A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Lafayette B. Melo – CEFET-PB - COINFO Modelos conceituais de interação O que são modelos conceituais de interação Modelos conceituais baseados em atividades.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Lafayette B. Melo – CEFET-PB - COINFO Modelos conceituais de interação O que são modelos conceituais de interação Modelos conceituais baseados em atividades."— Transcrição da apresentação:

1 Lafayette B. Melo – CEFET-PB - COINFO Modelos conceituais de interação O que são modelos conceituais de interação Modelos conceituais baseados em atividades Modelos conceituais baseados em objetos Metáforas de interface Paradigmas de interação Construção do design físico

2 Lafayette B. Melo – CEFET-PB - COINFO Os problemas que você vê em relação à interface que constrói são do produto ou da experiência do usuário? Por que você acha que realmente há problemas? Como é que você sabe que sua proposta de projeto de interface é adequada? Quando você faz seus projetos para um novo usuário, aproveita o que já foi feito antes ou modifica o que já tem feito?

3 Lafayette B. Melo – CEFET-PB - COINFO Como você faria para construir um bom gerenciador de ? um browser alternativo? um sistema para compartilhar fotografia? um sistema móvel para ajudar os turistas da cidade de João Pessoa? um sistema de tv digital para ajudar a orientar na escolha de óculos?

4 Lafayette B. Melo – CEFET-PB - COINFO É tentador começar a construir a parte física antes –Por exemplo, fazendo logo os estilos de interface Entender O QUE, POR QUE e COMO antes de construir a interface física evita problemas –Idéias mal concebidas e designs incompatíveis e inúteis –Tentar mudar idéias já vinculadas ao código é mais trabalhoso, penoso e caro –Metas de usabilidade são esquecidas É necessário conceitualizar O QUE se deseja criar e pensar em POR QUE se quer fazer isso

5 Lafayette B. Melo – CEFET-PB - COINFO O QUE SÃO MODELOS CONCEITUAIS DE INTERAÇÃO Definição –Uma descrição do sistema proposto – em termos de um conjunto de idéias e conceitos integrados a respeito do que ele deve fazer, de como deve se comportar e com que deve se parecer – que seja compreendida pelos usuários da maneira pretendida. Pergunta-chave após a identificação das necessidades: –O que os usuários farão para realizar suas tarefas?

6 Lafayette B. Melo – CEFET-PB - COINFO Nesse momento, é importante que algumas questões sejam analisadas –Modos de interação Navegação no browser Perguntas diretas em português –Estilos de interação Menus Comandos de voz –Uso de metáforas Desktop –Paradigmas Computação ubíqua ou desktop

7 Lafayette B. Melo – CEFET-PB - COINFO Modelos conceituais baseados em atividades –1. Instrução Os usuários dizem ao sistema como fazer Dispositivos como videocassetes, aparelhos de som e televisão se basearam nesse modelo Baseados em comandos Vantagens –Interação rápida e eficiente –Em ações repetitivas realizadas com objetos múltiplos Desvantagens –Não há padrão quanto à forma e organização –Lembranças dos comandos Exemplos: –Interfaces de linha de comando de sistemas, máquinas de vender, caixas automáticos etc

8 Lafayette B. Melo – CEFET-PB - COINFO –2. Conversação Projetado para responder da mesma forma que um ser humano responderia ao conversar com alguém Vantagens –Procura de tipos específicos de informação –Discussão de alguma questão –Interação de uma maneira familiarizada –Exemplos: »Sistemas de menus com reconhecimento de voz »Sistemas de processamento de linguagem natural »Sistemas bancários »Sistemas de reserva Desvantagens –Desentendimentos –Interações pesadas

9 Lafayette B. Melo – CEFET-PB - COINFO –3. Manipulação e navegação Descreve a atividade de manipular objetos e navegar por espaços virtuais explorando o conhecimento que os usuários têm do mundo físico Manipulação direta –Representação contínua de objetos e ações de interesse –Ações reversíveis –Ação física e pressão de botão em vez de comandos com sintaxe completa –Vantagens da manipulação direta »Auxilia iniciantes no básico »Experientes podem trabalhar com variedade »Usuários frequentes lembram após afastamento »Raras mensagens de erro »Verificação rápida das ações »Menor ansiedade e maior autoconfiança

10 Lafayette B. Melo – CEFET-PB - COINFO Desvantagens »Entendimento conceitual muito literal »Algumas tarefas são melhor executadas a partir de descrições textuais Exemplos: todos os sistemas gráficos –4. Exploração e pesquisa Baseado na idéia de possibilitar às pessoas explorar e pesquisar informações valendo-se da experiência em mídias já existentes (livros, revistas, TV, rádio, biblioteca) Exemplos: –CD-ROM´s –Páginas Web –Portais –Sites de comércio eletrônico

11 Lafayette B. Melo – CEFET-PB - COINFO Em que modelos conceituais ou combinação de modelos estão baseadas as seguintes atividades ou aplicações? –Videogame 3D com carros de corrida, direção, áudio e feedback visual –O ambiente windows –Navegador web –Baixar mp3 –Programação

12 Lafayette B. Melo – CEFET-PB - COINFO Modelos conceituais baseados em objetos –Baseado em um objeto ou artefato como uma ferramenta, um livro ou um veículo –São mais específicos do que os modelos baseados em atividades e servem a um contexto próprio –Exemplo comum: A planilha eletrônica baseada no livro-caixa

13 Lafayette B. Melo – CEFET-PB - COINFO METÁFORAS DE INTERFACE Modelo conceitual construído para ser semelhante a aspectos de uma entidade física, mas que também tem seu próprio comportamento e propriedades Baseados em atividades, objetos ou ambos Os usos de metáforas são dos mais variados –Conceitualizar um estilo particular de interação Ex.: sistema como ferramenta

14 Lafayette B. Melo – CEFET-PB - COINFO –Instanciar parte de uma interface Ex.: mesa de trabalho –Descrever operações específicas Ex.: recortar e colar Também podem ser compostas Tente descrever a Web ou um sistema para a Web sem o auxílio de interfaces Descreva 3 metáforas de interface compostas

15 Lafayette B. Melo – CEFET-PB - COINFO Vantagens das metáforas –Familiaridade –Facilidade para leigos e experientes Desvantagens das metáforas –Uso muito literal –Quebra de regras –Conflitos com a experiência/princípios do designer –Não estendem o sistema além da metáfora –São traduções ruins de modelos existentes –Limitam a imaginação

16 Lafayette B. Melo – CEFET-PB - COINFO PARADIGMAS DE INTERAÇÃO São filosofias ou modos particulares de pensar o design de interação –GUI´s ou WIMP´s –Wearables –Computação ubíqua –Computação pervasiva –Ambientes atentos –Bits tangíveis –Workaday World

17 Lafayette B. Melo – CEFET-PB - COINFO CONSTRUÇÃO DO DESIGN FÍSICO Para chegar ao design físico é necessário pensar nas seguintes atividades –1) definir o espaço do problema –2) identificar as necessidades –3) criar modelos conceituais –4) desenhar alguns modelos através das mais variadas técnicas

18 Lafayette B. Melo – CEFET-PB - COINFO Questões abordadas no desenvolvimento –Apresentação da informação –Combinação de diferentes mídias –Feedback –Dispositivos –Agentes –Operações através de hardware e software –Ajuda Questões específicas do design físico –Apresentação Diálogos e estilos –Feedback Mecanismos –Combinação de mídias Tipos de ícones


Carregar ppt "Lafayette B. Melo – CEFET-PB - COINFO Modelos conceituais de interação O que são modelos conceituais de interação Modelos conceituais baseados em atividades."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google