A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

IMPUNIDADE O BRASIL VIVE O CRIME SEM CASTIGO É PRECISO PRESTAR CONTAS À SOCIEDADE Para os absolutistas, o poder dos governantes era concedido por Deus.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "IMPUNIDADE O BRASIL VIVE O CRIME SEM CASTIGO É PRECISO PRESTAR CONTAS À SOCIEDADE Para os absolutistas, o poder dos governantes era concedido por Deus."— Transcrição da apresentação:

1 IMPUNIDADE O BRASIL VIVE O CRIME SEM CASTIGO É PRECISO PRESTAR CONTAS À SOCIEDADE Para os absolutistas, o poder dos governantes era concedido por Deus e, por isso, eles ficavam acima de qualquer julgamento. O Estado brasileiro, de acordo com a avaliação do professor de filosofia política e ética da Unicamp Roberto Romano, é praticamente absolutista, pois permite que autoridades de todas as esferas simplesmente não prestem contas à sociedade. Mesmo, lembra Romano, com a Constituição prevendo o contrário. Jornal O Globo, sábado 23 de junho de 2007 Filósofo Roberto Romano diz que impunidade começa com falta de satisfação à população

2 Realização do primeiro monitoramento da implementação das determinações e recomendações exaradas por meio do Acórdão nº / TCU- Plenário.

3 Acórdão 1843/2003 – Plenário Ementa Auditoria Operacional. Núcleo do Ministério da Saúde no Estado do Rio de Janeiro e Secretarias Municipais de Saúde dos Municípios de Belford Roxo, Duque de Caxias, Nova Iguaçu e São João de Meriti. Funcionamento do SUS. Constatação de diversas falhas relativas à atuação dos órgãos e entidades responsáveis pela formulação de políticas e pela prestação dos serviços de saúde. Deficiência no controle das transferências financeiras do sistema. Ausência de cronograma de implantação de plano diretor de regionalização. Deficiência nas avaliações e monitoramento de indicadores de desempenho. Determinação. Recomendação. Arquivamento. Ciência ao Congresso Nacional e órgãos de fiscalização e controle.

4 Voto do Ministro Relator Entre as ações destinadas a garantir o exercício da cidadania, a Constituição Federal de 1988 realizou reformas no sistema de saúde, sendo que a principal mudança ocorreu com a declaração do direito da população ao acesso universal e igualitário aos serviços e ações para a promoção, proteção e recuperação da saúde. 2. A Constituição Federal também estabelece que: Art As ações e serviços públicos de saúde integram uma rede regionalizada e hierarquizada e constituem um sistema único, organizado de acordo com as seguintes diretrizes:

5 I - descentralização, com direção única em cada esfera de governo; II - atendimento integral, com prioridade para as atividades preventivas, sem prejuízo dos serviços assistenciais; III - participação da comunidade. § 1º O sistema único de saúde será financiado, nos termos do art. 195, com recursos do orçamento da seguridade social, da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, além de outras fontes. (...)?

6 3. Nesse contexto, a Lei nº 8.080/90 foi editada com a finalidade de consolidar o Sistema Único de Saúde e reafirmar o propósito constitucional de que a saúde é direito de todos e dever do Estado. 4. De acordo com essa lei, o Sistema Único de Saúde é constituído pelo conjunto de ações e serviços de saúde, prestados por órgãos e instituições públicas federais, estaduais e municipais, da Administração Direta e Indireta e das fundações mantidas pelo Poder Público. Cabe ressaltar que a lei prevê a participação da iniciativa privada no Sistema Único de Saúde (SUS), de modo complementar. 5. Infelizmente, apesar dos dispositivos legais e do caráter prioritário, a área de saúde não vem recebendo o devido cuidado na alocação dos recursos federais.

7 6. As crises econômicas, os sucessivos planos de estabilização, as políticas de contenção dos gastos públicos e o modelo de redução da máquina estatal vêm causando oscilações nas dotações orçamentárias para a saúde e outras áreas sociais, apesar do aumento da demanda da população por serviços dessa natureza e da legislação em vigor. 7. Cabe lembrar que, com relação à proposta orçamentária de 2004, o Procurador-Geral da República recomendou ao presidente da República o cumprimento dos dispositivos constitucionais que obrigam a União a destinar recursos para as ações e serviços públicos de saúde.

8 8. A título de ilustração, reproduzo informações deste relatório de auditoria de natureza operacional, realizada com a finalidade de aferir o funcionamento do Sistema Único de Saúde na Região Metropolitana do Estado do Rio de Janeiro, com atualização até o ano de 2002: Gasto Federal de Saúde como Proporção do PIB

9 VIDE TABELA NO DOCUMENTO ORIGINAL 9. Segundo dados da Organização Mundial de Saúde referentes a 2000, o Brasil ocupa o 13º lugar entre os países das Américas em termos de gasto público per capita em saúde (US$ ), sendo superado por Estados Unidos (US$ 1.992,00), Canadá (US$ 1.826,00), Bahamas (US$ 631,00), Argentina (US$ 600,00), Barbados (US$ 593,00), Uruguai (US$ 468,00), Saint Kitts y Nevis (US$ 390,00), Antigua y Barbuda (US$ 377,00), Colômbia (US$ 344,00), Costa Rica (US$ 329,00), Panamá (US$ 321,00) e Chile (US$ 297,00).

10 10. Ao mesmo tempo, o Brasil ocupa o 3º lugar em termos da participação do gasto privado (usuários e planos de saúde) no gasto total em saúde (59,2%), sendo ultrapassado apenas pela República Dominicana (72,0%) e pelo Paraguai (61,7%). Nos Estados Unidos (6º), esse índice corresponde a 55,7%. 11. Quanto à presente auditoria, além da questão financeira que prejudica o funcionamento do sistema, os analistas da Secex/RJ identificaram várias ocorrências que dificultam a atuação dos órgãos e entidades responsáveis pela formulação das políticas e pela prestação dos serviços de saúde.

11 12. A situação se torna mais preocupante se considerarmos que algumas restrições foram identificadas em áreas de competência do Ministério da Saúde, o que indica que outras regiões podem estar enfrentando os mesmos problemas. 13. No caso em exame, as falhas foram detectadas principalmente na regionalização da assistência à saúde, na utilização de indicadores de desempenho, na atuação dos Conselhos de Saúde, na regulação do sistema e nas atividades de controle, avaliação e auditoria.

12 14. Inicialmente, destaco que os hospitais federais (oito militares e dez universitários) não estão totalmente integrados ao Sistema Único de Saúde, apesar de suportarem grande demanda por serviços de média e alta complexidade, serem bem aparelhados e contarem com administrações capacitadas para dirigir essas organizações. Mesmo com essas características e comprovado potencial de suprir grande parte das necessidades da população, tais instituições desempenham papel secundário na Política de Saúde praticada no Estado e, em conseqüência, não são devidamente utilizados para promover o desenvolvimento do sistema.

13 Determinação 9.5: Determinar ao Conselho Estadual de Saúde do Rio de janeiro e aos Conselhos Municipais de Saúde do Rio de Janeiro, Belford Roxo, Duque de Caxias, Nova Iguaçu e São João de Meriti que, no âmbito de suas competências: Cumpram efetivamente as suas atribuições legais, quais sejam: Formulação de estratégias da política de saúde ( art. 1º, § 2º, da Lei nº /1990 );

14 Controle sobre a execução das políticas de saúde, incluindo os aspectos econômicos e financeiros ( art.1º, § 2º, da Lei nº /1990 ); Manifestação sobre a fiscalização da movimentação de recursos transferidos pelo FNS ( art. 3º, Decreto nº /1994 [*13] ); Aprovação e discussão do Plano de Saúde e acompanhamento da elaboração do orçamento ( art.36, da Lei nº /1990 );

15 Faz-se necessária nova determinação à SES/RJ com o fulcro de que todos os Conselhos Municipais de Saúde do Estado do Rio de Janeiro tomem conhecimento das determinações e recomendações decorrentes da fiscalização sob enfoque.

16 Art. 6º - A comprovação da aplicação de recursos transferidos aos Estados e aos Municípios far-se-á: I - para o Ministério da Saúde, mediante: a) prestação de contas e relatório de gestão, se vinculados a convênio, acordo, ajuste ou outro instrumento congênere, celebrados para a execução de programas e projetos específicos; b) relatório de gestão, aprovado pelo respectivo Conselho de Saúde, se repassados diretamente do Fundo Nacional de Saúde para os fundos estaduais e municipais de saúde; DECRETO FEDERAL Nº , DE 28 DE SETEMBRO DE Regulamenta o Sistema Nacional de Auditoria no âmbito do Sistema Único de Saúde.

17 Art. 9º. A direção do SUS em cada nível de Governo apresenta trimestralmente o Conselho de Saúde correspondente e em audiência pública, nas Câmaras de Vereadores e nas Assembléias Legislativas respectivas, para a análise e ampla divulgação, relatório detalhado contendo, dentre outros, dados sobre o montante e a fonte de recursos aplicados,as auditorias concluídas ou iniciadas no período, bem como sobre a oferta e produção de serviços na rede assistencial própria, contratada ou conveniada.

18 DECRETO FEDERAL Nº , DE 30 DE AGOSTO DE 1994 Dispõe sobre as condições e a forma de repasse regular e automático de recursos do Fundo Nacional de Saúde para fundos de saúde estaduais, municipais e do Distrito Federal, e da outras providencias. Art. 2º. A transferência de que trata o art. 1º fica condicionada à existência de fundo de saúde e à apresentação de plano de saúde, aprovado pelo respectivo Conselho de Saúde, do qual conste a contrapartida de recursos no Orçamento do Estado, do Distrito Federal ou do Município.

19 § 1º Os planos municipais de saúde serão consolidados na esfera regional e estadual e a transferência de recursos pelo Fundo Nacional de Saúde dos Municípios fica condicionada à indicação, pelas Comissões Bipartites da relação de Municípios que, além de cumprirem as exigências legais, participam dos projetos de regionalização e hierarquização aprovados naquelas comissões, assim como à compatibilização das necessidades da política de saúde com a disponibilidade de recursos. § 2º. O plano de saúde discriminará o percentual destinado pelo Estado e pelo Município, nos respectivos orçamentos, para financiamento de suas atividades e programas.

20 Art. 3º - Os recursos transferidos pelo Fundo Nacional de Saúde serão movimentados, em cada esfera de governo, sob a fiscalização do respectivo Conselho de Saúde, sem prejuízo da fiscalização exercida pelos órgãos do sistema de Controle Interno do Poder Executivo e do Tribunal de Contas da União.

21 Lei Art. 9º. Art. 9º. A direção do Sistema Único de Saúde (SUS) é única, de acordo com o inciso I do art. 198 da Constituição Federal, sendo exercida em cada esfera de governo pelos seguintes órgãos: I – no âmbito da União, pelo Ministério da Saúde; II – no âmbito dos Estados e do Distrito Federal, pela respectiva Secretaria de Saúde ou órgão equivalente; e III – no âmbito dos Municípios, pela respectiva Secretaria de Saúde ou órgão equivalente.

22 Lei Art. 33 Art. 33 Os recursos financeiros de Sistema Único de Saúde (SUS) serão depositados em conta especial, em cada esfera de sua atuação, e movimentados sob fiscalização dos respectivos Conselhos de Saúde.

23 Lei Federal N° , de 19 de Setembro de Dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências. Art. 36 – O processo de planejamento e orçamento do Sistema Único de Saúde (SUS) será ascendente, do nível local até o federal, ouvidos seus órgão deliberativos, compatibilizando-se as necessidades da política de saúde com a disponibilidade de recursos em planos de saúde dos Municípios, dos Estados, do Distrito Federal e da União.

24 Lei 8142/90 Dispõe sobre a participação da comunidade na gestão do Sistema Único de Saúde (SUS) e sobre as transferências intergovernamentais de recursos financeiros na área da saúde e dá outras providências. Art. 1º. O Sistema Único de Saúde (SUS), de que trata a Lei nº. 8080, de 19 de setembro 1990, contará, em cada esfera de governo, sem prejuízo das funções do Poder Legislativo, com as seguintes instâncias colegiadas: I – a conferência de saúde; e II – o conselho de Saúde

25

26 Quorum Ministros presentes: Valmir Campelo (Presidente), Marcos Vinicios Vilaça (Relator), Humberto Guimarães Souto, Adylson Motta, Walton Alencar Rodrigues, Guilherme Palmeira, Ubiratan Aguiar, Benjamin Zymler e o Ministro-Substituto Lincoln Magalhães da Rocha. Auditores presentes: Augusto Sherman Cavalcanti e Marcos Bemquerer Costa.

27

28 Raquel Elias Ferreira Dodge Procuradora Regional da República Ministério Público Federal Procuradoria Regional da República SAS Quadra 5, lote 8, bloco E – Brasília – DF

29 Quem dá o direito, tem de garantir o meio de exercê-lo, sob pena de negar o direito.

30 De tanto ver triunfar as nulidades, de tanto ver prosperar a desonra, de tanto ver crescer a injustiça,de tanto ver agigantarem-se os poderes nas mãos dos maus, o homem chega a desanimar- se da virtude,a rir-se da honra, a ter vergonha de ser honesto. Rui Barbosa Contribuição: Urquilei dos Santos Pinheiro – CES/RJ Discípulo de Catulo da Paixão Cearense Caboclo Brasileiro Formado na Escola da Vida


Carregar ppt "IMPUNIDADE O BRASIL VIVE O CRIME SEM CASTIGO É PRECISO PRESTAR CONTAS À SOCIEDADE Para os absolutistas, o poder dos governantes era concedido por Deus."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google