A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Técnicas e Projeto de Sistemas Aula 01: Análise de Requisitos Prof. MSc. Antonio da Luz Jr. Curso Téc. Informática – Mód. III ETF/Palmas.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Técnicas e Projeto de Sistemas Aula 01: Análise de Requisitos Prof. MSc. Antonio da Luz Jr. Curso Téc. Informática – Mód. III ETF/Palmas."— Transcrição da apresentação:

1 Técnicas e Projeto de Sistemas Aula 01: Análise de Requisitos Prof. MSc. Antonio da Luz Jr. Curso Téc. Informática – Mód. III ETF/Palmas – UNED/Paraíso

2 Introdução É a fase inicial no processo de desenvolvimento de software.É a fase inicial no processo de desenvolvimento de software. A Análise de Requisitos especifica o que deve ser feito e não como deve ser feito.A Análise de Requisitos especifica o que deve ser feito e não como deve ser feito. É durante esta etapa que se realiza a aquisição, refinamento e verificação das necessidades do usuário.É durante esta etapa que se realiza a aquisição, refinamento e verificação das necessidades do usuário. Ao final desta etapa é gerado um documento que descreve o processo realizado, denominado Documento de Requisitos ou Documento de Especificação do Sistema.Ao final desta etapa é gerado um documento que descreve o processo realizado, denominado Documento de Requisitos ou Documento de Especificação do Sistema.

3 Introdução O Documento de Requisitos permite ao cliente descrever suas necessidades e ao desenvolvedor compreendê-las.O Documento de Requisitos permite ao cliente descrever suas necessidades e ao desenvolvedor compreendê-las. Define todos os requisitos (restrições, necessidades e funcionalidades) que devem compor o sistema.Define todos os requisitos (restrições, necessidades e funcionalidades) que devem compor o sistema. Estabelece uma base para o acordo entre clientes e desenvolvedores sobre o que o sistema fará.Estabelece uma base para o acordo entre clientes e desenvolvedores sobre o que o sistema fará.

4 Análise de Requisitos A Análise de Requisitos deve responder a alguma questões básicas:A Análise de Requisitos deve responder a alguma questões básicas: –Funcionalidade: O que o software pretende fazer? –Interfaces Externas: Como o software interage com as pessoas, hardware do sistemas, outros hardwares e outros sistemas? –Performance: Qual é a velocidade, disponibilidade, o tempo de resposta, o tempo de recuperação das várias funções do sistema? –Atributos: Quais são as considerações sobre portabilidade, manutenibilidade, segurança, corretude, entre outras? –Restrições: Existem algum padrão requerido, linguagem de programação, políticas de integridade de BD, limitações de recursos, ambientes operacionais, entre outras?

5 Análise de Requisitos A Análise de Requisitos deve ser:A Análise de Requisitos deve ser: –Correta: quando cada requisito expresso nela for encontrado no software; –Não Ambígua: quando cada requisito declarado tiver uma só interpretação; –Completa: quando incluir todos os requisitos significativos relacionados à funcionalidade, desempenho e restrições. Incluir ainda o comportamento do sistema para todas as entradas e saídas de dados; –Consistente: quando não há conflito entre os requisitos; –Verificável: quando for possível checar cada requisito; –Modificável: quando os requisitos podem ser facilmente, completamente e consistentemente alterados.

6 Análise de Requisitos Existem dois tipos principais de requisitos:Existem dois tipos principais de requisitos: –Funcionais; –Não-Funcionais.

7 Análise de Requisitos Requisitos FuncionaisRequisitos Funcionais –São declarações de funções de como o sistema deve reagir a entradas específicas e como de comportar em determinadas situações. –É uma interação entre o sistema e o seu ambiente. –Os requisitos funcionais também podem explicitar o que o sistema não deve fazer.

8 Análise de Requisitos Exemplos:Exemplos: –O sistema deve permitir a inclusão, alteração e remoção de funcionário com os seguintes atributos: nome, endereço e cidade). –O usuário deve ser capaz de buscar todo o conjunto inicial do BD ou selecionar um subconjunto a partir dele. –O sistema fornecerá telas apropriadas para o usuário ler documentos. –Cada pedido tem um único identificador.

9 Análise de Requisitos Requisitos Não-FuncionaisRequisitos Não-Funcionais –Organizacionais: refere-se a políticas e procedimentos nas organizações do cliente e do desenvolvedor. –Externos: refere-se a fatores externos ao sistema e ao seu processo de desenvolvimento; Interoperabilidade com outros sistemas;Interoperabilidade com outros sistemas; Requisitos éticos ou legais;Requisitos éticos ou legais; –De produto: especificam o comportamento do produto Eficiência: desempenho, espaço, rapidez, memória;Eficiência: desempenho, espaço, rapidez, memória; Confiabilidade;Confiabilidade; Portabilidade.Portabilidade.

10 Análise de Requisitos Exemplos:Exemplos: –O processo de desenvolvimento do sistema deve estar de acordo com o padrão definido pela ISO. –O sistema não deverá ocupar mais do que 130 MB em memória RAM; –Toda a documentação gerada para o sistema deverá estar disponível online; –O sistema não deverá revelar aos operadores nenhuma informação pessoal sobre os clientes.

11 Obtenção de Requisitos Existem diferentes abordagens para a obtenção de requisitos de software:Existem diferentes abordagens para a obtenção de requisitos de software: –Entrevista; –Questionário; –Observação Direta; –Rastreamento de Processo; –Brainstorming.

12 Entrevista É a técnica mais comum de levantamento de requisitosÉ a técnica mais comum de levantamento de requisitos Utilizada quando poucas pessoas detêm o conhecimento sobre o problema;Utilizada quando poucas pessoas detêm o conhecimento sobre o problema; A habilidade do entrevistador é um fator significante na determinação do sucesso da entrevista e obtenção de conhecimento útilA habilidade do entrevistador é um fator significante na determinação do sucesso da entrevista e obtenção de conhecimento útil Uma entrevista pode ser:Uma entrevista pode ser: –Desestrutura: Deseja-se explorar um problema (estágios inicias de um tópico considerado)Deseja-se explorar um problema (estágios inicias de um tópico considerado) Entrevista mais informalEntrevista mais informal –Estruturada: Deseja-se obter informações específicas do conteúdo e do problemaDeseja-se obter informações específicas do conteúdo e do problema

13 Entrevista O planejamento da entrevista é importante:O planejamento da entrevista é importante: –Identifique a responsabilidade do entrevistado; –Marque um horário adequado; –Escolha um local sossegado; –Defina o processo de anotação a ser utilizado (manual, gravação em fita ou em vídeo);

14 Entrevista Durante a entrevista:Durante a entrevista: –Apresente-se informando a finalidade da entrevista; –Explique o modo de anotação escolhido: Aguarde a aceitação do entrevistado.Aguarde a aceitação do entrevistado. –Motive os participantes; –Forneça um resumo verbal do problema; –Não se alongue muito;

15 Entrevista Após a entrevista:Após a entrevista: –Documente todos os pontos relevantes observados; –Envie a documentação ao entrevistado para a sua aprovação; –Se for necessário mais esclarecimentos, marque outra reunião com o entrevistado.

16 Entrevista Tipos de perguntas:Tipos de perguntas: –Abertas: Tendem a não ser específicas;Tendem a não ser específicas; Não são seguidas por alternativas;Não são seguidas por alternativas; Encorajam resposta livre;Encorajam resposta livre; Indicadas quando deseja-se conhecer o escopo do entendimento do entrevistado;Indicadas quando deseja-se conhecer o escopo do entendimento do entrevistado; Podem consumir muito tempo e resultar em pouca informação útil;Podem consumir muito tempo e resultar em pouca informação útil; É necessário estar atendo ao andamento das respostas.É necessário estar atendo ao andamento das respostas.

17 Entrevista Tipos de perguntas:Tipos de perguntas: –Fechadas: Impõem limites no tipo, nível e quantidade de informação fornecida pelo entrevistado;Impõem limites no tipo, nível e quantidade de informação fornecida pelo entrevistado; Fornecem escolha de alternativas ou níveis de resposta.Fornecem escolha de alternativas ou níveis de resposta. Indicadas para avaliar características específicas do problema.Indicadas para avaliar características específicas do problema.

18 Questionário Usado quando muitas pessoas conhecem as informações necessárias para o desenvolvimento do sistema.Usado quando muitas pessoas conhecem as informações necessárias para o desenvolvimento do sistema. Deve ser preparado antecipadamente com questões objetivas (múltipla escolha);Deve ser preparado antecipadamente com questões objetivas (múltipla escolha); A desvantagem deste modelo em relação a Entrevista é a comunicação restrita com o usuário.A desvantagem deste modelo em relação a Entrevista é a comunicação restrita com o usuário. A preparação do questionário exige tempo e atenção. Perguntas mal feitas podem levar a resultados não desejados.A preparação do questionário exige tempo e atenção. Perguntas mal feitas podem levar a resultados não desejados.

19 Questionário Durante a preparação do questionário deve ser:Durante a preparação do questionário deve ser: –Identificado o tipo de informação que se deseja obter; –Escolhido um formato adequado para o questionário; –Enviada carta acompanhando o questionário, enfatizando a importância de seu preenchimento; As questões devem ser montadas de forma simples e concisa.As questões devem ser montadas de forma simples e concisa. –Cuidado com as ambiguidades. Caso adote questões descritivas, deixar espaço suficiente para as respostas;Caso adote questões descritivas, deixar espaço suficiente para as respostas; Elaborar instruções detalhadas de como realizar o preenchimento correto e estabelecer prazo para devolução dos formulários.Elaborar instruções detalhadas de como realizar o preenchimento correto e estabelecer prazo para devolução dos formulários.

20 Questionário Analisar e consolidar as informações fornecidas pelos respondentes através dos questionários devolvidos;Analisar e consolidar as informações fornecidas pelos respondentes através dos questionários devolvidos; Documentar as principais descobertas;Documentar as principais descobertas; Enviar uma cópia do relatório com as principais descobertas para todos os respondentes.Enviar uma cópia do relatório com as principais descobertas para todos os respondentes.

21 Observação Direta Utilizada como processamento e confirmação de outros resultados (entrevista e questionário);Utilizada como processamento e confirmação de outros resultados (entrevista e questionário); Observar diretamente quem desenvolve o trabalho;Observar diretamente quem desenvolve o trabalho; Observar como se dá na prática o fluxo do trabalho:Observar como se dá na prática o fluxo do trabalho: –Familiarizar-se com o local de trabalho observado; –Observar as facilidades manuais e automatizadas em uso; –Coletar amostras de documentos e procedimentos escritos que serão usados para cada processo específico que está sendo observado; –Acumular informações estatísticas relativas às tarefas: Freqüência que ocorrem, estimativas de volumes, entre outras.Freqüência que ocorrem, estimativas de volumes, entre outras. Deve ter aprovação antecipada do cliente.Deve ter aprovação antecipada do cliente.

22 Observação Direta Depois da visita de observação, documente as descobertas resultantes;Depois da visita de observação, documente as descobertas resultantes; Consolide os resultados;Consolide os resultados; Reveja os resultados com as pessoas observadas e com seus superiores.Reveja os resultados com as pessoas observadas e com seus superiores.

23 Rastreamento de Processo É um conjunto de técnicas que permite a determinação do processo de pensar do indivíduo enquanto ele realiza uma tarefa ou chega a um conclusão.É um conjunto de técnicas que permite a determinação do processo de pensar do indivíduo enquanto ele realiza uma tarefa ou chega a um conclusão. Pode ser realizado de duas maneiras:Pode ser realizado de duas maneiras: –Verbalização Corrente: O especialista pensa alto enquanto resolve o problema. Enquanto realiza uma tarefa vai relatando ao analista todos os passos realizados e o que o levou a cada etapa.O especialista pensa alto enquanto resolve o problema. Enquanto realiza uma tarefa vai relatando ao analista todos os passos realizados e o que o levou a cada etapa. –Verbalização Restropectiva: O especialista verbaliza o seu processo de raciocínio logo após realizar uma determinada tarefa.O especialista verbaliza o seu processo de raciocínio logo após realizar uma determinada tarefa. O analista de requisitos registra ou grava todo o procedimento adotado para resolver o problema. Posteriormente revisa os resultados junto com o especialista.O analista de requisitos registra ou grava todo o procedimento adotado para resolver o problema. Posteriormente revisa os resultados junto com o especialista.

24 Brainstorming Técnica utilizada para encorajar a criatividade em grupo;Técnica utilizada para encorajar a criatividade em grupo; Útil para obter rapidamente informações sobre a atual situação do problema;Útil para obter rapidamente informações sobre a atual situação do problema; Ajuda a um grupo a gerar tantas idéias quanto forem possível em um curto espaço de tempo;Ajuda a um grupo a gerar tantas idéias quanto forem possível em um curto espaço de tempo; Bastante útil principalmente para a sessões iniciais de levantamento de requisitos;Bastante útil principalmente para a sessões iniciais de levantamento de requisitos; Reuni pessoas com diferentes níveis de informação e conhecimento sobre o sistema;Reuni pessoas com diferentes níveis de informação e conhecimento sobre o sistema; A discussão é conduzida por um moderador;A discussão é conduzida por um moderador;

25 Brainstorming Regras de uma sessão de brainstorming:Regras de uma sessão de brainstorming: –Qualquer um pode apresentar espontaneamente uma idéia; –As idéias devem ser relacionadas ao tópico correntemente em discussão; –Um participante não deve expressar discordância com a idéia do outro, nem criticar a idéia ou comentar sobre a importância da mesma; –É aceitável, claro, que um participante expanda a idéia sugerida por outro com detalhes adicionais ou idéias relacionadas.

26 Sugestão Temporal Etapas IniciaisEtapas Iniciais –Entrevista desestruturada –Questionário tipo Sim/Não –Brainstorming Etapas IntermediáriasEtapas Intermediárias –Entrevista estruturada Etapas FinaisEtapas Finais –Entrevista estruturada –Rastreamento de Processo Não existe uma melhor técnica. Cada situação exige uma abordagem específica.Não existe uma melhor técnica. Cada situação exige uma abordagem específica.

27 Documento de Requisitos IntroduçãoIntrodução –Objetivo Especificar o objetivo do Documento de RequisitosEspecificar o objetivo do Documento de Requisitos –Escopo Identificar pelo nome o produto do software a ser produzidoIdentificar pelo nome o produto do software a ser produzido Explicar o que o produto fará (alto nível)Explicar o que o produto fará (alto nível) Descrever a aplicação do produto, incluindo benefícios relevantesDescrever a aplicação do produto, incluindo benefícios relevantes –Visão Geral Descrever como o restante do documento está organizadoDescrever como o restante do documento está organizado

28 Documento de Requisitos Descrição Geral do ProdutoDescrição Geral do Produto –Requisitos Funcionais: Fornecer uma relação das funções do sistema por meio de textos, detalhando cada campoFornecer uma relação das funções do sistema por meio de textos, detalhando cada campo –A lista de funções deve ser compreensível para o cliente ou para qualquer um. –Requisitos Não-Funcionais: Deve incluir uma relação das exigências do produto, tais como:Deve incluir uma relação das exigências do produto, tais como: –Estilos de interface e relatórios; –Plataformas a serem adotadas: S.O., BD, linguagens; –Limites de Memória;


Carregar ppt "Técnicas e Projeto de Sistemas Aula 01: Análise de Requisitos Prof. MSc. Antonio da Luz Jr. Curso Téc. Informática – Mód. III ETF/Palmas."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google