A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Sistema Reprodutor Masculino Profª Vivian Zaboetzki Dutra Módulo I - 2013.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Sistema Reprodutor Masculino Profª Vivian Zaboetzki Dutra Módulo I - 2013."— Transcrição da apresentação:

1 Sistema Reprodutor Masculino Profª Vivian Zaboetzki Dutra Módulo I

2 Sistema Reprodutor Masculino É formado por: Canal Deferente Pênis Uretra Testículo Escroto Epidídimo Glândula Bulbo-Uretral Prostáta Vesícula Seminal

3 Testículo São as gônadas masculinas. Estrutura : Ductos ou túbulos seminíferos: Células de Sertoli: sustentação e nutrição. Epitélio germinativo: formação dos espermatozóides. Células intersticiais ou de Leydig: produção de testosterona.

4 Escroto ou Bolsa Escrotal Afasta ou aproxima os testículos do corpo, mantendo- os a uma temperatura geralmente em torno de 1 a 3 °C abaixo da corporal termorregulação.

5

6 Pênis Formado por dois tipos de tecidos cilíndricos: 1- dois corpos cavernosos; 2- um corpo esponjoso envolve e protege a uretra. Glande : na extremidade do pênis onde pode ser visualizada a abertura (óstio) da uretra.

7 Pênis Prepúcio: pele que envolve e protege a glande deve ser puxado e higienizado a fim de se retirar o esmegma secreção sebácea espessa e esbranquiçada, com forte odor, que consiste principalmente de células epiteliais descamadas que se acumulam debaixo do prepúcio.

8 Pênis Frênulo do prepúcio: prega mediana que passa da camada profunda do prepúcio à parte da face uretral adjacente ao óstio externo da uretra. Fimose: quando a glande não consegue ser exposta devido ao estreitamento do prepúcio. Circuncisão ou postectomia: procedimento cirúrgico para a correção da fimose.

9 Pênis - Ereção No pênis em repouso a quantidade de sangue que entra e sai é a mesma. Ereção: inundação dos corpos cavernosos e esponjoso com sangue, tornando o pênis rijo, com considerável aumento do tamanho excitação sexual e durante o sono é comum ereções noturnas durante o sono REM (sonhos) fundamentais para preservar os corpos cavernosos e o mecanismo da ereção oxigenação do pênis.

10 Polução Noturna É a ejacula ç ão (emissão ou descarga do sêmen ou esperma) durante o sono freqüentemente relacionada com um sonho erótico mais comum da puberdade até os 20 anos. Sêmen = espermatozóides + líquido da próstata + líquido das vesículas seminais

11 Vias Espermáticas Epidídimos: dois tubos enovelados que partem dos testículos armazenamento de espermatozóides.

12 Vias Espermáticas Ductos deferentes: dois tubos que partem dos epid í dimos, circundam a bexiga urin á ria e unem-se ao ducto ejaculat ó rio, onde desembocam as ves í culas seminais.

13 Vias Espermáticas Uretra : canal destinado à saída de urina e de esperma os músculos na entrada da bexiga se contraem durante a ereção para que nenhuma urina entre no sêmen e nenhum sêmen entre na bexiga os espermatozóides não ejaculados são reabsorvidos pelo corpo dentro de algum tempo.

14 Glândulas Anexas Próstata: glândula localizada abaixo da bexiga urinária secreta substâncias alcalinas que neutralizam a acidez da urina e ativa os espermatozóides. Vesículas seminais: responsáveis pela produção de um líquido que age como fonte de energia para os espermatozóides constituído principalmente por frutose.

15 Glândulas Anexas Glândulas bulbouretrais ou de Cowper: sua secreção transparente é lançada dentro da uretra para limpá- la e preparar a passagem dos espermatozóides. Também tem função na lubrificação do pênis durante o ato sexual.

16 Circuito Hipotálamo/Hipófise Freqüentemente o sistema nervoso interage com o endócrino formando mecanismos reguladores bastante precisos. Hipotálamo: localizado no encéfalo diretamente acima da hipófise, é conhecido por exercer controle sobre ela por meios de conexões neurais e substâncias semelhantes a hormônios chamados fatores desencadeadores (ou de liberação).

17 Sistema Endócrino do Sistema Reprodutor Masculino Hipotálamo (Fator Liberador de Gonadotrofina) Hipotálamo (Fator Liberador de Gonadotrofina) Puberdade Adenohipófise (Liberação de Gonadotrofina) Adenohipófise (Liberação de Gonadotrofina) FSH LH Testículos Túbulos Seminíferos Estimula a espermatogênese Túbulos Seminíferos Estimula a espermatogênese Células de Leydig Testosterona Estimula a produção de Testosterona Células de Leydig Testosterona Estimula a produção de Testosterona

18 Testosterona Produzida nos testículos pelas células intersticiais ou de Leydig. Efeitos no feto: acelera a formação do pênis, da bolsa escrotal, da próstata, das vesículas seminais, dos ductos deferentes e dos outros órgãos sexuais masculinos. faz com que os testículos desçam da cavidade abdominal para a bolsa escrotal.

19 Testosterona Efeitos a partir da puberdade: A- Efeito nos caracteres sexuais secundários:

20 Testosterona B- Efeito na Espermatogênese.

21 Testosterona C- Efeito na libido:

22 Espermatogênese

23 Puberdade Masculina Conjunto de modificações que levam a um estado fisiológico em que é possível a reprodução com o aparecimento da espermatogénese.

24 Puberdade Masculina 11 aos 13 anos Criança Adulto GnRH FSH LH

25 Puberdade Masculina


Carregar ppt "Sistema Reprodutor Masculino Profª Vivian Zaboetzki Dutra Módulo I - 2013."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google