A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

As civilizações hebraica e fenícia.. Hebreus Originários da antiga Palestina estreita faixa de terra cercada pela Fenícia (Líbano), Síria, Deserto da.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "As civilizações hebraica e fenícia.. Hebreus Originários da antiga Palestina estreita faixa de terra cercada pela Fenícia (Líbano), Síria, Deserto da."— Transcrição da apresentação:

1 As civilizações hebraica e fenícia.

2 Hebreus Originários da antiga Palestina estreita faixa de terra cercada pela Fenícia (Líbano), Síria, Deserto da Arábia e Mediterrâneo, região cortada pelo Rio Jordão centro de rotas comerciais da Antiguidade. Hoje Estado de Israel e da Autoridade Nacional Palestina, no Oriente Médio. Área colonizada por diversos povos, com forte herança histórica de judeus e árabes. Judeus julgam-se com direitos históricos sobre a região, árabes palestinos dizem possuir direitos adquiridos após longa ocupação.

3 Civilização hebraica origem semita. Rio Jordão traz fertilidade à região; em outras áreas, viviam grupos nômades de pastores um deles era formado pelos hebreus, organizados em clãs patriarcais seminômades, criadores de gado em oásis dos desertos da Arábia. Sociedade se consolida no 2º milênio antes de Cristo, época em que Egito e Mesopotâmia já era grandes impérios. Principal fonte de pesquisa sobre a história dos hebreus Torá, ou Pentateuco (cinco primeiros livros do Antigo Testamento – Gênesis, Êxodo, Levítico, Números e Deuteronômio)

4 Hebreus – povo eleito de Deus (Iawé, Jeová) – que escolheria certos membros do grupo para comandar os demais – Abraão, Isaac, Jacó, Moisés Sociedade patriarcal, famílias numerosas. Meninos treinados a partir dos 10 anos para vida na tribo, meninas preparadas para o casamento, a partir do qual passavam a ser propriedade dos maridos. Sociedade escravocrata – dois grupos de escravos hebreus e estrangeiros (prisioneiros de guerra) Fase inicial de organização política e econômica Período dos Patriarcas – sacerdotes, juízes, chefes militares, autoridade política e moral do clã – conduziam descendentes e rebanhos de oásis a oásis.

5 Exílio no Egito Tradição bíblica – por volta de 1750 a.C., fogem da seca e migram para o Egito, fixando-se no delta do Nilo, permanecendo por 400 anos no Egito dominado pelos hicsos. Quando esses últimos foram expulsos do Egito, hebreus passaram a ser perseguidos e escravizados. Liderados por Moisés, deixam o Egito e iniciam retorno a Palestina (Êxodo), fato não comprovado pela história Êxodo da identidade cultural ao povo judeu – bandos de hebreus tornam-se um povo baseado no culto de um Deus único.

6 Moisés recebeu de Iaweh, no Monte Sinai, as Tábuas da Lei (Decálogo, ou Dez Mandamentos) – regras civis, morais e religiosas. Crença num Deus único + Dez Mandamentos primeira grande religião monoteísta – judaísmo. Influencia cristianismo e islamismo. Bíblia é livro sagrado para judeus, cristãos e muçulmanos. Papel na história pouca importância política e econômica, mas grande influência cultural a partir de sua religião monoteísta.

7 Estado hebraico e decadência Retorno do Egito, lutas contra cananeus e filisteus, intuito de se fixar novamente na Palestina necessidade de um poder unificado, estabelecendo-se a monarquia hebraica. Primeiro rei hebreu – Saul. Inicia luta contra filisteus, é sucedido por Davi. Davi, jovem guerreiro – derrotou povo inimigo (mata o gigante filisteu Golias), conquista toda a Palestina, estabelece capital hebraica em Jerusalém, unifica tribos hebraicas, centralizando o poder.

8 Auge da monarquia hebraica séc. X a.C. com Salomão, filho de Davi – sociedade alcança certo desenvolvimento econômico, poder centralizado com organização de burocracia e sedimentação de diferenças sociais (aristocracia e pequena elite proprietária). Estado, luxo da corte, guerras aumento de impostos, exploração da mão de obra de camponeses e escravos – insatisfação. Com a morte de Salomão, seu herdeiro, Roboão, não mantém o Estado unificado – divisão entre norte (Reino de Israel, rei Jeroboão, capital Samaria), e sul (Reino de Judá, rei Roboão, capital Jerusalém). Revoltas e divisão facilitam a conquista por assírios e babilônicos – Nabucodonosor (586 a.C.) escraviza o povo hebreus, reconquistam independência com persas (539 a.C.), caem sob domínio macedônico (300 a.C.), enfrentam romanos (70 d.C.) e são obrigados a deixar a região e que viviam e se espalhar pelo mundo.

9 Fenícios Povo de origem semita, desde 3000 a.C. localizados entre montanhas e Mediterrâneo oriental (Líbano e pedaço da Síria) – dificuldades geográficas, Estados mais poderosos do Crescente Fértil povo fenício se expande para a costa do Mediterrâneo – tornam-se marinheiros e comerciantes. Não tiveram Estado centralizado – organizavam-se em cidades-Estado, com seus próprios governantes e formas administrativas. Atividade mais importante comércio, realizado nos portos – de tempos em tempos, algumas cidades ganhavam mais importância e hegemonia que outras. Primeira – Biblos, depois Sídon e Tiro.

10 Com o fim do domínio de Creta sobre o Mediterrâneo (1200 a.C.), fenícios tornaram-se os mais importantes comerciantes. Estabeleceram contatos entre Europa, norte da África, Ásia. Comercializaram vários produtos – tapetes, cavalos, joias, ervas aromáticas, criaram rotas de navegação e núcleos de comércio por todo o Mediterrâneo. Com o comércio e as navegações, desenvolvem matemática. Pela necessidade de uma escrita para registro comercial, desenvolvem série de 22 sinais que, combinados, representavam o som da fala – alfabeto, mais fácil que hieróglifos, mais ágil que escrita cuneiforme.


Carregar ppt "As civilizações hebraica e fenícia.. Hebreus Originários da antiga Palestina estreita faixa de terra cercada pela Fenícia (Líbano), Síria, Deserto da."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google