A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Matriz energética brasileira : Desafios para o atendimento sustentado Instituto de Engenharia – Departamento de Engenharia Elétrica IEEE Sul Brasil Miracyr.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Matriz energética brasileira : Desafios para o atendimento sustentado Instituto de Engenharia – Departamento de Engenharia Elétrica IEEE Sul Brasil Miracyr."— Transcrição da apresentação:

1 Matriz energética brasileira : Desafios para o atendimento sustentado Instituto de Engenharia – Departamento de Engenharia Elétrica IEEE Sul Brasil Miracyr Marcato

2 Energia – Crescimento - Meio Ambiente SEGURANÇA DE ABASTECIMENTO MEIO AMBIENTE CUSTO MATRIZ ENERGÉTICA CRESCIMENTO SUSTENTADO

3 Matriz Energética mundial

4 Brasil-Matriz energética 2008 OIE – Oferta Interna (EPE)

5

6 Brasil-Matriz energética 2008 Consumo por setor (EPE)

7 Energia – Crescimento - Meio Ambiente Desafio: Conciliar desenvolvimento econômico e erradicação da miséria com preservação do meio ambiente é o grande desafio de muitos países : Inclusive do Brasil. Administração de duas Agendas: Externa e Interna

8 Energia – Crescimento - Meio Ambiente Agenda Externa Crescimento do comércio x PIB O protocolo de Kyoto - A Rodada de Doha – Ônus e bônus Os blocos econômicos – Subsídios e protecionismo (etanol,carne) Competitividade

9 Energia – Crescimento - Meio Ambiente Energia – Crescimento - Meio Ambiente Agenda Externa Em o comércio internacional cresceu em média 8% > > o PIB mundial teve um acréscimo de 3,5% (OMC) Confirma-se a correlação verificada desde 2000 >> o comércio mundial cresceu a uma taxa equivalente ao dobro do aumento do PIB (e vice-versa).

10 Energia – Crescimento - Meio Ambiente Agenda Externa O comércio internacional é portanto, uma das alavancas que promovem o crescimento das economias dos países. O Brasil continua participando com apenas 1,2% do comércio mundial com maior presença no setor agropecuário (4,2%) que representa apenas 7,8% do comércio mundial.

11 Energia – Crescimento - Meio Ambiente

12 Desafios da Agenda Interna Urbanização crescente (+ 80%) Educação, saneamento, segurança Infraestrutura e transportes Amazônia, madeira, queimadas e agronegócio PIB x Energia X GEE (Gases do efeito estufa)

13 Energia – Crescimento - Meio Ambiente Agenda interna Aumento da produtividade com maior incorporação de inovações tecnológicas, maior investimento em pesquisa aplicada e em MDL (desenvolvimento limpo) Preservação da estabilidade cambial, controle da inflação e redução dos juros da economia

14 Energia – Crescimento - Meio Ambiente Agenda interna Redução dos custos sistêmicos com a diminuição da carga fiscal e a oferta adequada e tempestiva de energia, transportes e infra-estrutura com preços decrescentes e qualidade crescente

15 Energia – Crescimento - Meio Ambiente Energia – Crescimento - Meio Ambiente Correlação direta entre PIB e Energia Para sustentar seu crescimento o país deve utilizar mais e melhor as suas reservas energéticas garantindo segurança de abastecimento e preços razoáveis sem dano ao meio ambiente.

16 Evolução dos índices de Oferta interna de Energia (OIE) e PIB no Brasil (MME)

17 Comparação dos índices mundiais de emissões e de intensidade energética/PIB

18 Energia – Crescimento - Meio Ambiente O Brasil possui uma das matrizes energéticas mais limpas do mundo 45% de sua energia primária provém de fontes renováveis contra 13,6% de média mundial e apenas 6% nos países desenvolvidos

19 O peso da energia renovável no Brasil (EPE)

20 Comparação dos índices mundiais de emissões e de intensidade energética/PIB

21 Emissões globais 2005 (EIA-DOE)

22 Participação nas emissões de 2005 (EIA-DOE)

23 Emissões países + Brasil (EIA-DOE)

24 Evolução das emissões por regiões (EIA-DOE)

25 Evolução das emissões – 10 países (EIA-DOE)

26 Emissões de gases do efeito estufa (GEE) nos EUA em 2006 (EIA-DOE)

27 Fontes e Agentes dos GEE nos EUA (EIA-DOE)

28 EUA – Evolução dos índices de intensidade energética e de emissões (EIA-DOE)

29 Previsão das emissões por regiões (EIA-DOE)

30 A energia da Amazônia

31 Energia – Crescimento - Meio Ambiente Amazônia: implementar plano de desenvolvimento sustentado e uma estrutura de preservação, controle e exploração de suas reservas minerais, vegetais e biológicas efetiva aplicação das leis vigentes, com o uso dos recursos técnicos disponíveis ou inovadores e aplicação das experiências já realizadas com sucesso

32 Política energética no Brasil Mesmo com a descoberta de novas reservas de petróleo o país deveria seguir com uma política energética com ênfase no MDL (hidroeletricidade, teto e taxação dos emissores, uso dos biocombustíveis), na eficiência energética (cogeração na indústria e melhores rendimentos dos motores automotivos), incentivo ao transporte coletivo e a outros modais de transporte: ferrovias e hidrovias.

33 Política energética no Brasil Manter e ampliar a presença na matriz energética das fontes primárias renováveis, com ênfase na biomassa e na utilização integral dos recursos hídricos, preservando a capacidade de armazenamento e a regulação plurianual dos reservatórios hidrelétricos Complementação da oferta interna de energia com fontes não renováveis (óleo, gás natural, carvão, energia nuclear) exploradas com racionalidade econômica

34 Política energética no Brasil Assegurar os recursos necessários para que as empresas, agências e órgãos da administração direta do Estado efetuem o inventário e ofereçam à licitação, tempestivamente, os projetos licenciados de que o país necessita

35 Política energética no Brasil Concentrar a atividade direta do Estado na medida de sua capacidade de gerar recursos próprios nas atividades que constituem monopólio da União (nuclear) e na implementação das parcerias público-privadas

36 Política energética no Brasil Garantir segurança jurídica aos contratos Fortalecimento de Agências Reguladoras autônomas e capacitadas Por em prática o marco regulatório do gás natural revisão dos encargos setoriais, incentivos e impostos que gravam os preços da energia

37 Política energética no Brasil Na área ambiental, eliminar a arbitragem ideológica, a burocratização e a desnacionalização decisória monitorando a expansão do setor com vistas ao respeito à lei e ao uso eficiente das reservas energéticas do país Desvincular a proteção da Amazônia que é mandatória por motivos técnicos, econômicos e legais das discussões sobre o aquecimento global causado pelos GEE (gases do efeito estufa) emitidos pela queima dos combustíveis fósseis.

38 Evolução da Matriz MMTep

39 Matriz Energética - Resumo

40 Matriz Energética

41 Brasil – Custo da energia R$/MMBtu GN industrial = 1000m³/mês+18% ICMS32,00 GN residencial SP38,00 Eletricidade industrial Sudeste + 42% imp.40,00 Eletricidade residencial SP+ 42% imp.48,00 Gasolina37,00 Diesel28,00 Álcool Sudeste28,00 GLP - botijão 13 kg56,00

42 Custo de geração da Energia Elétrica Ger.Hidráulica 3734 Geração a GN 81 Importação Carvão 70 Urânio 80 Biomassa/Altern Ger.Óleo Comb Ger.Diesel Ger.Outr.energét icos Custo médio US$/MWh Custo médio RS$/MWh

43 Composição do preço da energia elétrica residencial em 2009 R$ 385,00/MWh

44 População mundial em milhões de Habitantes (EIA-DOE)

45 PIB mundial pela paridade do poder de compra US$ bilhões de 2002 (EIA-DOE)

46 Consumo mundial de energia primária (EIA-DOE) Quatrilhões de BTU

47 Emissões de CO²e por grupos de países (EIA-DOE)

48 PIB mundial pelas taxas de mercado US$ bilhões de 2002 (EIA-DOE)


Carregar ppt "Matriz energética brasileira : Desafios para o atendimento sustentado Instituto de Engenharia – Departamento de Engenharia Elétrica IEEE Sul Brasil Miracyr."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google