A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Os distúrbios do humor e do afeto Prof. Dr. Paulo Rogério M de Bittencourt Unidade de Neurologia Clínica, Curitiba unineuro.com.br.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Os distúrbios do humor e do afeto Prof. Dr. Paulo Rogério M de Bittencourt Unidade de Neurologia Clínica, Curitiba unineuro.com.br."— Transcrição da apresentação:

1 Os distúrbios do humor e do afeto Prof. Dr. Paulo Rogério M de Bittencourt Unidade de Neurologia Clínica, Curitiba unineuro.com.br

2 As ansiedades Ansiedade, angústia, avoidance behaviour Ansiedade Generalizada Doença do pânico sem ou com agorafobia Doença de stress pós-traumático Fobia social Doença obsessiva-compulsiva

3 A mente humana em 2000 anos Anxietas (latim): mente conturbada Angh (indogermânica): apertar, estrangular Estado de incerteza sobre eventos não definidos Inquietude, insegurança, sensação de aperto de de mal estar na região do pescoço e esterno Previsão de perigo: antecipation

4 As ansiedades Muito frequentes, variam de benignas a incapacitanrtes Chegam a tratamento quando interferem com o dia a dia ou quando desembocam em depressão Conduta é a mesma que nas depressões, porém o prognóstico é melhor para recuperação, cura, com menores doses de remédios

5 Disse Abraham Lincoln Eu agora sou o mais miserável dos homens. Se o que eu sinto agora fosse igualmente distribuído em toda a família humana, não haveria ninguém alegre na Terra. Não sei se algum dia vou melhorar. Minha sensação terrível é de que não vou. Ficar como estou é impossível. Acho que devo morrer ou melhorar.

6 Alguns companheiros Roosevelt Schuman Beethoven Poe Van Gogh Marina Lima Roberto Carlos João Figueiredo Ulisses Guimarães

7 Triste, estressada, cansada? A tristeza temporária das pessoas frente às frustrações da vida é diferente do mal estar grave produzido por uma doença cerebral. Depressão provoca dificuldades de funcionamento graves no dia a dia, alterando humor, pensamentos, comportamento e a sensação de si mesmo

8 Ana Maria, 38, funcionária pública, casada, 2 filhos, marido bancário Para mim é uma sensação de não valer nada, de que eu não consegui na vida as coisas que eu queria. As coisas que eu acho que tenho direito, mas não tenho a energia de ir atrás. Me sinto desligada das pessoas em torno de mim, mesmo de amigos e família que se preocupam comigo. Muitas manhãs não quero sair da cama, e acho que as coisas não vão melhorar nunca.

9 !0 milhões de brasileiros por ano Mais que cancer, AIDS, coronárias 15% das depressões crônicas levam a tentativas de suicídio Mulheres duas vezes mais que homens Muitas pessoas ainda acham que é uma falha de caráter, resultado de falhas na criação de filhos

10 80-90% dos casos podem ser tratados, 65% não chegam a ser tratados Mãe do Betinho, meu vizinho Acham que é devido à insônia, às aprontações dos maridos ou dos filhos Homens acham que é devido à falta de dinheiro Faltas ao trabalho, baixa produtividade, tratamentos desnecessários Florais versus ortomoleculares

11 Regra geral: se não melhora com um descanso de fim de semana, troca de carro ou uma boa festa Depressão maior: 15% da população na vida: crônica, recorrente Distimia: 3-4% por ano, sintomas mais leves, contínuos, ansiedade Depressão bipolar: 1%, mais grave, mania, euforia, irritabilidade, excesso de disposição, comportamento impulsivo, perigoso, verborréia

12 As causas Genética Bioquímica Neurotransmissores Serotonina, adrenalina Noradrenalina Mangueiras, bola, vigília e sono Ambiente Marido bêbado Campos de concentração Grandes traumas físicos Grandes cirurgias Sofrimento crônico

13 Causas genéticas predominam: é uma doença familiar Gêmeo idêntico tem 70% de chances Gêmeo fraterno ou irmãos 25% Chance da pessoas é a média das famílias de pais e mães Causas ambientais Abuso de drogas, álcool Benzodiazepínicos, anfetaminas Doença afetiva sazonal Fatores ambientais + genéticos

14 Diagnóstico humor baixoapetite, pesosono lento/rápidofadiga, energianão valho nada culpadificuldade pensamento concentração tomar decisõestendência mortesuicídio perda interesseperda prazermais que 15 dias imunológicashipotireoidismocancer, diabetes

15 Distimia- depressão crônica leve Sintomas mais leves e duradouros, 2 anos Véu de tristeza sem mudança de apetite, sexo, mania, sedentarismo, suicídio Baixa energia, negatividade, insatisfação, desperança Episódios de depressão maior Vida familiar complexa por baixa motivação,

16 Distúrbio afetivo sazonal Depressão anual que dura o inverno e é substituída por mania na primavera Fadiga, excesso de apetite Lúcia, esposa de fazendeiro do MS, episódios anuais de euforia, irritabilidade, gastos excessivos, megalomania, anualmente

17 Distúrbio disfórico pré-menstrual 3-8% das mulheres Depressão, irritabilidade, tensão Uma semana antes da mesntruação Maria Lúcia, 38 anos, manda marido trocar lixo, comprar gás, esquece compras do mercado, se engana com as crianças, início e fim súbitos

18 Grief - Luto Resposta emocional saudável, apropriada, positiva, construtiva Duração limitada, até 3-6 meses Choque, negação, solidão, desesperança, alienação social, raiva Recuperação de 3- 6 meses

19 Mania Aumento de velocidade –Atividades, energia, falantes –Vôo de idéias, pensamentos –Inflação de auto-estima, ilusões de grandeza –Diminuição de necessidade de sono –Agitação a qualquer estímulo –Falta de contrôle

20 Mania Vou ligar para o Collor Comprei um avião de passagens para Miami Sou uma moça bonita Hiperatividade, excesso de envolvimento Distração fácil

21 Depressão bipolar Distúrbio maníaco depressivo Alterações patológicas de humor entre mania e depressão Predominância de mania Predominância de depressão Cíclicos

22 Mania: complicações Falta de adesão ao tratamento é o primeiro sintoma: excesso de autoestima Motor de BMW Abuso de substâncias: benzodiazepínicos, álcool, drogas Violência Perda financeira e social

23 Mania- Tratamento Manutenção de adesão: consultas Antidepressivos pioram, mudam ciclagem, aumentam complicações Lítio Ácido valpróico Carbamazepina Antipsicóticos clássicos Antipsicóticos modernos

24 Tratamentos farmacológicos: depressão Tricíclicos Imipramina e amitriptilina MAOIs fenelzina Inibidores seletivos de recaptação de serotonina Fluoxetina, Aropax, Zoloft Outros Efexor, Remeron, Zyban

25 Tricíclicos Efeito antidepressivo de amplo espectro 65% sucesso (Tofranil) 80% sucesso (Tryptanol) Boca seca Intestino lento Aumento de apetite Prostatismo

26 SSRIs e outros mais novos Espectro de efeito mais estreito (50-60% Menos efeitos colaterais Zoloft: insônia Aropax: peso Prozac: sexo Zyban: ansiedade Exceção: venlafaxina

27 Tratamentos Alternativos Erva de Sâo Joâo (hypericum) Exercício Dieta, Meditação Yoga, Homeopatia Acupuntura Placebo tem 40% de efeito, ou seja melhora 40 pessoas em 100

28 Tratamentos não-farmacológicos Psicoterapia Grupos de apoio Estimulação magnética Cingulotomia Fototerapia ECT Com anestesia e bloqueador muscular 90% de sucesso 6 tratamentos em 6 dias, depois 6 semanais Suicidas, idosos, psicóticos, grávidas

29 Eu sabia que precisava ajuda. Eu tinha lido vários livros sobre depressão quando estava tentando descobrir porque eu chorava o tempo todo, não conseguia fazer as coisas, não queria ficar com meu bebê. Minha irmã tinha tido depressão uma vez, e tinha ido a um terapeuta. Eu não sabia em quem confiar. Meu médico deu alguns nomes, mas eu tinha medo do que ia encontrar e da doença mental.

30 Psicoterapia? Análise? Grupos? O tratamento depende de quem a paciente procura: pediatra, obstetra, clínico, neurologista, psiquiatra, psicanalista, psicólogo, assistente social Tratamentos comprovados: psicoterapia comportamental cognitiva; psicoterapia interpessoal

31 Psicoterapia usual Entrevista inicial : porque, sintomas, antecedentes, remédios, doenças, drogas, família, vida atual, sistemas de apoio, relações, memória, raciocínio Sessões periódicas de 1-2 vezes por semana Interativas Confiança é essencial Experiência e treinamento

32 Psicoterapia Comportamental Cognitiva Influência do pensamento no humor Sistemas de sobrevivência infantis Pacotes ficam osboletos Windows 95 com Word 2000 Mudanças de hábitos e de respostas automáticas Lições de casa

33 Terapia Interpessoal Depende de relação entre terapeuta e paciente Premissa é de que a depressão vem das relações pessoais da vida da pessoa Corrige comportamentos disfuncionais Terapeuta é suportiva, maternal, compreensiva

34 Objetivos de psicoterapia Esclarecer a razão do tratamento Estabelecer um tempo limite, 12 sessões, 3 meses Estabelecer um foco, um problema atual que precisa ser resolvido Enfatizar mudança de comportamentos e atitudes Ensinar auto-monitorização de mudanças

35 Tratamento de ansiedade e depressão por principiantes Uso de benzo- diazepínicos induz vício, abuso, piora dos sintomas Lexotan Frontal Diazepam Valium Rohypnol Dormonid

36 Benzos Fáceis de iniciar, viciam Anti- depressivos Difíceis de iniciar, sem vício

37 Problemas de tratar depressão sem experiência Uso de medicamento inapropriado –Acidentes de Prozac: piora de mania e de ansiedade –Piora de depressão lenta por uso de antidepressivo sedativo –Instabilidade contínua com uso de medicamentos que viciam, pois a pessoa sempre quer mais, ou seja, a ansiedade ou depressão cada vez piora mais

38 Se você sabe que alguém está demprimido Marque uma consulta, e vá junto Estimule a pessoa a tomar a medicação correta, mesmo que o efeito demore algums semanas, e que procure outro tratamento caso o primeiro não dê certo Ajude a pessoa a ter repouso intelectual, fazer coisas que gostava de fazer mesmo Tendência a suicídio é sério

39 Condutas construtivas Dieta: triptofano: óleo de peixe, porco, frango, feijões e ervilhas, cereais; carbohidratos Cafeína: refrigerantes, mate, café, guaraná Exercício: endorfinas, serotonina, adrenalina, dopamina: semelhante a psicoterapia Aeróbica rítmica,yoga Bom estado muscular

40 Condutas construtivas Rede de apoio social Desterrados em Londres: companheiros, companheiras, carros, clubes, casa de praia, chácara, festas, família Fé espiritual independe de religião Ambiente estruturado, construtivo Bem estar do paciente, e não dos cuidadores


Carregar ppt "Os distúrbios do humor e do afeto Prof. Dr. Paulo Rogério M de Bittencourt Unidade de Neurologia Clínica, Curitiba unineuro.com.br."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google