A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

LITERATURA MODERNISMO NO BRASIL 1ª. Geração. Momento Histórico Início do século XX: apogeu da Belle Époque. O burguês comportado, tranqüilo, contando.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "LITERATURA MODERNISMO NO BRASIL 1ª. Geração. Momento Histórico Início do século XX: apogeu da Belle Époque. O burguês comportado, tranqüilo, contando."— Transcrição da apresentação:

1 LITERATURA MODERNISMO NO BRASIL 1ª. Geração

2 Momento Histórico Início do século XX: apogeu da Belle Époque. O burguês comportado, tranqüilo, contando seu lucro. Capitalismo monetário. Industrialização e Neocolonialismo. Reivindicações de massa. Greves e turbulências sociais. Socialismo ameaça. Progresso científico: eletricidade. Motor a combustão: automóvel e avião. Concreto armado: arranha-céu. Telefone, telégrafo. Mundo da máquina, da informação, da velocidade. Primeira Guerra Mundial e Revolução Russa. Abolir todas as regras. O passado é responsável. O passado, sem perfil, impessoal. Eliminar o passado. Arte Moderna. Inquietação. Nada de modelos a seguir. Recomeçar. Rever. Reeducar. Chocar. Buscar o novo: multiplicidade e velocidade, originalidade e incompreensão, autenticidade e novidade. Vanguarda - estar à frente, repudiar o passado e sua arte. Abaixo o padrão cultural vigente.

3 Comparado a outros movimentos modernistas, o brasileiro foi desencadeado tardiamente, na década de 20. Foi resultado, em grande parte, da assimilação de tendências culturais e artísticas lançadas pelas vanguardas européias no período que antecedeu a 1ª. Guerra Mundial e refletiu na procura da abolição de todas as regras anteriores e a procura da novidade e da velocidade. O modernismo brasileiro foi um amplo movimento cultural que repercutiu fortemente sobre a cena artística e a sociedade brasileira na primeira metade do séc. XX, sobretudo no campo da literatura e das artes plásticas. Considera-se a Semana de Arte Moderna, Realizada em São Paulo, em 1922, como ponto de partida do modernismo no Brasil. Não sendo dominante desde o início, o modernismo, com o tempo, suplantou os anteriores. Foi marcado, pela liberdade de estilo e aproximação com a linguagem falada, sendo os da primeira fase mais radicais em relação a esse marco.

4 1ª. fase : mais radical e fortemente oposta a tudo que foi anterior, cheia de irreverência e escândalo; 2ª. fase : mais amena, que formou grandes romancistas e poetas; 3ª. fase : também chamada Pós-Modernismo por vários autores, que se opunha de certo modo a primeira fase e era por isso ridicularizada com o apelido de neoparnasianismo. Divide-se o Modernismo em três fases:

5 Caracterizada pela tentativa de definir e marcar posições, sendo ela rica em manifestos e revistas de circulação efêmera. Havia a busca pelo moderno, original e polêmico, com o nacionalismo em suas múltiplas facetas. A volta das origens, através da valorização do indígena e a língua falada pelo povo, também foram abordados. Contudo, o nacionalismo foi empregado de duas formas distintas: a crítica, alinhado a esquerda política através da denúncia da realidade, e a ufanista, exagerado e de extrema direita. Devido à necessidade de definições e de rompimento com todas as estruturas do passado foi a fase mais radical, assumindo um caráter anárquico e destruidor. Primeira geração ( )

6 Principais Manifestos e Revistas Revista Klaxon - Mensário de Arte Moderna ( ) Manifesto da Poesia Pau-Brasil ( ) A Revista ( ) Verde-Amarelismo ( ) Manifesto Regionalista de 1926 Revista Antropofagia ( ) Surgida como conseqüência do Manifesto Antropófago escrito por Oswald de Andrade Seu nome origina-se da tela Abaporu (O que come) De Tarsila do Amaral

7 Primeira geração ( ) Principais Autores Antônio de Alcântara Machado ( ) Antônio de Alcântara Machado Cassiano Ricardo ( ) Cassiano Ricardo Guilherme de Almeida ( ) Guilherme de Almeida Juó Bananére ( ) Juó Bananére Manuel Bandeira ( ) Manuel Bandeira Mário de Andrade ( ) Mário de Andrade Menotti del Picchia ( ) Menotti del Picchia Oswald de Andrade ( ) Oswald de Andrade Plínio Salgado ( ) Plínio Salgado Raul Bopp ( ) Raul Bopp Ronald de Carvalho ( ) Ronald de Carvalho

8 Poesia : Pau-Brasil : Primeiro Caderno do Aluno de Poesia Oswald de Andrade : Cântico dos cânticos para Flauta e Violão : O Escaravelho de Ouro : O Cavalo Azul Romance : Os Condenados (trilogia);1934trilogia : Memórias Sentimentais de João Miramar; : Serafim Ponte Grande; : Marco Zero à Revolução Melancólica. Teatro : O Homem e o Cavalo; : A Morta; : Rei da Vela. Primeira geração ( ) OSWALD DE ANDRADE OSWALD DE ANDRADE Principais Obras

9 Primeira geração ( ) MARIO DE ANDRADE MARIO DE ANDRADE Poesia: Há uma Gota de Sangue em Cada Poema (1917); Paulicéia Desvairada (1922); Losango Cáqui (1926); Clã do Jaboti (1927); Remate de Males (1930); Poesias (1941). Prosa: Primeiro Andar (1926); Amar, Verbo Intransitivo: idílio (1927); Macunaíma, o herói sem nenhum caráter (1928); Belazarte (1934); Os Filhos da Candinha (1943); Contos Novos (1947). Ensaios: A Escrava que não é Isaura (1925); Ensaio sobre a Música Brasileira (1928); O Aleijadinho e Álvares de Azevedo (1935); Namoros com a Medicina (1939); O Baile das Quatro Artes (1943); Aspectos da Literatura Brasileira (1943); Padre Jesuíno de Monte Carmelo (1945); O Empalhador de Passarinhos (1946). Principais Obras

10 Possui estilo simples e direto. Aborda temáticas cotidianas e universais, às vezes com uma abordagem de "poema-piada", lidando com formas e inspiração que a tradição acadêmica considera vulgares. Mesmo assim, conhecedor da Literatura, utilizou-se, em temas cotidianos, de formas colhidas nas tradições clássicas e medievais. Uma certa melancolia, associada a um sentimento de angústia, permeia sua obra, em que procura uma forma de sentir a alegria de viver. Doente dos pulmões, Bandeira sofria de tuberculose e sabia dos riscos que corria diariamente, e a perspectiva de deixar de existir a qualquer momento é uma constante na sua obra. A imagem de bom homem, terno e em parte amistoso que Bandeira aceitou adotar no final de sua vida tende a produzir enganos: sua poesia, longe de ser uma pequena canção terna de melancolia, está inscrita em um drama que conjuga sua história pessoal e o conflito estilístico vivido pelos poetas de sua época. Em seus primeiros livros A Cinza das Horas e Carnaval observamos a grande tese: a mágoa, a melancolia, o ressentimento enquadrados pelo estilo mórbido do simbolismo e parnasianismo tardios. Somente em Ritmo Dissoluto é que realmente encontramos os ideais do Modernismo. Também em Libertinagem seus versos livres mostram claramente as tendências modernistas, a linguagem coloquial e o uso de temas folclóricos. Primeira geração ( ) MANUEL BANDEIRA

11 Primeira geração ( ) MANUEL BANDEIRA Principais Obras Poesia A cinza das horas, 1917 Carnaval, 1919 O ritmo dissoluto, 1924 Libertinagem, 1930 Estrela da manhã, 1936 Mafuá do malungo, 1948 Estrela da tarde, 1960 Estrela da vida inteira, 1966 Prosa Crônicas da Província do Brasil - Rio de Janeiro, 1936 Guia de Ouro Preto, Rio de Janeiro, 1938 Noções de História das Literaturas - Rio de Janeiro, 1940 Autoria das Cartas Chilenas - Rio de Janeiro, 1940 Apresentação da Poesia Brasileira - Rio de Janeiro, 1946 Gonçalves Dias, Biografia - Rio de Janeiro, 1952 Itinerário de Pasárgada - Rio de Janeiro, 1954 De Poetas e de Poesia - Rio de Janeiro, 1954 A Flauta de Papel - Rio de Janeiro, 1957

12 Primeira geração ( ) ALCANTARA MACHADO Foi jornalista, político e escritor brasileiro. Apesar de não ter participado da Semana de 1922, Alcântara Machado escreveu diversos contos e crônicas modernistas, além de um romance inacabado. Em 1928, uniu-se a Oswald de Andrade para fundarem a Revista de Antropofagia. Alcântara Machado, juntamente com Raul Bopp, foi co-diretor da revista. Com outros escritores do movimento, ele investia a favor da ruptura, contra a Literatura dos valores estilísticos clássicos, com vistas a desconstruir as convenções, desmoralizar, evoluir e acabar com a cultura preestabelecida, com o estilo rebuscado que até então vogava dentre os literatos do Brasil. Na sua prosa, fez uso duma linguagem leve, bem-humorada e espontânea, altamente influenciada pelo seu passado de jornalista. Talvez tenha sido um dos primeiros brasileiros a usar temas urbanos e do cotidiano como expressão literária aplicada à prosa. Foi continuar a exercer a carreira de crítico literário para o Rio, onde se candidatou ao cargo de deputado federal. Eleito, sequer chegou a ser empossado, dadas complicações duma cirurgia do apêndice que resultariam no seu falecimento, na cidade do Rio de Janeiro em 1935, deixando para trás, inacabado, o seu romance Mana Maria.

13 Pathé-Baby (1926), romance Brás, Bexiga e Barra Funda (1927), contos Laranja da China (1928), contos Mana Maria (inacabado), romance Cavaquinho e saxofone (1940, póstuma), crônicas e ensaios Contos Avulsos (1961, póstuma), contos Primeira geração ( ) ALCANTARA MACHADO ALCANTARA MACHADO Principais Obras

14 O Movimento Antropofágico, de 1928, liderado por Oswald de Andrade é uma resposta às questões colocadas pela Semana de Arte Moderna de Para ele, a renovação da arte nasceria a partir da retomada dos valores indígenas, da liberação do instinto e da valorização da inocência. O objetivo de Oswald de Andrade era a de uma atitude brasileira de devorar os valores europeus, a fim de superar a civilização patriarcal e capitalista, com suas normas rígidas no plano social e os seus recalques impostos, no plano psicológico. A Semana de 22 marcou uma revolução no modo de ver e pensar o Brasil. Na verdade a idéia era por fim a maneira de falar difícil e não dizer nada, ou seja, eliminar o velho da vida intelectual brasileira. O manifesto antropofágico colocou em questão o capitalismo do terceiro mundo: a dependência. Denunciou o bacharelismo das camadas cultas que copiavam os países capitalistas hegemônicos. O Movimento Antropofágico

15 Pintora e desenhista brasileira: é uma das principais artistas modernistas. Estudou até 1902 em São Paulo, quando embarcou para estudar em Barcelona, na Espanha. A primeira viagem a Paris, em 1904 foi fundamental para sua formação artística. Em 1906, casa-se com André Teixeira Pinto, primo de sua mãe, com quem teve sua única filha Dulce. Mas foi em 1917 que começou seus estudos, com o acadêmico Pedro Alexandrino. Anos mais tarde Tarsila volta a Europa para estudar. De volta ao Brasil em 1922, Tarsila manteve contato com Mário de Andrade, Oswald de Andrade, Anita Malfatti e Menotti Del Picchia, formando o grupo dos cinco, responsável pelo início do modernismo no Brasil. No ano seguinte casa-se pela segunda vez, desta, com Oswaldo de Andrade. Em 1928, Tarsila pintou sua mais conhecida obra, Abaporu, que significa o homem que come carne, feito de presente de aniversário para seu atual marido.Tal obra inaugura o movimento antropofágico nas artes plásticas. Tarsila do Amaral

16 O BRIGADA ! Caroline Filipak


Carregar ppt "LITERATURA MODERNISMO NO BRASIL 1ª. Geração. Momento Histórico Início do século XX: apogeu da Belle Époque. O burguês comportado, tranqüilo, contando."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google