A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

SULFATO DE ALUMÍNIO ADQUIRIDO NA FORMA SÓLIDA. SULFATO DE ALUMÍNIO ADQUIRIDO NA FORMA LÍQUIDA Dosagens de coagulante: (5 mg/l a 100 mg/l) Produto adquirido.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "SULFATO DE ALUMÍNIO ADQUIRIDO NA FORMA SÓLIDA. SULFATO DE ALUMÍNIO ADQUIRIDO NA FORMA LÍQUIDA Dosagens de coagulante: (5 mg/l a 100 mg/l) Produto adquirido."— Transcrição da apresentação:

1 SULFATO DE ALUMÍNIO ADQUIRIDO NA FORMA SÓLIDA

2

3 SULFATO DE ALUMÍNIO ADQUIRIDO NA FORMA LÍQUIDA Dosagens de coagulante: (5 mg/l a 100 mg/l) Produto adquirido na forma líquida Caminhão tanque Pureza: 50 % Massa Específica: kg/m 3

4 SULFATO DE ALUMÍNIO ADQUIRIDO NA FORMA LIQUIDA

5

6 SULFATO FÉRRICO ADQUIRIDO NA FORMA LÍQUIDA Dosagens de coagulante: (8 mg/l a 80 mg/l) Produto adquirido na forma líquida Caminhão tanque Pureza: 42 % Massa Específica: kg/m 3

7 CLORETO FÉRRICO ADQUIRIDO NA FORMA LÍQUIDA Dosagens de coagulante: (5 mg/l a 70 mg/l) Produto adquirido na forma líquida Caminhão tanque Pureza: 35 % Massa Específica: kg/m 3

8 CLORETO E SULFATO FÉRRICO ADQUIRIDO NA FORMA LIQUIDA

9

10

11

12

13 O PROCESSO DE COAGULAÇÃO Compressão da dupla camada

14 O PROCESSO DE COAGULAÇÃO Porque a compressão da dupla camada é incompleto no que tange à explicação do mecanismo de desestabilização de partículas coloidais ? Porque a compressão da dupla camada é incompleto no que tange à explicação do mecanismo de desestabilização de partículas coloidais ? São desprezados os efeitos entre o coagulante e o solvente, bem como da partícula coloidal e o solvente São desprezados os efeitos entre o coagulante e o solvente, bem como da partícula coloidal e o solvente

15 COAGULAÇÃO: REAÇÕES QUÍMICAS ALUMÍNIO

16 COAGULAÇÃO: REAÇÕES QUÍMICAS FERRO

17 DIAGRAMA DE SOLUBILIDADE DO FERRO E ALUMÍNIO EM MEIO AQUOSO

18 VISÃO DINÂMICA DO PROCESSO DE COAGULAÇÃO Solvente Coagulante Colóide

19 Dispositivos hidráulicos Calhas ParshallCalhas Parshall Vertedores retangularesVertedores retangulares Malhas difusorasMalhas difusoras InjetoresInjetores PROCESSO DE COAGULAÇÃO

20 PROCESSO DE COAGULAÇÃO VERTEDORES RETANGULARES

21 PROCESSO DE COAGULAÇÃO CALHAS PARSHALL

22 PROCESSO DE COAGULAÇÃO CALHAS PARSHALL ETA CARAGUATATUBA

23

24

25 PROCESSO DE COAGULAÇÃO CALHAS PARSHALL ETA CAMPOS DO JORDÃO

26

27

28

29 Dispositivos mecânicos Agitadores mecânicosAgitadores mecânicos TurbinasTurbinas Hélice propulsoraHélice propulsora PROCESSO DE COAGULAÇÃO

30 SISTEMAS DE AGITAÇÃO ESCOAMENTO AXIAL E RADIAL

31

32 PROCESSO DE COAGULAÇÃO ETA ALTO DA BOA VISTA

33

34

35

36

37 PROCESSO DE COAGULAÇÃO ETA GUARAÚ (SABESP)

38

39

40

41 PROCESSO DE COAGULAÇÃO ETA RIO GRANDE (SABESP)

42

43

44 CONCEITO: GRADIENTE DE VELOCIDADE dx dy dz

45 CONCEITO: GRADIENTE DE VELOCIDADE dx dy dz

46 G=Gradiente de velocidade (s -1 ) CONCEITO: GRADIENTE DE VELOCIDADE dx dy dz

47 Agitadores de fluxo radial Agitadores de fluxo axial F a =força de arraste (N) v=velocidade (m/s) C d =coeficiente de arraste A p =área projetada n=rotação (rps) D=diâmetro do rotor (m) P=Potência (W) CÁLCULO DO GRADIENTE DE VELOCIDADE

48 Agitadores de fluxo axial F a =força de arraste (N) v=velocidade (m/s) C d =coeficiente de arraste A p =área projetada n=rotação (rps) D=diâmetro do rotor (m) P=Potência (W) Tipo de rotorValor de K T Hélice propulsora marítima (3 hélices)0,87 Turbina (seis palhetas retas)5,75 Turbina (seis palhetas curvas)4,80 Turbina com quatro palhetas inclinadas a ,27 Turbina com quatro palhetas inclinadas a ,0 a 1,2 Turbina com seis palhetas inclinadas a ,63 CÁLCULO DO GRADIENTE DE VELOCIDADE

49 SISTEMAS DE AGITAÇÃO ESCOAMENTO RADIAL

50

51 SISTEMAS DE AGITAÇÃO ESCOAMENTO AXIAL

52

53

54 Gradiente de velocidade s -1 Mecanismo de coagulação por adsorção-neutralização Gradiente de velocidade 300 s -1 Mecanismo de coagulação por varredura Tempo de detenção hidráulico 30 s UNIDADES DE MISTURA RÁPIDA DIMENSIONAMENTO

55 Vazão: 1,0 m 3 /s Verificação do gradiente de velocidade DIMENSIONAMENTO DE CALHAS PARSHALL

56 Seleção da Calha Parshall DIMENSIONAMENTO DE CALHAS PARSHALL

57

58 EQUAÇÃO DE DESCARGA Largura da Calha Parshall Kn PolegadasMetros 30,0753,7040,646 60,1501,8420,636 90,2291,4860,633 10,3051,2760,657 1,50,4600,9660,650

59 EQUAÇÃO DE DESCARGA Largura da Calha Parshall Kn PolegadasMetros 20,6100,7950,645 30,9150,6080,639 41,2200,5050,634 51,5250,4360,630 61,8300,3890,627 82,4000,3240,623

60 Equação de descarga: DIMENSIONAMENTO DE CALHAS PARSHALL

61 Cálculo da largura na secção de medida

62 DIMENSIONAMENTO DE CALHAS PARSHALL Cálculo da velocidade na secção de medida

63 DIMENSIONAMENTO DE CALHAS PARSHALL Cálculo da energia total disponível

64 DIMENSIONAMENTO DE CALHAS PARSHALL Cálculo do ângulo fictício

65 DIMENSIONAMENTO DE CALHAS PARSHALL Cálculo da velocidade da água no início do ressalto

66 DIMENSIONAMENTO DE CALHAS PARSHALL Cálculo da altura de água no início do ressalto

67 DIMENSIONAMENTO DE CALHAS PARSHALL Cálculo do número de Froude

68 DIMENSIONAMENTO DE CALHAS PARSHALL Cálculo da profundidade no final do trecho divergente

69 DIMENSIONAMENTO DE CALHAS PARSHALL Cálculo da velocidade no final do trecho divergente

70 DIMENSIONAMENTO DE CALHAS PARSHALL Cálculo da perda de carga no ressalto hidráulico

71 DIMENSIONAMENTO DE CALHAS PARSHALL Cálculo do tempo de residência médio no trecho divergente

72 DIMENSIONAMENTO DE CALHAS PARSHALL 11/05/2012 Cálculo do gradiente de velocidade


Carregar ppt "SULFATO DE ALUMÍNIO ADQUIRIDO NA FORMA SÓLIDA. SULFATO DE ALUMÍNIO ADQUIRIDO NA FORMA LÍQUIDA Dosagens de coagulante: (5 mg/l a 100 mg/l) Produto adquirido."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google