A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

João Carlos da Cunha Bastos Superintendente de Coordenação da Operação Desempenho operacional das usinas nucleares brasileiras Workshop Presente e Futuro.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "João Carlos da Cunha Bastos Superintendente de Coordenação da Operação Desempenho operacional das usinas nucleares brasileiras Workshop Presente e Futuro."— Transcrição da apresentação:

1 João Carlos da Cunha Bastos Superintendente de Coordenação da Operação Desempenho operacional das usinas nucleares brasileiras Workshop Presente e Futuro da energia nuclear no Brasil

2 Geração do Sistema Interligado Nacional (SIN) Últimos 12 meses: Out./2008 a Set./2009 Geração do Sistema Interligado Nacional (SIN) Últimos 12 meses: Out./2008 a Set./2009 Fonte : ONS

3 Complementação Térmica no SIN (MWmédios)

4 Angra 1 e 2 Características Técnicas GeraçãoCustos Indicadores de Desempenho Compromissos com a Segurança Angra 1 e 2 Características Técnicas GeraçãoCustos Indicadores de Desempenho Compromissos com a Segurança

5 Alguns números ANGRA 1ANGRA 2

6 Geração Bruta – Angra 1 e Angra – Angra ª colocada em produção de energia

7 R$/MWh Custo de Produção da Central

8 Custo da geração (combustível) Período: janeiro a dezembro/2008 Custo da geração (combustível) Período: janeiro a dezembro/2008 Obs.: Comparação entre os custos de combustível das Usinas Nucleares e das térmicas convencionais efetivamente despachadas pelo ONS, para gerar a mesma quantidade de energia Fonte ONS

9 Mensuração de resultados

10 Indicadores comparados mundialmente (WANO) Fator de disponibilidade Fator de perda de disponibilidade não planejada Taxa de perda forçada Índice de confiabilidade do combustível Indicador químico Performance dos sistemas de injeção de segurança - alta pressão Performance dos sistemas água alimentação Performance dos geradores diesel de 4.16 kv Desligamentos automáticos não planejados por 7000h críticas Fator de perdas ocorridas devido a distúrbios no sistema interligado Exposição coletiva à radiação Acidentes industriais com perda ocorridos com empregados da ETN Acidentes industriais com perda de tempo, com empregados contratados

11 FATOR DE DISPONIBILIDADE (WANO) Valor em porcentagem (%) = (Energia de referência - Perdas) x 100 / Energia de referência; Energia de referência = 657 x Período (h); Perdas = [ Planejadas (h) + Forçadas (h) ] x 657 INDICADOR Maior ou igual a 61,92% META No dia 03/07 às 05:19h e às 16:30h respectivamente, ocorreram dois desarmes manuais do Reator devido ao desligamento das Bombas de Água de Circulação - CW-1A/1B, pela atuação da proteção por baixo fluxo de água de selagem/mancais. Às 19:16h, o Reator foi criticalizado. No dia 04/07 às 07:07h a Unidade foi sincronizada ao Sistema Elétrico Interligado (ONS). No dia 14/07 às 08:15h, a carga da Unidade foi reduzida para 200 MWe devido ao desarme da Bomba de Água de Circulação - CW-1B, pela atuação da proteção por baixo fluxo de água de selagem/mancais. No dia 17/07 às 22:00h, iniciada uma redução de carga da Unidade para 525 MWe devido a uma solicitação do Operador Nacional do Sistema (ONS). No dia 22/07, às 10:10h, foi iniciada uma redução de carga para 453 MWe para atender a realização do Teste de Operabilidade das Válvulas da turbina - PI-O 33. Às 23:40h, ocorreu grande oscilação no sistema elétrico devido a abertura de 3 linhas de transmissão de 765kV (Ivaiporã/Itaberá). ANÁLISE Mediana = 86,86% "Best Quartile"= 91,80% WANO Página 1 JULHO 09

12 Meta 2009 Maior ou igual a 61,92%

13 Valor em porcentagem (%) = (Energia de referência - Perdas) x 100 / Energia de referência; Energia de referência = 657 x Período (h); Perdas = [ Planejadas (h) + Forçadas (h) ] x 657 INDICADOR Maior ou igual a 61,92% META No dia 03/07 às 05:19h e às 16:30h respectivamente, ocorreram dois desarmes manuais do Reator devido ao desligamento das Bombas de Água de Circulação - CW-1A/1B, pela atuação da proteção por baixo fluxo de água de selagem/mancais. Às 19:16h, o Reator foi criticalizado. No dia 04/07 às 07:07h a Unidade foi sincronizada ao Sistema Elétrico Interligado (ONS). No dia 14/07 às 08:15h, a carga da Unidade foi reduzida para 200 MWe devido ao desarme da Bomba de Água de Circulação - CW-1B, pela atuação da proteção por baixo fluxo de água de selagem/mancais. No dia 17/07 às 22:00h, iniciada uma redução de carga da Unidade para 525 MWe devido a uma solicitação do Operador Nacional do Sistema (ONS). No dia 22/07, às 10:10h, foi iniciada uma redução de carga para 453 MWe para atender a realização do Teste de Operabilidade das Válvulas da turbina - PI-O 33. Às 23:40h, ocorreu grande oscilação no sistema elétrico devido a abertura de 3 linhas de transmissão de 765kV (Ivaiporã/Itaberá). ANÁLISE Mediana = 86,86% "Best Quartile"= 91,80% WANO

14 ENERGIA BRUTA GERADA ANGRA 1 MWh x 1000 Resultado 2009 – até outubro BOM

15 FATOR DE CAPACIDADE BRUTO (ONS) ANGRA 1 Porcentagem BOM Resultado 2009 – até outubro

16 FATOR DE DISPONIBILIDADE (WANO) ANGRA 1 Porcentagem BOM Resultado 2009 – até outubro

17 FATOR DE PERDA DE DISPONIBILIDADE NÃO PLANEJADA (WANO) ANGRA 1 Porcentagem BOM Resultado 2009 – até outubro

18 DESLIGAMENTO AUTOMÁTICO POR 7000h CRÍTICAS (WANO) ANGRA 1 Desligamentos BOM Resultado 2009 – até outubro

19 EXPOSIÇÃO COLETIVA À RADIAÇÃO (WANO) ANGRA 1 HSv BOM Resultado 2009 – até outubro

20 VOLUME DE REJEITO SÓLIDO GERADO (WANO) ANGRA 1 Metros Cúbicos BOM Resultado 2009 – até outubro

21 ACIDENTES INDUSTRIAIS COM PERDA DE TEMPO POR HH TRABALHADAS (WANO) ANGRA 1 Nº de Acidentes / HH BOM Resultado 2009 – até outubro

22 DESEMPENHO TÉRMICO ANGRA 1 Porcentagem BOM Resultado 2009 – até outubro

23 INDICADOR QUÍMICO (WANO) ANGRA 1 Indicador BOM Resultado 2009 – até outubro

24 TAXA DE PERDA FORÇADA (WANO) ANGRA 1 BOM Registros iniciados em 2006 Porcentagem Resultado 2009 – até outubro

25 FATOR DE PERDAS OCORRIDAS DEVIDO A DISTÚRBIOS NO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL (WANO) ANGRA 1 BOM Registros iniciados em Porcentagem Resultado 2009 – até outubro

26 ACIDENTES INDUSTRIAIS COM PERDA DE TEMPO OCORRIDOS COM FUNCIONÁRIOS CONTRATADOS (WANO) ANGRA 1 BOM Registros iniciados em Nº de Acidentes / HH Resultado 2009 – até outubro

27 ENERGIA BRUTA GERADA ANGRA 2 MWh x 1000 > BOM Resultado 2009 – até outubro

28 FATOR DE CAPACIDADE BRUTO (ONS) ANGRA 2 Porcentagem BOM > Resultado 2009 – até outubro

29 FATOR DE DISPONIBILIDADE (WANO) ANGRA 2 Porcentagem BOM > Resultado 2009 – até outubro

30 FATOR DE PERDA DE DISPONIBILIDADE NÃO PLANEJADA (WANO) ANGRA 2 Porcentagem BOM Resultado 2009 – até outubro

31 EXPOSIÇÃO COLETIVA À RADIAÇÃO (WANO) ANGRA 2 HSv BOM Resultado 2009 – até outubro

32 DESLIGAMENTO AUTOMÁTICO POR 7000h CRÍTICAS (WANO) ANGRA 2 Desligamentos BOM Resultado 2009 – até outubro

33 ACIDENTES INDUSTRIAIS COM PERDA DE TEMPO POR HH TRABALHADAS (WANO) ANGRA 2 Nº de Acidentes / HH BOM Resultado 2009 – até outubro

34 VOLUME DE REJEITO SÓLIDO GERADO ANGRA 2 Metros Cúbicos BOM Resultado 2009 – até outubro

35 DESEMPENHO TÉRMICO ANGRA 2 Porcentagem BOM > Resultado 2009 – até outubro

36 TAXA DE PERDA FORÇADA (WANO) ANGRA 2 BOM Porcentagem Resultado 2009 – até outubro

37 INDICADOR QUÍMICO (WANO) ANGRA 2 Indicador BOM Resultado 2009 – até outubro

38 FATOR DE PERDAS OCORRIDAS DEVIDO A DISTÚRBIOS NO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL (WANO) ANGRA 2 BOM Registros iniciados em Porcentagem Resultado 2009 – até outubro

39 ACIDENTES INDUSTRIAIS COM PERDA DE TEMPO OCORRIDOS COM FUNCIONÁRIOS CONTRATADOS (WANO) ANGRA 2 BOM Registros iniciados em Nº de Acidentes / HH Resultado 2009 – até outubro

40 Melhoria do desempenho

41 Angra 1Angra 2 Gerador El é trico Bombas de Á gua de Circula ç ão Motores das Bombas de Á gua de Circula ç ão Tubula ç ão de á gua de servi ç o Condensadores Transformadores AuxiliaresTransformadores Principais Atuadores das v á lvulas de Isola ç ão de Á gua de Alimenta ç ão e de Vapor Principal V á lvulas de Reten ç ão do Circuito Prim á rio Geradores de Vapor Vibra ç ão de tubula ç ão do secund á rio em baixa carga Inversores Est á ticosV á lvulas Piloto de Al í vio do PZR Charging PumpsObsolescência Geradores Diesel (Fairbanks) Corrosão na Tomada D á gua Detectores Nucleares da Faixa da Fonte (curta dura ç ão) Cabe ç a do Vaso do Reator Rotores das Turbinas de Baixa Pressão Lan ç amento de Cabos (separa ç ão de trens) Penetra ç ões El é tricas Principais deficiências encontradas

42 Modificações mais significativas implementadas nas Usinas para melhoria de seu desempenho Modificações mais significativas implementadas nas Usinas para melhoria de seu desempenho Angra 1 Melhorias no Secundário, estendendo a vida dos Geradores de Vapor Troca dos Condensadores. Troca dos tubos dos Reaquecedores e Separadores de Umidade. Substituição dos trocadores de calor do secundário (retirada do cobre). Substituição dos Geradores de Vapor. Outras melhorias Desenvolvimento e Implantação do Sistema Integrado de Computadores de Angra. Instalação dos Geradores Diesel de Emergência 3 & 4. Instalação do Vent do Vaso do Reator e outras de TMI. Angra 2 Implantação do Sistema Integrado de Computadores de Angra. Implantação do Sistema de Tratamento de Efluentes Convencionais. Proteção dos tubos dos condensadores. Substituição dos motores das bombas de Água de Circulação. Alimentação dos aquecedores do pressurizador pelo barramento de emergência.

43 Duração das Paradas para Reabastecimento (dias) Angra I Duração das Paradas para Reabastecimento (dias) Angra I

44 Previsto x Realizado – Paradas de Angra 2 Em 2009 a Parada de Angra 1 programada para 134 dias (incluindo a troca dos GVs) durou 131 e a de Angra 2 programada para 28 dourou 28

45 Compromissos com a segurança

46 Considerações históricas 1979: Acidente em Three Mile Island 2, USA - Fatores Humanos Reator a água e grafite RMBK 1986: Acidente em Chernobyl 4, Ucrânia - Fatores Humanos e Organizacionais PWR

47 IAEA a WANO foi criada em 1989 com os seguintes objetivos: -Peer Review -Experiência Operacional -Suporte Técnico e Intercâmbio -Desenvolvimento Técnico e Profissional Considerações Históricas Cultura de Segurança Cultura de Segurança CULTURA DE SEGURANÇA DEFICIENTE EM CHERNOBYL Criou o International Nuclear Safety Advisory Group (INSAG), que indicou e desenvolveu o documento Safety Culture, Nº 75-INSAG-4

48 Expressivo ganho de produtividade (geração nuclear no mundo) Expressivo ganho de produtividade (geração nuclear no mundo) Evolução da capacidade instalada e produção de energia elétrica Capacidade Produção Capacidade Total [(GW(e)]Produção [TWh] No mundo há um expressivo ganho de produtividade, devido a uma sistemática e consistente melhoria dos processos na indústria nuclear No mundo há um expressivo ganho de produtividade, devido a uma sistemática e consistente melhoria dos processos na indústria nuclear

49 PARA MAIS INFORMAÇÕES PARA MAIS INFORMAÇÕES: Muito Obrigado!!!! João Carlos da Cunha Bastos

50

51 Angra 1 – Marcos de Licenciamento Processo de RLO Preparação para RLO Vida Estendida 8 1- Início da Operação Comercial (1985, projeto para 40 anos) 2- AOP por 30 anos (1994) 3- AOP por 28 anos (1997) 4- Primeira RPS (2004) 5- Segunda RPS (2014) 6- Final do prazo recomendado para solicitação de RLO segundo modelo USNRC (2020) 7- Terceira RPS (2024) 8- Final do prazo de vigência da atual AOP (2025) e início do período previsto de Extensão de Vida por 20 anos 9- Previsão do final do prazo de vigência da LO correspondente à Extensão de Vida (2045) Plano de Investimentos de Longo Prazo

52 Angra 1 – Principais Investimentos (2009 – 2023) Troca dos Geradores de Vapor (2009) M R$ 267 Final de M R$ 63 Recuperação do Rotor da LP 1 para a LP 2 ( ) Troca da Tampa do Reator ( ) M R$ 64 M R$ 45 Simulador ( ) M R$ 136 Modificações de Projeto ( ) M R$ 270 Substituição de Equipamentos ( ) M R$ 137 M R$ 76 Instrumentação e Controle ( ) Alterações no Secundário ( ) – Aumento de 40 MW M R$ 48 M R$ 230 Outros Investimentos M R$ 140 Preservação do Desempenho Aumento da Capacidade de Geração Extensão de Vida Substituição de Equipamentos ( ) M R$ 100 Licenciamento ( ) Modernização da Instrumentação e Controle ( ) M R$ 54 M R$ 340 M R$ 20 Melhorias em Equipamentos Elétricos ( ) 1 US$ = R$ 2,10 (Instrução Orçamentária) Gerenciamento do Envelhecimento ( ) Renovação das Turbinas de Baixa Pressão ( ) – Aumento de 14 MW Plano de Investimentos de Longo Prazo

53 Angra 2 – Marcos de Licenciamento Processo de RLO Preparação para RLO Vida Estendida 7 1- Início da Operação Comercial (2001, projeto para 40 anos) 2- Previsão de emissão da AOP por 30 anos (2010) 3- Previsão da primeira RPS (2020) 4- Previsão da segunda RPS (2030) 5- Previsão de final do prazo para solicitação de RLO segundo modelo USNRC (2035) 6- Previsão da terceira RPS (2040) 7- Final do prazo previsto de vigência da atual AOP (2040) e início do período previsto de Extensão de Vida por 20 anos 8- Previsão do final do prazo de vigência da LO correspondente à Extensão de Vida (2060) Plano de Investimentos de Longo Prazo

54 Angra 2 – Principais Investimentos (2009 – 2023) Extensão de Vida Preservação do Desempenho Aumento da Capacidade de Geração Outros Investimentos M R$ 130 Análise de Segurança do aumento de potência para 3965 MWt e Serviços de Engenharia da primeira fase – Aumento de 50 MW ( ) Modificações de Projeto ( ) M R$ 365 Substituições de Equipamentos ( ) M R$ 60 M R$ 32 Selagem das JEB ( ) Instrumentação e Controle ( ) M R$ 91 M R$ 8 Modernização da Instrumentação e Controle ( ) M R$ 400 Modificações das Turbinas e do Secundário ( ) – Aumento superior a 50 MW M R$ 350 M R$ 20 Licenciamento ( ) M R$ 53 Melhorias em Transformadores e Equipamentos Elétricos ( ) 1 US$ = R$ 2,10 (Instrução Orçamentária) Final de Plano de Investimentos de Longo Prazo

55 Controle e confiabilidade dos processos

56 Abril a Julho/2009 SAÚDE dos Sistemas – Angra 1

57 META meses branco SAÚDE dos Sistemas – Angra 1

58 SAÚDE dos Sistemas – Angra 2 Abril a Julho/2009

59 META meses branco SAÚDE dos Sistemas – Angra 2

60 Garantia de segurança nas operações Total de SMT's Instaladas no Sistema Primário: 14 Áreas da Usina Indicadores de Sistemas da Usina

61 Garantia de segurança nas operações Total de SMT's Instaladas no Sistema Primário e em outros Grupos de Sistemas: 54 Áreas da Usina

62 Garantia de segurança nas operações Total de SMT's Instaladas no Sistema Primário e em outros Grupos de Sistemas: 59 Devido ao grau de importância das SMTs, elas tem peso 2 na avaliação da Usina. Totalizando 209 pontos em todos os sistemas, que equivalem com os cálculos dos devidos pesos e critérios de classificação a avaliação 7,61.

63 Garantia de segurança nas operações


Carregar ppt "João Carlos da Cunha Bastos Superintendente de Coordenação da Operação Desempenho operacional das usinas nucleares brasileiras Workshop Presente e Futuro."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google