A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

O Desafio do Derrame Pleural Bernardo H. F. Maranhão Disciplina de Pneumologia Hospital Universitário Gaffreé e Guinle- HUGG Universidade Federal do Estado.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "O Desafio do Derrame Pleural Bernardo H. F. Maranhão Disciplina de Pneumologia Hospital Universitário Gaffreé e Guinle- HUGG Universidade Federal do Estado."— Transcrição da apresentação:

1 O Desafio do Derrame Pleural Bernardo H. F. Maranhão Disciplina de Pneumologia Hospital Universitário Gaffreé e Guinle- HUGG Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro-UNIRIO

2 Os piores desafios...

3 Principais mecanismos ________________________________ Principais mecanismos ________________________________ PermeabilidadePermeabilidade Pr. hidrostática Pr.espaço pleural Ação de mediadores químicos Transudato Transudato Exsudato Exsudato

4 O primeiro desafio... _______________________________ ExsudatoXTransudato

5 Critérios bioquímicos para diferenciação Exsudato X Transudato Transudato Exsudato Proteína 3.0 g% Rel L/S 0.5 * LDH 200 UL * Rel L/S 0.6 * Colesterol 45 mg/dL Bilirrubina Rel L/S 0.6 Gradiente Alb > 1.2 g/dL < 1.2 g/dlL AVALIAÇÃO DOS EXAMES DAS PROTEÍNAS TOTAIS E DESIDROGENASE LÁTICA NO DIAGNÓSTICO DE TRANSUDATOS E EXSUDATOS PLEURAIS

6 Castro JD et al.Rev Clin Esp 2002;202(1):3-6

7 Is the pleural fluid transudate or exudate? A revisit of the diagnostic criteria Is the pleural fluid transudate or exudate? A revisit of the diagnostic criteria J Joseph, P Badrinath, G S Basran, S A Sahn Thorax 2001;56:867–870

8 Causas de Derrame Pleural Joseph, Badrinath, Basran, et al Thorax 2001;56:867–870

9

10

11 O diagnóstico diferencial entre Transudato e Exsudato pleural pode ser realizado utilizando-se a avaliação da relação de proteínas totais no líquido e no soro, além da Desidrogenase Lática isoladamente no líquido pleural. Conclusão do estudo Conclusão do estudo ____________________________________

12 AVALIAÇÃO DOS EXAMES DE PROTEÍNAS TOTAIS E DESIDROGENASE LÁTICA PARA O DIAGNÓSTICO DE TRANSUDATOS E EXSUDATOS PLEURAIS – REDEFININDO O CRITÉRIO DE LIGHT COM NOVA ABORDAGEM ESTATÍSTICA Autor: Prof. Bernardo Henrique Ferraz Maranhão Orientadores: Prof. Dr. Gilberto Perez Cardoso Prof. Dr. Cyro T. da Silva Junior Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Ciências Médicas

13 Casuística ___________________________________ Instituições Instituições- HUGG/UNIRIO; HUAP/UFF N= 213 pacientes 181 pacientes HIV negativos 152 exsudatos 29 transudatos 32 pacientes HIV positivos 32 exsudatos 00 Transudato Maranhão B, Silva Jr CT, Cardoso GP, 2008

14 Curva ROC para as dosagens de DLH no líquido pleural. O novo ponto de corte determinado para diagnosticar exsudato pleural foi superior a 328,0 U/L(> 328,0 U/L). Transudato menor ou igual a 328,0 U/L ( 328,0 U/L). AUC calculada foi igual a 0, 922 (p = 0,0001) Maranhão B, Silva Junior CT, Cardoso GP, 2008

15 Curva ROC para as dosagens de proteínas totais no líquido pleural. O novo ponto de corte determinado para diagnosticar exsudato pleural foi superior a 3,4 g/dL (> 3,4 g/dL). Transudato menor ou igual a 3,4 g/dL ( 3,4 g/dL). AUC calculada foi igual a 0,886 (p = 0,0001) Curva ROC para as dosagens de proteínas totais no líquido pleural. O novo ponto de corte determinado para diagnosticar exsudato pleural foi superior a 3,4 g/dL (> 3,4 g/dL). Transudato menor ou igual a 3,4 g/dL ( 3,4 g/dL). AUC calculada foi igual a 0,886 (p = 0,0001) Maranhão B, Silva Junior CT, Cardoso GP, 2008

16 Diagramas ________________________________________ Maranhão B, Silva Jr CT, Cardoso GP, 2008

17 PARÂMETROS DIAGNÓSTICOS Proteínas totais – L Exsudato (> 3,4 g/dL) Transudato ( 3,4 g/dL) DLH – L Exsudato (> 328 U/L) Transudato ( 328 U/L) Sensibilidade - % (IC 95%) 96,6 (92,3 – 98,9) 85,7 (78,8 – 91,0) Especificidade - % (IC 95%) 79,3 (60,3 – 92,0)92,8 (76,5 – 98,9) Valor preditivo positivo (%) 96,098,4 Valor preditivo negativo (%) 82,1 56,5 RVP (LR +) 2,5512,0 RVN (LR-) 0,05 0,15 Acurácia - % (IC 95%) 88,6 (83,0 – 92,9)92,2 (87,0 – 95,8) Maranhão B, Silva Junior CT, Cardoso GP, 2008

18 Parâmetros diagnósticos do critério de Light modificado para diagnóstico de exsudato (proteínas totais – L > 3,4 g/dL; DHL – L > 328 U/L) e transudato pleural (proteínas totais – L 3,4 g/dL; DHL – L 328 U/L) após os exames múltiplos serem utilizados em paralelo PARÂMETROS DIAGNÓSTICOS RESULTADOS Sensibilidade - % (IC 95%) 99,4 (98,7 – 99,7) Especificidade - % (IC 95%) 72,6 (69,7 – 75,2) Valor preditivo positivo (%)95,2 (93,6 – 96,3) Valor preditivo negativo (%) 96,8 (95,5 – 97,2) Acurácia - % (IC 95%) 99,2 (98,4 – 99,5) Maranhão B, Silva Jr CT, Cardoso GP, 2008

19 Outro desafio... ____________________________________ Derrame parapneumônico XEmpiema

20 Definições... ____________________________________ Não complicado Derrame parapneumônico Empiema Complicado

21 Definições... _______________________________ Não complicado Derrame parapneumônico Exsudato Aspecto claro Predomínio de PMN Cultura negativa LDH <1000 UI pH normal

22 Definições... _______________________________ Derrame parapneumônico Complicado Exsudato Aspecto turvo Predomínio de PMN Cultura positiva- 1/3 LDH >1000 UI pH baixo ( )

23 Definições... _______________________________ Derrame parapneumônico Empiema Exsudato Aspecto turvo Predomínio de PMN Cultura positiva- 1/3 LDH >1000 UI pH baixo (<7.0)

24

25 Mais um... _______________________________ Derrame por TB XNeoplasia

26 Diagnóstico diferencial ___________________________________ TuberculoseNeoplasia Idade Jovens>40 anos Evolução Possível remissão espontânea Recidiva pós drenagem Lateralidade UniUni ou bilateral M. clínicas Inflamatórios consumptivos Variáveis Biópsia percut. Melhor rendimentoPode ser negativa Citologia do liq.Linfocítica (rel linf/PMN > 0,75) + Células Neopl. Varia rendimento com o tipo Marcadores ADA, PCR, IFN-ү CEA, Cyfra-21, NSE, Ca

27 Suspeita diagnóstica TB Pleural < 35 anos > 35 anos Toracocentese ADA elevada Linf/Neutr >0,75 Sim Excluir falso + Tuberculose Pleural Cultura + Toracocentese Biópsia pleural Não Granuloma s/granuloma Cultura neg Excluir outras granulomatoses Reavaliar Arch Bronconeumol. 2006;42(7):349-72

28 Diagnostic Utility of Serum and Pleural Fluid Carcinoembryonic Antigen, Neuron-Specific Enolase, and Cytokeratin 19 Fragments in Patients With Effusions From Primary Lung Cancer Jin Hwa Lee and Jung Hyun Chang Chest 2005;128;

29

30 O pior deles... ___________________________________ Derrame Pleural de Causa Indeterminada

31 Causas menos freqüentes de exsudato J Bras Pneumol.2006;32(Supl 4)

32 Etiologia dos DPs (n = 469) AIDS = 11% Chibante AMS, Miranda S. UNI-RIO 1996

33 localização % uni-lateral 84 bilateral 16 líquido exsudato 63 transudato 37 volume pequeno 54,5 grande 36,5 médio 9 DPCI - Particularidades ( n = 25 ) DPCI - Particularidades ( n = 25 ) ___________________________________________ Centro de Investigações Pneumológicas- RJ, 2000

34 Todos os pacientes com derrame pleural crônico, não diagnosticado, devem ser avaliados para tuberculose Light,RW. Pleural Diseases 3 rd ed. Williams&Wilkins, Philadelphia ADA > 40 Interferon gama > 140 pg/mL Cels mesoteliais < 5% Relação entre linfócitos e neutrófilos > 0,75 no líquido Causas mais freqüentes de exsudato _____________________________________

35 DPCI-Algorítmo Diagnóstico _______________________________________ J Bras Pneumol.2006;32(Supl 4)

36 Mensagem final _______________________________________ O derrame pleural merece abordagem diagnóstica sistemática e, acima de tudo, padronizada, sem o que, o alcance do diagnóstico definitivo se transformará num enorme e intrincado desafio...

37 Muito obrigado e até lá!


Carregar ppt "O Desafio do Derrame Pleural Bernardo H. F. Maranhão Disciplina de Pneumologia Hospital Universitário Gaffreé e Guinle- HUGG Universidade Federal do Estado."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google