A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

1 Amados Gatos Mouschi tinha razão - Anne Frank Trabalho realizado por Maria Ana Machado de Alzamora, Nº 23, 7ºA, no âmbito da disciplina de Língua Portuguesa.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "1 Amados Gatos Mouschi tinha razão - Anne Frank Trabalho realizado por Maria Ana Machado de Alzamora, Nº 23, 7ºA, no âmbito da disciplina de Língua Portuguesa."— Transcrição da apresentação:

1

2 1 Amados Gatos Mouschi tinha razão - Anne Frank Trabalho realizado por Maria Ana Machado de Alzamora, Nº 23, 7ºA, no âmbito da disciplina de Língua Portuguesa Professora Alice Ribeiro

3 2 Índice O livro e o conto - apresentação 3 Anne Frank – uma história Biografia 4 O anexo secreto 5 Excerto do conto 6 Conclusão 7 Anexos 8-9 Webgrafia/Bibliografia 10

4 3 O livro e o conto - apresentação Amados Gatos, de José Jorge Letria, é uma colectânea de contos sobre gatos célebres e sobre o seu papel na vida de figuras como: Picasso, Marilyn Monroe, Anne Frank, Hemingway e outros. Moushi tinha razão é um conto que retrata o amor existente entre a jovem escritora Anne Frank e o seu amado gato, Moushi.

5 4 Anne Frank – uma história Biografia Anne Frank nasceu em Frankfurt, na Alemanha, no dia 12 de Junho de Devido à perseguição aos judeus, em 1942, Anne e a sua família tiveram de fugir e de se esconder durante dois anos. Foram descobertos em Agosto de Por volta de 28 de Outubro de 1944, Anne foi transferida, juntamente com a irmã e Auguste van Pels, para Bergen Belsen, um campo de concentração, onde morreu possivelmente no final de Fevereiro ou início de Março de 1945, vítima de tifo. Provavelmente o seu corpo também foi enterrado nas valas comuns do campo, que foi libertado por tropas inglesas em 12 de Abril de Em 1 de Outubro de 1942, enquanto vivia no anexo secreto, Anne escreveu sobre si própria no seu diário: "Quem poderia imaginar há três meses que a espevitada Anne teria de ficar parada durante horas sem fim, e mais, que ela conseguiria?"

6 5 O Anexo Secreto No dia 5 de Julho de 1942, por volta das três horas da tarde, Edith Frank recebeu a visita de um funcionário do correio que lhe entregou um documento registado, convocando Margot para ir para o campo de trabalhos forçados de Westerbork, na Alemanha. Diante de tal facto, Otto Frank decidiu antecipar a ida da família para o Anexo Secreto, do dia 16 de Julho para o dia seguinte (6 de Julho). A família Van Pels (Hermann, Auguste e Peter) mudou-se para o Anexo Secreto no dia 13 de Julho e no dia 16 de Novembro Fritz Pfeffer chegou ao esconderijo como o oitavo clandestino. Para sobreviver, os moradores do Anexo Secreto contaram com a preciosa ajuda dos empregados da Opekta (empresa de escritórios de Otto Frank e Hermann Van Pels): Victor Gustav Kugler, Johannes Kleiman, Miep, Jan Gies e Elisabeth "Bep" Voskuijl, que eram o único contacto dos moradores do Anexo com o mundo exterior e que arriscavam diariamente as suas vidas comprando comida, alugando livros e reportando os acontecimentos do mundo exterior.

7 5 O Anexo Secreto Durante os dois anos seguintes, os moradores do Anexo fizeram parte de uma grande família, morando num espaço confinado e vivendo sob o constante medo de serem descobertos pelos nazis e seus simpatizantes, tendo que passar horas calados. Até que, na manhã do dia 4 de Agosto de 1944, um carro parou em frente ao Anexo Secreto. Dele saíram várias pessoas: um sargento de uniforme e pelo menos três membros da Polícia de Segurança Holandesa, armados mas vestidos à civil. Prenderam as oito pessoas escondidas no Anexo, bem como dois dos seus ajudantes.

8 6 Excerto do conto Tinham sido anos de grande tensão e austeridade. As palavras e os alimentos eram racionados com um rigor difícil de imaginar. O importante era conseguirem sobreviver até ao dia em que a liberdade, por fim, chegasse. Mas que dia seria esse? Em que calendário se encontrava registado? Anne ouviu de novo o ruído dos aviões nos céus do país ocupado e quis beijar Peter. Moushi tinha ciúmes desse amor adolescente que, por vezes, o privava das carícias da menina amada. - Quando saíres daqui levas-me contigo, não levas, Anne ? – perguntou Moushi. - Claro que te levo, vá eu para onde for, podes ficar descansado – respondeu Anne ao gato do qual se tornara dona. José Jorge Letria, Moushi tinha razão in Amados Gatos

9 7 Conclusão Na minha opinião, Moushi tinha razão é um texto espectacular que retrata uma das poucas relações amorosas existentes na curta vida de Anne Frank. Eu escolhi este conto, porque me ajudou a perceber que, mesmo numa vida de prisão e grande sofrimento, também pode existir romance, amizade e felicidade.

10 8 Anexos Páginas do diário de Anne Frank

11 9 Anexos (cont.) Fotografia de Anne estudando Fotografia de Anne escrevendo no diário Os diários de Anne Frank O edifício onde se situava o anexo secreto

12 10 Webgrafia Bibliografia cao1.html Frank, Anne, Diário de Anne Frank – versão definitiva Letria, José Jorge, Moushi tinha razão in Amados Gatos

13


Carregar ppt "1 Amados Gatos Mouschi tinha razão - Anne Frank Trabalho realizado por Maria Ana Machado de Alzamora, Nº 23, 7ºA, no âmbito da disciplina de Língua Portuguesa."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google