A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

PERSPECTIVAS POLÍTICAS PARA O COOPERATIVISMO SOLIDÁRIO VITAL FILHO Diretor Geral DECOOP/SDT/MDA.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "PERSPECTIVAS POLÍTICAS PARA O COOPERATIVISMO SOLIDÁRIO VITAL FILHO Diretor Geral DECOOP/SDT/MDA."— Transcrição da apresentação:

1 PERSPECTIVAS POLÍTICAS PARA O COOPERATIVISMO SOLIDÁRIO VITAL FILHO Diretor Geral DECOOP/SDT/MDA

2 DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL E COOPERATIVISMO SOLIDÁRIO O Brasil que queremos busca no cooperativismo Solidário a inclusão sócio- econômica das pessoas, superando as práticas de políticas meramente compensatórias, pois articula as diversas políticas de desenvolvimento territorial e fomenta a prática do controle social como mecanismo de sustentabilidade dos projetos políticos emancipatórios. (Contribuições do Movimento Cooperativista aos documentos da I Conferência Nacional de Desenvolvimento Rural Sustentável e Solidário – I CNDRSS)

3 Elementos conjunturais para o Cooperativismo Solidário no Brasil

4 Crise do modelo econômico do capitalismo no mundo. Agricultura Familiar ganhando atenção do governo sobre sua contribuição no PIB brasileiro. Movimento de ressignificação do Rural, culminando com uma I CNDRSS, cujos resultados desembocam na construção de uma proposta de Política de Desenvolvimento do Brasil Rural. Expansão de novos paradigmas de Desenvolvimento: abordagem territorial sendo colocada no centro do Governo a partir do Programa Territórios da Cidadania. O Brasil apostando em práticas diferenciadas de organização produtiva, onde a Economia Solidária e o Cooperativismo passam a ganhar mais espaço e expressividade em Políticas Públicas para o Desenvolvimento. Existência de uma lei criando no Brasil um Sistema Nacional de Comércio Justo e Solidário. Debate sobre uma nova Lei Geral do Cooperativismo.

5 Como a UNICAFES se preparar para as oportunidades desse novo cenário

6 1. Marco Legal Participando no debate sobre a Lei Geral do Cooperativismo.Participando no debate sobre a Lei Geral do Cooperativismo. Dialogando com os diversos movimentos sobre o marco regulatório brasileiro.Dialogando com os diversos movimentos sobre o marco regulatório brasileiro. Influenciando a implementação de marcos regulatórios estaduais para o Cooperativismo Solidário.Influenciando a implementação de marcos regulatórios estaduais para o Cooperativismo Solidário.

7 2. Fortalecimento dos diversos ramos: 2.1. Cooperativismo de Produção/ Comercialização Apoio na estruturação das cooperativas filiadas;Apoio na estruturação das cooperativas filiadas; Estudos e consultorias (Estudo de Viabilidade, Planos de Negócio para cooperativas e empreendimentos);Estudos e consultorias (Estudo de Viabilidade, Planos de Negócio para cooperativas e empreendimentos); Formação de Dirigentes e associados;Formação de Dirigentes e associados; Assessoramento para acesso a mercados (via BSCs, com foco no PAA, PNAE e outros mercados institucionais);Assessoramento para acesso a mercados (via BSCs, com foco no PAA, PNAE e outros mercados institucionais); Ampliação ou fortalecimento das infraestruturas cooperativasAmpliação ou fortalecimento das infraestruturas cooperativas - beneficiamento da produção; - espaços de comercialização (feiras, centrais, entrepostos…); Apoio a articulações em redes (estaduais, regionais)Apoio a articulações em redes (estaduais, regionais)

8 2.2. Cooperativismo de Crédito Fortalecimento dos Sistemas via ANCOSOL E CONFESOL (formação, encontros, bases de serviços, estudos/consultorias);Fortalecimento dos Sistemas via ANCOSOL E CONFESOL (formação, encontros, bases de serviços, estudos/consultorias); Ampliação do cooperativismo de crédito nas regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste;Ampliação do cooperativismo de crédito nas regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste; Implementação de sistemas territoriais de finanças solidárias;Implementação de sistemas territoriais de finanças solidárias; Estabelecimento e fortalecimento de parcerias estratégicas (BACEN, BNDES, BNB, MDA…);Estabelecimento e fortalecimento de parcerias estratégicas (BACEN, BNDES, BNB, MDA…); Criação do BANSOL – Banco do Cooperativismo Solidário.Criação do BANSOL – Banco do Cooperativismo Solidário.

9 2.3. Cooperativismo de Serviços Técnicos Organização de Sistemas Territoriais de Assessoramento Técnico;Organização de Sistemas Territoriais de Assessoramento Técnico; Atuação das cooperativas como Bases de Serviço de apoio a comercialização, crédito, ATER e cooperativismo;Atuação das cooperativas como Bases de Serviço de apoio a comercialização, crédito, ATER e cooperativismo; Diálogos com os Colegiados Territoriais para atuar na concepção, implementação e acompanhamento a Projetos Territoriais.Diálogos com os Colegiados Territoriais para atuar na concepção, implementação e acompanhamento a Projetos Territoriais.

10 3. Articulação Nacional de Cadeias Produtivas Realização de Planos Territoriais de Cadeias Produtivas;Realização de Planos Territoriais de Cadeias Produtivas; Desenvolvimento de estudos e consultorias especializadas;Desenvolvimento de estudos e consultorias especializadas; Organização de cadeias em redes regionais, nacionais.Organização de cadeias em redes regionais, nacionais. 4. Organização das Cooperativas em Redes Promoção de encontros (estaduais, regionais, nacionais e internacionais);Promoção de encontros (estaduais, regionais, nacionais e internacionais); Criação de Bases de Serviço animadoras das redes (estaduais, nacionais).Criação de Bases de Serviço animadoras das redes (estaduais, nacionais).

11 5. Implementação de ações voltadas a construção de um Brasil sem Miséria Participação nos processos de localização dos extremamente pobres;Participação nos processos de localização dos extremamente pobres; Elaboração e implementação de projetos voltados a esse público;Elaboração e implementação de projetos voltados a esse público; Desenvolvimento de ações de todos os ramos para inclusão produtiva desse público (com novos projetos e/ou reorientação de projetos existentes)Desenvolvimento de ações de todos os ramos para inclusão produtiva desse público (com novos projetos e/ou reorientação de projetos existentes)


Carregar ppt "PERSPECTIVAS POLÍTICAS PARA O COOPERATIVISMO SOLIDÁRIO VITAL FILHO Diretor Geral DECOOP/SDT/MDA."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google