A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

O Espaço Geográfico Ensino e representação Apresentação do livro De Rosângela D. Almeida e Elza Y. Passini.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "O Espaço Geográfico Ensino e representação Apresentação do livro De Rosângela D. Almeida e Elza Y. Passini."— Transcrição da apresentação:

1 O Espaço Geográfico Ensino e representação Apresentação do livro De Rosângela D. Almeida e Elza Y. Passini

2 Índice Relações Topológicas Os procesos de descentralização, conservação e reversibilidade. Relações espaciais projetivas e euclidianas. Atividades com a turma. Conclusão.

3 Relações Topológicas São relações espaciais que se estabelecem no espaço próximo,usando referenciais elementares como:dentro, fora, ao lado, na frente,perto, longe,etc Essas relações começam a ser estabelecidas pela criança desde o nascimento e são a base para a gênese posterior das relações espaciais mais complexas.

4 No plano perceptivo, as relações espaciais se processam na seguinte ordem: – Vizinhança (o que está ao lado) – Separação (fronteira) – Ordem(o que vem antes e depois) – Envolvimento(o espaço que está em torno) – Continuidade( a que recorte do espaço a área considerada corresponde)

5

6 Os procesos de descentralização, Conservação e reversibilidade. Piaget e o pensamento intuitivo. O processo de descentralização, onde o foco deixa de ser único e passa a ser mais amplo. A conservação e a reversibilidade dos objetos : objetos percebidos em m só sentido e de forma estática.

7 O chão é para baixo, né. Então você planta com o cabelinho para cima. E se o chão for para cima? Perguntamos. Então não dá para plantar.

8 o aparecimento da perspectiva traz uma alteração na concepção espacial na criança, que passa as conservar as posição dos objetos e a alterar o ponto de vista até atingir as relaões espaciais projetivas. isso ocorre juntamente com o surgimento da noção de coordenadas que situam os objetos uns em relação aos outros e englobam o lugar do objeto e seu deslocamento em uma mesma estrutura. Isto corresponde as relações espaciais euclidianas. Relações espaciais projetivas e euclidianas

9 Adulto envolve em sua organização espacial a perspectiva e coordenadas, capaz de localizar- se e orientar-se usando referencias abstratos, baseados em relação espaciais projetivas e euclidianas. Crianças na faixa etária de 7-11 anos estão em fase de construção dessas noções. Por isso tem-se necessidade de trabalhar de forma concreta. Dificuldade em abstrair simbologias usadas bem como representações do espaço real.

10 Crianças dos 7 aos 9 anos: noção de perspectiva Crianças dos 9 aos 10 anos: desenvolvem a noção de medidas e de referenciais, como: altura e comprimento, horizontal e vertical. Essenciais para a construção do sistema de coordenadas. Após aos 10 anos: noção de coordenadas

11 A organização espacial do adulto.

12 Perspectiva, Coordenadas e Categorias Espaciais Muitas vezes a noção de perspectiva permanece durante muito tempo incompreensível para a criança, mesmo depois dos 8 e 9 anos. A criança não consegue separar o mundo exterior de sua representação. A exemplo disso pode-se citar o desenho de uma linha de trem. Apesar de reconhecer a perspectiva em uma figura que mostra os trilhos aproximando-se ao longe, a criança não consegue representá-lo no papel. Seu desenho pouca diferença tem do de uma criança de 5 anos.

13 Figuras ( desenho de criança x Fotografia)

14

15 Outra dificuldade que o indivíduo de 5 a 8 anos encontra, é a não distinção entre direita e esquerda. Já para o individuo de 8 a 11 anos isso já é possível. Somente a partir dos 11 ou 12 anos é que a criança será capaz de situar os objetos independentes de sua própria posição. Exemplo: a janela esta à direita do quadro.

16 É importante o professor trabalhar essa questão de lateralidade, pois irá permitir com que o educando deixe de lado seu referencial de orientação egocêntrico, eu estou a esquerda da Tia, para a Tia esta a esquerda da porta. Outra ponto importante que o professor deve abordar, diz respeito aos referenciais geográficos de orientação, que são definidos a partir dos movimentos da Terra resultando na sucessão dos dias e noites. O educador não deve ensinar que o Leste (nascente) é o lugar onde o sol nasce e o Oeste (poente) como o lugar onde o Sol se esconde.

17 Pois, além de ser uma inverdade, faz com que a criança se limite a conhecer os fenômenos do mundo.

18 O autor Hannoun faz uma analise do objeto quanto á sua espacialidade considera três categorias: a interioridade, a exterioridade e a delimitação. Estas categorias especificam relações espaciais referentes á continuidade, individualizando de forma mais profunda os elementos no espaço.. A interioridade refere-se ás noções de dentro, para dentro, no interior..

19 A exterioridade refere-se ás noções de forade, para fora, no exterior.. A delimitação, decorrente das duas anteriores, refere-se á extremidade, limite, periferia, perimetral, ao longo de, ao redor de. Na análise geográfica a concepção dessas categorias é subjacente e recorrente. Ex: no estudo de uma área de ocupação urbana, os alunos verão distinguir o que é uma área urbana (casas, ruas, estabelecimentos industriais, comerciais, depósitos...) e o que esta dentro desta área, e deverão distingui-la do que não é área urbana, o que está fora dela (sítios, áreas de reflorestamento, estradas...).

20 A confrontação dessas áreas delimita-as. Mesmo que a periferia urbana não corresponda a uma linha de fronteira, a partir da qual se separe o que é, do que não é urbano, ela se apresenta com características próprias de uma área de transição, podendo ser formada por casas populares, ou chácaras residenciais, ou áreas de deposito de lixo. A noção de exterioridade leva a situar um objeto com relações espaciais. Hannoun distingue quatro categorias que podem ser aplicadas ao espaço geográfico:. A interioridade: quando uma área esta dentro de outra, ou quando há inclusão.

21 . A exterioridade: quando uma área é exterior á outra.. A intersecção: quando há uma parte comum a ambas as áreas.. A continuidade: quando as áreas são limítrofes, tangenciais. Na analise geográfica essas categorias são subjacentes a estudo de caráter regional, de processos de regionalização de áreas de influencia, de ocupação e organização espacial. É preciso criar na criança os hábitos de discernir, analisar e reconhecer as partes de um todo. E isso deve iniciar no primeiro grau.

22 As categorias levam ás categorias de distancia, proximidade e distanciamento. A concepção de distancias e intervalos é realizada passando do qualitativo (perto, longe) para o quantitativo, que pressupõe a medida expressa numericamente. No sentido da descentralização quanto á categoria de distanciamento o professor deve levar o aluno a estabelecer relações com um ponto de referencia. E quanto á medida, deve estabelecer relações com uma unidade métrica.

23 O aluno pode ser levado a estabelecer medidas com padrões de seu próprio corpo: palmos, pés, passos etc, para chegar a unidades mais objetivas. As atividades sobre sala de aula como unidade inicial do trabalho sobre espaço, apresentam sugestões que vão do uso de um instrumento continuo (o barbante para medir a sala, até o estabelecimento de uma unidade padrão – o metro. Esse trabalho é básico para a compreensão da noção de escala que permitira o estabelecimento de relações de distancia entre localidades através do mapa.

24 Atividades. Trabalho com fotos. Posição do sol. Planta da sala.

25 Conclusão. É através da ação em seu espaço cotidiano e da reflexão sobre ela que a criança terá oportunidade de chegar à abstração reflexiva ou à concepção do espaço e sua organização. Para ter acesso ao trabalho visitem: desiner20.wordpress.com

26 Obrigado, e tenham uma boa noite.


Carregar ppt "O Espaço Geográfico Ensino e representação Apresentação do livro De Rosângela D. Almeida e Elza Y. Passini."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google