A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

A L u z D i v i n a 26º SIMPÓSIO Abril 2012. 4Bibliografia O Evangelho Segundo o Espiritismo – OESE – Allan Kardec O Livro dos Espíritos – OLE – Allan.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "A L u z D i v i n a 26º SIMPÓSIO Abril 2012. 4Bibliografia O Evangelho Segundo o Espiritismo – OESE – Allan Kardec O Livro dos Espíritos – OLE – Allan."— Transcrição da apresentação:

1 A L u z D i v i n a 26º SIMPÓSIO Abril 2012

2

3

4 4Bibliografia O Evangelho Segundo o Espiritismo – OESE – Allan Kardec O Livro dos Espíritos – OLE – Allan Kardec Pedagogia Espírita – Dora Incontri – tese de doutorado - A Gênese – G – Allan Kardec Mediuns e Mediunidade – Vianna de Carvalho – Divaldo Franco Educação e Espiritismo – Raul Teixeira – 3º Congresso Espírita - Mato Grosso – abril 2005 – Vinha de Luz – Chico Xavier - Emmanuel Consciência é a Resposta – CeaR – Robert Happé A Bíblia Sagrada – BS Consciência e Mediunidade – CeM. – Projeto M. Philomeno de Miranda

5 "Que presente melhor poderíamos oferecer à República além de educar nossos jovens?" Marco Tulio CÍCERO 106 – 43 a. C.

6 Pestalozzi – órfãos em Stans Comenius Comenius A vida educa. Mas a vida que educa não é uma questão de palavras, e sim de ação. É atividade. e sim de ação. É atividade. Pestalozzi o melhor momento para remediar excessos e deficiências acontece quando as inteligências são novas..o melhor momento para remediar excessos e deficiências acontece quando as inteligências são novas..

7 Pestalozzi – órfãos em Stans Comenius

8 "... é rebuscando a causa primeira dos instintos e das inclinações inatas que se descobrirão os meios mais eficazes de combater os maus e desenvolver os bons. Quando esta causa for conhecida, a educação possuirá a mais poderosa alavanca moralizadora que jamais teve." (Revista Espírita - Junho de 1866

9 Como podemos lembrar de nossa ignorância, uma exigência para o amadurecimento, se estamos usando nossos conhecimentos durante todo o tempo. (Thoreau )

10 "Educação não é só ensinar a ler e escrever. É ensinar a pensar", enfatiza a atriz, que ressente a falta de consciência dos governantes e de vigilância por parte da sociedade. N ão é preciso estar na escola para praticar a Educação. "A Educação sem a cultura é um esqueleto sem músculos". "Como eu luto pela qualidade da Educação? Fazendo o meu ofício: no palco, no cinema, na televisão, nas palestras, nas oficinas de dramaturgia pelo Brasil, em campanhas... Fernanda Montenegro

11 O que é Deus? Pela obra se conhece o autor. OLE - Capítulo I pg. 55 Deus é a inteligência suprema, causa primária de todas as coisas

12 Deus OLE - Capítulo I pg. 55 Quais os Seus atributos? Não sabemos! Eterno Imutável Imaterial Único Todo Poderoso Soberamente justo e bom Mas Êle não pode deixar de Ser Soberamente justo e bom

13 OLE – 76 / 83 Os Espíritos são os seres inteligentes da criação. A incompreensão de algo, pela limitação da inteligência, não nos dá razão para o repelirmos. ESPÍRITO Povoam o Universo, além do mundo material

14 O que é Matéria? OLE - Capítulo I pg. 61 Segundo a ciência: (R) - OLE 22 - aquilo que tem extensão, pode impressionar os sentidos e é impenetrável. ® ® 22 a - É o liame que escraviza o espírito, é o instrumento que ele usa, e sobre ele exerce a sua ação. Essa definição é exata?

15 Deu a cada um uma missão, com a finalidade de os esclarecer e progressivamente conduzí-los à perfeição Os Espíritos foram criados por Deus, Simples e Ignorantes – único, indivíduo – sem conhecimento

16 Um Espírito resgatando, em parcelas, dividas acumuladas. Um Espírito que necessita aprender a viver com sabedoria. CeaR – Robert Happé pag. 141 Um Espírito que prestará contas de si mesmo O que somos? Um Espírito, transitoriamente, ocupando um corpo de matéria densa. Um Espírito que comete erros.

17 17 Revelação G – pg. V – Herculano Pires O Mundo vem se revelando aos homens lentamente, através dos milênios. A realidade começa a desvendar-se aos nossos olhos, desde o século passado, graças à extraordinária aceleração das Ciências. As ideias conflitivas reduziram-se, com o avanço cultural. As duas concepções opostas: a religiosa, considerada definitiva e a única verdadeira, e a científica, baseada em hipóteses que exigiam longas pesquisas para a sua comprovação.

18 18 Revelação G – pg. 19 Moisés revelou aos homens o conhecimento de um Deus único. Jesus ajuntou a revelação da vida futura Enviar-vos-ei o Consolador, o Espírito da Verdade, que restabelecerá todas as coisas e vo-las explicará. Jesus (João 14:16. Mt 17)

19 19 Revelação G – pg. VII – Herculano Pires Kardec, no final do século XIX, revela a existência de um outro mundo, na Terra. Um mundo que interprenetra o nosso. Constituido por matéria em outra dimensão e abriga a população dos que chamamosmortos. PJ PJ Esses mortos se comunicam conosco e fornecem informações sobre o seu novo habitat. M E M E M E A Ciência rejeitou por mais de um século. De 1930 para cá a Física e a Biofísica descobrem a antimáteria. Os soviéticos descobrem o chamado corpo bioplasmático que sobrevive ao corpo físico.

20 20 G – pg. VII – Herculano Pires

21 21 Revelação G – pg. 16 Há um fato muito singular, manifestado por alguns Espíritos, de que não crêem que estão mortos G G Não demonstram perplexidade, surpresa, ao se perceberem no corpo fora do corpo material.

22 22 A razão é um guia infalível ? OLE – 75-a Má educação Pelo orgulho Pelo egoísmo Seria se não fosse falseada pela

23 Consciência CeM - pg Jung: É a relação dos conteúdos psíquicos com o ego, na medida em que essa relação é percebida como tal pelo ego. Expressa-se em uma atitude perante a vida, um desvendar de si mesmo, de quem se é, de onde se encontra, analisando, depois, o que se sabe e quanto se ignora, equipando-se de lucidez que não permite mecanismos de evasão da realidade. Trata-se de uma tomada de conhecimento lógico. Não basta conhecer, mas também viver a experiência de ser o objeto conhecido. GJ

24 24 Consciência De sono – ausência de idealismo, atividades reduzidas aos de natureza fisiológica – Sono sem sonhos. 1 De sono – ausência de idealismo, atividades reduzidas aos automatismos de natureza fisiológica – Sono sem sonhos. 1 MM – pag 31 Despertamento – primeiras expressões de idealismo, de interesse, luta pela aquisição de, vislumbra prazer além da sensação – Sono com sonhos. 2 Despertamento – primeiras expressões de idealismo, de interesse, luta pela aquisição de valores, vislumbra prazer além da sensação – Sono com sonhos. 2 Desperta – começa a observar-se a si mesmo e ao próximo. Amplia o grau de social e emocional. Valores éticos. Descobre metas – Identificação. 3 Desperta – começa a observar-se a si mesmo e ao próximo. Amplia o grau de relacionamento social e emocional. Valores éticos. Descobre metas – Identificação. 3 De si mesmo – as funções automáticas, instintivas, motoras, sexuais, do intelecto e da emoção devem ser canalisadas – Transcendência do eu. 4 Objetiva – o espírito encarnado e lúcido emancipa-se das amarras físicas. Exige sacrifício pessoal, abnegação, crítério de objetivo – Cósmica. 5

25 MM - pg. 7 Gurdjieff (1872 – 1949)

26 26 Consciência MM – pag 33 / 31 A conquista dos vários níveis de consciência é feita passo a passo, com esforço e dedicação reunidos. Os fenômenos mediúnicos podem ocorrer em qualquer nível de consciência

27 Fenômenos Mediúnicos MM - pg. 7 A mediunidade é conquista espiritual do homem, no seu processo evolutivo. Manifesta-se através da organização física O pensamento do comunicante é captado pelo médium através da lei de afinidade fluídica e passa por estágios diferentes. A harmonia de pensamento e vibrações faz-se indispensável para a fidelidade nas comunicações espirituais. A glândula pineal, responde pelos mecanismos da meditação e da reflexão, do pensamento e do discernimento. Responsável pelas comunicações mediúnicas

28 Pineal MM - pg. 7

29 Quando não conseguimos reconhecer que somos capazes de superar os padrões de hábitos negativos. Karma CeaR – 72 As leis de causa e efeito vem nos assistir, ajudando-nos a atrair para nós o que precisamos para aprender

30

31 O que estamos fazendo aqui? O fio condutor de nossa história é o processo de evolução da consciência. Raios de luz cósmica se derramam sobre nós todos os dias, incentivando-nos a fazer as coisas de modo diferente. CeaR – Robert Happé pag. 81 O foco da vida é o de recordar quem somos e expressar o que sabemos.

32

33 O que estamos fazendo aqui? Podemos continuar vivendo no caos de nossos dramas e conflitos cotidianos.

34 O que estamos fazendo aqui? Ou criar um estilo de vida diferente, enxergando beleza em tudo. Começar a olhar à nossa volta com um novo olhar.

35 O que estamos fazendo aqui? De que maneiras posso me tornar útil? CeaR – Robert Happé pag. 81

36 O que estamos fazendo aqui? Podemos nos expressar de modo amoroso e como seres livres. Buscar o significado da vida. Estudar a nossa personalidade. Sondar o nosso interior à procura de novos recursos. CeaR – Robert Happé pag. 82 Todos desejam a paz.

37 O que estamos fazendo aqui? Essa energia nos liberta dos ciclos repetitivos das experiências. CeaR – Robert Happé pag. 82 O desafio a todos que estão encarnados é o de lembrar do livre arbítrio. – Energia – Quanto mais nos expressamos a partir do nosso livre arbítrio, mais nos lembramos de quem somos e o que somos capazes de fazer. Isso é despertar !

38 O que estamos fazendo aqui? CeaR – Robert Happé pag. 82 Despertar é readquirir a capacidade de fazer escolhas, a partir do uso de nossa atenção. Significa a capacidade de observar as polaridades das experiências. Enxergar nossas possibilidades de fazer o que é mais apropriado para nós, sem ferir ninguém. Quando esquecemos do nosso livre arbítrio, entramos no mundo da ilusão e da separação.

39 O que estamos fazendo aqui? CeaR – Robert Happé pag. 82 / 83 O jogo neste planeta é o de acordar da amnésia. Aprendermos a acessar nosso livre arbítrio. Perceber o jogo através de nossas experiências. Perceber que o positivo e o negativo são duas faces da mesma moeda. M M Quando perdemos a visão de que as polaridades se pertencem intrinsecamente, uma a outra, nossa vida se torna uma sucessão de mal entendidos.

40 Acordar da Amnésia Conhecimento EventosEnsinamentos Processo Transformador Experiência Livre Arbítrio Liberdade Conhecereis a Verdade e ela vos Libertará Jesus Tornar-se Consciente Realidade Polarizada Consciência das energias Traduzir Acessar CeaR – Robert Happé pag. 82 / 83

41 CeaR – Robert Happé pag. 139

42 O que estamos fazendo aqui? CeaR – Robert Happé pag. 86 / 87 O convite não é para que desenvolvamos nossas habilidades. É para adquirir a percepção consciente. A seguir procuremos equilibrar a energia que circula dentro de nós. Equilibrando os opostos. Criamos aquilo que pensamos. Qualquer coisa que temermos, irá nos seguir, até que aprendamos a encará-la de frente, abraçando-a e integrando-a com amor. Ideologias têm efeito venenoso sobre nossa percepção. São anteparos entre nós e nosso saber.

43 "Se qualquer te obrigar a caminhar uma milha, vai com ele duas". Jesus Mateus, 5:41

44 3. Transformação da consciência. CeaR – 74 Desenvolvimento Espiritual Caminhos 1. Sofrimento 2. Servir

45 1. Sofrimento CeaR – 74 Desenvolvimento Espiritual Caminhos 2. Servir Causa: educação deficiente e falsos ensinamentos. A nós e aos outros. Contribuição. Colaboração É um sinalizador daquilo que precisa ser mudado. Sm Sm

46 3. Transformação da consciência. CeaR – 74 Desenvolvimento Espiritual Caminhos Desafios: enxergar nossas atitudes e decidir por mudanças. Examinar as próprias crenças e opiniões com desprendimento aos apegos e decidir abrir mão do que não se harmonize com as leis do amor e do perdão.

47 CeaR – 136 Ações motivadas por sentimentos de superioridade ou inferioridade Geram demonstrações de vaidade ou ignorância MEDO Separação Desenvolvemos vibrações negativas:

48 CeaR – 136 MEDO

49 CeaR – 136 Suspeita Hostilidade Raiva Vingança Ganância Inveja MEDO Separação Desequilíbrio psicológico Esforço: manipular, coagir, controlar. Vibrações Negativas

50 Força-nos a vivenciar aquilo que queremos evitar. Vibrações negativas CeaR – 72 A hostilidade em relação a outros. A autopiedade. Relacionadas com controlar ou ser controlado.

51 Consequências do controle: CeaR – Robert Happé pag. 137 É um modo de vida. Padrão desenvolvido para sobreviver à sua realidade. Influencia negativamente o ambiente e os demais. Essa negatividade se traduz em comunicação deficiente. Relações fora de equilíbrio Não há abertura para a reconciliação

52 Consequências do controle: CeaR – Robert Happé pag. 137 A atuação deixa os demais sem defesas. Isolamento do convívio. Privação de relações de confiança e harmonia. Deixam de viver relações de intimidade e amor. Separação de relacionamentos colorosos e amizade. Medo da vulnerabilidade e ser machucada, caso de abertura.

53 Todos temos certa cota de dominação e controle. Precisamos aprender como nos libertar. CeaR – Robert Happé pag. 138 Remoção do controle HARMONIA Comunicação e Compartilhamento mútuo.

54 CeaR – 90 Polaridade 1. 1.Transpassar o modo de pensar em polaridades – parte racional da consciência – bem, mal – – certo, errado. Para sintonizar com as frequências superiores da consciência: Devem ser reconciliados

55 CeaR – 90 Polaridade 2. Lembrar e anotar frases que emitimos: gosto disso / não gosto daquilo Para sintonizar com as frequências superiores da consciência: Devem ser equilibrados

56 CeaR – 90 Polaridade 3. Um pensamento é como uma gravação - cria situações Positivas É uma semente, plantada no jardim de nossa alma. Torna-se uma árvore, gerando frutos e sementes. Resultado Colheita Negativas Para sintonizar com as frequências superiores da consciência:

57 CeaR – 135 Uma energia que leva as pessoas a atuar de maneiras não amorosas. É como se nuvens encobrissem nossa visão, turvando nossas perspectivas e nosso senso de direção. MEDO

58 CeaR – Robert Happé pag. 139

59 Eterno é tudo aquilo que dura uma fração de segundo, mas com tamanha intensidade, que se petrifica, e nenhuma força jamais o resgata! Fácil é ouvir a música que toca. Difícil é ouvir a sua consciência. Acenando o tempo todo, mostrando nossas escolhas erradas. Fácil é ditar regras. Difícil é seguí-las. Ter a noção exata de nossas próprias vidas, ao invés de ter noção das vidas dos outros. Fácil é chorar ou sorrir quando der vontade. Difícil é sorrir com vontade de chorar ou chorar de rir, de alegria. Fácil é dar um beijo.Difícil é entregar a alma. Sinceramente, por inteiro. Fácil é sair com várias pessoas ao longo da vida. Difícil é entender que pouquíssimas delas vão te aceitar como você é e te fazer feliz por inteiro. Fácil é ocupar um lugar na caderneta telefônica. Difícil é ocupar o coração de alguém. Saber que se é realmente amado. Fácil é ver o que queremos enxergar. Difícil é saber que nos iludimos com o que achávamos ter visto. Admitir que nos deixamos levar, mais uma vez, isso é difícil. Fácil é sonhar todas as noites. Difícil é lutar por um sonho. Fácil é mentir aos quatro ventos o que tentamos camuflar.Difícil é mentir para o nosso coração. Fácil é dizer "oi" ou como vai? Difícil é dizer "adeus". Principalmente quando somos culpados pela partida de alguém de nossas vidas... Fácil é abraçar, apertar as mãos, beijar de olhos fechados. Difícil é sentir a energia que é transmitida. Aquela que toma conta do corpo como uma corrente elétrica quando tocamos a pessoa certa. Fácil é querer ser amado. Difícil é amar completamente só. Amar de verdade, sem ter medo de viver, sem ter medo do depois. Amar e se entregar. E aprender a dar valor somente a quem te ama. Fácil é ser colega, fazer companhia a alguém, dizer o que ele deseja ouvir. Difícil é ser amigo para todas as horas e dizer sempre a verdade quando for preciso. E com confiança no que diz. Falar é completamente fácil, quando se tem palavras em mente que expressem sua opinião. Difícil é expressar por gestos e atitudes o que realmente queremos dizer, o quanto queremos dizer, antes que a pessoa se vá. Fácil é analisar a situação alheia e poder aconselhar sobre esta situação. Difícil é vivenciar esta situação e saber o que fazer. Ou ter coragem pra fazer. Fácil é demonstrar raiva e impaciência quando algo o deixa irritado. Difícil é expressar o seu amor a alguém que realmente te conhece, te respeita e te entende. E é assim que perdemos pessoas especiais.

60 Eterno é tudo aquilo que dura uma fração de segundo, mas com tamanha intensidade, que se petrifica, e nenhuma força jamais o resgata! Fácil é demonstrar raiva e impaciência quando algo o deixa irritado. Difícil é expressar o seu amor a alguém que realmente te conhece, te respeita e te entende. E é assim que perdemos pessoas especiais. Fácil é ver o que queremos enxergar. Difícil é saber que nos iludimos com o que achávamos ter visto. Admitir que nos deixamos levar, mais uma vez, isso é difícil. Fácil é ouvir a música que toca. Difícil é ouvir a sua consciência. Acenando o tempo todo, mostrando nossas escolhas erradas. Fácil é ditar regras. Difícil é segui-las. Ter a noção exata de nossas próprias vidas, ao invés de ter noção das vidas dos outros.

61

62 Etimologia Educação – Raul Teixceira Educar ExDucare Ex – extrair / extravasar Ducare – puxar Retirar para observar a bagagem que o espírito trás ao nascer. Instruir InStruere In – dentro de Struere – amontoar, empilhar, informar.

63 EDUCAÇÃO 1. Observação das Atitudes e dos Comportamentos Instruindo 3. Avaliação do aprendizado. Moldando o Caráter 2. Como aprimoro novos C + A ? Educação – Raul Teixceira Medo de bicho / música / ave pousando / Diagnose

64 Instruções dos Espíritos OESE – Cap. XIV item 9 – Santo Agostinho - A alma que encarna vem do espaço para progredir. Desde o berço, a criança manifesta os instintos bons ou maus que traz... Aplicar-se a estudá-los. Todos os males tem uma origem: egoísmo e orgulho. Ingratidão dos filhos e laços de família Missão dos pais: com amor, aproximar essa alma de Deus.

65 Instruções dos Espíritos OESE – Cap. XIV item 9 – Santo Agostinho - Haverá remédio? Não vos espanteis, mais tarde com a ingratidão. Reencarnação ! Espreitai. Os menores sinais revelam os germes desses vícios. Dedicai-vos a combate-los antes que lancem raizes.

66 A minha cruz é muito pesada! Deus não faz as provas superiores às forças daquele que as pede; só permite as que podem ser cumpridas. mas de VONTADE OESE – Cap. XIV item 9 – Santo Agostinho Se isto não se verifica, não é por falta de possibilidades,

67 OESE – Cap. XIV item 9 – Santo Agostinho - Importa não falir pela murmuração Para não perder o fruto da prova e ter de recomeçar. Resignação De quem depende abreviar o sofrimento individual? Do esforço do próprio indivíduo. As grandes provas são quase sempre o indício de um fim de sofrimento e de um aperfeiçoamento do Espírito, desde que sejam aceitas por amor a Deus.

68 Pedagogia Espírita Espiritismo e Educação _ Dora Incontri Ciência Filosofia Propõe uma Cosmovisão Evolucionista e Reencarnacionista Religião Prega uma prática centrada na Moral e ligação com Deus. Faz uma releitura do cristianismo Sem dogmas, rituais e sacerdócio hierarquisado. Existência dos Espíritos Sobrevivência e individualidade da alma Atuação dos Espíritos sobre o mundo físico.

69 Pedagogia Divina (?) Espiritismo e Educação _ Dora Incontri Se o espiritismo entende o percurso da alma humana através do tempo, como um processo educativo, deflagrado por Deus, compreendido como Pai, então deve haver uma pedagogia divina. então deve haver uma pedagogia divina. Esta pedagogia tem três parâmetros:

70 Pedagogia Espírita Espiritismo e Educação _ Dora Incontri Liberdade Ação Agir no mundo para promovermos nosso aprendizado, experimentando e vivenciando, até adquirir sabedoria e virtude. Amor Não estamos sós. Deus envia seus mensageiros para nos ensinar a verdade e o bem. Pedagogia Divina A ção AMO R L iberdade Temos o direito e o dever de construirmos a nós mesmos. Cultivarmos as sementes que trazemos.

71 Espiritismo e Educação _ Dora Incontri Que forças me motivarão para uma educação contínua ? As noções de imortalidade, de livre-arbítrio, de lei de causa e efeito e de lei de causa e efeito e de vidas sucessivas, mediante a reencarnação Pedagogia Divina Progresso (?)

72 Espiritismo como Educação _ Cláudia Werdini Quem instrui Pedagogia Divina Progresso Quem educa Quem evangeliza prepara para a vida, dá a vida, fomenta a vida.

73 Qual a tarefa da Pedagogia Espírita ? Espiritismo e Educação _ Dora Incontri Combater as más tendências. Com o conhecimento das leis que regem essa natureza moral Como? Para modificar a inteligência - INSTRUÇÃO Com base no estudo da natureza moral do homem. Procurar modificá-la. Para modificar as condições físicas - HIGIENE.

74 Qual a tarefa da Pedagogia Espírita ? Espiritismo e Educação _ Dora Incontri Educar homens para o bem. E a ética? Agir em conformidade com a justiça, com o amor e com a caridade. Compenetrar-se da sua imortalidade e responsabilidade enquanto ser vivente na Terra. Do desenvolvimento progressivo e natural do ser. Não a ética da salvação. Do desenvolvimento progressivo e natural do ser. Não a ética da salvação.

75 3. Trabalho Vida: Desafios e Soluções – Joanna de Ângelis 1. Tolerância 2. Solidariedade Fraternidade Perdão irrestrito O homem identifica sua realidade quando age, tornando-se útil. Roteiro de saúde e equilíbrio para todos os que buscamos evoluir Equilíbrio

76 Consciência e Mediunidade – Projeto Philomeno de Miranda – pg.138 Equilíbrio O conhecimento sem a experiência vivida no cotidiano carece de valor para significar equilíbrio, por não haver passado pelo teste demonstrativo da sua resistência. J.A.

77 A educação é a arte que permitirá ultrapassar a desordem e a imprevidência (...) A educação é a arte que permitirá ultrapassar a desordem e a imprevidência (...) Kardec (OLE-685-a)

78 A educação moral complementando a intelectual. Não a moral pelos livros. A que forma o caráter e cria os hábitos. Kardec (OLE-685-a)

79 Um equivoco muito frequente entre os novos adeptos é o de se julgarem mestres após alguns meses de estudo. Essa pretensão de não mais necessitar de conselhos, e de se julgar acima de todos, é uma prova de insuficiência, pois foge a um dos primeiros preceitos da Doutrina: a modéstia e a humildade." (Revista Espírita – 1861)

80 A fibra mais dura derrete-se no fogo do amor. A fibra mais dura derrete-se no fogo do amor. Se não se derreter, quer dizer que o amor não é suficiente forte. Ghandi (1869 – 1948)

81 É muito fácil encarcerar ou eletrocutar um criminoso. Educá-lo é mais difícil, mais trabalhoso, demanda esforço, tempo, saber e caridade. Para varrer-se o mal da Terra, é preciso que se apliquem métodos naturais, conducentes a esse objetivo. O método natural é a educação do espírito O método natural é a educação do espírito (463 D.I)

82 Deus não cria Espíritos como os escultores modelam estátuas. As Obras de Deus são vivas, trazem em si mesmas as possibilidade de um autodesenvolvimento. Vinicius Jesus multiplicou os pães para saciar a fome da multidão. Multiplicou o bom vinho nas bodas de Caná para estimular a alegria.

83 O Livre Arbítrio é a liberdade de escolha que temos dentro das limitações que nos impomos por falta de responsabilidade ou amadurecimento. A Gênese

84 Reconciliação do Homem com Deus MM - pg. 11 O homem necessita viver com religiosidade. O fundamento é a crença em um Deus-Amor. O ensino na imortalidade da alma e na justiça. A falência não está na fé religiosa, mas no homem. Ignorante, se fanatiza. Astuto, se torna prepotente. Malvado se compraz no crime. Complexado utiliza todos os recursos para atingir os cumes da vida... Esconde-se na impiedade e na perversão.

85 MM - pg. 14 A meta deve ser o homem. Trabalhando-lhe o caráter. Iluminando-lhe a consciência. Dulcificando-lhe os sentimentos. O homem necessita de um clima de confiança e paz; uma filosofia existencial, dignificadora. Sem dogmatismo ou ritualística. Que o conduza a Deus. A finalidade é cientificar o homem a respeito da sua realidade imortal, dos fenômenos post- mortem e da conduta filosófica a viver enquanto no estágio carnal. A agressividade, a indiferença e medo tomaram conta do mundo, produzindo alarmantes índices de toxicômanos, loucos, pervertidos e insensíveis emocionais. O homem necessita de um clima de confiança e paz; uma filosofia existencial, dignificadora. Sem dogmatismo ou ritualística. Que o conduza a Deus. Recon Recon Reconciliação do Homem com Deus

86 [...] porquanto, tive fome e me destes de comer; tive sede e me destes de beber; careci de teto e me hospedastes; - estive nu e me vestistes; achei-me doente e me visitastes; estive preso e me fostes ver. Jesus

87 87 Chico - Emmanuel

88

89 89 Pedagogia Religiosidade DEUS Espírito Matéria Revelação Consciência Desenvolvimento Espiritual Polaridade Equilíbrio Educação e Equilíbrio Resumo Causa, Universo, Escravidão Enviarei o CONSOLADOR Jesus Despertar, Transcender, Emancipar, Esforço Livre Arbítrio, Atenção, Sofrimento, Serviço, Transformação Faces da moeda. Frequências superiores TolerânciaSolidariedadeTrabalho Educar demanda esforço, tempo, saber e caridade. Clima de confiança e paz que conduza o homem a Deus Educar – Instruir Liberdade – Ação - Amor

90 90 Amar ao PRÓXIMO como a SI mesmo Amar a DEUS sobre todas as coisas

91 91 Exercício


Carregar ppt "A L u z D i v i n a 26º SIMPÓSIO Abril 2012. 4Bibliografia O Evangelho Segundo o Espiritismo – OESE – Allan Kardec O Livro dos Espíritos – OLE – Allan."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google