A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Frédéric Cossuta Elementos para a leitura dos textos filosóficos IV Função das metáforas nos textos filosóficos.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Frédéric Cossuta Elementos para a leitura dos textos filosóficos IV Função das metáforas nos textos filosóficos."— Transcrição da apresentação:

1 Frédéric Cossuta Elementos para a leitura dos textos filosóficos IV Função das metáforas nos textos filosóficos

2 Questões iniciais: -Qual o estatuto filosófico da metáfora? -A metáfora mantém um laço mais estreito com o conceito do que a simples oposição entre o abstrato e o concreto? -Ela contribui para a construção ontológica de uma filosofia, com seus exemplos e descrições?

3 A filosofia teria se constituído em sua forma ocidental pressupondo uma antinomia original entre o esforço de inteligibilidade e o peso concreto da imagem que veicularia a ignorância e a irracionalidade. Nesse caso, combater o uso poético, místico ou mítico da linguagem consistiria em purificá-la da obscuridade. Pois a metáfora romperia a homogeneidade do processo demonstrativo e da representação conceitual.

4 No entanto, até mesmo em textos extremamente abstratos, como a Ética de Espinosa ou o prefácio da Fenomenologia do espírito de Hegel, encontramos o constante emprego de metáforas (termos com deslocamento de sentido). Segundo Cossuta, sempre haveria, portanto, algum nível de metaforização, porque a língua necessariamente comporta imagens.

5 Certos autores, de Aristóteles a Bally, explicam essa impossibilidade do pensamento puro por uma deficiência do espírito humano: A maior imperfeição de que padece nosso espírito é a incapacidade de abstrair completamente(Bally. Traité de stylistique française. 1951). Para Jacques Derrida, no entanto, a oposição da intuição, do conceito, da consciência já não tem pertinência alguma. Esses três valores pertencem à ordem e ao movimento do sentido (Derrida, J. La mythologie blanche. 1971).

6 Porém, mesmo em filósofos como Nietzsche ou Bergson, que valorizam a imagem e fazem dela um uso constante, há uma ambigüidade presente: Nenhuma imagem, afirma Bergson, substituirá a intuição da duração (La pensée et le mouvant, p.185, PUF). Assim, tanto em filósofos que a valorizam quanto nos que a minimizam, a imagem tem um estatuto filosófico ambíguo.

7 Porém, é possível explicitar os tipos de imagens, de metáforas, de analogias, para determinar-lhes a função, os efeitos de sentido que produzem no seio da conceitualização na qual devem se inserir.

8 Definição As metáforas interrompem a exposição abstrata ou nela insinuam-se para substituí-la por um outro plano de significação caracterizado pelo emprego de imagens, cuja função parece ser a de oferecer um equivalente concreto da análise. As analogias, comparações, alegorias, mitos, imagens e metáforas propriamente ditas baseiam-se no mesmo princípio e criam interferências no seio da complexidade textual. O recurso metafórico está profundamente engajado na elaboração filosófica.

9 Definimos de maneira bastante geral a operação metafórica como uma transferência de propriedades pertencentes a um domínio de referência concreto e de imagens, para o encadeamento textual abstrato dominante. Essa transferência pode efetuar-se segundo formas variáveis graças à presença de analogias entre os dois planos.

10 Operações metafóricas A imagem: fusão do plano concreto com o abstrato, quando eles mantêm uma relação de identidade. Uma substituição identificadora. A metáfora propriamente dita (sentido gramatical) aproxima por contigüidade elementos supostamente análogos (por exemplo, substituindo-se o termo comparado pelo que compara: todo ser parece redondo por a redondez do ser).

11 A analogia é uma operação metafórica baseada na transposição de uma relação (A está para B assim como C está para D). A analogia pressupõe a semelhança de uma relação. Trata- se de uma relação entre relações. A comparação é uma analogia que funciona sobre apenas dois termos (A é semelhante a B), e a metáfora é uma analogia condensada. (Obs.: distingüir metáfora propriamente dita de operação metafórica.)

12 O modelo metafórico não apenas transpõe uma relação de um plano para outro, mas todo um sistema de relações pertencente ao domínio concreto-figurado (em Platão, por exemplo, substitui-se as relações existentes entre a mão do artista e seu instrumento para as relações entre a alma e o corpo).

13 A alegoria personifica a idéia colocando-a em cena através de um desenvolvimento de caráter narrativo. É uma construção, uma montagem no imaginário de elementos emprestados dos domínios práticos, técnicos ou míticos (ex.: Alegoria da caverna, de Platão). O símbolo condensa concretamente a idéia que ele representa. A fábula sintetiza, num quadro ou numa cena viva de tipo anedótico ou imaginário, uma construção abstrata explicitada eventualmente por uma moral.

14 Funcionamento metafórico A língua, mesmo no uso mais abstrato que dela se possa fazer em filosofia, utiliza suportes concretos e figurados para designar idéias gerais. São as designações metafóricas latentes. A filosofia se serve de tais designações no seu processo de construção de linguagens. Elas pressupõem a presença de uma espécie de arquivo inconsciente dotado de codificações pré-construídas que se oferecem espontaneamente à escrita filosófica. Chamamos a isso de metáforas gastas, cujo emprego não visa a um efeito específico mas que pode produzir um efeito residual.

15 Graus de metaforização Grau zero: a utilização de metáforas gastas. Grau um: a reelaboração do uso de metáforas gastas, inclusive por deslocamentos de contextos. Conexões diretas ou justapostas entre um sentido próprio e um sentido figurado (cf. p. 107). Grau dois: quando marcas específicas delimitam a emergência de novas metáforas, em um amplo espectro que vai desde a imagem à comparação (o homem é esse nada vazio, essa noite. Hegel).

16 Grau três: quando a metaforização é inserida ao mesmo tempo em que o escrito enuncia a natureza da operação e comenta o sentido do seu emprego, como nas seguintes expressões: para fazer uma comparação, a imagem que convém melhor nesse caso, ou indica retificações negativas, ou seja, indica limites ao uso de suas metaforizações. Grau quatro: o texto pode tematizar as regras de uso ou o estatuto da imagem em relação ao conceito. Trata-se de uma metametaforização. Nesse caso, o metafórico se explicita filosoficamente.

17 Observações: A emergência metafórica é determinada do interior por uma filosofia dada. A ocorrência de uma metáfora remete ao conjunto do campo metafórico de uma filosofia. Em geral os textos se servem dos graus 1 e 2. Os outros empregos, mais raros, são mais interessantes (ex.: Henri Bergson. O pensamento e o movente).

18 Extensão e densidade A metáfora pontual: limitada a um termo, freqüentemente um adjetivo. A metáfora enquadrada: não tem autonomia em relação ao texto é uma espécie de parênteses. Cabe ao leitor operar a transposição. A metáfora irradiada: uma junção de elementos metafóricos coordenados entre si (como em Hegel, ao ligar pares de opostos que são imagens em substituição a noções abstratas: alto/baixo = claro/escuro = (puro)/fermentação). A metáfora intrincada: quando o texto estabelece um vaivém entre o registro metafórico e o abstrato.

19 Densidade metafórica Trata-se da importância quantitativa do metafórico num determinado texto e da importância qualitativa, a considerar a natureza do que é metaforizado. As metáforas empregadas em um texto filosófico não são casuais, mas estão profundamente engajadas na construção e no coração da doutrina (sobretudo, evidentemente, quando a reflexão faz uma crítica ao conceito). No entanto, elas se encontram em diferentes níveis e para compreender sua verdadeira função é necessário determinar os critérios de sua importância em cada filosofia.

20 Como avaliar a importância das metáforas: Primeiro critério: importância quantitativa. Descobrir correlações significativas entre temas filosóficos e metafóricos. Segundo critério: que aspecto da análise filosófica é metaforizado. Todos os aspectos são suscetíveis de serem substituídos pela imagem. Trata-se de saber se este aspecto é secundário ou central dentro de uma filosofia.

21 Terceiro critério: regulação metafórica ou conceitual. Há, em cada texto, uma operação dominante que constitui o suporte fundamental do processo textual: distinções definicionais, construção sobre a cena enunciativa, argumentação, etc. essa dominância, em alguns textos, pode ser efetivada pela metáfora. Nesse caso, há uma integração entre o metafórico e os demais elementos constituintes do texto. Podemos falar aqui de uma regulação metafórica do campo conceitual. Devemos observar quando se passa do campo conceitual ao metafórico, assim como a conexão entre os dois planos.

22 Quarto critério: delimitação do estatuto filosófico da metáfora. Não podemos abordar a função textual da metáfora sem levar em conta o seu estatuto filosófico no seio de uma filosofia, isto é, como uma filosofia compreende e avalia o uso de suas metáforas. O uso das metáforas nunca é neutro, mas filosoficamente determinado.

23 Significação geral da metáfora filosófica A metáfora tem um papel estrutural no interior do discurso filosófico, quer este se construa tentando dominá-la, quer ela seja o centro gerador do texto. Nesses dois tipos de uso, a metáfora constitui uma fonte de tensão interna na filosofia, fator de criação que reduz os planos de expressão, mas também risco de: a) desintegração do texto, ameaçado pela incoerência verbal; b) pelo retorno ao silêncio. O primeiro risco decorre de que a metáfora poderá introduzir no texto aquilo contra o qual ele luta: a perda de sentido.

24 Pois a lógica da metáfora provém do simbólico, abre um mundo de correspondências e de analogias, enquanto a conceitualidade demonstrativa afasta a polissemia e as demonstrações vagas. Assim, a metáfora prolifera sobre si mesma, cada imagem engendra outras e espalha-se no texto. Essa profusão corre o risco de interromper a cadeia argumentativa e produzir efeitos não desejados no leitor. A construção de equivalências imprecisas podem gerar contradições ou imprecisões. Os filósofos tentam minimizar este risco através de procedimentos de integração que submetem as imagens à construção de teses.

25 A filosofia tem assim, um dilema: ou controlar a metáfora – o que poderia levar à pretensão de sua extinção – ou aceitá-la, correndo o risco de ver o campo conceitual se dissolver. Trata-se, portanto, de tentar captar a dinâmica criativa da metáfora, reprimindo ao mesmo tempo seus efeitos perversos através de uma explicitação teórica do seu uso no interior de uma filosofia.

26 A explicitação das regras Nas desconstruções contemporâneas da metafísica, a metáfora permite ao mesmo tempo desqualificar o discurso abstrato e instaurar uma nova relação entre o ser e o dizer. Por outro lado, a imagem nunca é pura. Corre o riso de recair em estereótipos. Por isso, necessita da explicitação das regras e do sentido de sua utilização. Nesse caso, o processo metametafórico é indissociável da metaforização. A visão metafórica do mundo constitui um modo de inteligibilidade do real no qual este é considerado em sua integralidade.

27 O risco do silêncio Como foi anteriormente afirmado, a metáfora poderá também correr o risco de se dissolver no silêncio. Para evitar a contaminação da imagem pelo conceito, os filósofos das filosofias da imagem ( em oposição ás filosofias especulativas) buscam uma forma de expressão que coincida com a experiência inefável. Pois, nesse caso, as palavras são sempre demais e traem tanto quanto traduzem, como se a diferença radical entre o ser e o dizer nunca pudesse ser nivelada. Nessa perspectiva, oscila-se entre a tentação do silêncio e a de uma série de metáforas de metáforas. Mas: é possível encolher entre palavras sem pensamento e pensamento sem palavras?

28 Da metáfora ao poético Resta encontrar uma forma apropriada de linguagem que permita à mediação figurada estabilizar-se entre o indizível e a degenerescência verbal. Cabe à poesia o temível privilégio de substituir a conceitualidade filosófica que falta: ela asseguraria, para além de todas as ocultações metafísicas, um desvelamento do ser que, aos olhos desses pensadores, se oferecem de forma originária no modo poético. Nessa ótica, o texto se realiza sobre o fundo de sua própria impossibilidade, e a inclinação poética, profética ou mística pode significar tanto o fim da filosofia quanto a oportunidade de uma renovação.

29 Metáfora e discurso filosófico A presença da metáfora no coração da filosofia designa- lhe portanto ao mesmo tempo seus limites. Isso nos conduz a uma propriedade ainda mais fundamental nas relações entre metáforas e conceitos: A metaforização consistiria em um dispositivo através do qual formas expressivas heterogêneas viriam se converter e trocar suas propriedades. Isso não ocorre em filosofias que submetem a metáfora ao esquema lógico-conceitual. Nos outros casos, a metaforização constrói translações analógicas que se entrecruzam e contribuem para a entreexpressividade geral do sistema.

30 Metáfora e unidade textual Quer seja mediadora do ser em direção ao discurso, ou do discurso em direção ao ser, ou ainda mediadora entre partes, níveis ou formas do discurso, a metáfora adquire uma importância fundamental para a compreensão do texto filosófico. O seu emprego conduz ao conjunto do campo metafórico de uma filosofia, que é parte importante da sua unidade textual.


Carregar ppt "Frédéric Cossuta Elementos para a leitura dos textos filosóficos IV Função das metáforas nos textos filosóficos."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google