir). Padrão de coloração de indicação de formação de nanopartículas e ponto de retirada da solução do aquecimento. Fonte : Autor

27 Resultados e discussões Método do Citrato de sódio ( Turkevitch – 1951, Lee and Meisel (1982) Conforme referências da literatura original –125 ml de nitrato de prata 0,001 m –5 ml gotejados de citrato de sódio a 1% –Velocidade de gotejamento : 1 gota/s –Reação sob ebulição do nitrato de prata –Tempo de reação sob ebulição ( referência da literatura ) = 40 min –Resfriamento posterior à temperatura ambiente

28 Resultados e discussões Variações no método –Tempo de reação sob ebulição ~30 s ( Prashant V. Kamat, Mark Flumiani, and Gregory V. Hartland, 1998) ~10 min ~40 min ( Turkevitch et al, 1951)

29 Resultados e discussões Resultados ProcedimentoTipo de Agitação Amostra tagTempo de permanência sob aquecimento após síntese (min) Coloração sob Temp. ambiente Análise do resultado rpm contínua T230 sAmarelo dourado Pequena Agregação rpm contínua T110 minAmarelo acinzentado Média Agregação 3 (padrão lit)1100 rpm contínua --40 minPardo Forte Agregação Tabela 4. Variação de condições de tempo de ebulição e correspondente Estágio de agregação dos procedimentos 1, 2 e 3

30 Resultados e discussões 1 23 Resultados Procedimentos 1, 2 e 3 Figura 9. Variação de coloração de vários estágios de agregação. O número corresponde ao procedimento Fonte: Autor

31 Resultados e discussões Resultados Figura 10. Comparação das amostras sintetizadas pelo procedimento 2 (esquerda) e 1 ( direita ) Indicando dois níveis de agregação. Fonte: Autor

32 Resultados e discussões AmostraEstabilizador Proporção amostra / Estabilizador T1 (1)Amostra pura100% T1 (2)Poli(Vinilpirrolidona) 0,3% 50% T1 (3)Poli(Vinil álcool) 4%50% T2 (1)Amostra pura100% T2 (2)Poli(Vinilpirrolidona) 0,3% 50% T2 (3)Poli(Vinil álcool) 4%50% Tabela 6 : Conteúdo das amostras e estabilizadores

33 Resultados e discussões AmostraComprimento de onda (nm)Absorbância T2-1(Proc. 1)425,0600,833 T2-2( Proc. 1)425,0600,515 T2-3(Proc. 1)425,0600,591 T1-1 ( Proc. 2)425,0600,712 T1-2 ( Proc. 2)430,7880,424 T1-3 ( Proc. 2)433,6510,500 Caracterização por UV- Vis ( 36 h após a síntese ) Tabela 5. Comprimentos de onda e absorbância UV-Vis das amostras T2 e T1

34 Resultados e discussões Absorbância UV-Vis amostra pura mais agregada – Proc. 2 [ T1(2)] Absorbância UV-Vis amostra pura menos agregada – Proc. 1 [T2(1)] Caracterização por UV-Vis Amostras puras ( 36 h após a síntese)

35 Resultados e discussões Testes de estabilidade ( método do citrato de sódio) –Após cerca de 90 dias da síntese as amostras puras ( tanto T1(1) e T2(1) ) mostraram agregação pela observação da coloração mais avermelhada. As amostras estabilizadas com polímeros (T1(2), T1(3), T2(1) e T2(2)) mostraram-se inalteradas Figura 11. Aspecto das amostras puras e estabilizadas com polímeros após 90 dias da síntese com citrato de sódio. (as amostras T1 (1) e T2 (1), puras, mostram agregação a longo prazo ) Fonte: Autor T1 T2

36 Resultados e discussões AmostraPeríodoColoraçãoWavelenght (nm) Absorbância (nm) T2(1)36 h425,0600,712 T2(1)90 dias432,2200,788 A espectroscopia UV-Vis confirma as condições de agregação e estabilidade da amostra pura T2(1) ( de maior estabilidade inicial) Tabela 7. Comparação dos dados da espectroscopia UV-Vis da amostra T1(1) nos períodos pós-síntese de 36 h e 90 dias.

37 Resultados e discussões A estabilidade dos colóides estabilizados com polímeros foi testada com a adição de um eletrólito ( Na 2 CO 3 2 M ) para observar o comportamento na presença deste. O citrato de sódio mostrou-se um bom estabilizante, mesmo com baixas concentrações de polímeros estabilizadores a médio prazo (90 dias) Figura 12. Teste de estabilização com eletrólito ( Na2CO3 ) em amostras de nanopartículas de prata reduzidas pelo método do citrato de sódio e estabilizadas com PVP a 0,3%. Testes P9 – T2 1(2) e P10- T2(2) Fonte: Autor

38 Resultados e discussões Método do Borohidreto de sódio ( Lee and Meisel, 1982 ) –Conforme referências da literatura original e estudos subsequentes –30 ml de solução 2 mM de Borohidreto de sódio –10 ml gotejados de solução de nitrato de prata 0,001 M –Velocidade de gotejamento : 1 gota/seg –Banho de gelo – Temperatura mantida em cerca de 2,5 a 3° C –Levado à temperatura ambiente ( ~25°C ) após 7 min ( tempo total de gotejamento )

39 Resultados e discussões Variações no método –Velocidade de gotejamento : 1 gota / s 1 gota/ 0,7 s

40 Resultados e discussões Resultados Tabela 8 : Dados dos procedimento, amostras e análise da agregação na síntese por borohidreto de sódio ProcedimentoTipo de Agitação Tag amostra Temp °C Veloc. Gotejamento Coloração sob Temp. ambiente Análise do resultado 4 (padrão lit)1100 rpm contínua T331 gota/sAmarelo claroPequena agregação rpm contínua T431gota/0,7 sAlaranjado claro Média agregação

41 Resultados e discussões Resultados Procedimentos 4 e 5 Figura 13. Aspecto da coloração dos colóides de nanopartículas de prata obtido pela redução por borohidreto de sódio. À esquerda obtidos por gotejamento de 1 gota/seg (T3 – Proc. 4 ). À direita, obtidos com gotejamento acelerado. (T4 - Proc. 5) Fonte: Autor

42 Resultados e discussões AmostraComprimento de onda (nm)Absorbância T3398,8070,667 T4397,3500,636 Caracterização por UV-Vis ( 24 h após a síntese ) Tabela 9. Análise de UV-Vis das amostras T3 e T4 sintetizadas por borohidreto de sódio

43 Resultados e discussões Caracterização por UV-Vis ( 24 h após a síntese ) Absorbância UV-Vis amostra menos agregada – Proc. 4 Absorbância UV-Vis amostra mais agregada – Proc. 5

44 Resultados e discussões Testes de estabilidade (método do Borohidreto de sódio ) –Após cerca de 90 dias ambas as amostras puras mostraram-se estáveis sem níveis observáveis de agregação mantendo a coloração original pós-síntese. –Os testes de estabilidade com eletrólitos no entanto mostraram resultados significativamente diferentes dependendo do meio polimérico e a concentração do polímero. Usaram-se para os testes, as amostras menos agregadas (T3)

45 Resultados e discussões Amostra TagEstabilizanteResultado P1PuraAgregação +++ P2PVP 0,3%Agregação +++ P3PVP 1%Agregação ++ P4PuraAgregação +++ P5PVA 1%Agregação ++ P6PVA 4%Agregação + P7CMC 2%Estável P8CMC 1,5%Estável Tabela 14. Amostras e testes de estabilização por polímeros de colóides de nanopartículas de prata sintetizados por borohidreto de sódio na presença de eletrólitos. (os indicadores + mostram o nível de agregação visual)

46 Resultados e discussões Testes de estabilidade de nanopártículas de prata sintetizadas por redução pelo borohidreto de sódio por adição de eletrólito 1)Esq. Pura Dir. PVP 0,3 % 2)Esq. PVP 1% Dir. Pura 3)Esq. PVA 1% Dir. PVA 4% 4)Esq. CMC 2% Dir. CMC 1,5 % Fonte : Autor 123 4

47 Conclusões Redução por Borohidreto Mais rápida Menores partículas ( 5 a 20 nm) Não há necessidade de cessão de energia externa Estáveis sob meios poliméricos. Pouco estável pelo íons borohidreto Baixa proporção entre concentrações Cara e pouco amigável ao ambiente e tecidos vivos Redução por Citrato Mais lenta Maiores partículas ( 50 a 100 nm ) Há necessidade de cessão de energia externa Estável pela ação dos íons citrato Alta proporção entre reagentes Grande excesso de citrato Mais barata e amigável ao meio ambiente e tecidos

48 Conclusões Método / Tópicos Nível de Dificuldade (sintese) Nível de controle de variáveis Estabilidade em solução aquosa (pura) Estabilidade em meios poliméricos (ação de eletrólitos) Tamanho das partículas CitratoAlto BaixaAlta (*)35-50 nm BorohidretoBaixoMédioAltaBaixa (**)10-15 nm (*) Mesmo em meios poliméricos de baixa viscosidade (**) Apenas estáveis em meios poliméricos de alta viscosidade Análise dos métodos de síntese Tabela 10. Comparativo entre os métodos de síntese ( Citrato de sódio e Borohidreto de sódio)

49 Conclusões Concentração de Nitrato de prata0,001 M Volume de solução de nitrato de prata125 ml Concentração de Citrato de sódio0,03 M ( 1% ) Volume de solução de citrato de sódio5 ml gotejados Temperatura de reação requerida100 ° C ( ebulição à 1 atm ) Velocidade de gotejamento1 gota / s AgitaçãoContínua a 1100 rpm Tempo para retirada da ebulição após gotejamento do citrato de sódio Imediato Condições de estabilização de temperaturaTemperatura ambiente Estabilidade das nanopartículas em meio aquosoInstável. Agregação em cerca de 90 dias sob condições ambientes Estabilidade em meio polimérico de baixa viscosidade PVA a 4% - Estável PVP a 0,3 % - Estável Estabilidade na presença de eletrólitosEstável em meios poliméricos Tamanho médio das partículas35 a 50 nm Absorbância por UV-Vis425 a 435 nm Padronização das condições de síntese e resultados da redução por citrato de sódio ( Revisão do método de Turkevich)

50 Conclusões Concentração de Nitrato de prata0,001 M Volume de solução de nitrato de prata10 ml gotejados Concentração de Borohidreto de sódio0,002 M Volume de solução de citrato de sódio30 ml Temperatura de reação requerida2,5 a 3 ° C ( banho de gelo ) Velocidade de gotejamento1 gota / s AgitaçãoContínua a 1100 rpm Tempo para retirada do resfriamento após gotejamento do nitrato de prata Imediato Condições de estabilização de temperaturaTemperatura ambiente Estabilidade das nanopartículas em meio aquosoEstáveis no estado puro Estabilidade em meio polimérico de baixa viscosidade Estáveis Estabilidade na presença de eletrólitosEstável somente em meios poliméricos de alta viscosidade ( CMC a 1,5%) Tamanho médio das partículas10 a 15 nm Absorbância por UV-Vis380 a 400 nm Padronização das condições de síntese e resultados da redução por Borohidreto de sódio ( Revisão do método de Lee and Meisel)

51 Conclusões a) A síntese com citrato de sódio é relativamente mais trabalhosa e necessita um controle mais rígido das condições de síntese no tocante à retirada do aquecimento dos reagentes. Qualquer prolongamento no tempo de aquecimento invariavelmente produz a agregação. b) Os colóides de prata sintetizados por citrato de sódio são extremamente estáveis em meios poliméricos mesmo em baixas concentrações e viscosidade indicando que o íon citrato impede a agregação, mesmo na presença de eletrólitos. c) Colóides sintetizados por citrato de sódio em meio aquoso sem a presença de estabilizantes tendem a agregar-se num prazo de dias. d) As nanopartículas de prata sintetizadas por este método têm um tamanho médio entre nm. e) O método de Turkevitch (1951) tanto em seu texto original como em citações em estudos posteriores apresenta discrepâncias consideráveis no tempo de reação sob ebulição, tempo este que foi fator decisivo para a formação de nanopartículas estáveis.

52 Conclusões f) O método citado na literatura com melhores resultados reporta aos estudos de: KAMAT, V.; FLUMIANI, M.; HARTLAND,G.; PRASHANT, V. (13) g) A síntese com borohidreto de sódio é mais fácil de ser controlada e de procedimento mais simples. h) Os colóides de prata sintetizados por borohidreto de sódio são estáveis em meio aquoso, porém agregam-se facilmente na presença de eletrólitos e/ou impurezas. i) Na presença de estabilizantes poliméricos as partículas sintetizadas por borohidreto de sódio só são estáveis em altas viscosidades, concluindo que apenas polímeros que em baixa concentração possuem alta viscosidade são viáveis como meios estabilizadores, como por exemplo a CMC sódica. Estas nanoparticulas mantiveram-se estáveis por mais de um ano. j) As nanopartículas de prata sintetizadas por este método têm um tamanho médio entre 10 – 15 nm.

53 Conclusões k) O método citado na literatura com melhores resultados reporta aos estudos de : SOLOMON, Sally; BAHADORY, Mozhgan; JEYARAJASINGAN, Aravindan; RUTKOWSKY, Susan; BORITZ, Charles. (26) Este estudo, no entanto, não vislumbra a estabilidade de colóides em meios poliméricos diversos. O método citado pela adição de PVA a 0,3% não apresentou resultados de estabilidade em nenhum dos experimentos. l) Em termos econômicos o reduzido tamanho e aumentada ação das nanopartículas de prata proporcionariam a síntese de soluções aquosas puras de cerca de 625 litros para 100 g de nitrato de prata independentemente do método de síntese utilizado, cabendo analisar ainda o efeito bactericida destas soluções.

54 Conclusões Conclusões finais Foi possível comparar os procedimentos e resultados das sínteses com os métodos descritos na literatura de forma mais abrangente, padronizando as variáveis como temperatura, tempos de agitação, resfriamento, e total de síntese bem como a concentração dos reagentes. Igualmente conseguiu-se padronizar os tipos de meios de estabilização dos colóides de prata para sua aplicação prática no tocante ao seu efeito biológico. A pesquisa mostrou que é viável a estabilização de nanopartículas de prata em meios poliméricos para seu uso na aplicação de materiais têxteis bioativos tais como palmilhas de calçados, vestimentas esportivas, curativos e ataduras antibióticas. Os colóides são estáveis por meses aplicados em tecidos hidrofílicos mantendo sua coloração levemente amarelada.

55 Conclusões Próximos passos –Análise das partículas por MET –Análise das propriedades bactericidas ( IB- UNICAMP) –Estudos em cobaias ( Biotério UNICAMP) –Métodos de aplicação em têxteis –Perenidade / Transporte para substratos biológicos

56 Referências (1) ANDRADE, José E. Síntese, caracterização e modificação de nanopartículas de prata com 5-fluorouracil sob a influência do ph. Sergipe : Dissertação apresentada ao Núcleo de Pós-Graduação em Física da Universidade Federal de Sergipe, DE, pg 48-51(19) (2) BAHADORY, Mozhgan. Synthesis of Noble Metal Nanoparticles. EUA : Faculty of Drexel University – Aug 2008(9) (3) BARTHLOTT, Wilhelm; NEINHUIS, C. The purity of sacred lotus or escape from contamination. EUA: biological surfaces. 1–8. doi: /s (30) (4) BERNI, E; RIBEIRO, C; ZUCOLOTTO, V. Síntese de Nanopartículas de Prata para Aplicação na Sanitização de Embalagens. Brasil: ISSN São Carlos, SP Novembro, 2008 (5) (5) BUTKUS, Michael A.; EDLING, Lance; LABARE, Michael P. The efficacy of silver as a bactericidal agent: advantages, limitations and considerations for future use. EUA: (2003) Journal of Water Supply: Research and TechnologyAQUA | 52.6(32)

57 Referências (6) CAMARGO,Emerson R. ; LEITE, Edson R.; RIBEIRO, Cauê. Efeito do pH na síntese de uma dispersão coloidal de nanopartículas de prata utilizando o ácido cítrico como agente redutor. Brasil: 30a Reunião Anual da Sociedade Brasileira de Química(20) (7) EDELSTEIN, A.S.; CAMMARATA, R.C. Nanomaterials : synthesis, properties, and applications. EUA: Taylor and Francis, c 1996 pg 21-27(27) (8) GOGOTSI, Yuri. Introduction to Nanotechnology - What is nanotechnology? EUA:http://www.nanowerk.com/nanotechnology/introduction/introduction_to _nanotechnology_1.html(22) (9) GOGOTSI, Yuri. Nanomaterials handbook. EUA : ISBN p (23) (10) GUOZHONG, Cao. Nanoestructures and nanomaterials. EUA : ISBN Imperial college press, 2004, pg ) (2) (11) GUZMÁN, Maribel; DILLE,Jean; GODET,Stephan. Synthesis of silver nanoparticles by chemical reduction method and their antibacterial activity EUA: World Academy of Science, Engineering and Technology (35)

58 Referências (12) JIANG, L. P.; XU, S.; Zhu, J. M.; ZHANG, J. R.; Zhu, J. J.; CHEN, H. Y. Surface Plasmon Resonances of Silver Triangle Nanoplates. China : Inorg. Ch. 2004, p. 43. (13) KAMAT, V.; FLUMIANI, M.; HARTLAND,G.; PRASHANT, V. Picosecond Dynamics of Silver Nanoclusters. Photoejection of Electrons and Fragmentation. EUA : J. Phys. Chem. B, 1998, 102 (17), p 3123–3128. (16) (14) KLASEN, H.J. Historical review of the use of silverin the treatment of burns. Alemanha: Early uses. Burns v.26, n.2, p: , 2000(25) (15) KOLLEF, Marin H.; AFESSA. Bekele; ANZUETO, Antonio Ventilator- associated pneumonia - Silver-Coated Endotracheal Tubes – EUA: JAMA. 2008;300(7): (doi: /jama ). (33) (16) LEE, P. C.; MEISEL, D. Adsorption and Surface-Enhanced Raman of Dyes on Silver and Gold Sols. EUA: J. Phys. Chem. 1982, 86, p (13)

59 Referências (17) MELO, Celso; PIMENTA, Marcos. Texto informativo sobre nanotecnologia. Brasil : Boletim 08/2004 Sociedade Brasileira de Física (18) MORONES, J.; ELECHIGUERRA, J.; CAMACHO, A.; HOLT, K.; KOURI, J.; RAMIREZ, J. YACAMAN, M. The bactericidal effect of silver nanoparticles. EUA: Nanotechnology, Bristol, v. 16, p , 2005(24) (19) OLIVEIRA, Marcela. Nanopartículas de prata e seus nanocompósitos com polianilina: síntese, caracterização e propriedades. Brasil: Tese de doutorado – UFPR 2005(17) (20) OLIVEIRA, Marcela; UGARTE, Daniel; ZANCHET, Daniela; ZARBIN, A. J. G. Influência das variáveis de síntese e do tipo de passivante na obtenção de nanopartículas de prata. Brasil : 25a. Reunião Anual da Sociedade Brasileira de Química, 2002, v. 1. p. QM-89. (3) (21) PANYALA, R and col. Silver or silver nanoparticles. A hazadous threat to the enironment and human health?. EUA: J. Appl. Biomed. 6 : ,2008. (22) RAMARATNAN, K. et col. Ultrahydrophobic textiles – Lottus aproach. EUA : AATTCC Review, 8(1), 2008, 42-44(7)

60 Referências (23) RATYAKSHI, C.; CHAUHAN, R.P. Colloidal Synthesis of Silver Nano Particles Índia: Asian Journal of Chemistry Vol. 21, No. 10 (2009), S (21) (24) SCHIERHOLZ Jörg, BEUTH Joseph PULVERER­, Gerhard. Antimicrob Agents Chemother.. EUA : November 1999, 43: (6) (25) ŠILEIKAITĖ,Asta; PUIŠO Judita;, PROSYČEVAS, Igoris; MULEVIČIUS, Sigitas. Investigation of Silver Nanoparticles Formation Kinetics During Reduction of Silver Nitrate with Sodium Citrate. Hungria: Materials science (medžiagotyra) ISSN 1392–1320. Vol. 15, No (29) (26) SOLOMON, Sally; BAHADORY, Mozhgan; JEYARAJASINGAN, Aravindan; RUTKOWSKY, Susan; BORITZ, Charles. Synthesis and study of silver nanoparticles. EUA: Journal of Chemical Education Vol. 84 February 2007 No. 2. p. 322(10) (27) SONG, Ki Chang ; LEE, Sung Min ; PARK, Tae Sun; LEE, Bum Suk. Preparation of colloidal silver nanoparticles by chemical reduction method. Coréia : Korean J. Chem. Eng., 26(1), (2009) (11) (28) SWIHART, Mark T. Vapor-phase synthesis of nanoparticles. EUA : Current Opinion in Colloid and Interface Science 8 (2003) 127–133(31)

61 Referências (29) SWIHART, Mark T. Vapor-phase synthesis of nanoparticles. EUA: Current Opinion in Colloid and Interface Science 8 (2003) 127–133(18) (30) THOMAS, Steve. MRSA and the use of silver dressings: overcoming bacterial resistance EUA: Br J Biomed Sci 2004; 61(3): ) (8) (31) THOMAS, Steve., MRSA (Methicillin-resistant Staphylococcus Aureus) and The Use of Silver Dressings: Overcoming Bacterial Resistance, EUA: World Wide Wounds Published: Nov Rev. 1.1(34) (32) TURKEVICH, J.; STEVENSON, P. C.; HILLIER, J. A study of the nucleation and growth processes in the synthesis of colloidal gold.. Inglaterra: Faraday Discussions London, v. 11, p.55, 1951., (14) (33) WONG, Y; YUEN, H; LEUNG,C; KU, C; LAM, H. Selected applications of nanotechnology in textiles autex. China : Research Journal, Vol. 6, No 1, March 2006 (34) XIN, John H. Nanotechnology for Textiles and Apparel. China: The Technology Symposium for Textiles and Apparel 2009(28) (35) ZEENA, S. P.; PRASHANT, V. K. What Factors Control the Size and Shape of Silver Nanoparticles in the Citrate Ion Reduction Method? EUA: J. Phys. Chem. B, 2004, 108 (3), pp 945–951(36)


Carregar ppt "Síntese, caracterização e estabilização de nanopartículas de prata para aplicações bactericidas Marcus Vinicius D. Garcia Prof. Dr. Wagner S. Oliveira."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google