A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Fluxo de sedimentos nos rios da Amazônia Naziano FILIZOLA Brasília, 27 de Julho de 2004.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Fluxo de sedimentos nos rios da Amazônia Naziano FILIZOLA Brasília, 27 de Julho de 2004."— Transcrição da apresentação:

1 Fluxo de sedimentos nos rios da Amazônia Naziano FILIZOLA Brasília, 27 de Julho de 2004

2 Dados utilizados 3 fontes distintas de dados:3 fontes distintas de dados: - As redes hidrológicas nacionais (> 9000 amostras, 4 x aa desde os anos 70) - A rede de estações de referência do HIBAM ( - A rede de estações de referência do HIBAM ( 1000 amostras desde 1995) - Campanhas de campo HIBAM ( - Campanhas de campo HIBAM (8 campanhas com 700 amostras em 84 seções de 1995 a 1998) Rio Negro em Cucui

3 2 leituras diárias de nível dágua Medições de descarga (líquida e sólida em 60 estações)

4 Relevo Source: MNT - USGS web site

5 Métodos de medição e amostragem Descarga (Q) MES

6 Hidrologia

7 Débit solide vs. Débit, Rio Beni à Rurrenabaque, Bolivie (Bourrel et al., sous presse) Débit solide vs. Débit, Rio Amazonas à Óbidos, Brésil (Guyot et al., sous presse) Relação QS vs. Q nem sempre unívoca Cálculo de fluxo de MES (QS) Relação QS vs. Q

8 Três métodos diferentes foram utilizados Filizola et Guyot, (sous presse) (Obs) Cálculo do fluxo de MES

9 Balanço Montante - Jusante QSa + QSb QSn + ε = QSx a, b,... n correspondem às estações de montante da bacia estudada, Os valores são adicionados para serem comparados ao valor da estação final da bacia x, ou estação de controle. « ε » corresponde à variação de montante para jusante do fluxo de MES : –« ε » positivo = produção de sedimentos (erosão) sob a bacia residual compreendida entre as estações a+b+…+n, e a estação x. –« ε » negativo = perda de material entre os pontos considerados, no interior da bacia, associado a um processo de sedimentação.

10 Balanço do fluxo de MES na bacia Amazônica Sedimentação na planície central 3 à 6 mm.ano -1 0 à 100 t.km -2.ano à 100 t.km -2.ano -1 > 1000 t.km -2.ano -1

11 Estações de referência HIBAM Óbidos Fazenda Vista Alegre Manacapuru Porto Velho Tabatinga Serrinha Caracaraí Itaituba Altamira Amostragem superficial a cada 10 dias

12 Variabilidade temporal da relação MES = f(Q) Rio Madeira - Porto Velho Rio Amazonas - Óbidos

13 Campanhas do projeto HIBAM entre 1995 e 1998

14 Métodos de amostragem de água + MES e descarga líquida utilizando o sinal de retrodifusão do ADCP ou MES=f(dB)

15 A partir de 3 fontes distintas de dados : Os resultados das três estimativas são da mesma ordem de grandeza dos valores anteriormente publicados, porém bem inferiores aos informados pelo projeto CAMREX Os resultados das três estimativas são da mesma ordem de grandeza dos valores anteriormente publicados, porém bem inferiores aos informados pelo projeto CAMREX O aporte de MES do Amazonas ao Oceano Atlântico (em Óbidos!) variou de 600 a t.ano -1 O aporte de MES do Amazonas ao Oceano Atlântico (em Óbidos!) variou de 600 a t.ano -1 Um fenômeno de estocagem de grande amplitude foi detectado na Amazônia Central: t.ano -1 Um fenômeno de estocagem de grande amplitude foi detectado na Amazônia Central: t.ano -1 Fluxo MES (10 6 t.ano -1 ) Redes Nacionais Campanhas HYBAM Estações Referência* Rio Solimões Rio Negro7812 Rio Madeira Rio Amazonas à Óbidos Solimões + Negro + Madeira (Calc.) Diferença (obs. – calc.)

16

17 O B R I G A D O ! O B R I G A D O ! Nascer do sol no Rio Amazonas em Almeirim-PA


Carregar ppt "Fluxo de sedimentos nos rios da Amazônia Naziano FILIZOLA Brasília, 27 de Julho de 2004."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google