A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

O Futuro do Conceito de Risco Naomar de Almeida Filho Instituto de Saúde Coletiva Universidade Federal da Bahia.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "O Futuro do Conceito de Risco Naomar de Almeida Filho Instituto de Saúde Coletiva Universidade Federal da Bahia."— Transcrição da apresentação:

1 O Futuro do Conceito de Risco Naomar de Almeida Filho Instituto de Saúde Coletiva Universidade Federal da Bahia

2 A noção de risco no discurso técnico da Clínica A noção de risco no discurso técnico da Clínica –Bases metafóricas da causalidade O conceito de Risco no discurso epidemiológico. O conceito de Risco no discurso epidemiológico. –O objeto formal de Miettinen. Novos conceitos de Risco Novos conceitos de Risco –Emergência e Contingência

3 Marco teórico da Saúde Coletiva Conceito central: Saúde Conceito central: Saúde Conceito operativo : Prevenção Conceito operativo : Prevenção Conceito heurístico: Risco Conceito heurístico: Risco

4 Conceitos de Risco Risco Individual Conceito da Clínica Risco Individual Conceito da Clínica Risco Populacional Conceito epidemiológico Risco Populacional Conceito epidemiológico Risco Estrutural Saúde Ambiental/Ocupacional Risco Estrutural Saúde Ambiental/Ocupacional

5 Risco - O termo risco origina-se do latim resecum, o que corta, derivado do verbo resecare, ato de dividir, cortar separando. Designava o estilete empregado pelos romanos para marcar as tabuletas de cera que eram usadas para escrever antes da adoção do papiro. Mais tarde, na época medieval, em linguagem náutica, riscum veio a significar penhasco, perigo no mar, perigo oculto, o que poderá explicar o conceito estabelecido na teoria epidemiológica.

6 Conceito Epidemiológico de Risco Risco = probabilidade de ocorrência de uma doença, agravo, óbito ou condição relacionada à saúde (mesmo cura ou melhora), em uma população ou grupo, durante um período de tempo determinado.

7 Conceito Epidemiológico de Risco Elementos para definição do Risco: 1. ocorrência de casos (numerador); 2. base populacional (denominador); 3. referência temporal (período).

8 Conceito Epidemiológico de Risco O objeto epidemiológico é dado pela referência à população. O que é uma população? É um conjunto tipo {1,2,3,4,5,6,7...n} = P

9 Conceito Epidemiológico de Risco Função de diferenciação = doença, dano, morte, cura... Subconjunto D = doentes {1,2,3,4} = D contido no conjunto população: {{1,2,3,4}5,6,7...n} = D P

10 Especificidade do objeto epidemiológico P

11 P D

12 Conceito Epidemiológico de Risco População = Conjunto P Doentes = Subconjunto D P D RISCO = D / P | tempo

13 Conceito Epidemiológico de Risco E = Expostos ao Fator de Risco potencial E = Não-expostos ao Fator de Risco P = PE PE PE DE PE DE Forma sintética do Fator de Exposição: 2 categorias: expostos, não-expostos pode ser...n categorias

14 Conceito Epidemiológico de Risco RE = DE / PE RR: Risco Relativo, Razão de Riscos RA: Risco Atribuível, Diferença de Riscos RR = RE / RE RA = RE - RE RE > RE RR > 1.0, RA > 0

15 Especificidade do objeto epidemiológico P

16 P D

17 P D

18 PEPEPEPE D E D E DEDEDEDE PEPEPEPE Especificidade do objeto epidemiológico

19 O G D I P

20 Conceito Epidemiológico de Risco P = População; I = Infectados; D = Doentes; G = Casos Graves; O = Óbitos D P O D P O G D P O G D I P

21 R E E = 0 E = 1 a b1b1 Formalização do objeto epidemiológico segundo Miettinen

22 R E E = 0 E = 1 a C = 1 C = 0 C Formalização do objeto epidemiológico segundo Miettinen

23 R E E = 0 E = 1 a C = 1 C = 0 C Formalização do objeto epidemiológico segundo Miettinen

24 Considerando um modelo ordinário de regressão (1)R= a + b 1(E) R = risco, E = exposição, RA = b 1 e RR =1+ b 1/ a (E) (2)R = a + b 1(C)+ b 2(E), a = a + b 1(C), então R = a + b 2(E), RR =1+ b 2/ a (E) como função determinante condicional de risco R = f (E|C)

25 Novos conceitos de risco Fatores de risco Fatores de risco Marcadores de risco Marcadores de risco Grupos de risco Grupos de risco Comportamentos de risco Comportamentos de risco Situações de risco Situações de risco Desastres e catástrofes Desastres e catástrofes Emergência Emergência

26 Caos & Não-linearidade Caos = desordem, anarquia Caos = desordem, anarquia Caos = no sentido de estrutura geral dos sistemas regidos por relações não-lineares, Caos = no sentido de estrutura geral dos sistemas regidos por relações não-lineares, Não-linearidade (NL) = conjunto de princípios estruturantes, para além da epistemologia convencional dos objetos precisos e determinados por nexos causais, preditivos e lineares. Não-linearidade (NL) = conjunto de princípios estruturantes, para além da epistemologia convencional dos objetos precisos e determinados por nexos causais, preditivos e lineares. C o m ple x i d a d e

27 Não-linearidade Ruptura com expectativas de... linearidade de processos linearidade de processos proporcionalidade de efeitos proporcionalidade de efeitos irredutibilidade de níveis irredutibilidade de níveis isolamento de controles isolamento de controles limpidez de marcas limpidez de marcas C o m ple x i d a d e

28 Não-linearidade Modalidades da NL: Sensibilidade às condições iniciais (Efeito Borboleta) Sensibilidade às condições iniciais (Efeito Borboleta) Iteratividade (recursividade) Iteratividade (recursividade) Descontinuidade (funções críticas) Descontinuidade (funções críticas) C o m ple x i d a d e

29 Não-linearidade Princípios lógicos estruturantes da NL: borrosidade (Zadeh) borrosidade (Zadeh) para-consistência (Da Costa) para-consistência (Da Costa) contingência (Aristóteles, Pascal) contingência (Aristóteles, Pascal) C o m ple x i d a d e

30 Aristóteles: Modalidades lógicas Impossível Impossível Possível Possível Necessário Necessário Contingente Contingente C o m ple x i d a d e Contingência

31 Na FILOSOFIA: Na lógica clássica, a modalidade é a característica de certas proposições ou juízos que determina o modo pelo qual se atribui um predicado a um sujeito. Segundo a tradição aristotélica e medieval, são quatro as modalidades: Na lógica clássica, a modalidade é a característica de certas proposições ou juízos que determina o modo pelo qual se atribui um predicado a um sujeito. Segundo a tradição aristotélica e medieval, são quatro as modalidades:. possibilidade : É possível que S seja P;. possibilidade : É possível que S seja P;. impossibilidade : É impossível que S seja P;. impossibilidade : É impossível que S seja P;. contingência : É contingente que S seja P;. contingência : É contingente que S seja P;. necessidade : É necessário que S seja P.. necessidade : É necessário que S seja P. A proposição necessária é sempre verdadeira; em qualquer circunstância, a possível pode ser verdadeira ou falsa; a impossível é sempre falsa. E a contingência? A proposição necessária é sempre verdadeira; em qualquer circunstância, a possível pode ser verdadeira ou falsa; a impossível é sempre falsa. E a contingência? C o m ple x i d a d e Contingência

32 Contingência Tomado do baixo latim (1340) contingentia, termo de filosofia. Passou ao uso corrente bem mais tarde (1896), designando, sobretudo no plural, contingências, acontecimentos fortuitos, imprevisíveis. Sua acepção geométrica (1704), ângulo contingente, vem do sentido próprio do latim, que toca, que atinge. C o m ple x i d a d e

33 Caráter de tudo aquilo que é concebido como podendo ser ou não ser, ou ser algo diferente do que é. Caráter de tudo aquilo que é concebido como podendo ser ou não ser, ou ser algo diferente do que é. Contingência é um acontecimento do qual não podemos reduzir o aparecimento a um feixe de causalidade; é um acontecimento (como uma emergência) de ocorrência possível mas incerta. Contingência é um acontecimento do qual não podemos reduzir o aparecimento a um feixe de causalidade; é um acontecimento (como uma emergência) de ocorrência possível mas incerta. C o m ple x i d a d e Contingência

34 Pascal : verdades múltiplas, fragmentárias; paradoxais. Utiliza a contingência como método: conjugação de opostos O homem é crédulo e incrédulo; monstro incompreensível; enigma infeliz; possui miséria e grandeza. Objeto não tem essência; a Natureza não obedece a leis universais, mas é sempre flutuação e movimento; o conhecimento não é seguro nem neutro, e sim dependente do objeto; o saber é contingente. DESCARTES : ciência moderna, busca aliar verdade científica e verdade cristã C o m ple x i d a d e Contingência

35 Na FILOSOFIA: Immanuel Kant ( Crítica da razão pura ) distingue três tipos de juízo quanto à modalidade: Immanuel Kant ( Crítica da razão pura ) distingue três tipos de juízo quanto à modalidade: – Problemáticos : envolvendo possibilidade; – Apodíticos, ou necessários ; – Assertóticos ou de realidade, atributivos; C o m ple x i d a d e Contingência

36 Conceitos de Risco Risco como indicador de causalidade (resíduo da probabilidade). Base indutiva, frequentista, fisheriana. Subsidia: a) modelos de prevenção populacional (Teorema de Rose); b) modelos de prevenção individual. Risco como indicador de causalidade (resíduo da probabilidade). Base indutiva, frequentista, fisheriana. Subsidia: a) modelos de prevenção populacional (Teorema de Rose); b) modelos de prevenção individual. Risco como perigo estruturado. Base dedutiva, descritiva, estrutural. Subsidia modelos de proteção da saúde ambiental e ocupacional. Risco como perigo estruturado. Base dedutiva, descritiva, estrutural. Subsidia modelos de proteção da saúde ambiental e ocupacional. Risco como emergência. Base filosófica da contingência, modelos de complexidade. Subsidia: a) modelos de Promoção da Saúde; b) modelos de Vigilância em Saúde. Risco como emergência. Base filosófica da contingência, modelos de complexidade. Subsidia: a) modelos de Promoção da Saúde; b) modelos de Vigilância em Saúde.

37 Conceitos de Risco PREVENÇÃO = Marcadores, Fatores PREVENÇÃO = Marcadores, Fatores PROTEÇÃO = Sensores, Padrões PROTEÇÃO = Sensores, Padrões PROMOÇÃO = Monitores, Tendências PROMOÇÃO = Monitores, Tendências PRECAUÇÃO = Indícios, Vigilância PRECAUÇÃO = Indícios, Vigilância

38 Conceitos de Risco Risco Individual Conceito da Clínica Risco Individual Conceito da Clínica Risco Populacional Conceito epidemiológico Risco Populacional Conceito epidemiológico Risco Estrutural Saúde Ambiental/Ocupacional Risco Estrutural Saúde Ambiental/Ocupacional Risco Contingencial Promoção da Saúde Risco Contingencial Promoção da Saúde


Carregar ppt "O Futuro do Conceito de Risco Naomar de Almeida Filho Instituto de Saúde Coletiva Universidade Federal da Bahia."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google