A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Aula 6 A industria do Petróleo. O que é? Pedra + óleo Liquido : oleoso, viscoso, inflamável, coloração variável Combinação de hidrocarbonetos N 2, O 2,

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Aula 6 A industria do Petróleo. O que é? Pedra + óleo Liquido : oleoso, viscoso, inflamável, coloração variável Combinação de hidrocarbonetos N 2, O 2,"— Transcrição da apresentação:

1 Aula 6 A industria do Petróleo

2 O que é? Pedra + óleo Liquido : oleoso, viscoso, inflamável, coloração variável Combinação de hidrocarbonetos N 2, O 2, íons metálicos, compostos do enxofre Produtos: benzina, gasolina, óleo diesel, asfalto, medicamentos, etc.

3 Histórico 4000 a.c Oriente médio Mesopotâmia, do Egito, da Pérsia e da JudéiaMesopotâmiaEgitoPérsiaJudéia Chineses ORIGEM DA INDÚSTRIA PETROLÍFERA 1850 James Young - Escócia Azerbaijão 1846 – primeiro poço moderno Canadá 1858 – primeiro poço das Américas

4 Histórico Estados Unidos – Pensilvânia – 1859.Estados Unidos Os Estados Unidos da América, Rússia, Irã, Arábia Saudita, Venezuela, Kuwait, Líbia, Iraque, Nigéria e Canadá, são considerados um dos maiores produtores mundiais. Irã Arábia SauditaVenezuela IraqueNigéria A OPEP

5 Histórico O PETRÓLEO NO BRASIL Bofete - SP, entre 1892 e 1896 – Eugênio Ferreira de CamargoBofete , primeira refinaria de petróleo do país, a Refinaria Rio-grandense de Petróleo, em Uruguaiana1932 Refinaria Rio-grandense de Petróleo Uruguaiana 1939 que foi descoberto óleo em Lobato (Salvador), no estado da Bahia.1939Lobato (Salvador)Bahia PETROBRÁS no segundo Governo de Getúlio Vargas - Lei de 3 de outubro de 1953Getúlio VargasLei de 3 de outubro de 1953

6 Histórico 1974 – Indícios de óleo na Bacia de Campos Fonte: Petrobras

7 Cadeia produtiva PETRÓLEO Combustíveis

8 Extração de óleo na terra

9 Perfução do poço Perfuação

10

11

12 Para conhecimento.

13 DESTILAÇÃO ESQUEMA GERAL

14 DESTILAÇÃO ATMOSFÉRICA

15 DESTILAÇÃO À VÁCUO

16 Classificação do Óleo

17 UNIDADES ADICIONAIS FCCHCC HC Craqueamento catalítico ISOMERIZAÇÃO REFORMA DESASFALTIZAÇÃO

18 REFORMA CATALÍTICA Produtos: H 2, gasolina(88%),GLP (2%), gás combustível (2%) MP: Nafta

19 EXEMPLO - REFORMA

20 ISOMERIZAÇÃO Produtos: gasolina(100%) MP: Nafta leve

21 DESASFALTIZAÇÃO U-DASF fluxo simplificado Produtos: GOP (60 – 75%) e OComb (25-40%) MP: Resíduo de vácuo e Propano (2%)

22 FCC MP – Gasóleo Produto – GLP 16,5%; propeno 6,5%; Gasolina 47%; diesel 22%; óleo combustível 11%;

23 HCC

24 ACOILAÇÃO MP – propeno, buteno, penteno (do FCC ou U-coque) e iso-butano Produto – hidrocarboneto ramificado de alta octanagem e GLP

25 UNIDADE DE PRODUÇÃO DE ÓLEO LUBRIFICANTE

26 U-COQUE GLP: 7%; Nafta: 19%: Destilado: 40%; Gasóleo: 22%; Coque: 23% e Gás: 5%.

27 HCC

28

29

30

31 TRATAMENTO Processos que utilizam Soda Cáustica e DEA (Dietanol Amina) e basicamente –utilizados para adoçamento (transformação de compostos agressivos de enxofre –em outros menos danosos) e/ou remoção de compostos de enxofre, como H2S, –Mercaptans e S elementar. Bender – adoçamento utilizando Soda e Catalisador a base de Chumbo e mais utilizado para QAV. Hoje está sendo substituído por processos mais eficazes a base de Hidrogênio (Hidrotratamento). Lavagem Cáustica – remoção de H2S e Mercaptans, além de outros ácidos, das correntes de GLP e Nafta. Merox – objetiva remoção de mercaptans utilizando Soda e catalisador organo-metálico, aplicável a correntes de GLP, Naftas, Querosene e Diesel.

32 TRATAMENTO HIDRODESSULFURIZAÇÃO ( HDS) – Hidrogenação branda de moléculas de hidrocarbonetos removendo Enxofre que nelas estavam agregadas; também satura as Olefinas eliminando as duplas ligações. HIDROTRATAMENTO ( HDT) - Hidrogenação mais severa que o HDS; alémde remover o Enxofre, pode também remover o Nitrogênio, Oxigênio e Metaisalém de saturar Aromáticos, utilizando o mesmo princípio. O processo de Hidrotratamento possui vários níveis de severidades emfunção da qualidade do produto que se deseja obter e do tipo da carga. Pela ordem de aumento de severidade, situa-se: saturação de olefinas,remoção de Metais (Ni, V), de S, de N e saturação de Aromáticos.

33 TRATAMENTO - HDT

34 Rendimentos típicos e aproximados de derivados de petróleo em algumas unidades de processo Rendimentos (% vol) UD AV FCC I (2) FCC II (2) FCC III (2) HCC - "Single-Stage" (3)(4) HCC - "Two- Stage" (3)(5) U- Coqu e UDA SF I UDAS F II Refor ma Isomeriz ação Produtos (1) K UOP >= 12 K UOP 11,7 - 11,9 K UOP <= 11,6 MHC com conv 90% MHC com conv 70% C/ reciclo conv. total Conver são 85% C/ reciclo conv. Total K UOP >= 12 K UOP < 12 CCR da UOP Penex da UOP GLPx 29,0 %24,0%16,5%5,0%4,0% 3,0%4,0%7%-2% 2% Propeno 9,0%8,0%6,5% Naftax 26,3%22,0%27,0%16,0%23,0%19% Gasolina 52,0 %48,0%47,0% 88%100% Querosenex QAVx 44,7%36,0%46,0%35,0%39,0% Diesel / LCO / Diesel coquex 10,0 %16,0%22,0%30,8%25,0%41,0%43,0%52,0%40% HVGO 10,0%30,0% 15,0%0,0% GOPx 22%75%60% RVx RATx Óleo Comb / OD / Rasfx5,0%8,0%11,0% 25%40% Consumo próprio 2,0%3,0%4,0%1,0% 5% 2% Coque 23% Total 0,0 % 107,0 % 117,8 % 118,0 % 119,0 %113,0%119,0% 116,0 % 98,0 % 92,0 %100,0% Conversão (% vol) 85,0 %76,0%67,0%90%70%100%85%100% Hidrogênio Nm³/m³ carga (6) 180 a a a a


Carregar ppt "Aula 6 A industria do Petróleo. O que é? Pedra + óleo Liquido : oleoso, viscoso, inflamável, coloração variável Combinação de hidrocarbonetos N 2, O 2,"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google