A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Rumos e caminhos do agronegócio A competitividade como alternativa São Paulo, agosto de 2005 Bienal dos negócios da agricultura FAMATO Luiz Antonio Pinazza.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Rumos e caminhos do agronegócio A competitividade como alternativa São Paulo, agosto de 2005 Bienal dos negócios da agricultura FAMATO Luiz Antonio Pinazza."— Transcrição da apresentação:

1 Rumos e caminhos do agronegócio A competitividade como alternativa São Paulo, agosto de 2005 Bienal dos negócios da agricultura FAMATO Luiz Antonio Pinazza

2 Novo patamar da produção agrícola performance

3 Br: Período de ajuste na safra de grãos 2005/ / milhões de toneladas 2007/08 Administrar o ritmo de crescimento

4

5 Cenário 2014/15 Soja: milhões de toneladas (a)OCDE/FAO (b) Produção se participação vai para 30%

6 Cenário 2014/15 Soja: milhões de toneladas (a)OCDE/FAO (b) Produção se participação vai para 35%

7

8 OBS.: Área total agricultável = 3,23 bilhões ha Evolução da Área Agricultável Per Capita no Mundo

9 Problemas de curto prazo 1. Incontroláveis Câmbio ; penaliza as exportações Juros: encarece o custo 2.Controláveis Dívida : repactuação Lucro

10 Problemas de longo prazo Imagem e meio ambiente Infraestrutura e logística

11 90 MM de ha de cerrado disponíveis Fonte: IBGE e CONAB – adaptação MAPA Brasil: Utilização do solo Floresta Amazônica Pastagem Áreas protegidas Culturas anuais Culturas temporárias Floresta plantada... 5 Cidades, lagos,estradas e outros usos Total Milhões de hectares

12 ALEMANHA ITÁLIA ESPANHA FRANÇA A Amazônia Legal – Um Continente Território Brasil: 8,5 milhões km2 Amazônia Legal: 5,1 milhões km2

13 Ampliado as áreas de preservação permanente nas margens dos rios Política Ambiental na Amazônia Legal

14 Tecnologia amigável ao meio ambiente

15 Produção de cereal 1950: 650milhões t 2004: 1,900milhões t Milhões hectares ,000 1,400 1,800 Evolução da tecnologia Terra poupada 1.1 bilhão hectares

16 Desastre logístico Perdas 17 US$/t – em relação aos argentinos (Até) 25 US$/t – em relação aos americanos Perda dos produtores: US$ 1 bilhão/ano Burocracia Brasil: despesas portuárias – 6 US$/t EUA e Argentina – a metade Sistema Portuário Navio no porto – custo: 35 mil US$/dia Tempo médio no porto: 20 dias Prejuízo dos produtores: US$ 0,70 milhão/navio Rodovias 83% das rodovias tem problemas Em km tem buracos e ondulações

17 A área do círculo representa a utilização do modo aquaviário 61% rodoviário 24% ferroviário 14% hidroviário Tonelada x Quilômetro útil Participação Percentual dos Modais no Mundo OBS: Os dados foram calculados considerando apenas os modais rodoviário, ferroviário e aquaviário

18 Ferroviário Rodoviário Navegação Frete Distância (milhas) Comparação dos Fretes por Modo de Transporte Aumento no Frete Doméstico Aumento no Preço Final dos Produtos Redução da Competitividade dos Produtos Brasileiros

19 Matriz de transporte inadequada

20 Avaliação das Rodovias Pesquisa CNT – 2004

21 Brasil: Sintomas de colapso do sistema de transportes : frota rodoviária com idade média de cerca de 17,5 anos ; estradas péssimas, ruins ou deficientes: 78% da extensão; baixa confiabilidade da estrutura ferroviária; pouca disponibilidade de terminais multimodais; uso do modal hidroviário incipiente.

22 Logística da Soja I

23 Logística da Soja II

24 O Agronegócio perde 13% da safra de grãos pelo caminho; 81,5 milhões de toneladas de grãos foram perdidos entre 1997 e 2003; (IBGE) Carências na Infra-estrutura

25 Obsolescência e precariedade das vias permanentes: Eleva tempo de trânsito ( cerca de 40%) Baixa capacidade por eixo Insuficiência de investimentos no material rodante: Desequilíbrio entre a oferta e a demanda de transporte O agronegócio investe em material rodante e firma contratos de exportação de longo prazo Os acordos de direito de passagem e tráfego mútuo entre ferrovias não funcionam de forma eficiente. O modal ferroviário principais deficiências

26 Comparação da rede ferroviária

27 1996: Privatização da Rede Ferroviária Federal Trem da Ferronorte 2 locomotivas de 4000 Hp e 72 vagões de 100 t (Via construída e mantida pela concessionária) Tri – trem (via construída e mantida pelo estado)

28 Interferências – Passagens em nível e invasões de faixa de domínio

29 Acesso à margem direita do Porto de Santos Brasil Ferrovias S.A. Projeto do Contorno de Vila Velha Ferrovia Centro-Atlântico S.A. Passagens de nível, contornos e variantes

30 Crescimento do complexo soja 2000/04 = 57% 1997/04 = 266% Evolução do volume transportado pelas ferrovias TU – toneladas úteis

31 Principais Problemas Baixa oferta do Modal no país; transportar 15 milhões de toneladas por Hidrovias. O Conflito das Águas. A Questão Ambiental: Licenciamento Falta prioridade política Principais Vantagens País das hidrovias = enorme vantagem competitiva. Há 43 mil quilômetros de vias navegáveis no país Reduz entre 40% e 60% o custo de movimentação de cargas como grãos. Mais baixo custo de implantação e manutenção O Modal Hidroviário

32 Saturação dos Portos Perdas de US$ 1,2 bilhão em pagamento de multas por atrasos no embarque e desembarque de mercadorias ( ANUT)} Agenda Portos: R$ 56 milhões em recurso adicionais para solucionar gargalos

33

34 Capacidade estática TOTAL instalada nos portos do Brasil: 17 milhões de toneladas Capacidade estática instalada para GRÃOS nos portos do Brasil: 5,8 milhões de toneladas Capacidade dinâmica atual (7 tombos/ano): 40,6 milhões de toneladas Exportação de grãos 2004: 56,0 milhões de toneladas Capacidade de movimentação dos Portos Déficit (necessidade de aumento de capacidade de embarque de grãos: 15,4 milhões de toneladas) Gargalo logístico Déficit estático: 2,2 milhões de toneladas de grãos

35 Capacidade de armazenamento nas propriedades rurais Fonte: Gazeta Mercantil

36 Média anual passou de 75,0 Mi para 115,0 Mi +/-30 mil t Brasil: Evolução da produção de grãos x capacidade estática (Em mil toneladas) 1000 t

37 1993 = lei de modernização dos portos 1996 = lei da privatização da Rede Ferroviária Federal 1996 = lei de Biossegurança 2004 = lei da PPPs 2005 = lei de Biossegurança Marcos regulatórios

38 Agência Nacional de Transportes Aquaviários (ANTAQ) Agência Nacional de Transportes Terrestes (ANTT) Conselho Técnico Nacional de Biossegurança ( CTNBio) Falta criar para as PPPs – fundo garantidor Figura das agências reguladoras Choque de gestão

39 OBRIGADO PELA ATENÇÃO Congratulações à FAMATO


Carregar ppt "Rumos e caminhos do agronegócio A competitividade como alternativa São Paulo, agosto de 2005 Bienal dos negócios da agricultura FAMATO Luiz Antonio Pinazza."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google