A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Capturabilidade de pequenos mamíferos em uma área de mangue na Baía de Guaratuba, sul do Brasil. Vanessa Ketlenn Zavadzki Santos Programa de Capacitação.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Capturabilidade de pequenos mamíferos em uma área de mangue na Baía de Guaratuba, sul do Brasil. Vanessa Ketlenn Zavadzki Santos Programa de Capacitação."— Transcrição da apresentação:

1 Capturabilidade de pequenos mamíferos em uma área de mangue na Baía de Guaratuba, sul do Brasil. Vanessa Ketlenn Zavadzki Santos Programa de Capacitação em Taxonomia / PROTAX Liliani Marília Tiepolo Introdução/Objetivos Método Resultados/Discussão Conclusões Referências As regiões neotropicais comportam a maior riqueza de espécies de pequenos mamíferos, e, portanto os inventários deste grupo são de extrema importância para a compreensão da biodiversidade atual, representando 41% das espécies do território nacional (Reis et al., 2006). São considerados pequenos mamíferos as espécies das ordens Didelphimorphis, Chiroptera e Rodentia, cujo massa corporal seja inferior a 1 kg. Para capturá-los utilizam-se uma grande variedade de armadilhas e iscas para atração. Porém nas regiões de floresta ombrófila densa são pouco conhecidos estudos sobre a eficácia de iscas e tipos de armadilhas. Por tais motivos, este trabalho objetiva analisar estes métodos para qualificar as expectativas de capturas de pequenos mamíferos, correlacionando tamanho, tipo da armadilha e tipo de iscas, avaliando a variedade de espécies capturadas, buscando compreender se há preferência entre os táxons e assim aprimorar as técnicas de captura na área avaliada. Durante a amostragem foram realizadas cinco capturas do gambá-de-orelha-preta (Didelphis aurita), sendo que três foram capturados em armadilhas do tipo Tomahawk média e isca de goiaba triturada com queijo parmesão ralado (Figura 2); um capturado em armadilha do tipo Tomahawk média com isca de pequenos crustáceos e peixes; e um capturado em armadilha do tipo Sherman grande com isca de banana e sardinha. Imagem 2: Didelphis aurita em armadilha do tipo Tomahawk média e isca de goiaba triturada e queijo parmesão ralado Tabela 1: Resultado das capturas de Didelphis aurita, segundo iscas, modelo e tamanho de armadilhas. De acordo com os resultados, a porcentagem de preferência por armadilha do tipo Tomahawk média para D. aurita é 80%; Para armadilhas do tipo Sherman grande 20%. Já para preferência em isca de goiaba e queijo 60%, para banana e sardinha 20%, e pequenos crustáceos e peixes 20%. Correlacionando as duas variáveis, a preferência por Tomahawk média e isca de goiaba e queijo é 60%, por Tomahawk média e isca de pequenos crustáceos e peixes 20%, e por Sherman grande e isca de banana e sardinha 20%. Reis, N. R.; Peracchi, A. L.; Pedro, W. A. & Lima, I. P. (Eds.) Mamíferos do Brasil. Londrina: Nelio R. dos Reis. Nossos resultados ainda são muito preliminares, tendo em vista que esta foi a primeira etapa de campo entre seis. Desta forma ainda não temos subsídios para tratar de riqueza de espécies, pois com o esforço empreendido, só obtivemos uma espécie de marsupial. Porém, as capturas desta espécie apresentaram diferenças em relação ao tipo de armadilha e isca, sendo que as armadilhas Tomahawk média com iscas de goiaba triturada e queijo parmesão ralado obtiveram a maior preferência para Didelphis aurita. Esperamos que com o avanço das amostragens, nossos resultados possam evidenciar dados mais consistentes em relação a capturabilidade, comprovando a ideia de que há diferenças nas taxas de captura em relação ao tipo, tamanho e iscas utilizados. Para este trabalho estamos analisando três ambientes diferentes de um manguezal localizado na Baía de Guaratuba, na localidade conhecida como Cabaraquara. Até o momento fizemos apenas uma campanha de campo utilizando 90 armadilhas, distribuídas em intervalos de 10 m, ao longo de três eixos longitudinais divididos em 6 linhas cada, utilizando armadilhas do tipo Tomahawk (18 pequena: 30 x 9 x 9 cm, 18 média: 30 x 17,5 x 15,5 cm, 9 grande: 45 x 17,5 x 15 cm) e Sherman (9 pequena: 25 x 8 x 9 cm, 18 média: 31 x 8 x 9 cm, 18 grande: 43 x 12,5 x 14,5 cm). O período amostral foi de cinco dias, em cada local distribui-se 5 tipos de iscas sendo elas: mel e pasta de amendoim; goiaba triturada e queijo parmesão ralado; banana e sardinha; ovo cozido moído; e pequenos crustáceos e peixes, sendo que em todas as iscas utilizou- se farinha de milho, conforme ilustra a Figura 1, na preparação das iscas. Para esta campanha, estabelecemos um nível de significância entre as iscas utilizadas com as espécies encontradas, observando também a preferência do tamanho e tipo de armadilha. Imagem 1: Preparação das iscas Desta forma foi possível aferir estatisticamente a preferência de cada espécie, além das iscas e das armadilhas que obtém maior sucesso de captura em determinado ambiente.


Carregar ppt "Capturabilidade de pequenos mamíferos em uma área de mangue na Baía de Guaratuba, sul do Brasil. Vanessa Ketlenn Zavadzki Santos Programa de Capacitação."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google