A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Anos 1980- criação da Diretoria de Educação Especial na SED-MS; Essa diretoria criou um centro de atendimento CRAMPSI-Centro de Atendimento Psicossocial.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Anos 1980- criação da Diretoria de Educação Especial na SED-MS; Essa diretoria criou um centro de atendimento CRAMPSI-Centro de Atendimento Psicossocial."— Transcrição da apresentação:

1

2 Anos criação da Diretoria de Educação Especial na SED-MS; Essa diretoria criou um centro de atendimento CRAMPSI-Centro de Atendimento Psicossocial e o CEADA; Anos Muda o modelo de atendimento: descentralização;

3 Criação das UIAPS- Unidade Interdisciplinar de Apoio Psicopedagógico; CEESP- Centro de Educação Especial - Modelo Centralizado; UNIDADE DE INCLUSÃO: Atendimento descentralizado; Anos 2000-NUESP.

4 Atualmente: Onde está o Psicólogo na Educação? Nos Serviços da Educação Especial CEESPI - Centro Estadual de Educação Especial e Inclusiva; NUESP – Núcleo de Educação Especial; NAAH/S- Núcleo de Atividades de Altas Habilidades/Superdotação; CEADA- Centro Estadual de Atendimento ao Deficiente da Audiocomunicação.

5 Caracterização: O Núcleo de Educação Especial é composto por técnicos especializados com formação preferencialmente em Pedagogia e Psicologia e/ou áreas afins. Os técnicos especializados do Núcleo de Educação Especial são administrativamente e pedagogicamente vinculados ao Centro Estadual de Educação Especial e Inclusiva (CEESPI)/ Coordenadoria de Educação Especial (COESP)/Superintendência de Políticas em Educação (SUPED) da Secretaria do Estado de Educação. Tendo por finalidade a implementação da Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva na Rede Pública Estadual de MS.

6 Critérios de Encaminhamento para Avaliação: Os procedimentos para encaminhar o estudante para avaliação psicopedagógica passam por etapas que pressupõem o envolvimento dos diversos segmentos da escola; Antes de qualquer encaminhamento para avaliação, a escola, por meio de sua equipe pedagógica, deverá indicar as alternativas pedagógicas realizadas para a intervenção e superação das dificuldades identificadas; Quando da vinda do aluno com laudo, este será acompanhado sem passar pelo processo anterior.

7 Articular junto à comunidade escolar o desenvolvimento das políticas de Educação Especial, oportunizando as condições necessárias à inclusão dos alunos com necessidades educacionais específicas no sistema regular de ensino. Compete ao técnico especializado do NUESP: Avaliação dos alunos encaminhados pela coordenação pedagógica com indicadores de necessidades educacionais específicas;

8 Emissão de parecer para autorização da abertura e funcionamento do serviço; Orientação sistemática ao planejamento com o professor do serviço especializado e a coordenação da escola; Acompanhamento no ensino comum do desenvolvimento educacional do aluno avaliado; Organizar estudos com o professor da Sala de Recursos Multifuncional; Orientação aos familiares no que concerne ao processo de desenvolvimento educacional do aluno.

9 Coordenação: Solicitar ao coordenador, que proceda a avaliação dos alunos com queixa da escola no sentido de levantar o que já foi oferecido como recursos, para que o aluno supere as dificuldades apresentadas; Implementar as adequações ao currículo junto aos professores da classe comum de forma a favorecer os alunos com necessidades educacionais específicas; Articular e promover o processo educacional buscando alternativas que auxilie no aprimoramento dos educadores no seu fazer pedagógico levando em conta as teorias da educação, didática, organização escolar, política educacional e legislação no que diz respeito à Educação Especial.

10 Supervisor de Gestão Escolar: Articular com a supervisão de Gestão Escolar, quanto a organização e funcionamento do A.E.E. (Atendimento Educacional Especializado) na unidade escolar; Orientar as instituições escolares da rede Estadual na elaboração do Projeto Político Pedagógico, incluindo a Política da Educação Inclusiva; Implementar nas Unidades Escolares a Política da Educação Especial (dos A.E.Es) em parceria com os Técnicos do Núcleo de Educação Especial.

11 Professores Classe Comum Orientar a ação pedagógica fundamentada no currículo adaptado de forma a permitir e promover a participação produtiva dos alunos que apresentam necessidades específicas; Otimizar os objetivos pedagógicos do Ensino Comum de forma a adequá-los às características e condições do aluno com Necessidades Educacionais Específicas; Orientar quanto às condições físicas e ambientais adequadas para a participação do aluno com Necessidades Específicas.

12 Professores do A.E.E Orientar o professor do A.E.E. quanto a especificidade do serviço da Educação Especial; Planejar junto ao professor o A.E.E., atendendo as necessidades do aluno; Capacitar em serviço este professor, dando alternativas para ampliar seu conhecimento na área da Educação Especial.

13 Direção/Direção Adjunta Mapear a população com N.E.E (Necessidades Educacionais Especificas) da unidade escolar; Identificar as Necessidades Específicas presentes nessa população; Identificar e planejar a implementação de quais são as adequações curriculares de grande porte que devem ser providenciadas, de forma a permitir o acesso e a participação de todos os alunos no cotidiano escolar;

14 Programar as alterações de acesso ao currículo e suas adequações; Permitir e prover suporte administrativo, técnico e científico para a flexibilização do processo de ensino, de modo a atender a diversidade.

15 Desafio do psicólogo na Educação/Escolar

16 Marinalva Gil Alves de Arruda Técnica do NUESP


Carregar ppt "Anos 1980- criação da Diretoria de Educação Especial na SED-MS; Essa diretoria criou um centro de atendimento CRAMPSI-Centro de Atendimento Psicossocial."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google