A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

DIAGNÓSTICO ESTRUTURAL DA PERSONALIDADE DIAGNÓSTICO ESTRUTURAL DA PERSONALIDADE O CONCEITO DE ESTRUTURA Leila Cury Tardivo.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "DIAGNÓSTICO ESTRUTURAL DA PERSONALIDADE DIAGNÓSTICO ESTRUTURAL DA PERSONALIDADE O CONCEITO DE ESTRUTURA Leila Cury Tardivo."— Transcrição da apresentação:

1 DIAGNÓSTICO ESTRUTURAL DA PERSONALIDADE DIAGNÓSTICO ESTRUTURAL DA PERSONALIDADE O CONCEITO DE ESTRUTURA Leila Cury Tardivo

2 DIFERENÇAS E RELAÇÕES ENTRE DIAGNÓSTICO DESCRITIVO E O DIAGNÓSTICO ESTRUTURAL /DINÂMICO (Gabbard, G.1998)DESCRITIVO Curso linear direto Ênfase no diagnóstico – distinção nítida entre diagnóstico e tratamento Paciente mais passivo: coopera com o médico Seleção de material relevante: interesse no sintoma e diagnostico (interrupção quando chega a uma categoria) ESTRUTURAL / PSICODINÂMICO Curso não linear (dado pelo paciente) Ênfase na relação: não nítida distinção entre diagnóstico e tratamento ( paciente quer se tratar) Paciente mais ativo: não há nítida separação de papéis Vida intra-psíquica: parte fundamental dos dados Transferêncai e contra-transferência

3 DIFERENÇAS E RELAÇÕES ENTRE DIAGNÓSTICO DESCRITIVO E O DIAGNÓSTICO ESTRUTURAL /DINÂMICO (Gabbard, G.1998) PROPOSTA: Dois objetivos: chegar a um diagnóstico descritivo e a um psicodinâmico A partir da descrição dos sintomas: chegar a um estudo das operações defensivas do paciente (Kernberg, 1985) Diagnóstico descritivo: planejamento da medicação Diagnóstico dinâmico: sentido da medicação/ problemas na adesão Diagnóstico dinâmico: importante não só para psicoterapia ( mas em todo o planejamento terapêutico )

4 IMPORTÂNCIA DO DIAGNÓSTICO Desde o início da Psicanálise :Freud/Klein IMPORTANTE: ESPECIFICIDADE DO PSICODIAGNÓSTICO ESTRUTURAL Concepção de Ciência: POSITIVISTA SUJEITO OBJETO PROPOSTA: SUJEITO SUJEITO

5 NOSOGRAFIA PSICANALÍTICA Freud in Laplanche e Pontallis 1915:NEUROSES ATUAIS: 1.Neurose de Angústia 2.Neurastenia 3. Hipocondria PSICONEUROSES:A De Transferência 1.N. obsessiva 1..N. obsessiva 2. N. fóbica 3. Histeria de Angústia 4. Histeria de conversão B. PSICONEUROSES NARCÍSICAS

6 NOSOGRAFIA PSICANALÍTICA Freud in Laplanche e Pontallis NEUROSES ATUAIS 1924:NEUROSES ATUAIS: Neurastenia Neurose de Angústia Hipocondria NEUROSES DE TRANSFERÊNCIA 1.N. obsessiva 2. N. fóbica 3. Histeria de Angústia 4. Histeria de conversão NEUROSES NARCÍSICAS: NEUROSES NARCÍSICAS: Psicose Maníaco Depressiva PSICOSES: PSICOSES: Esquizofrenia Paranóia

7 NOSOGRAFIA PSICANALÍTICA Freud in Laplanche e Pontallis ATUAL AFECÇÕES PSICOSSOMÁTICAS NEUROSES NEUROSES N. obsessiva Histeria de Angústia Histeria de conversão PSICOSES PSICOSES: Paranóia Psicose Maníaco Depressiva Esquizofrenia

8 ESTRUTURAS DE PERSONALIDADE Bergeret, 1974 Diz respeito a angústias, defesas e fantasias não diretamente acessíveis à consciência Definições : Modo de organização permanente mais profundo do indivíduo, aquele a partir do qual desenrolam-se os ordenamentos funcionais ditos normais bem como, os aspectos da morbidade; Sintomatologia : funcionamento mórbido de uma estrutura quando esta se descompensa. Cada estrutura é produto do alcance e da realização de determinadas etapas do desenvolvimento psico emocional

9 ESTRUTURAS DE PERSONALIDADE Kernberg, 1995 ESTRUTURA MENTAL FREUD ( 1923) Divisão da psique em : ID; EGO e SUPEREGO ESTRUTURA: Configurações relativamente estáveis de processos mentais Análise estrutural: relações de objeto (subestruturas) Análise dos conflitos : em especial – Complexo de Édipo

10 ASPECTOS METAPSICOLÓGICOS ( Kernberg, 1995) Principais critérios para a psicoterapia : qualidade das relações de objeto e o grau de integração do superego Três organizações estruturais: organização de personalidade neurótica, borderline e psicótica. Organização estrutural desempenha a função de estabilizar o aparato mental (mediando fatores etiológicos e as manifestações comportamentais diretas da doença ).

11 DIAGNÓSTICO ESTRUTURAL: CRITÉRIOS ( Kernberg, 1995) Critérios dominantes em relação a: 1 – grau de integração da personalidade 2 – tipos de defesas 3 – capacidade de testar a realidade

12 CRITÉRIO ESTRUTURALNEURÓTICABORDERLINEPSICÓTICA INTEGRAÇÃO DA IDENTIDADE Representação do self e do objeto são claramente delimitadas Difusão de identidade aspectos contraditórios do self e dos outros são mal-integrados e mantidos separados Representações do self e do objeto sãomal-delimitadas ou então há uma identidade delirante OPERAÇÕES DEFENSIVAS Recalcamento de defesas de alto nível formação reativa anulação, racionalização, intelectualização.. As defesas protegem o paciente do conflito intrapsíquico. A interpretação melhora o funcionamento Principalmente a clivagem e as defesas de baixo nível idealização primitiva, identificação projetiva, denegação, onipotência, desvalorização. As defesas protegem o paciente da desintegração e da fusão self-objeto. A interpretação leva à regressão TESTE DA REALIDADE Capacidade de testar a realidade é preservada, as origens intrapsiquicas e as externas das percepções e estímulos. Alterações ocorrem na relação com a realidade e nos sentimentos sobre a realidade. Existe capacidade de avaliar o self e os outros realisticamente e em profundidade. A capacidade de testar a realidade é perdida DIFERENCIAÇÃO DA ORGANIZAÇÃO DA PERSONALIDADE DIFERENCIAÇÃO DA ORGANIZAÇÃO DA PERSONALIDADE (Kernberg, 1995)

13 DIAGNÓSTICO ESTRUTURAL CRITÉRIOS CRITÉRIOS (Bergeret ) 1 – angústia predominante 2 - tipos de defesas 3- Pautas de relacionamento objetal 4 – grau de desenvolvimento libidinal 5 – relação com a realidade

14 INSTÂNCIA DOMINANTE NA ORGANIZAÇÃO NATUREZA DO CONFLITO NATUREZA DA ANGÚSTIA PRINCIPAIS DEFESAS RELAÇÃO DE OBJETO ESTRUTURA NEURÓTICA Superego Superego com Id De Castração RecalcamentoGenital ESTRUTURA PSICÓTICAS Id Id Com A Realidade De Fragmen tação Negação da Realidade Desdobramen to Do Ego Fusional E STRUTURAS LIMÍTROFES Ideal de Ego Ideal de Ego Com -Id-Realidade De Perda de Objeto Clivagem dos Objetos ForclusãoAnaclítica COMPARAÇÃO ENTRE AS LINHAGENS ESTRUTURAIS Bergeret, 1991) (Bergeret, 1991)

15 ESTRUTURA DA CONDUTA (Bleger) Conduta uma totalidade organizada formando uma unidade de experiência com uma unidade de significado. Toda conduta é uma pauta específica de relação interpessoal (objetal) Cada individuo tem seu repertório de condutas, modos ou estruturas privilegiadas de comportamento. Toda conduta, no momento em que se manifesta, é a melhor, no sentido de que é a mais ordenada e melhor organizada que o organismo pode manifestar nesse momento e é a que pode regular a tensão no máximo possível para essas condições.

16 QUADRO SINÓPTICO DAS ESTRUTURAS DE CONDUTA Objeto Estrutura Características Clinicas Total ( Ambivalente) Total ( Ambivalente) Depressiva Culpa e expiação Ansiosa Ansiedade, desassossego Paranóide Desconfiança e reinvindicação Evitativa Evitação Parcial (Divalente) Parcial (Divalente) Esquizóide Distancia e isolamento Histérica Representação e sedução Ritualista Rituais e Cerimoniais Hipomaníaca Ritmo rápido e alternante Aglutinado ( Ambíguo) Aglutinado ( Ambíguo) Confusional Falta de Descriminação Acessional Destrutividade,viscosidade, paroxismos Hipocondríaca......Relação com o órgão e a queixa

17 SINTOMA NEURÓTICO SINTOMA NEURÓTICO DIFERENTE DE ESTRUTURA NEURÓTICA : SINTOMA: formações de compromissos entre impulsos e defesas (exemplos: fobias, rituais compulsivos;pensamentos obsessivos ESTRUTURA DE PERSAONALIDADE: Contexto onde ocorre o sintoma (o sintoma vai se encarado de forma diferente de acordo com a estrutura) ANGÚSTIA ORGANIZADORA DA ESTRUTURA NEURÓTICA: CASTRAÇÃO: diferenciação eu- outro (possibilidade de ser feliz)

18 SINTOMA NEURÓTICO SINTOMA NEURÓTICO: Impulso censurável encontra saída ou (descarga) substitutiva SINTOMA NEURÓTICO: exprime impulso e defesa concomitantemente CASOS DE NEUROSE: vários mecanismos de defesa para a formação de sintomas NEUROSE OBSESSIVA retirada da situação edipiana/ regressão HISTERIA E NEUROSE FÓBICA: SITUAÇÃO EDIPIANA

19 Ponto de vista tópico Economia libidinal Natureza da angústia Relação objetal Mecanismo de defesa Representaçã o fantasmática Gênese da relação objetas Estrutura obsessiva Regressão do ego Ato – pensament o Primado do genital + fixações ao 2 o estágio anal Castração- (pensamento s) – eróticos - agressivos À meia distância Recalcamento+ Isolamento Deslocamento Anulação Depois:formaçõe s reativas Afeto constrangedo r Destacado e religado a outra representaçã o Interdiçõ es de: ódio do pai (mesmo sexo) Amor – pai do sexo oposto ESTRUTUR A HISTÉRICA DE ANGÚSTIA ESTR HISTÉRICA DE CONVERSÃ O Ausência de regressão do ego E Regressão libidinal parcial Primado do gential Fixações Da libido (orais anais) Castração (pensamento se realizar) Tela fóbica Para Conservar evitar Recalcamento + Deslocamento evitação Representaçã o destacada do afeto Afeto: ligado a outra representaçã o a evitar Excitaçã o Interdiçã o por ambos os pais Primado do gential Fixações Da libido (orais anais Castração (ato se realizar Proximal Para controlar Recalcamento + Só é suficiente nos casos mais puros Representaçã o destacada do afeto - conversão somática simbolizada Excitaçã o Pai do sexo oposto Interdiçã o pai do mesmo sexo QUADRO DAS ESTRUTURAS NEURÓTICAS (Bergeret)

20 (Bergeret) CARACTERÍSTICAS DAS ORGANIZAÇÕES NEURÓTICAS(Bergeret) GÊNESE E EVOLUÇÃO DA LINHA ESTRUTURAL NEURÓTICA A partir da indiferenciação psíquica- evolução (fases oral e anal) – até a linha divisória (pontos de fixação de estruturas psicóticas /depois - Neuróticas) Estágio genital: CONFLITO EDIPIANO – a partir do qual se organiza o ego neurótico Latência: parada momentânea da EVOLUÇÃO ESTRUTURAL Adolescência: tempestades pulsionais

21 RELAÇÕES: LINHAGEM NEURÓTICA E PSICÓTICA (Bergeret) IMPORTÂNCIA DO DIAGNÓSTICO ESTRUTURAL Sintoma apenas não dá noção clara (se é uma regressão e desestruturação momentânea) ESTRUTURA NEURÓTICA:Ego íntegro (não clivado) Primado do Genital; Angústia de castração;regressão da libido (não do ego) Recalcamento (nunca negação da realidade) Conflito entre ego e pulsões SINTOMA NEURÓTICO: Tentativas de evitar a experiência penosa da ansiedade/ ansiedade coexiste com a ansiedade(fracasso)

22 RELAÇÕES: ÍNDICES DE NEUROTISMO E PSICOTISMO ( Kusznetzoff, 1982/ Bleger) NEUROSES Projeção Repressão – recalque Deslocamento Regressão parcial Introjeção Isolamento Inibição Formação reativa Sublimação Negação (denegação) PSICOSES Identificação projetiva Divisão (ego) Renegação (forclusão realidade E parte do ego) Regressão total Identifcação introjetival

23 RELAÇÕES: ÍNDICES DE NEUROTISMO E PSICOTISMO ( Kusznetzoff, 1982/ Bleger) Sintomas neuróticos; conflitos neuróticos Ansiedade Transferência neurótica Defesas: fóbicas, histéricas, obsessivas;paranóides Independência Capacidade de insight Identidade preservada Comunicação simbólica Amplitude do ego Ciúmes. Rivalidade sublimação Enfermidade orgânica Transferência psicótica/narcisismo Risco de perder-se Defesas:hipocondríacas;melanc ólicas, perversas, identificações projetivas/introjetivas Carência de insight Comunicação pré verbal Identidade:dispersão; ambiguidade; confusão; onirismo Restrição do ego Inveja

24 RELAÇÕES ENTRE NEUROSE E PSICOSE – TEORIA DAS RELAÇÕES OBJETAIS (Grassano, 1996) NEUROSES NEUROSES Funções de percepção e Discriminação da realidade externa e psíquica Vínculos objetais ncontinientes Juízo de realidade Manejo simbólico Progressiva aquisição de sentido de realidade Repressão: mec. Adaptativo clivagem entre vida consc e inconsc – Permeável – ego se liga a fantasias e recordações PSICOSES PSICOSES Mecanismos violentos de identificação projetiva evacuativa Equação simbólica Pensamento concreto Domínio de mecanismos de id. Projetiva hostil e desorganizativa Ataques ao aparato psíquico (Bion) Ataque a função psíquica capaz de estabelecer ligação com a realidade int. e ext. – para evitar a dor,mas com destruição do aparato psiquico (Klein

25 RELAÇÕES ENTRE NEUROSE E PSICOSE – TEORIA DAS RELAÇÕES OBJETAIS (Grassano, 1996) NEUROSE: aparato psíquico se organizou em função dos mec adaptativos da repressão Fracassos: alterações parciais da resolução da situação depressiva infantil Cada modalidade neurótica: distintos métodos defensivos para evitar essa dor – dissociações e parcializações do objeto Repressão – consc/inconsc – desenvolvimento do pensamento simbólico – relações simbólicas com a realidade Fracassos parciais: zonas de bloqueio e inibição de funções CONFLITO CENTRAL: necessidade de instalar e reparar ao objeto bom em luta com sentimentos ambivalentes que ameaçam essa conquista

26 RELAÇÕES ENTRE NEUROSE E PSICOSE – TEORIA DAS RELAÇÕES OBJETAIS RELAÇÕES ENTRE NEUROSE E PSICOSE – TEORIA DAS RELAÇÕES OBJETAIS (Grassano, 1996) PSICOSE Problema é muito anterior e muito mas grave CONFLITO CENTRAL: necessidade de construir um aparato mental como único meio de sair do fechamento persecutório: qualquer função é temida por despertar consciência de dor e enfermidade - novos ataques hostis Faltam pré condições mínimas para estabelecer contato com a realidade ; desenvolver vínculos e qualquer função de síntese e integração

27 ESQUEMA NOSOLÓGICO EVOLUTIVO DINÂMICO Fonte (Raquel Soifer) Leila Cury Tardivo

28 ESQUEMA NOSOLÓGICO EVOLUTIVO DINÂMICO (Raquel Soifer) NEUROSE Evolução normal do ego em inúmeros aspectos Poucas regressões recuperáveis Escasso número de detenções e inibições no desenvolvimento SITUA ÇÕES CRÍTI CAS Evolução normal do ego num certo número de aspectos Acentuada tendência à regressão, com recuperação lenta Inibição e/ou detenção do desenvolvimento de algumas funções egóicas importantes Alguns elementos de desenvolvimento defeituoso

29 SITUA ÇÕES PSICÓ TICAS Ego submeteu-se aos aspectos irracionais Alguns aspectos do ego em evolução normal Regressões sérias, de difícil recuperação Número regular de funções inibidas ou detidas no seu desenvolvimento - Número regular de elementos de desenvolvimento defeituoso PSI COSES CRÔ NICAS Características iguais às do quadro anterior, porém agravadas por um maior número de detenções do desenvolvimento e de elementos de desenvolvimento defeituoso, com muito poucos ou nenhum evoluído até a idade cronológica Não apresenta melhora nem sequer depois de três anos de tratamento

30 ESQUEMA NOSOLÓGICO EVOLUTIVO DINÂMICO (Raquel Soifer) NEUROSE Ego evolui normalmente na maioria de seus aspectos e funções – de acordo com idade cronológica da criança. Funções essenciais: psicomotricidade, linguagem, noção de limites, capacidade lúdica, afeto, relação objetal.

31 ESQUEMA NOSOLÓGICO EVOLUTIVO DINÂMICO (Raquel Soifer) NEUROSE Neurose: quadro como patológico quando apresentar uma tendência acentuada para a regressão (e detenções e inibições do desenvolvimento) trazendo sofrimento à criança. Conceito de neurose: transtornos de conduta e de aprendizagem leves. Afecções psicossomáticas que não comprometem histologicamente o órgão afetado permanentemente.

32 NEUROSE OBSESSIVA NA INFÂNCIA INTRODUÇÃO – NEUROSE NA INFÂNCIA INTRODUÇÃO – NEUROSE NA INFÂNCIA Posição não bem definida Posição não bem definida Fases (ponto de vista histórico) Fases (ponto de vista histórico) desconhecimento da neurose infantil desconhecimento da neurose infantil Freud se interessa – neurose infantil e do adulto (importância) Freud se interessa – neurose infantil e do adulto (importância) demasiada importância dada à noção de neurose demasiada importância dada à noção de neurose diminuição da importância da noção de neurose diminuição da importância da noção de neurose

33 AMBIGUIDADE DO CONCEITO DE NEUROSE INFANTIL S Freud: episódios regulares do desenvolvimento M Klein: forma de elaborar as angústias psicóticas precoces ; é a própria expressão da elaboração dessas angústias Anna Freud: perturbação mental não é classificada como neurose até que o conflito patogênico tenha sido interiorizado realmente Winnicott: o termo psiconeurose para latente ou criança mais velha implica que tenha alcançado um certo grau de desenvolvimento

34 CONCEITO DE NEUROSE INFANTIL Melanie Klein: uma criança é neurótica quando sua angústia, sua ambivalência e os obstáculos que ela opõe à sua adaptação à realidade ultrapassam um certo limite ou quando as dificuldades que enfrenta e que cria ao seu redor são muito grandes. A denominação de neurose infantil pode ter um duplo sentido na linguagem psicanalítica: estado mórbido distúrbio funcional ou distúrbio reacional. (V. Smirnoff)

35 CONCEITO DE NEUROSE INFANTIL Etiopatogenia: Os elementos hereditários e constitucionais foram reconhecidos por Freud. Outros autores (A Freud. Klein ) - papel importante aos fatores constitucionais (sem tê-los estudado a fundo) Importância da influência do meio ambiente.- concordância de todos

36 Questão fundamental: Em que medida as tendências inatas de normalidade podem ser desviadas pela influência do meio?

37 NEUROSE Winnicott: ao lado da hereditariedade, também o meio ambiente desempenha um papel fundamental na formação das neuroses. Melanie Klein: valoriza não é tanto a adaptação do indivíduo à realidade exterior - mas as potencialidades de que dispõe para resolver seus conflitos. Neurose pode ser considerada: um simples sintoma um complexo de sintomas uma fase de desenvolvimento como um processo.

38 Evolução da neurose infantil Não é o sintoma que faz a neurose, mas o tipo particular de organização da personalidade. Pode ter: um valor de comunicação (D. W. Winnicott); Podem ser defesas contra angústias depressivas e paranóicas. (Klein)

39 O diagnóstico e o prognóstico dependem: do período evolutivo da criança de suas capacidades das possibilidades que lhe são oferecidas das condições dos pais.

40 Valor de um sintoma neurótico considerado em relação À biografia da criança Sentido na organização da personalidade De acordo com a labilidade e rigidez Capacidade para supera-lo (sintoma)

41 NEUROSE OBSESSIVA NA INFÂNCIA

42 Obsessão - perseguição Obsessão - perseguição compulsão - constrangimento compulsão - constrangimento EGO - limitado na livre utilização da expressão de seu pensamento e de sua representação ou de seus atos. EGO - limitado na livre utilização da expressão de seu pensamento e de sua representação ou de seus atos.

43 NEUROSE OBSESSIVA NA INFÂNCIA SINTOMATOLOGIA COMPLEXA RITUALIZAÇÃO: pode ser formativa (normal e necessária – primeira infância)) e a ausência pode ser uma anomalia evolutiva. PERÍODO DA LATÊNCIA: Criança – volta a apresentar rituais dos períodos anteriores. Pode haver traços de personalidades obsessivas: hipercontrole; meticulosidade nas ações; perfeccionismo; falta de liberação na expressão verbal. A atuação gestual: (ação) - tiques.

44 NEUROSE OBSESSIVA NA PUBERDADE OU ADOLESCÊNCIA Neurose obsessiva apresenta as características do adulto. Há obsessões Ideativas: loucura da dúvida. Fóbicas : fobia a objetos, a lugares. Impulsivas – por exemplo Giles de la Tourette, ou doença dos tiques. Características da obsessão: pressão, luta, angústia e a consciência da própria morbidez.

45 Sintomatologia obsessiva pode: Fazer parte do quadro de outras organizações sindrômicas Preceder uma desorganização psicótica Converter-se num mecanismo defensivo contra uma psicose. Origem: Constitucionalistas valorizam o fator hereditário

46 Patologia psicodinâmica: Primeira infância: Ritos normais, podem ser encontradas formas graves, sintomáticas de estruturas pré-neuróticas ou pré-psicóticas. Manifestações do tipo obsessivo do período edipianos são excepcionais. Ritos: constituição do Ego Ritos: estruturantes e defensivos (passageiros), não limitam a atividade normal da criança.

47 Patologia psicodinâmica Período da de latência: Ego infantil todo obsessivo. Tiques, distúrbios de conduta, manifestações de aspecto fóbico: quadro de uma evolução neurótica, de provável tipo obsessivo. No adolescente: Traços obsessivos: transitórios ( cedem rapidamente) Pais e educadores: atitude de compreensão. Núcleo obsessivo: regressão das estruturas da libido, com pontos de fixação pré-genital e emergência de impulsões, desejos e fantasias sexuais agressivos, mais: angústia e culpa - reações e defesa do Ego (influência do Superego)

48 Etiopatogenia SOIFER - Ponto de fixação: Freud e Abraham: etapa anal-sádica. M. Klein: posição esquiizoparanóide, ambivalência oral-sádica. M. Klein: sadismo constitucional. Fenichel: conflito do aprendizado esfincteriano (compromisso entre submeter- se e obedecer) Origem na etapa oral-sádica organização no aprendizado esfincteriano.

49 PRINICIPAIS MECANISMOS OBSESSIVOS – Deslocamento: representação conflitiva é transferida para uma imagem de pouca importância ( afeto ligado a uma idéia menos angustiante). Anulação: substituição de um pensamento por outro, suprimindo vivência desagradável (um ato positivo é seguido por um negativo, como abrir, fechar). Tem um sentido expiatório. Isolamento: desliga a idéia de sua carga emocional; surge do tabu do contato (separando-se para não tocar, por amor ou por ódio).Afasta o impulso masturbatório. Isola as coisas limpas das sujas. Separa a mente do corpo ( rigidez).

50 SINTOMAS OBSESSIVOS Cavilação (ruminação): fuga para a intelectualidade, para ewvitar o censurável.Apóia-se no recalque e na variação de temas.Instala-se na puberdade. Obstinação: Decisão de manter a própria posição.É determinada pela inveja, unida ao sadismo, à onipotência e à onisciência.É uma defesa contra o medo e a angústia de separação e de castração.

51 SINTOMAS OBSESSIVOS Teimosia: É conseguir o que se quer, de maneira indireta, graças ao engodo. Denota a luta contra o ego e o superego. (Fenichel). Teimosia ao sadismo do superego precoce. (Klein). Angústia de separação ou de castração. (Soifer) Idéias obsessivas: A representação temida é deslocada para elementos de pouca importância. Temor a uma situação edípica. Sua conseqüência é o empobrecimento do ego e das possibilidades intelectuais. Surgem aos dois anos e meio, instalando-se a partir dos 3; dos 4 anos em diante, referem-se à morte, a ladrões, etc.

52 SINTOMAS OBSESSIVOS Dúvidas obsessivas: Conseqüência das idéias obsessivas ( anulação). Objetivo é criar incerteza e afastar o sujeito da realidade externa. Representam a dúvida sobre a capacidade de amar (devido ao ódio). Começam na puberdade ou adolescência. Obsessões: São idéias obsessivas cenrtradas num tema. Ego é obrigado a pensar em uma determinada direção.Substituem as pusões incestuosas ou homossexuuais; procuram recalcar o sadismo ligado à sexualidade, expressando angústias masturbatórias..

53 SINTOMAS OBSESSIVOS Atos obsessivos, rituais e cerimoniais – Concatenação de ações em uma determinada ordem e repetidas sem variações. Determinados por uma fantasia inconsciente, (próximos à masturbação infantil) regidos pelos diversos mecanismos obsessivos. Surgem a partir de um ano e meio, variando conforme a idade. Lavagem compulsiva das mãos: Veicula angústias devidas à masturbação, é uma barreira contra as idéias sujas. Sonambulismo: cerimonial com atos obsessivos, as ações tendendo a afastar as imagens e vivências oníricas perigosas (angústia de castração). (Soifer)

54 SINTOMAS OBSESSIVOS Neurose obsessiva – Melanie Klein pode se apresentar a partir dos 2 anos de idade; assume a forma do adulto, somente no período da latência. Semiologia: balanceio, batidas rítmicas com a cabeça, sucção do polegar, masturbação compulsiva; rituais e tirania para com os familiares.

55 PERSONALIDADE OBSESSIVA Pessoas cuidadosas, idéias obsessivas, inibição psicomotora; são crianças quietas, que imitam adultos, perfeccionistas. Psicopatologia: Sadismo inconsciente, fortes formações reativas, ambivalência, culpa, traços anais, pulsões incestuosas e homossexuais, teimosia.

56 PRINICIPAIS MECANISMOS OBSESSIVOS – Onipotência das idéias: deslocamentos das idéias de onipotência atribuídas às fezes, tornam-se mágicas, todo- poderosas. É uma das causas da dificuldade escolar. Onisciência: acredita saber tudo e mais que todos.É conseqüência da onipogência das idéias


Carregar ppt "DIAGNÓSTICO ESTRUTURAL DA PERSONALIDADE DIAGNÓSTICO ESTRUTURAL DA PERSONALIDADE O CONCEITO DE ESTRUTURA Leila Cury Tardivo."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google