A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Glândulas Endócrinas Introdução e conceitos gerais.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Glândulas Endócrinas Introdução e conceitos gerais."— Transcrição da apresentação:

1 Glândulas Endócrinas Introdução e conceitos gerais

2 O sistema endócrino é formado por glândulas endócrinas, que produzem hormônios e estão amplamente distribuídas pelo corpo. As glândulas endócrinas são glândulas sem ductos, isto é, elas secretam hormônios diretamente no interior de capilares (sanguíneos). O sistema endócrino produz seus efeitos por meio da secreção de hormônios. Os hormônios são mensageiros químicos que influenciam ou controlam as atividades de outros tecidos ou órgãos. A maioria dos hormônios é transportada pelo sangue a outras partes do corpo, exercendo efeitos em tecidos mais distantes.

3

4 Glândulas e órgãos e suas secreções hormonais: Hipófise Além dos já citados, a prolactina; Hipotálamo A ocitocina e a vasopressina (hormônio antidiurético); Paratireoide O paratormônio; Tireoide A tiroxina, a tri-iodotironina e a calcitocina; Pâncreas A insulina e o glucagon; Suprarrenal A aldosterona, os andrógenos, os glicocorticoides e a adrenalina; Rim A renina; Estômago A gastrina; Duodeno A colecistoquinina.

5 O sistema nervoso e as glândulas endócrinas são os dois principais mecanismos de comunicação e coordenação do corpo humano. Embora o sistema nervoso e o sistema endócrino trabalham intimamente associados, eles possuem várias diferenças.

6 O sistema nervoso comunica-se através de sinais elétricos chamados impulsos nervosos, que transmitem a informação rapidamente e, geralmente, realizam efeitos de curta duração. No sistema endócrino, ao contrário, a comunicação se faz por sinais químicos, através de substâncias chamadas hormônios. O sistema endócrino responde mais lentamente e normalmente causa efeitos mais duradouros.

7

8 Conceitos gerais sobre os hormônios Hormônios definição: Substâncias químicas, secretadas para o sangue por céls. especializadas, que regulam a(s) função(ões) metabólica(s) de outras céls. do organismo.

9 Conceitos gerais sobre os hormônios Hormônios definição: Substâncias químicas, secretadas para o sangue por céls. especializadas, que regulam a(s) função(ões) metabólica(s) de outras céls. do organismo. produção: glândulas endócrinas ou tecido neurossecretor

10 Conceitos gerais sobre os hormônios Hormônios definição: Substâncias químicas, secretadas para o sangue por céls. especializadas, que regulam a(s) função(ões) metabólica(s) de outras céls. do organismo. composição química: derivados de peptídeos, ou derivados de aminoácidos ou de colesterol produção: glândulas endócrinas ou tecido neurossecretor

11 Tipos de hormônios: proteicos, polipeptídicos ou derivados de aminoácidos. Exemplos: H. peptídicos H. proteico two polypeptide chains: 21aa, 30aa H. derivados da Tirosina

12 Tipos de hormônios: esteróides ou derivados do colesterol

13 Conceitos gerais sobre os hormônios Hormônios definição: Substâncias químicas, secretadas para o sangue por céls. especializadas, que regulam a(s) função(ões) metabólica(s) de outras céls. do organismo. composição química: derivados de aas ou de colesterol produção: glândulas endócrinas ou tecido neurossecretor transporte: no sangue, livres ou ligados às proteínas plasmáticas

14 Conceitos gerais sobre os hormônios Hormônios definição: Substâncias químicas, secretadas para o sangue por céls. especializadas, que regulam a(s) função(ões) metabólica(s) de outras céls. do organismo. composição química: derivados de aas ou de colesterol produção: glândulas endócrinas ou tecido neurossecretor transporte: no sangue, livres ou ligados às proteínas plasmáticas degradação: pelo fígado e rins (excreção pelas fezes e urina)

15 Conceitos gerais sobre os hormônios Hormônios definição: Substâncias químicas, secretadas para o sangue por céls. especializadas, que regulam a(s) função(ões) metabólica(s) de outras céls. do organismo. composição química: derivados de aas ou de colesterol produção: glândulas endócrinas ou tecido neurossecretor transporte: no sangue, livres ou ligados às proteínas plasmáticas atuação: nas células-alvo (com receptor) degradação: pelo fígado e rins (excreção pelas fezes e urina)

16 As principais glândulas endócrinas em humanos Hipotálamo Hipófise Tireóide Paratireóides Adrenais Pâncreas Gônadas femininas (ovários) masculinas (testículos)

17 Conceitos gerais sobre os hormônios Hormônios Funções gerais:

18 Conceitos gerais sobre os hormônios Hormônios Crescimento e desenvolvimento Funções gerais:

19 Conceitos gerais sobre os hormônios Hormônios Crescimento e desenvolvimento Funções gerais: Reprodução

20 Conceitos gerais sobre os hormônios Hormônios Crescimento e desenvolvimento Funções gerais: Reprodução Regulação da disponibilidade energética

21 Conceitos gerais sobre os hormônios Hormônios Crescimento e desenvolvimento Funções gerais: Reprodução Manutenção do meio interno Regulação da disponibilidade energética

22 Conceitos gerais sobre os hormônios Hormônios Crescimento e desenvolvimento Funções gerais: Reprodução Manutenção do meio interno Regulação da disponibilidade energética Modulação do comportamento

23 Conceitos gerais sobre os hormônios Hormônios Crescimento e desenvolvimento Funções gerais: Reprodução Manutenção do meio interno Regulação da disponibilidade energética Mecanismos de ação: formação de 2 o mensageiro: ativação de AMPc ativação de IP3/Ca ++ ativação direta do gene Modulação do comportamento

24 Principais glândulas endócrinas: Hipófise (8 hormônios) Situada cavidade óssea, abaixo do hipotálamo Tireóide (3 hormônios) Situada na parte anterior do pescoço, abaixo da laringe Paratireóide (1 hormônio) Situada atrás da tireóide (muito pequena)

25 Supra-renais (4 hormônios) Situada acima de cada rim Ilhotas de Langerhans –Pâncreas (2 hormônios) Pâncreas localizado atrás e por baixo do estômago Ovários (2 hormônios) Cavidade pélvica, ao lado do útero Testículos (1 hormônio) Situados na bolsa escrotal

26 Pesquisar quais os hormônios e suas funções em nosso organismo, bem como, qual ou quais os exames clínicos que identificam tais hormônios.

27

28 S I S T E M A H O R M O N A L HIPÓFISETIREÓIDE TESTÍCULOS PARATIREÓIDE T I M O PÂNCREAS OVÁRIOS HIPOTÁLAMO SUPRARENAIS

29

30 Hipófise ou pituitáriaHipófise ou pituitária Situa-se na base do encéfalo Nos seres humanos tem o tamanho aproximado de um grão de ervilha e possui duas partes: o lobo anterior (ou adeno-hipófise) e o lobo posterior (ou neuro-hipófise).

31

32 HIPOTÁLAMO Localizado no cérebro diretamente acima da hipófise, é conhecido por exercer controle sobre ela por meios de conexões neurais e substâncias semelhantes a hormônios chamados fatores desencadeadores (ou de liberação), o meio pelo qual o sistema nervoso controla o comportamento sexual via sistema endócrino.

33

34

35 Secreção de 6 hormônios: - Hormônio crescimento - Hormônio tireoestimulante - Hormônio adrenocorticotrópico - Hormônio prolactina - Hormônio foliculoestimulante - Hormônio luteinizante

36 Prolactina - é um hormônio secretado pela adenoipófise que estimula a produção de leite pelas glândulas mamárias e o aumento dasmamas. O aumento de produção da prolactina provoca a hiperprolactinemia, causando nas mulheres alteração menstrual e infertilidade.hormônioadenoipófiseleiteglândulas mamáriasmamashiperprolactinemiamulheresmenstrualinfertilidade No homem, gera impotência sexual por prejudicar a produção de testosterona e também o aumento das mamas (ginecomastia).homemimpotência sexualtestosteronaginecomastia Hiperprolactinemia (aumento do nível sérico da prolactina fora da gravidez) medicamentos : em especial os anticoncepcionais orais combinados drogas antipsicóticas do grupo dos antagonistas da dopamina (principal neurotransmissor envolvido na inibição da secreção de prolactina). Adenomas secretores da hipófise, lesão da haste hipotalâmica (as quais impedem a inibição pela dopamina) hiperprolactinemia faz parte da síndrome dos ovários policísticos.

37 Gonadotrófico: O embrião quando atinge o útero produz um hormônio chamado HCG, Hormônio Coriônico Gonadotrófico, Este hormônio " manda" o ovário produzir estrógeno e progesterona. Este estrógeno e progesterona chega à hipófise e "avisa" a hipófise que a mulher está grávida

38 O hormônio tireotrófico (TSH), também chamado de tireotrofina, Apresenta meia vida de 30 a 50 minutos edetermina a produção e liberação de iodotironinas na tireóide, além de hipertrofia do epitélio secretor devido ao aumento do metabolismo e da síntese de RNAm.determinatireóideRNAm Além dos glicocorticóides, a privação alimentar pode reduzir a atividade do eixo hipotálamo- hipófise-tireóide.eixo hipotálamo- hipófise

39 O hormônio adrenocorticotrófico (ACTH) é o principal regulador da produção e secreção de cortisol. O ACTH é secretado pela hipófise anterior em resposta à liberação, pelo hipotálamo, do hormônio liberador de corticotrofina (CRH). O hormônio antidiurético (ADH), a ocitocina e as catecolaminas podem influenciar o ritmo diurno do ACTH. A corticotrofina - estimular a secreção de hormônios da córtex supra- renal, principalmente glicocorticóides - produz hormonas esteróides (sintetizadas a partir do colesterol): excesso provoca hipertensão e a falta provoca a doença de addison - responsável pelo controle dos ions de sódio (Na) e potássio (K). se estamos com baixa pressão arterial, isso vai gerar portanto uma baixa pressão de filtração nos rins, o que vai estimular o rim a produzir renina, que ativará a proteína angiotensinogénio estimulando o córtex a produzir aldosterona que vai aumentar a entrada de cálcio no sangue e portanto aumentar sua pressão sanguínea

40 Somatotrófico (STH) ou Hormônio do Crescimento (GH) Atua no crescimento, promovendo o alongamento dos ossos e estimulando a síntese de proteínas e o desenvolvimento da massa muscular. Também aumenta a utilização de gorduras e inibe a captação de glicose plasmática pelas células, aumentando a concentração de glicose no sangue (inibe a produção de insulina, predispondo ao diabetes).

41 Hipófise (ou glândula pituitária)

42

43

44 Hipofunção da neuro-hipófise : secreção deficiente de ADH. DIABETES INSIPIDA Causam uma sede excessiva (polidipsia) e uma produção exagerada de urina muito diluída (poliúria).

45

46 disfunção da adeno-hipófise : secreção deficiente de GH secreção em excesso de GH Na infância No adulto

47

48

49

50

51

52 Produz os hormônios: Tiroxina (tetraiodotironina) = T4 Triiodotironina = T3 Aceleram o metabolismo celular

53 Disfunções da tireóide A baixa produção dos hormônios da tireóide acarreta o HIPOTIREIODISMO A produção excessiva acarreta o HIPERTIREOIDISMO

54 Sintomas: aumento da freqüência cardíaca nervosismo aumento da perspiração (sudorese) fraqueza muscular tremores das mãos perda de peso diminuição do fluxo menstrual queda de cabelo mudanças na espessura da pele bócio freqüência aumentada dos movimentos intestinais menstruações menos freqüentes olhos saltados (parecem saltando de suas cavidades) = Exoftalmia Os sintomas do hipertireoidismo raramente ocorrem todos juntos. Hipertireoidismo

55

56

57

58 Os possíveis efeitos do hipotireoidismo são: diminuição na freqüência dos batimentos cardíacos (menos que 70 batimentos por minuto), elevação da pressão sangüínea, sentir-se cansado ou lento nos movimentos ou raciocínio, intolerância ao frio sentir-se sonolento durante o dia, mesmo após dormir toda a noite, falta de memória, dificuldade de concentração, cãimbras musculares, paralisias dos braços e (ou) pernas, ganho de peso, Hipotireoidismo

59 voz rouca, rosto inchado, especialmente na parte inferior dos olhos, cabelo fino, fraco, pele amarelecida, grossa, áspera e seca, nas crianças: baixa estatura, prisão de ventre (constipação intestinal), fluxo menstrual intenso, eliminação de leite nas mamas, infertilidade

60

61 Decorre da carência de iodo na alimentação. Na falta deste elemento químico, a produção de tiroxina torna-se insuficiente. A adenoipófise, então, secreta grandes quantidades de hormônio tireotrófico (TSH) que tem por função estimular a atividade funcional da tireóide. Em conseqüência a tireóide cresce exageradamente (hiperplasia) acarretando o bócio endêmico. Evita-se esta doença adicionando iodo à alimentação.

62

63

64

65

66

67 São quatro glândulas localizadas na face posterior da tireóide que produzem o hormônio chamado PARATORMÔNIO, responsável pela regulação do metabolismo do cálcio no organismo. O paratormônio contribui para a absorção do cálcio no intestino e atua mobilizando esse elemento químico dos ossos.

68 Disfunção das paratireóides Produção em excesso do paratormônio = Hiperparatireoidismo Caracteriza-se por uma acentuada retirada de cálcio dos ossos, favorecendo fraturas e deformações ósseas.

69 Produção deficiente (baixa produção) do paratormônio = Hipoparatireoidismo Acarreta num elevado nível de cálcio no sangue, ocasionando contrações musculares, espasmódicas denominadas tetania muscular.

70

71 Regulam a taxa de glicose no sangue

72 ALIMENTO TAXA ALTA DE GLICOSE NO SANGUE ESTIMULA AS CÉLULAS BETA DO PÂNCREAS A LIBERAR INIBE AS CÉLULAS ALFA DO PÂNCREAS Não liberam

73 Estimula a absorção de glicose pelas células e sua conversão em glicogênio no fígado.

74 TAXA BAIXA DE GLICOSE NO SANGUE ESTIMULA AS CÉLULAS ALFA DO PÂNCREAS A LIBERAR INIBE AS CÉLULAS BETA DO PÂNCREAS Não liberam

75 Estimula a conversão do glicogênio do fígado em glicose que é liberada para a corrente sanguínea

76

77 Doença provocada pela deficiência de produção e/ou de ação da insulina, que leva a sintomas agudos e a complicações crônicas características

78 O distúrbio envolve o metabolismo da glicose, das gorduras e das proteínas e tem graves conseqüências tanto quando surge rapidamente como quando se instala lentamente. Nos dias atuais se constitui em problema de saúde pública pelo número de pessoas que apresentam a doença, principalmente no Brasil

79 Diabetes Mellitus tipo I: Ocasionado pela destruição da célula beta do pâncreas, em geral por decorrência de doença auto- imune, levando a deficiência absoluta de insulina. Diabetes Mellitus tipo II: Provocado predominantemente por um estado de resistência à ação da insulina associado a uma relativa deficiência de sua secreção.

80 Os sintomas do DM são decorrentes do aumento da glicemia e das complicações crônicas que se desenvolvem a longo prazo. Os sintomas do aumento da glicemia são: sede excessiva aumento do volume da urina, aumento do número de micções surgimento do hábito de urinar à noite fadiga, fraqueza, tonturas visão borrada aumento de apetite perda de peso

81

82 HORMÔNIOS DO CÓRTEX DAS ADRENAIS Glicocorticóides (principal: Cortisol) Estimulam a conversão de proteínas e de gorduras em glicose, ao mesmo tempo que diminuem a captação de glicose pelas células, aumentando, assim, a utilização de gorduras. Essas ações elevam a concentração de glicose no sangue, a taxa metabólica e a geração de calor. Os glicorcoticóides também diminuem a migração de glóbulos brancos para os locais inflamados, determinando menor liberação de substâncias capazes de dilatar as arteríolas da região; conseqüentemente, há diminuição da reação inflamatória

83 HORMÔNIOS DO CÓRTEX DAS ADRENAIS Mineralocorticóides : aldosterona Aumentam a reabsorção, nos túbulos renais, de água e de íons sódio e cloreto, aumentando a pressão arterial.

84 HORMÔNIOS DO CÓRTEX DAS ADRENAIS Andrógenos Desenvolvimento e manutenção dos caracteres sexuais secundários masculinos.

85 Adrenalina HORMÔNIOS DA MEDULA DAS ADRENAIS Promove taquicardia (batimento cardíaco acelerado), aumento da pressão arterial e das freqüências cardíaca e respiratória, aumento da secreção do suor, da glicose sangüínea, da atividade mental e constrição dos vasos sangüíneos da pele

86

87

88

89 Produzidos pela hipófise : FSH e LH Produzidos pelos ovários : ESTRÓGENO PROGESTERONA Produzidos pelos testículos : TESTOSTERONA

90

91 inibe

92 1º dia do ciclo : endométrio bem desenvolvido, espesso e vascularizado começa a descamar ( menstruação) hipófise aumenta a produção de FSH, que atinge a concentração máxima por volta do 7º dia do ciclo. amadurecimento dos folículos ovarianos secreção de estrógeno pelo folículo em desenvolvimento

93 concentração alta de estrógeno inibe secreção de FSH e estimula a secreção de LH pela hipófise / concentração alta de estrógeno estimula ocrescimento do endométrio. concentração alta de LH estimula a ovulação (por volta do 14º dia de um ciclo de 28 dias) alta taxa de LH estimula a formação do corpo lúteo ou amarelo no folículo ovariano corpo lúteo inicia a produção de progesterona

94 estimula as glândulas do endométrio a secretarem seus produtos aumento da progesterona inibe produção de LH e FSH corpo lúteo regride e reduz concentração de progesterona menstruação

95 Testículos Secreção do Hormônio masculino (Testosterona) Secreção pelas células intersticiais de Leydig Controle pela hipófise anterior (FSH = espermatogênese) e (LH = testosterona) Função: Desenvolvimento dos caracteres secundários masculinos Diferenciação dos órgãos sexuais masculinos na gravidez

96

97 Ovários Secreção do Hormônio feminino (estrogênio) Folículo ovariano após ovulação (secreta progesterona) Regulação pelos hormônios hipofisários (FSH e LH) Função: Desenvolvimento dos caracteres secundários femininos preparação do útero para a gravidez

98

99

100

101

102

103

104

105

106


Carregar ppt "Glândulas Endócrinas Introdução e conceitos gerais."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google