A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Grupo: Marcelo Giuliano Fernandes Rosselini Cansanção de Sá Thiago Fernandes Maximo Teixeira POLUIÇÃO DO AR EM AMBIENTES DE TRABALHO.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Grupo: Marcelo Giuliano Fernandes Rosselini Cansanção de Sá Thiago Fernandes Maximo Teixeira POLUIÇÃO DO AR EM AMBIENTES DE TRABALHO."— Transcrição da apresentação:

1 Grupo: Marcelo Giuliano Fernandes Rosselini Cansanção de Sá Thiago Fernandes Maximo Teixeira POLUIÇÃO DO AR EM AMBIENTES DE TRABALHO

2 99% da composição é de nitrogênio e oxigênio. As chuvas influenciam a qualidade do ar de maneira acentuada sendo um importante agente de auto-depura ç ão. Ser á poss í vel encontrar ar não polu í do nos grandes centros?

3 A inversão térmica cria camadas de ar puro limitadas por estratos de poluição. Entardecer em São Paulo

4 FONTES EMISSORAS DE POLUENTES São os elementos geradores do contaminante, que podem ter origem: Natural Antropogênica

5 As fontes geradoras de contaminantes naturais normalmente são processos perfeitamente integrados aos ciclos naturais, tomando parte na geração de chuvas, transporte de nutrientes ou sementes, polinização, etc, que provocam baixas concentrações. Imagem obtida na internet de um vulcão em atividade.

6 As maiores fontes antropogênicas são a queima de combustíveis fósseis em motores de combustão interna de veículos, termoelétricas e indústrias e as poeiras de construção e de áreas onde a vegetação natural foi removida

7 O Particulado ou aerossol atmosférico são partículas muito finas de sólidos ou líquidos suspensos num gás, constituído de vários componentes químicos. MATERIAL PARTICULADO

8 0,001 μm até 100 μm >15 μm Costumam não penetrar no sistema respiratório, porque seu arraste pelo fluxo de ar inalado não consegue vencer a força da gravidade. < 10 μm Comportamento próximo de um gás Entre 10 μm e 2,5 μm Produzidos por processos mecânicos, normalmente retidos nas vias superiores do sistema respiratório. < 2,5 μm Conseguem ultrapassar os mecanismos de proteção existentes nas vias superiores do sistema respiratório. MATERIAL PARTICULADO

9 Partícula fina: com diâmetro menor que 2 μm. Fumos: Partículas sólidas produzidas por condensação de vapores metálicos. Ex.: fumos de ferro nas operações de soldagem, chumbo em trabalhos com o metal em temperatura acima dos 500 o C e de outros metais produzidos em operações de fusão. Fumaça: fumaça visível, resultante de combustão incompleta; as partículas podem ser sólidas ou líquidas, normalmente são menores que 1 μm.

10 Névoas: Partículas produzidas pela combustão incompleta. Ex.: Monóxido de carbono produzido pela combustão incompleta de combustível nos tanques de automóveis ou de máquinas. Neblinas: São partículas líquidas produzidas por condensação de vapores. Gases: São dispersões de moléculas no ar, havendo mistura entre elas e o ar. Ex.: Gás liquefeito de petróleo (GLP). Vapores: São dispersões de moléculas no ar que podem se condensar para formar líquidos ou sólidos em condições normais de temperatura e pressão.

11 Poeira: São produzidas mecanicamente por ruptura de partículas maiores. Ex.: fibras de amianto e poeiras de sílica. As poeiras são classificadas em poeiras metálicas, vegetais ou alcalinas. Partícula grossa: Com diâmetro superior a 2 μm.

12 Atividades e operações insalubres - Define os parâmetros para as exposições aos riscos ocupacionais dos agentes. RESUMO DA NR-15 Ruído Vibrações Pressões anormais Radiações ionizantes e não-ionizantes Temperaturas extremas Físicos Químicos Biológicos Microorganismos e Parasitas Infecciosos Vivos e seus produtos tóxicos Gases Vapores Poeiras minerais Fumos metálicos Névoas Neblinas Produtos Químicos diversos Físicos Químicos Biológicos

13 CLASSIFICAÇÃO FISIOLÓGICA DOS AGENTES TÓXICOS. Irritantes (afetam o trato respiratório) Asfixiante (interferem com a oxidação dos tecidos) Narcóticos ( atuam no SNC) Tóxicos sistêmicos (causam danos aos órgãos) Material particulado não tóxico Agentes que causam dano ao pulmão Agentes genotóxicos (danificam material genético) Agentes mutagênicos Carcinógenos Agentes embriotóxicos Agente teratógeno (abortivo)

14

15 Padrões nacionais de qualidade do ar (Resolução CONAMA nº 03 de 28/06/90) Poluente Tempo de Amostrage m Padrão Primário µg/m³ Padrão Secund ário µg/m³ Método de Medição partículas totais em suspensão 24 horas 1 MGA amostrador de grandes volumes partículas inaláveis 24 horas 1 MAA separação inercial/filtra ção fumaça 24 horas 1 MAA refletância dióxido de enxofre 24 horas 1 MAA pararosanilin a dióxido de nitrogênio 1 hora 1 MAA quimilumines cência monóxido de carbono 1 hora 1 8 horas ppm ppm infravermelh o não dispersivo ozônio1 hora quimilumines cência Tabela de limites de tolerância segundo NR-15 Poluente Tempo de Amostra gem µg/m³ PPM dióxido de enxofre 48 horas 104 dióxido de nitrogênio 48 horas 74 monóxido de carbono48 horas 4339

16 MECANISMO DE PENETRAÇÃO NO CORPO Absorção O poluente, ao entrar em contato com a pele, pode ser absorvido causando diversas formas de alergia, ulceração, dermatoses e outras doenças. Inalação via mais importante pelo qual os agentes químicos entram no organismo. Ingestão a intoxicação por essa via é muito menos comum, já que a freqüência e o grau de contato com os agentes tóxicos depositados nas mãos, alimentos e cigarros é muito menor que na inalação.

17 Ingestão Pode produzir irritação na boca e garganta. Ingestão de pequenas quantidades pode causar dor de cabeça, dores abdominais, desmaios e náuseas. Grandes quantidades ingeridas podem levar a perda da consciência e morte. Olhos Vapores em contato com os olhos podem causar irritação, avermelhamento, queimação, conjuntivite química e outros danos reversíveis. Pele Pode causar ressecamento, fissuras, irritações e dermatite de contato. Inalação Pode causar irritação das vias respiratórias, além de dores de cabeça, tontura falta de ar, desmaios,náuseas e em grande quantidade pode causar morte. DANOS A SAÚDE

18 A Primeira forma de prevenção é evitar o contato com o contaminante. Evitar o desperdício de material e buscar materiais alternativos que tenham a mesma finalidade e poluam menos. Informar os empregados sobre os riscos. Torná-los aptos a exercer a função em ambientes insalubres. Monitorar as condições ambientais de trabalho, através de laudos técnicos periódicos e a saúde dos funcionários, através de exames médicos rotineiros. FORMAS DE PREVENÇÃO

19 EPC: Equipamentos de proteção coletiva. EPC é todo dispositivo, sistema ou meio físico ou móvel de abrangência coletiva, destinado a preservar a integridade física e a saúde dos trabalhadores usuários e terceiros.

20 Cabine de exaustão EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO COLETIVA

21 Filtro sujo e filtro limpoExaustor em hangar de pintura de aeronaves EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO COLETIVA

22 EPI: Equipamentos de proteção Individual. Equipamentos de Proteção Individual ou EPIs são quaisquer meios ou dispositivos destinados a ser utilizados por uma pessoa contra possíveis riscos ameaçadores da sua saúde ou segurança durante o exercício de uma determinada atividade

23 Filtros para gases e poeiraMascara semi facial

24 Roupas para manuseio de produtos químicos Capacete com viseira e protetor auricular Máscara facial com insuflamento de ar Óculos de proteção

25 Setor de pintura de aeronavesTabela laudo técnico

26 Setor de Galvanoplastia Banho de peças

27 Tabela laudo técnico Setor limpeza e tratamento

28 CONCLUSÃO Apesar da poluição produzida em ambientes de trabalho ser menos (quantidade) danosa ao meio ambiente, ela é extremamente agressiva aos indivíduos a ela expostos. Sendo assim, é muito importante informar, treinar e lançar mão de formas preventivas. Mesmo com a utilização de meios preventivos (uso de EPI e EPC), sabemos que os danos à saúde são, apenas minimizados, porém, não extinguidos.

29 BIBLIOGRAFIA Normas Regulamentadoras do Ministério do Trabalho (NRs) Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico (FISPQ) Site da CETESB Fabricantes de Produtos Químicos (Rhodia, Coral, Reflex, Arpol, Rochesa) Notas de aula Laudo Técnico das Condições de Ambientais do Trabalho (LTCAT)

30 Poluição do ar em ambientes de trabalho Poluição do ar em ambientes de trabalho Grupo: Marcelo Giuliano Fernandes Rosselini Cansanção de Sá Thiago Fernandes Maximo Teixeira BIBLIOGRAFIA Normas Regulamentadoras do Ministério do Trabalho (NRs) Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico (FISPQ) Site da CETESB Fabricantes de Produtos Químicos (Rhodia, Coral, Reflex, Arpol, Rochesa) Notas de aula Laudo Técnico das Condições de Ambientais do Trabalho (LTCAT)

31 PARA REFLETIR Ambiente limpo não é o que mais se limpa e sim o que menos se suja Chico Xavier


Carregar ppt "Grupo: Marcelo Giuliano Fernandes Rosselini Cansanção de Sá Thiago Fernandes Maximo Teixeira POLUIÇÃO DO AR EM AMBIENTES DE TRABALHO."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google