A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Contabilidade e Análise de Balanços Silvia Pereira de Castro Casa Nova

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Contabilidade e Análise de Balanços Silvia Pereira de Castro Casa Nova"— Transcrição da apresentação:

1 Contabilidade e Análise de Balanços Silvia Pereira de Castro Casa Nova

2 Balanço Patrimonial ATIVOPASSIVO + PL ATIVO CIRCULANTEPASSIVO CIRCULANTE Aplicações Financeiras o Mantidas para Negociação PASSIVO NÃO CIRCULANTE o Mantidas até o vencimento o Disponíveis para venda PATRIMÔNIO LÍQUIDO ATIVO NÃO CIRCULANTE Capital Social Realizável a Longo Prazo Reservas de Capital Investimentos Reservas de Reavaliação Imobilizado Reservas de Lucros Intangível Ajustes de Avaliação Patrimonial Diferido Prejuízos Acumulados

3 Perguntas Quais tipos de investimentos são efetuados pelas empresas? Como são avaliados os investimentos temporários? O que são investimentos permanentes? Quais os métodos de contabilização de investimentos em participações em outras empresas? Quais as principais diferenças entre os métodos? Quais seus efeitos? Quando se aplica cada método? O que é Ativo Intangível? O que é Ativo Imobilizado? Cite exemplos. Quais as características do Imobilizado? O que é Amortização?

4 Caracterização de Ativo Representa o conjunto de bens e direitos, em uma determinada data, que esteja à disposição da entidade para o desenvolvimento de suas atividades Exemplo: Caixa, Depósitos Bancários, Aplicações Financeiras, Estoques, Direitos a Receber, Veículos, Máquinas, Edifícios, Investimentos etc. Um item é caracterizado como ativo somente se apresentar alto grau de probabilidade de geração de benefícios financeiros (presentes ou futuros) para a entidade Exemplo: Estoques para os quais não haja compradores potenciais no mercado não são considerados ativos (não representam benefícios presentes ou futuros para a empresa)

5 Classificação de Ativo As contas do ATIVO estão dispostas em ordem decrescente de grau de liquidez: ATIVO CIRCULANTE: todos os bens e direitos já convertidos em em moeda ou que se converterão em moeda até o encerramento do exercício. ATIVO NÃO CIRCULANTE: conjunto de bens e direitos que deverão ser transformadas em moeda após o final do exercício seguinte, a contar da data do encerramento do balanço patrimonial ou que a entidade não tenha intenção de se desfazer.

6 Ativo Circulante Aplicações Financeiras: Representados substancialmente por aplicações em títulos de renda fixa, como certificados de depósitos bancários, títulos públicos, privados ou aplicações de curto prazo em títulos de renda variável. Devem ser classificadas e registradas em três categorias de acordo com o propósito para o qual foram adquiridas: o Mantidas para negociação: propósito de venda ou recompra no curto prazo; o Mantidas até o vencimento: a empresa tem intenção e condições (capacidade) de mantê-las até o vencimento; o Disponíveis para venda: todos os ativos financeiros não classificados nas demais categorias.

7 Aplicações Financeiras Conforme a classificação são avaliadas. Assim: o Mantidas para negociação: registradas inicialmente pelo seu valor justo e as variações no valor são contabilizadas diretamente no resultado; o Mantidas até o vencimento: registradas pelo valor de custo de aquisição, acrescidos de juros e variações monetárias. Caso haja variações no valor justo (valor de mercado), tais variações não são reconhecidas nas demonstrações contábeis; o Disponíveis para venda: mensurados pelo valor justo e as variações no valor são contabilizadas no patrimônio líquido, em Ajustes de Avaliação Patrimonial, enquanto o ativo não for realizado (vendido). Os juros e as variações monetárias são reconhecidas no resultado.

8 Valor Justo É o valor de negociação (troca) de uma ativo entre partes interessadas. Tecnicamente, representa o montante pelo qual um ativo pode ser trocado, ou um passivo liquidado, entre partes independentes com conhecimento do negócio e interesse em realizá-lo em uma transação na qual não há favorecidos.

9 Ativo Não Circulante Ativo Realizável a Longo Prazo: direitos e valores a receber de terceiros em que haja a expectativa de serem transformados em dinheiro após o final do exercício seguinte. Investimentos: Aplicações de recursos na compra de ações ou quotas de outras entidades de caráter permanente, ou ainda, recursos aplicados em bens que não estão ligados às atividades-fins da entidade. Ativo Imobilizado: Bens e direitos aplicados na entidade de maneira permanente e que são utilizados nas atividades-fins. Ativo Intangível: Composto por direitos que tenham por objeto bens incorpóreos destinados à manutenção da entidade ou exercidos com essa finalidade.

10 Investimentos Direitos de qualquer natureza, não classificáveis no Circulante ou Realizável a Longo Prazo, e que não se destinam ao desempenho da atividade da empresa ou a negociações. Considera: Bens não destinados a uso Terrenos e Imóveis para futura utilização Imóveis para serem alugados Obras de Arte Participações de caráter permanente em outras sociedades

11 Participações Permanentes em outras empresas Investimento Voluntários Extensão da atividade econômica da própria empresa (p. ex.: coligada ou controlada que produza determinada matéria-prima) Empresa de outra atividade econômica (diversificação da atividade do grupo) Em geral são de valores muito significativos Investimento com Investimentos Fiscais Aplicação de parte do Imposto de Renda devido em favor de fundos definidos pelo governo (FINOR, FINAM etc.). Eram muito comuns na década de 70 e 80 do século passado.

12 Critérios de Avaliação Investimentos temporários (Circulante e Realizável a L. Prazo) São avaliados pelo Fair value na data de cada balanço, de acordo com os critérios definidos para instrumentos financeiros Para venda imediata: marcação a mercado com reflexos no resultado do próprio período Para venda futura: marcação a mercado com reflexos no Patrimônio Líquido Investimentos permanentes em outras sociedades São avaliados por dois métodos alternativos: Método de custo Método da Equivalência Patrimonial (MEP)

13 Dicionário Contábil Investidora ou Holding ou Empresa de Participações Investidora ou Holding ou Empresa de Participações Investida A ou Investimento A ou Participação Acionária em A Investida A ou Investimento A ou Participação Acionária em A

14 Métodos de Avaliação Método do Custo Método da Equivalência Patrimonial (Equity)

15 Método do Custo Valor do Ativo Os investimentos são registrados pelo valor do custo de aquisição até a data de sua venda. Devem ser ajustados ao valor provável de realização quando o valor de mercado for inferior ao custo e este fato caracterizar-se como permanente (constituição da Provisão para Perdas). Apropriação de Resultado Os resultados da empresa investida são contabilizados quando da declaração ou do efetivo recebimento de dividendos por parte da empresa investida (Receita de Participação Societária avaliada pelo Método de Custo ou Receita de Dividendos). Regime de Caixa

16 Método da Equivalência Patrimonial (MEP) Valor do Ativo Os investimento são registrados pelo valor de custo na data da aquisição. O valor do investimento deve EQUIVALER, em cada balanço, ao percentual de participação da empresa investidora no capital da investida, multiplicado pelo valor do Patrimônio Líquido da empresa investida na data do balanço. Apropriação de Resultado O aumento ou a diminuição do valor do investimento, que for decorrente do resultado do período obtido pela empresa investida, deve ser registrado em Resultado de Equivalência Patrimonial (REP) ou Receita de Participação Societária avaliada pelo Método de Equivalência Patrimonial. Regime de Competência

17 Exemplo – Método do Custo A empresa Holding detém 10% participação acionária na empresa A.

18 Exemplo – Método do Custo Balanços em:19X1 Bancos5.000 Investimentos na Empresa A Total do Ativo Empréstimos Capital social Receita de Dividendos Total do Passivo + PL Cia. Holding S. A.

19 Exemplo – Método do Custo A empresa Holding detém 10% participação acionária na empresa A. Em 19X2 a empresa A apura lucros de $

20 Exemplo – Método do Custo Balanços em:19X119X2 Bancos5.000 Investimentos na Empresa A Total do Ativo Empréstimos Capital social Receita de Dividendos Total do Passivo + PL Cia. Holding S. A.

21 Exemplo – Método do Custo A empresa Holding detém 10% participação acionária na empresa A. Em 19X2 a empresa A apura lucros de $ Em 19X3 a empresa A paga dividendos no valor total de $

22 Exemplo – Método do Custo Balanços em:19X119X219X3 Bancos Investimentos na Empresa A Total do Ativo Empréstimos Capital social Receita de Dividendos Total do Passivo + PL Cia. Holding S. A.

23 Método do Custo Valor do Ativo Os investimentos são registrados pelo valor do custo de aquisição. Devem ser ajustados ao valor provável de realização quando o valor de mercado for inferior ao custo e este fato caracterizar-se como permanente. Apropriação de Resultado Os resultados da empresa investida são contabilizados quando da declaração ou do efetivo recebimento de dividendos. Regime de Caixa

24 Exemplo – Método da Equivalência A empresa Investidora possui 60% das ações com direito a voto da empresa B. O PL da empresa B é de R$

25 Empresa B PL Empresa Investidora Investim %

26 Exemplo – Método da Equivalência Patrimonial Balanços em:19X1 Bancos5.000 Dividendos a Receber Investimentos na Empresa B Total do Ativo Empréstimos Capital social Receita de Equivalência Patrimonial Total do Passivo + PL Cia. Investidora

27 Exemplo – Método da Equivalência Em 19X2 a empresa B apura lucros de $50.000

28 Empresa B PL Empresa Investidora Investim % LA PL de B: Investimento: (60% x ) REP

29 Exemplo – Método da Equivalência Patrimonial Balanços em:19X119X2 Bancos5.000 Dividendos a Receber Investimentos na Empresa B Total do Ativo Empréstimos Capital social Receita de Equivalência Patrimonial Total do Passivo + PL Cia. Investidora

30 Exemplo – Método da Equivalência A empresa B declara a distribuição de dividendos de $

31 Empresa B PL Empresa A Investim % LA PL de B: Investimento: (60% x ) REP Div Div %

32 Exemplo – Método da Equivalência Patrimonial Balanços em:19X119X2 Dividen- dos Bancos5.000 Dividendos a Receber Investimentos na Empresa B Total do Ativo Empréstimos Capital social Receita de Equivalência Patrimonial Total do Passivo + PL Cia. Investidora

33 Custo Equivalência Lógica Conceitual Caixa Competência Aplicação Participações menores Investimentos significativos e relevantes (controle, influência ou controle comum) Cálculo Custo de Aquisição menos provisão para perda Participação no PL da Investida

34 Investimento - Exemplo O capital da empresa B no valor de $ foi totalmente integralizado pela empresa A. A empresa A detém 100% do capital da empresa B. As DMPLs da empresa B são apresentadas a seguir.

35

36

37 Dicionário Contábil Investidora ou Holding ou Empresa de Participações Investidora ou Holding ou Empresa de Participações Controlada Coligada

38 Controlada Quando uma empresa tem assegurada preponderância nas deliberações sociais e poder de eleger a maioria dos administradores de outra empresa Como regra geral, a empresa deve deter controle sobre mais de 50% do capital votante da empresa investida, embora haja diversas exceções Para a análise devem ser consideradas apenas as ações com direito a voto (ordinárias ou preferenciais em alguns casos), pois é este tipo de ação que confere poder de deliberação

39 Coligada Quando uma empresa tem influência significativa na empresa investida, sem deter o controle sobre ela INFLUÊNCIA: Investidora tem participação de 20% ou mais do capital votante da investida; Investidora participa nas deliberações sociais da coligada, inclusive existindo administradores comuns; Investidora tem poder de eleger ou destituir um ou mais administradores da coligada; Coligada possui significativa dependência econômico-financeira da investidora; Investidora recebe permanentemente informações contábeis detalhadas, bem como planos de investimento da coligada; Coligada possui uso comum de recursos materiais, tecnológicos ou humanos da investidora.

40 Empresa é CONTROLADA? Investidora e Investida têm controle comum? Não Método da Equivalência Patrimonial Método de Custo Há poder de influência? (COLIGADA) Não Sim Não Aplicação dos Métodos

41 Caso

42

43

44 Indique o efeito dos erros abaixo cometidos pelo contador no Balanço Patrimonial na equação contábil A= P + PL: ATIVO PASSIVO PL Situação 2 Situação 3 Situação 1 Situação 4 Na empresa investidora quando contabilizou investimentos pelo método de custo ao invés de equivalência e a empresa investida teve lucro (lucro do período > dividendos) Na empresa investidora quando contabilizou investimentos pelo método de equivalência ao invés de custo e a empresa investida teve lucro Na empresa investidora quando contabilizou investimentos pelo método de custo ao invés de equivalência e a empresa investida teve prejuízo Na empresa investidora quando contabilizou investimentos pelo método de equivalência ao invés de custo e a empresa investida teve prejuízo

45 Links Interessantes IFRS: 2-a95b-423a-98e5- cc2d588664a9%7D&options=2&compact=1 2-a95b-423a-98e5- cc2d588664a9%7D&options=2&compact=1 Demonstrativos Financeiros – EMBRAER: 08/portugues/pdf/2008_demonstrativo_financeiro.pdf 08/portugues/pdf/2008_demonstrativo_financeiro.pdf

46 Para próxima aula Videos/links no Moodle – Registrar reação – Comentar reação do colega eLearning FIPECAFI


Carregar ppt "Contabilidade e Análise de Balanços Silvia Pereira de Castro Casa Nova"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google