A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Adequação na UN-BC Rio de Janeiro - 11/07/2006 Seminário de Boas Práticas de Segurança em Eletricidade e Implementação da NR-10.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Adequação na UN-BC Rio de Janeiro - 11/07/2006 Seminário de Boas Práticas de Segurança em Eletricidade e Implementação da NR-10."— Transcrição da apresentação:

1 Adequação na UN-BC Rio de Janeiro - 11/07/2006 Seminário de Boas Práticas de Segurança em Eletricidade e Implementação da NR-10

2 Aspectos Relevantes 1.Estrutura de Trabalho 2.Revisão do MS – Eletricidade 3.Equipamentos de Proteção 4.Atualização de documentação Técnica 5.Treinamento 6.Desafios Seminário de Boas Práticas de Segurança em Eletricidade e Implementação da NR-10

3 GT NR-10 UN-BC GT Prontuário GT Documentação Técnica GT Área Classificada GT Treinamento GT Equipamentos e Dispositivos GT Bloqueio, Etiquetagem e Manual de segurança 1. Estrutura de Trabalho

4 Estrutura de Trabalho Características Simultaneidade frente à complexidade da adequação; Equipes Multidisciplinares; (Representatividade; OP`s, ISUP, TI-DS, TI-DT, RH,SMS e ST) Compartilhamento de decisões; Dinâmica das reuniões; Proposição x Discussão x Decisão; Planilha de Divisão de itens (Mestre e interfaces). 1. Estrutura de Trabalho

5 Seminário de Boas Práticas de Segurança em Eletricidade e Implementação da NR-10

6 - Editar a nova versão do Manual de Segurança em Eletricidade (PE ), com as decisões de todos os GTs temáticos da UN-BC. O Manual foi reformulado para que possa ser o documento que determina como a UN-BC cumpre o quê a norma exige. Dessa forma, sua estrutura passará a ser análoga à do texto da norma. 2. Revisão do MS – Eletricidade

7 Seminário de Boas Práticas de Segurança em Eletricidade e Implementação da NR-10

8 Desenergização conforme NR-10: a) seccionamento; b) impedimento de reenergização; c) constatação da ausência de tensão; d) instalação de aterramento temporário com equipotencialização dos condutores dos circuitos; e) proteção dos elementos energizados existentes na zona controlada (Anexo I); e f) instalação da sinalização de impedimento de reenergização. Primeiro problema encontrado: como fazer o aterramento prescrito na norma nos painéis e CCMs de baixa tensão? 1- Aterrar o mais próximo possível do ponto onde o contato com as partes condutoras pode ocorrer; 2- Limitar a desenergização prescrita na NR-10 aos trabalhos em zona de risco e controlada; 2. Revisão do MS – Eletricidade

9 Seminário de Boas Práticas de Segurança em Eletricidade e Implementação da NR-10 Desenergização conforme NR-10: Nesse sentido, foi necessário definir os trabalhos que serão escopo da NR-10. Usamos então o conceito de zona livre para determinar o que não seria escopo da norma. Dessa forma, a norma deverá ser aplicada somente onde é obrigatória. Extensões da aplicação ficarão a critério das unidades. Essa limitação também favorece os outros assuntos da norma, visto que manterá a abrangência estritamente dentro do que é exigido. 2. Revisão do MS – Eletricidade

10 Seminário de Boas Práticas de Segurança em Eletricidade e Implementação da NR-10 Trecho do padrão: Serviços em instalações elétricas são aqueles onde é previsto ou possível o contato do trabalhador com partes destinadas à condução de corrente elétrica. Dessa forma, são exemplos de serviços em instalações elétricas: Extrair e inserir gavetas ou disjuntores, independente da tensão; Executar ou reapertar ligações entre condutores elétricos; Trocar lâmpadas, luminárias, reatores, bocais; Trocar fusíveis. Os serviços na chamada zona livre (ver item Definições) não são serviços em instalações elétricas. Exemplos de serviços na zona livre: Trocar ventoinha ou acoplamento de motor elétrico; Reapertar parafusos de tampa de caixa de ligação ou de caixa de passagem; Operar equipamento elétrico que esteja em perfeito estado de conservação (ex: desligar disjuntor). 2. Revisão do MS – Eletricidade

11 Seminário de Boas Práticas de Segurança em Eletricidade e Implementação da NR-10

12 - Tarefas do cotidiano (Instalação Desenergizada): Toda Força de Trabalho da UN-BC utiliza uniformes RF, que possuem ATPV (Medida de Proteção) de 5,4 cal/cm², que atende a categoria risco II. - Extração e inserção de gavetas, disjuntores, etc: Cálculo da energia incidente de arco elétrico nos painéis elétricos (Metodologia IEEE Todas as 30 Unidades); Cálculo da distância segura de aproximação; Seleção da vestimenta resistente a fogo (Piloto PNA-1/ 40 cal/cm², sem alterar tempo de atuação das proteções, preservando seletividade) 3. Equipamentos de Proteção - Vestimentas

13 Seminário de Boas Práticas de Segurança em Eletricidade e Implementação da NR-10 Determinação das tarefas executadas que necessitam do EPI contra arco elétrico; Identificação no painel com etiqueta visível do nível de energia incidente e distância segura de aproximação; 3. Equipamentos de Proteção - Vestimentas

14 Seminário de Boas Práticas de Segurança em Eletricidade e Implementação da NR-10 - Pesquisa de defeitos e Inspeção Termográfica (Instalação energizada); Situações sendo avaliadas; Para a inspeção Termográfica Procedimento sendo elaborado; - Utilização de Hypot; Avaliando orientações dos fabricantes e elaborar Procedimento. 3. Equipamentos de Proteção - Outros

15 Seminário de Boas Práticas de Segurança em Eletricidade e Implementação da NR-10 - Bastão de teste, gancho de resgate e Kit de aterramento temporário; Fase final de padronização, após intercâmbio com empresas concessionárias de energia; Estão sendo mapeados os procedimentos e periodicidade de testes e ensaios nestes dispositivos. - Caixa de Ferramentas; Elaborado o PE A, contendo especificações de ferramentas observando normas existentes. 3. Equipamentos de Proteção - Outros

16 Seminário de Boas Práticas de Segurança em Eletricidade e Implementação da NR-10 - Orientação para todas as plataformas que não estão com os seus desenhos elétricos atualizados que façam contratação pelo CRISTAL (Limite R$ ,00); GT forneceu escopo de contratação (Objeto, Orientações técnicas, etc); 10 empresas cadastradas; Maioria das unidades em processo final de contratação. 4. Atualização de Documentação Técnica

17 5. Treinamento - Histórico A idéia inicial era ministrar internamente o treinamento, com o Suporte Técnico elaborando o material didático e treinando os engenheiros das Unidades Operacionais e ISUPs para que se tornassem multiplicadores. Problemas: Demanda de trabalhos do ST não possibilitou a elaboração do material didático. Resistência por parte de gerentes das OPs e ativos, por demandar de seus engenheiros um tempo de que eles não dispunham. Seminário de Boas Práticas de Segurança em Eletricidade e Implementação da NR-10

18 Nova proposta: avaliar empresas disponíveis no mercado, da seguinte forma: Assistir ao treinamento padrão e avaliar a possibilidade de adaptação para a realidade da UN-BC. Problema: mesmo encontrando uma empresa que atendesse as expectativas, ficaria difícil justificar a sua contratação sem abrir qualquer tipo de concorrência. Opções disponíveis: Contratação pelo Cristal, mediante indicação de no mínimo três empresas cadastradas. Limite de R$ ,00 Por contrato (licitação), para valores acima do Cristal. Prazo mínimo para conclusão do processo é de três meses. Seminário de Boas Práticas de Segurança em Eletricidade e Implementação da NR-10

19 5. Treinamento - Decisões Priorizar o treinamento básico de segurança em eletricidade. O módulo complementar será avaliado e discutindo quando o treinamento básico já estiver sendo ministrado. Priorizar como público alvo os operadores de facilidades (elétrica) e os trabalhadores de manutenção elétrica (eletricistas e técnicos de manutenção), totalizando 660 pessoas. Coordenadores, fiscais do ISUP e instrumentistas serão treinados num segundo momento. Será contratado apenas o conteúdo técnico de segurança em eletricidade. Para a parte de áreas classificadas, primeiros socorros e combate a incêndio, serão aproveitados os treinamentos já existentes na UN-BC. O certificado do treinamento como um todo será emitido pelo RH. Seminário de Boas Práticas de Segurança em Eletricidade e Implementação da NR-10

20 É essencial que a especificação de contrato seja bem elaborada, para evitar que empresas sem qualificação ganhem a concorrência. Alguns itens que deverão constar dessa especificação: Todos os instrutores deverão ser funcionários da empresa há pelo menos dois anos. Não serão aceitos instrutores com contratos temporários nem estagiários da empresa. A empresa deverá levar para sala de aula, para demonstração prática, pelos menos os seguintes equipamentos de segurança: Equipamentos para bloqueio de dispositivos de interrupção elétrica; Seminário de Boas Práticas de Segurança em Eletricidade e Implementação da NR-10

21 "Kit" para aterramento temporário do sistema; Gancho de resgate; Bastão e dispositivo detector de média tensão; EPIs: luvas isolantes, roupa à prova de arco, etc. Seminário de Boas Práticas de Segurança em Eletricidade e Implementação da NR-10

22 5. Treinamento – Proposta para o futuro A Petrobras formatar internamente o treinamento básico, com material didático padronizado, para três públicos diferentes: E&P ABAST Construção e Montagem (Engenharia) Assim, o treinamento seria ministrado sempre com base neste material, seja por entidade externa ou mesmo por instrutores internos. Seminário de Boas Práticas de Segurança em Eletricidade e Implementação da NR-10

23 Negociação junto ao MTE/DRT quanto aos prazos; Atendimento à NR pelas empresa contratadas - Responsabilidade Solidária (Revisão Anexo de SMS / Palestras para gerentes e fiscais de contrato); Conscientização dos riscos da eletricidade para toda força de trabalho; Cumprimento por parte dos ATP´s das ações, nos prazos estabelecidos. 6. Desafios

24 Dúvidas Seminário de Boas Práticas de Segurança em Eletricidade e Implementação da NR-10


Carregar ppt "Adequação na UN-BC Rio de Janeiro - 11/07/2006 Seminário de Boas Práticas de Segurança em Eletricidade e Implementação da NR-10."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google