A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Avaliação da diversidade microbiana Amostragem, processamento e técnicas.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Avaliação da diversidade microbiana Amostragem, processamento e técnicas."— Transcrição da apresentação:

1 Avaliação da diversidade microbiana Amostragem, processamento e técnicas

2 Dificuldades na avaliação: Falta de recursos humanos capacitados Falta de financiamento Amplitude da diversidade Erosão da diversidade Falta de metodologias Porquê avaliar? Assegurar que microrganismos desempenhem processos necessários a produtividade e sustentabilidade. Assegurar que pelo menos alguns microrganismos sejam tolerantes a estresses.

3 Amostragem Processamento Detecção e avaliação – técnicas: i. Fenotípicas ii. Moleculares iii. Imunológicas

4 Etapa crítica São usados equipamentos especializados Devem ser considerados os seguintes fatores: Representatividade Não alterar os números e as atividades Evitar a introdução de contaminantes Estocar em condições adequadas

5 Uso de amostras compostas para minimização do erro Determinação do numero de amostras mínimo Estatística determinará os limites de confiança Problema da representatividade

6 Estratégias de amostragem Acesso - direto Número de microrganismos - Baixo Equipamentos Processamento - Concentração em filtros Ar é um meio restritivo para os microrganismos (1) (1) Apesar de restritivo transmite inúmeros agentes patogênicos Amostragem no

7 Microbiota do Ar Morte dos microrganismos no ar X t = X 0 - k.t K- coeficiente de inativação Depende do tipo de microrganismo e das condições ambientais Fatores: Umidade relativa Temperatura Radiação (pigmentação, reparo do DNA) Radicais de O 2 Íons, dentre outros

8 Os microrganismos alcançam o ar através dos aerossóis Depende do tipo de microrganismo, partículas e fase gasosa

9 Amostragem do ar 1.Simulação respiratória (tamanho partícula 0,8 – 15 μm; fluxo de ar e velocidade) 2. Colisão - Captura em liquido. Ex: AG Impacto - deposição em superfícies sólidas. Ex: coletor de Anderson 4. Centrifugação 5. Filtração 6. Deposição - Coleta passiva

10 Coletor de Anderson AG-30

11 Equipamentos para amostragem do ar: Amostragem passiva Apenas microrganismos que caem nas placas Amostragem ativa Recuperação forçada usando um volume determinado

12 Método usado nas estações espaciais Dados NASA

13 Importância Aeromicrobiologia extramural: Dispersão de patógenos e toxinas (botulínica, estafilocócica, LPS) Fitopatógenos (ferrugem) Doenças pulmonares e gastro-intestinais de animais Despejo de resíduos (sólidos e líquidos) Guerra biológica Aeromicrobiologia intramural: Edificios (doenças dos Legionários-Legionella pneumophila, bactéria aquática disseminada pelos aparelhos de ar condicionado e água potável) Viagens de avião Saúde pública - gripes

14 Acesso - Direto ou remoto Números - elevados ou baixos Equipamentos - Recipientes, filtros Processamento - diluição ou concentração Amostragem na Depende nível de matéria orgânica

15 Equipamentos ROV (Veículo operado de forma remota) usados nas águas hidrotermais Yellowstone Park Águas termais (difíceis de amostrar convencionalmente) Mensageiro controlado remotamente abre o recipiente para não ocorrer contaminação com microrganismos de outras profundidades

16 Acesso - Remoto Número de microrganismos - elevado Equipamentos - observatórios, sondas Processamento - diluição Amostragem em

17 Profundezas oceânicas mostrando as conexões entre a crosta e os sedimentos. Ocorrem trocas entre os sedimentos e a crosta. Um método efetivo de acesso ao sedimento enterrado é através de observatórios.

18 Microbiota dos sedimentos Cowen, 2004 Observatórios penetrando 300 m nos sedimentos e crostas

19 Baixa abundância (biomassa) porém microrganismos sempre presentes Uso de sondas fluorescentes específicas para rRNA de Archaea e Bacteria e C radioativo para detectar atividade na crosta basáltica oceânica. Fisk et al., 1998 Ventarolas marinhas

20 Sedimentos: Elevada diversidade de Bacteria e Archaea 180 reações metabólicas envolvendo N,S e C inorgânico, metais e minerais assim como compostos orgânicos Diversos micro-nichos existentes

21 Acesso - direto Números de microrganismos - elevado ou baixo Equipamentos - trados, pás Processamento - diluição Amostragem no

22 SOLO Uma simples pá de solo de jardim contem mais espécies de organismos do que pode ser encontrado em toda a floresta amazônica.

23 Problemas solo Distribuição dos microrganismos em agrupamentos Bactérias existem em hot-spots 1-5 g solo Elevada variabilidade entre amostras Estatística

24 SOLO Solo propriamente dito Elevada população devido a riqueza nutricional da rizosfera. BIOMASSA /g Características: 1. Microcolônias (interação ativa dentro das populações) 2. Estímulo ao crescimento (populações com elevadas velocidades crescimento) 3. Modificações ambientais 4. Troca genética Elevada diversidade governada pela Lei do Mínimo de Liebig. Subsolo BIOMASSA /g Distribuição não homogênea

25 Alguns números sobre a estrutura do solo

26 Microrganismos no solo Em cada grama solo tipicamente franco 2,8 X 10 5 m 2 - dimensões continentais para microrganismos > 1X células viáveis > 4 X10 3 espécies << 0,1% são cultivadas in vitro Maioria dos grupos são conhecidos apenas por informações de sequenciamento de DNA Apenas 1 ou 2 membros cultivados pertencem a ordens conhecidas Maioria diversidade é desconhecida!

27 Números no solo Números de microrganismos no solo : Bactérias: 10 6 a 10 9 g -1 solo Gram - bacilos 17-29% Gram + bacilos 2-7% Actinomicetos: 11-32% Arthrobacter, etc., 31-46% Algas: 10 1 x 10 6 g -1 Fungos: 10 4 a 10 6 g -1 Protozoários : 10 4 a 10 5 g -1 Bacteriófagos: ? % Culturabilidade por grupo: 0.8 a 7 %

28 Macrofauna e flora são relativamente fáceis de identificar e expressar usando riqueza especifica e outros índices. Mas no solo as estimativas da diversidade da microbiota : Envolvem dificuldades: heterogeneidade, grupos dificeis de cultivar em meio de cultura Estratégias Fame CHO utilização Técnicas moleculares usando PCR Sorologia Solo

29 Populações /g Importantes patogênicos para homem Amostragem no

30 Cerca de 40 % água consumida pelo homem provem do fontes subterrâneas Existem gradientes nestas regiões: Forçado - quando água é movimentada em elevadas quantidades produzindo a movimentação dos microrganismos Passivo - natural sem influência artificial Inúmeros trabalhos mostram a dificuldade de remediação de contaminantes nas águas subterrâneas. Processo dispendioso. 1 litro de petróleo pode contaminar m 3 de água Vírus, bactérias e protozoários tem diferentes dimensões, metabolismos, mecanismos de sobrevivência e mecanismos de transporte diferenciados. Estudo da diversidade da microbiota da sub-superficie é muito complexa. Doenças causadas aumentou 40 % nos últimos 10 anos

31 Movimentação da microbiota na sub-superfície

32 Microbiota da subsolo Pesquisada na última década (dificuldades de amostragem) Inúmeros aeróbios oligotróficos: /g Análise comunidades: Archaea e Bacteria (muitas BRS) Como vivem? Quimioautotróficos e Quimiolitotróficos Metanogênicas (CO 2 ) CH 4 Acetogênicas (HCO 3 - ) acetato Bactérias redutoras de sulfatos (BRS) (SO 4 -2 ) sulfídrico H 2 é gerado pelo FeO+H 2 O H 2 +FeO 2

33 Sedimentos profundos 1. Número de bactérias cultiváveis em sedimentos foi cerca de 3 ou 5 ordens de magnitude (1000 a x) MENOR do que em solos superficiais. 2. Camadas areia-água apresentaram contagens e atividade mais elevadas, do que as camadas argilosas perto da superfície. 3. Profundidade não é necessariamente limitante ao crescimento e atividade. 4. Estudo enumerou coliformes, redutores de sulfato e metanogênicas: - Atividade anaeróbia medida pelo desaparecimento de lactato, formato e acetato e produção de metano e H 2 S. Sedimentos não incluem apenas anaeróbios, sendo inclusive de 100 a vezes menos do que os aeróbios. - Número de coliformes baixou drasticamente com a profundidade, mas estão presentes nos fluidos dos poços.

34 Microbiota da subsolo A 3,4 Km abaixo da superfície Possibilidades: 1. Foram incorporados nos sedimentos durante a formação das rochas há milhões de anos e sobrevivem em condições nutricionais de dieta mínima. 2. Infiltraram as águas subterrâneas a partir de águas de superfície (maioria das bactérias que ocorrem em rochas como basalto e granito) 3. Crescem lentamente a partir de fontes de energia inorgânicas fornecendo carbono orgânico para outros microrganismos na matriz rochosa (SLiME - Subsurface Lithautotrophic Microbial Ecosystems).

35 A microrganismos /g de rocha (10 -9 /g de solo superficial rizosférico ) B. Densidade das comunidades é desconhecida : - Metabolismo microbiano é lento (dificuldade distinguir viável de inviável) - Células inviáveis são fonte nutricional para células viáveis (baixo movimento de água e nutrientes) - Difícil reproduzir as condições das profundezas em laboratório - Recentemente 9000 estirpes do subsolo foram catalogadas. - Peso dos microrganismos subterrâneos pode ser equivalente aos da superfície. Subsolo

36 Interação microrganismos - macrorganismos Plantas - seiva, filosfera Animais - sangue, dentes Não destrutivas Amostras

37 Processamento Objetivo: recuperação ótima Concentração - centrifugação e passagem por filtros Diluição - Diluições seriadas Problemas: Porosidade dos filtros Composição quimica Problemas: Composição do diluente Tempo de mistura Grau de agitação Microrganismos encontram-se em números inapropriados (elevados ou baixos) e em comunidades (diversas espécies) Enriquecimento

38 Seleção natural aplicada in vitro Para microrganismos que metabolizam uma determinada substância ou que ocorrem em baixas populações na amostra. Desenvolvidas por Beijerinck Cultura de enriquecimento consiste na promoção de condições favoráveis especí.ficas para o crescimento de um tipo particular de microrganismo. Exemplo 1: para isolar um fixador de nitrogênio o meio de enriquecimento não poderá conter uma fonte de nitrogênio. Exemplo 2: bactéria que degrada naftaleno deve-se cultivar a amostra em um meio cuja única fonte de C é o naftaleno. Exemplo 3: coluna de Winogradsky, enriquecimento para quimilitotróficos. Exemplo 4: Para isolar Bacillus formadores de esporos aquecer a cultura mista e plaquea.

39 Detecção dos microrganismos Métodos: Fenotípicos - baseadas no cultivo ou avaliação de certas propriedades do microrganismos Moleculares - baseadas na constituição genotípica Imunológicos - baseadas nas características imunológicas

40 Fenotípicos Métodos baratos e não requerem treinamento diferenciado Amplificação de sinal: CULTIVO EM MEIO DE CULTURA Técnicas morosas Em alguns sistemas não são precisas Isolamento cultura pura identificação

41 Diluição seriada Plaqueamento Amplificação sinal fenotípico colônias

42 Ex: Geobacter metallireducens: CH 3 COO - + 8Fe H 2 O 2HCO Fe H + Adicionar acetato como única fonte de C no meio de cultura permite a detecção de microrganismos que podem metabolizar acetato e usam oxido de ferro como fonte de energia Cultivo Crescer microrganismos em laboratório com base em características fenotípicas. Detectar grupos que usam determinada substância ou fonte energética e que vivem em determinadas condições físico- químicas.

43 Corantes vitais e Imunofluorescência

44 Perfil lipídico

45 Perfil de FAME (Fatty acids methyl ester analysis) 1.Existe grande variabilidade no perfil da composição e proporção de ácidos graxos (membranas). Perfil FAME = impressão de uma espécie 2. Usado no estudo da diversidade microbiana em sistemas de tratamento de esgoto, em solos contaminados e biofilmes de sistemas de distribuição de água.

46 Outras técnicas fenotípicas MARA - multiple antibiotic resistance activity ARA - antibiotic resistance analysis CSU - carbon source utilization Detecção de hospedeiros de vírus

47 Avaliação da abundância relativa EnumeraçãoBiomassa Atividade Contagem direta Contagem indireta

48 Contagem direta Lâmina Petroff-Hauser ao microscópio Fluorecência, anticorpos Vantagens: Não requerem separação do microrganismo. Fornecem estimativas elevadas Desvantagens: Não distingue entre viáveis e não viáveis. Não permite análises subsequentes

49 Lâminas para contagem direta

50 Contagem indireta Contagem em placasNMP Técnica de Diluição e plaqueamento

51 Diluições seriadas (resultado)

52 Enumeração NMP

53 NMP – número mais provável

54 Contagens indiretas Vantagens: -Detecção de viáveis -Seletividade (uso de meios específicos) Desvantagens: - Seletividade permite a contagem de alguns tipos - Ausência de não cultiváveis

55 Avaliação da biomassa Parâmetro importante porque avalia os recursos energéticos disponíveis para a comunidade. Expresso em g e pode-se converter em energia: 4,9 Kcal/g peso seco Baseia-se no fato de existir uma correlação direta entre a abundância de um microrganismo com alguma substância característica. Proteína Peptideoglicano Quitina LPS DNA Dentre outros Indireta DiretaFiltração Centrifução Pesagem

56 Avaliação da atividade Fotossíntese – taxa de produção primária Respiração - consumo de O 2 ou produção de CO 2 Potencial heterotrófico - taxa de absorção de substâncias marcadas com radioisótopos Atividade enzimática - lacase, celulase, nitrogenase

57 Viáveis mas não cultiváveis (VNC) < 1% dos microrganismos podem ser cultivados no laboratório usando técnicas convencionais de cultivo. Os microrganismos que não são cultiváveis, mas são viáveis, se denominam VNC e requerem técnicas apropriadas para sua detecção. Ex: Fungos micorrízicos vesículo-arbusculares.


Carregar ppt "Avaliação da diversidade microbiana Amostragem, processamento e técnicas."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google