A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

O Meio Ambiente em debate Samuel Murgel Branco Biólogo e Naturalista, Professor titular da USP, consultor internacional da Organização Mundial de Saúde.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "O Meio Ambiente em debate Samuel Murgel Branco Biólogo e Naturalista, Professor titular da USP, consultor internacional da Organização Mundial de Saúde."— Transcrição da apresentação:

1

2 O Meio Ambiente em debate Samuel Murgel Branco Biólogo e Naturalista, Professor titular da USP, consultor internacional da Organização Mundial de Saúde (OMS)

3 1 – O que é ECOLOGIA? Ciência que estuda as relações de dependência recíproca entre os seres vivos e o ambiente em que vivem.

4 Definições importantes: MEIO AMBIENTE: conjunto de elementos e fatores físicos, químicos e biológicos necessários à sobrevivência de cada espécie. MEIO AMBIENTE: conjunto de elementos e fatores físicos, químicos e biológicos necessários à sobrevivência de cada espécie. ECOLOGIA: estudo da relações entre seres vivos e o meio ambiente. ECOLOGIA: estudo da relações entre seres vivos e o meio ambiente. ECOSSISTEMA: ambiente povoado por várias espécies em equilíbrio. ECOSSISTEMA: ambiente povoado por várias espécies em equilíbrio.

5 Tipos de relações De dependência entre as espécies; De dependência entre as espécies; De outros fatores ambientais (chuvas, etcs); De outros fatores ambientais (chuvas, etcs); Ambiente artificial (ração, obs.oxigênio); Ambiente artificial (ração, obs.oxigênio); Ambiente cultural (inteligência – tentativa de domínio da natureza); Ambiente cultural (inteligência – tentativa de domínio da natureza);

6 2 – Há um equilíbrio em tudo o que nos cerca Natureza viva: perfeito e constante equilíbrio – inclusive para eliminar o excesso de populações (predadores) Natureza viva: perfeito e constante equilíbrio – inclusive para eliminar o excesso de populações (predadores) Ex. formigas. Ex. formigas. A ação do homem tende a destruir esse equilíbrio. A ação do homem tende a destruir esse equilíbrio.

7 Predadores: fundamentais para evitar superpopulações de um ambiente. Introdução de animais em regiões não adequadas – desequilíbrio do meio ambiente: Introdução de animais em regiões não adequadas – desequilíbrio do meio ambiente: Introdução do coelho na Austrália (Destruição das plantações) Introdução do coelho na Austrália (Destruição das plantações) Sapos: aumento de insetos (EUA: bolsas e sapatos – decretada a proibição da caça e da exportação) Sapos: aumento de insetos (EUA: bolsas e sapatos – decretada a proibição da caça e da exportação) Outros fatores de desequilíbrio: Outros fatores de desequilíbrio: Falta de alimentos:Princípio de Malthus séc.XVIII e a explosão demográfica do séc.XX. Falta de alimentos:Princípio de Malthus séc.XVIII e a explosão demográfica do séc.XX. Bloqueios positivos: encurtar a vida x bloqueios preventivos: racionalização Bloqueios positivos: encurtar a vida x bloqueios preventivos: racionalização

8 3 – Impactos Ambientais Crescimento ilimitado das populações humanas = necessidade de mais energia e alimento. Crescimento ilimitado das populações humanas = necessidade de mais energia e alimento. Colisão (trauma ecológico): Colisão (trauma ecológico): a)Acidentalmente – fenômenos naturais (pelo menos 5, 1 deles ocasionou a morte dos dinossauros). b)Causado pela ação humana

9 Domínio da natureza: O problema da civilização moderna é não ter percebido que: O homem ainda depende da natureza. (Ex.: oxigênio) Domínio da natureza: O problema da civilização moderna é não ter percebido que: O homem ainda depende da natureza. (Ex.: oxigênio) A extinção de uma única espécie, provoca uma reação em cadeia. A extinção de uma única espécie, provoca uma reação em cadeia. A morte dos ecossistemas representará a morte do planeta. A morte dos ecossistemas representará a morte do planeta.

10 SISTEMA: O rganização de peças inter-relacionadas de maneira a garantir um fluxo de energia. SISTEMA: O rganização de peças inter-relacionadas de maneira a garantir um fluxo de energia. ECOSSISTEMA: S istema ecológico ECOSSISTEMA: S istema ecológico Início: fotossíntese Início: fotossíntese Término: decompositores Término: decompositores Maior biodiversidade, maior capacidade de auto- regulação: Homeostase. O que afeta diretamente a homeostase são os impactos ambientais causados pelo homem.

11 Redefinindo ECOSSISTEMA ECOSSISTEMA: ambiente povoado por várias espécies em equilíbrio. A biosfera é toda organizada em ECOSSISTEMAS. Portanto: ecossistemas são unidades sistêmicas da biosfera Interferência humana... Catástrofe... Desequilíbrio total da biosfera.

12 4 – Amazônia e Pantanal

13 Amazônia Solo pobre Solo pobre Sem grandes carnívoros Sem grandes carnívoros Desmatamento: sem árvores – sem folhas para decomposição – resultado: Deserto Desmatamento: sem árvores – sem folhas para decomposição – resultado: Deserto Várias espécies de árvores para resistir ao solo pobre. Várias espécies de árvores para resistir ao solo pobre. Rios pobres – alimentos vindos do solo trazidos pelas chuvas e inundações Rios pobres – alimentos vindos do solo trazidos pelas chuvas e inundações Índios: desmatar só o que é estritamente necessário. Índios: desmatar só o que é estritamente necessário. Ecossistema frágil

14 Pantanal - Características completamente diferentes da Amazônia Rios ricos : incrível reprodução de peixes e animais aquáticos Rios ricos : incrível reprodução de peixes e animais aquáticos Sem leito fixo – planície completa Sem leito fixo – planície completa Problemas: *desvio intencional dos rios: assoreamento, *mineração: transporte de terras, *desmate de jacaré: proliferação das piranhas. Problemas: *desvio intencional dos rios: assoreamento, *mineração: transporte de terras, *desmate de jacaré: proliferação das piranhas.

15 Erosão Morte dos animais

16 5 – Como se faz um deserto Ciclo hidrológico reciclagem permanente de água. Ciclo hidrológico reciclagem permanente de água. Lençol freático: terra encharcada de água como esponja. Lençol freático: terra encharcada de água como esponja. Transpiração das folhas + Transpiração das folhas + Evaporação dos rios. Evaporação dos rios. Processo de desertificação: Desmatamento: sem árvore, sem transpiração Processo de desertificação: Desmatamento: sem árvore, sem transpiração

17 Sertão brasileiro já foi bosque: Formação de pastagens Formação de pastagens Cultivo de plantas não nativas Cultivo de plantas não nativas Represamento – energia hidrelétrica Represamento – energia hidrelétrica

18 6 – O impacto causado pelas indústrias Moda dos descartáveis – desperdícios e consumismo exacerbados. Moda dos descartáveis – desperdícios e consumismo exacerbados. Mais consumo = mais empresas Mais consumo = mais empresas Conduta eticamente condenável - faz comprar mais do que realmente necessita. Conduta eticamente condenável - faz comprar mais do que realmente necessita. Consumo de grande matéria-prima: (árvores, minerais – alumínio, cobre – que deixam grandes crateras. Necessário muita produção de energia). Consumo de grande matéria-prima: (árvores, minerais – alumínio, cobre – que deixam grandes crateras. Necessário muita produção de energia). Subprodutos lançados no meio ambiente Subprodutos lançados no meio ambiente

19 Cubatão: Parque Industrial: falta de planejamento: ambiente impróprio. Parque Industrial: falta de planejamento: ambiente impróprio. Petroquímicas (plásticos, tintas) e Siderúrgicas (aço: minério de ferro e carvão mineral) Petroquímicas (plásticos, tintas) e Siderúrgicas (aço: minério de ferro e carvão mineral) Inversão térmica (ar baixo poluído não sobe). Agrave: Serra do Mar. Parada total de fábricas e veículos até normalização. Inversão térmica (ar baixo poluído não sobe). Agrave: Serra do Mar. Parada total de fábricas e veículos até normalização.

20 Manguezal: Mangues: maré cheia, canais correm para cima inundando área de planície coberta de vegetação. Vai e volta – extraordinária troca de alimentos. Mangues: maré cheia, canais correm para cima inundando área de planície coberta de vegetação. Vai e volta – extraordinária troca de alimentos. Um dos ecossistemas mais ricos produzidos sobre a Terra. Um dos ecossistemas mais ricos produzidos sobre a Terra. Reprodução de muitos animais aquáticos. Reprodução de muitos animais aquáticos. Grande reservatório (não inunda as cidades) Grande reservatório (não inunda as cidades) Indústrias construídas sobre os manguezais: destruição física, poeira das chaminés e esgoto. Indústrias construídas sobre os manguezais: destruição física, poeira das chaminés e esgoto.

21 Mangues de Cubatão/SP

22 7 – Os problemas da geração de energia

23 Energia: 1-hidrelétrica; 2-eólica; 3-térmica; 4-do núcleo atômico Energia limpa: 1 e 2 / Energia suja: 3 e 4 Energia limpa: 1 e 2 / Energia suja: 3 e 4 Características contra o meio ambiente: Características contra o meio ambiente: 1 - Inundação de grandes áreas florestais 1 - Inundação de grandes áreas florestais 3 - Queima de combustíveis e produção de gases tóxicos. Transporte individual: um dos maiores problemas ambientais da atualidade. 3 - Queima de combustíveis e produção de gases tóxicos. Transporte individual: um dos maiores problemas ambientais da atualidade. 4 - Geração de substâncias radiativas no meio. (fissão do átomo de urânio) 4 - Geração de substâncias radiativas no meio. (fissão do átomo de urânio)

24 Brasil: Usina Nuclear em Angra dos Reis/RJ

25 A usina nuclear A usina nuclear de Three- Mile de Three- Mile Island, na Island, na Pensilvânia USA Pensilvânia USA Acidente em 1979.

26 26 de abril de Uma explosão na usina nuclear de Chernobyl, na Ucrânia (ex- União Soviética), provocou a morte de 300 mil pessoas ao longo de 10 anos. A mancha escura mostra a zona atingida pela radiação. 26 de abril de Uma explosão na usina nuclear de Chernobyl, na Ucrânia (ex- União Soviética), provocou a morte de 300 mil pessoas ao longo de 10 anos. A mancha escura mostra a zona atingida pela radiação.

27 8 – Chuvas ácidas Composição da atmosfera. Composição da atmosfera. Problemas manifestados longe das regiões poluidoras. Problemas manifestados longe das regiões poluidoras. Destruição das esculturas de mármore em Atenas. Destruição das esculturas de mármore em Atenas. Efeito tampão nos lagos: mata os fungos: não há decomposição. Efeito tampão nos lagos: mata os fungos: não há decomposição. O lago vira depósito de lixo. O lago vira depósito de lixo.

28 Efeito das chuvas ácidas

29 Neblinas ácidas: Morte da Mata Atlântica Morte da Mata Atlântica Apodrecimento das raízes – deslizamentos Apodrecimento das raízes – deslizamentos 1983 – Cetesb – controle ambiental em SP – ótimo trabalho 1983 – Cetesb – controle ambiental em SP – ótimo trabalho

30 Degradação da Mata Atlântica

31 Efeito estufa: Estufas de Jardim

32 Efeito Estufa Prédios de vidro: não adequados para o Brasil Prédios de vidro: não adequados para o Brasil

33 Efeito Estufa Gás carbônico – mesmo efeito da estufa Gás carbônico – mesmo efeito da estufa Produção: Queima de combustíveis orgânicos (que não volta as origens) Produção: Queima de combustíveis orgânicos (que não volta as origens) Derretimento das geleiras: resfriamento dos oceanos e elevação dos níveis do mar. Derretimento das geleiras: resfriamento dos oceanos e elevação dos níveis do mar.

34 Buracos na Camada de Ozônio: Ozônio bloqueia radiação ultravioleta Ozônio bloqueia radiação ultravioleta 1984 – descoberta rombo, camada mais rarefeita na Antártida 1984 – descoberta rombo, camada mais rarefeita na Antártida Presença de cloro que vem das moléculas de freon = gás sintético (refrigeradores, perfumes e inseticidas). Presença de cloro que vem das moléculas de freon = gás sintético (refrigeradores, perfumes e inseticidas).

35 Buracos na Camada de Ozônio

36 Antártida

37 9 – Morte dos Oceanos Despejo de esgoto Despejo de resíduos industriais Despejo de resíduos industriais Derrame de óleo Derrame de óleo Mar: lata de lixo da humanidade: inanição e envenenamento Mar: lata de lixo da humanidade: inanição e envenenamento 2 milhões de toneladas por ano de óleo derramado. 2 milhões de toneladas por ano de óleo derramado.

38 Oceanos 40 a 50 metros na superfície da terra: mais vida 40 a 50 metros na superfície da terra: mais vida Oceano: 4000 metros de profundidade Oceano: 4000 metros de profundidade Camada de vida: 100 m fotossíntese Camada de vida: 100 m fotossíntese Fundo: sais minerais Fundo: sais minerais Riqueza: nas costas Riqueza: nas costas Zonas de ressurgências: Peru e Cabo Frio/RJ Zonas de ressurgências: Peru e Cabo Frio/RJ

39 Exploração sustentável: Aguardar renovação Aguardar renovação Empresas de pesca: respeitar limites Empresas de pesca: respeitar limites Proibição de rede: para não pescar o que não pode ser aproveitado (ONU) Proibição de rede: para não pescar o que não pode ser aproveitado (ONU)

40 10 – Inseticidas e Cia Destruição de componentes importantes – desequilíbrio Destruição de componentes importantes – desequilíbrio Compostos orgânicos sintéticos: bola de neve química Compostos orgânicos sintéticos: bola de neve química Condenação dos inseticidas não biodegradáveis Condenação dos inseticidas não biodegradáveis

41 Ideal: Inseticidas biodegradáveis Inseticidas biodegradáveis Não perto da colheita: menor absorção Não perto da colheita: menor absorção Uso de predadores naturais Uso de predadores naturais Alimentos orgânicos Alimentos orgânicos

42 11 – O crescimento das cidades e a poluição urbana Produtores – consumidores – decompositores Produtores – consumidores – decompositores Nas cidades há acúmulo de consumidores e o que é consumido não retorna às áreas de produção. Nas cidades há acúmulo de consumidores e o que é consumido não retorna às áreas de produção.

43 POLUIÇÃO é a colocação de energia e matéria no lugar errado Excesso de alimento orgânico: muita bactéria – pouco oxigênio – DBO – demanda bioquímica de oxigênio Excesso de alimento orgânico: muita bactéria – pouco oxigênio – DBO – demanda bioquímica de oxigênio Contaminação tóxica diferente de poluição Contaminação tóxica diferente de poluição Esgoto: melhor decomposição: solo Esgoto: melhor decomposição: solo

44 Lixo: Desenvolvimento de insetos (baratas, moscas) e ratos Desenvolvimento de insetos (baratas, moscas) e ratos Peste bubônica na Idade Média Peste bubônica na Idade Média Chorume (caldo escuro e ácido) Chorume (caldo escuro e ácido) Mau cheiro decorrente da decomposição Mau cheiro decorrente da decomposição

45 Lixo Resolver: retornar ao solo: transformá-lo em adubo Resolver: retornar ao solo: transformá-lo em adubo Restos de alimentos no lixo: Restos de alimentos no lixo: Brasil: 70% do lixo sólido Brasil: 70% do lixo sólido Europa: 30% Europa: 30%

46 Planejamento Zoneamento das cidades: Zoneamento das cidades: Residência + Estudo + Lazer Residência + Estudo + Lazer X Área de atividade Área de atividade

47 12 – Impactos sociais e culturais Diferentes ambientes Diferentes ambientes Diferentes culturas Diferentes culturas num mesmo país num mesmo país Não a globalização: vários ecossistemas, várias culturas Não a globalização: vários ecossistemas, várias culturas Oriente: hábitos milenares Oriente: hábitos milenares

48 Reflexão Desenvolvimento: Sacrifícios de culturas brasileiras, justo? Desenvolvimento: Sacrifícios de culturas brasileiras, justo? Desenvolvimento sustentável: Requer planejamento mundial: capacidade de renovação Desenvolvimento sustentável: Requer planejamento mundial: capacidade de renovação

49 Desastres ambientais Santa Catarina -22 de novembro de 2008

50 Haiti – 12 de janeiro de 2010

51 Chile – 27 de fevereiro de 2010

52 Rio de Janeiro – 7 de abril de 2010

53 Golfo do México - 20 de abril de 2010

54 Pernambuco e Alagoas: 17 de junho de 2010

55 Região Serrana do RJ 12 de janeiro de 2011

56 Terremoto no Japão 11 de março de 2011

57 Aula: Meio Ambiente Prof.ª Marcela Marques Vieira Colégio Atenas


Carregar ppt "O Meio Ambiente em debate Samuel Murgel Branco Biólogo e Naturalista, Professor titular da USP, consultor internacional da Organização Mundial de Saúde."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google