A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Www.funasa.gov.br www.facebook.com/funasa.oficial twitter.com/funasa MINISTÉRIO DA SAÚDE FUNDAÇÃO NACIONAL DE SAÚDE Superintendência Estadual de Minas.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Www.funasa.gov.br www.facebook.com/funasa.oficial twitter.com/funasa MINISTÉRIO DA SAÚDE FUNDAÇÃO NACIONAL DE SAÚDE Superintendência Estadual de Minas."— Transcrição da apresentação:

1 twitter.com/funasa MINISTÉRIO DA SAÚDE FUNDAÇÃO NACIONAL DE SAÚDE Superintendência Estadual de Minas Gerais – SUEST/MG Serviço de Saúde Ambiental – SESAM Palestrante: Farmacêutico Bioquímico: Elizabete Souza Diniz UNIDADE REGIONAL DE CONTROLE DA QUALIDADE DA ÁGUA - URCQA - A QUALIDADE DA ÁGUA EM CONFORMIDADE COM A PORTARIA DO MS -2914/2011

2 twitter.com/funasa MANANCIAIS DE ABASTECIMENTO É toda fonte de água utilizada para abastecimento doméstico, comercial, industrial e outros fins. Os mananciais são classificados em: superficiais r Superficial subterrânea chuva

3 twitter.com/funasa Água Qualidade RESOLUÇÃO CONAMA N° 357 DELIBERAÇÃO NORMATIVA COPAM N° 1/2008 RESOLUÇÃO CONAMA N° 396 PROCESSOS DE TRATAMENTO PORTARIA N° 2914/11 M.S Água potável para consumo humano

4 twitter.com/funasa RESOLUÇÃO CONAMA Nº 357/2005 RESOLUCÃO CONAMA Nº 357, DE 17 DE MARÇO DE DOU Dispõe sobre a classificação dos corpos de água e diretrizes ambientais para o seu enquadramento, bem como estabelece as condições e padrões de lançamento de efluentes, e dá outras Providências

5 twitter.com/funasa Captaçã o Adução Tratamento Reservação Distribuição UTR ??

6 twitter.com/funasa RESOLUÇÃO CONAMA N° Art. 24. Os efluentes de qualquer fonte poluidora somente poderão ser lançados, direta ou indiretamente, nos corpos de água, após o devido tratamento e desde que obedeçam às condições, padrões e exigências dispostos nesta Resolução e em outras normas aplicáveis. CAPÍTULO IV- DAS CONDIÇÕES E PADRÕES DE LANÇAMENTO DE EFLUENTES LAVAGEM DE FILTRO EM ETA LANÇAMENTO NO CORPO DÁGUA SEM TRATAMENTO DO EFLUENTE

7 twitter.com/funasa Água Qualidade RESOLUÇÃO CONAMA N° 357 DELIBERAÇÃO NORMATIVA COPAM N° 1 RESOLUÇÃO CONAMA N° 396 PROCESSOS DE TRATAMENTO PORTARIA N° 2914/11 M.S Água potável para consumo humano

8 twitter.com/funasa Portaria nº 2.914/11 M.S Dispõe sobre os procedimentos de controle e de vigilância da qualidade da água para consumo humano e seu padrão de potabilidade. Um produto ou serviço de qualidade é aquele que atende perfeitamente, de forma confiável, de forma acessível, de forma segura e no tempo certo às necessidades do cliente. (Campos, Vicente Falconi) (Campos, Vicente Falconi)

9 twitter.com/funasa Linha do tempo Portaria MS n.° 518/2004 3a. Edição Guias OMS Inicia-se a discussão para revisão da Portaria MS n.º 518/2004 Portaria MS nº 2914/2011 Legislação de potabilidade da água - Evolução e Avanços

10 twitter.com/funasa DESTAQUES DA NOVA PORTARIA Obrigações dos responsáveis pelo SAA E SAC: Exercício da garantia do controle da qualidade da água; encaminhar à autoridade de saúde pública dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios relatórios das análises dos parâmetros mensais, trimestrais e semestrais com informações sobre o controle da qualidade da água, conforme o modelo estabelecido pela referida autoridade; O responsável pela SAC deve requerer, junto à autoridade municipal de saúde pública, autorização para o fornecimento de água tratada, mediante a apresentação dos seguintes documentos: I - nomeação do responsável técnico habilitado pela operação da solução alternativa coletiva; II - outorga de uso, emitida por órgão competente, quando aplicável; III - laudo de análise dos parâmetros de qualidade da água previstos nesta Portaria. Obrigações dos responsáveis pelo SAA E SAC: Exercício da garantia do controle da qualidade da água; encaminhar à autoridade de saúde pública dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios relatórios das análises dos parâmetros mensais, trimestrais e semestrais com informações sobre o controle da qualidade da água, conforme o modelo estabelecido pela referida autoridade; O responsável pela SAC deve requerer, junto à autoridade municipal de saúde pública, autorização para o fornecimento de água tratada, mediante a apresentação dos seguintes documentos: I - nomeação do responsável técnico habilitado pela operação da solução alternativa coletiva; II - outorga de uso, emitida por órgão competente, quando aplicável; III - laudo de análise dos parâmetros de qualidade da água previstos nesta Portaria.

11 twitter.com/funasa DESTAQUES DA NOVA PORTARIA O responsável pelo SAA deve: estruturar laboratórios próprios, identificar outros para realização das análises complementares; Identificar o responsável técnico habilitado do laboratório. O responsável pelo SAA deve: estruturar laboratórios próprios, identificar outros para realização das análises complementares; Identificar o responsável técnico habilitado do laboratório.

12 twitter.com/funasa DESTAQUES DA NOVA PORTARIA Alterações que estabelecem prazos para a adequação aos seus parâmetros: Vinte e quatro meses, contados a partir da data de sua publicação, para que os órgãos e entidades sujeitos à aplicação desta Portaria promovam as adequações necessárias ao seu cumprimento, no que se refere ao monitoramento dos parâmetros gosto e odor, saxitoxina, cistos de Giardia spp. e oocistos de Cryptosporidium spp.; Quatro anos para cumprimento, contados da data de publicação desta Portaria, mediante o cumprimento das etapas previstas no § 2° do art. 30 desta Portaria, para o atendimento ao valor máximo permitido de 0,5 uT para filtração rápida (tratamento completo ou filtração direta); Vinte e quatro meses, contados a partir da data de publicação desta Portaria, para que os laboratórios referidos no art. 21° desta Portaria promovam as adequações necessárias para a implantação do sistema de gestão da qualidade, conforme os requisitos especificados na NBR ISO/IEC 17025:2005. Alterações que estabelecem prazos para a adequação aos seus parâmetros: Vinte e quatro meses, contados a partir da data de sua publicação, para que os órgãos e entidades sujeitos à aplicação desta Portaria promovam as adequações necessárias ao seu cumprimento, no que se refere ao monitoramento dos parâmetros gosto e odor, saxitoxina, cistos de Giardia spp. e oocistos de Cryptosporidium spp.; Quatro anos para cumprimento, contados da data de publicação desta Portaria, mediante o cumprimento das etapas previstas no § 2° do art. 30 desta Portaria, para o atendimento ao valor máximo permitido de 0,5 uT para filtração rápida (tratamento completo ou filtração direta); Vinte e quatro meses, contados a partir da data de publicação desta Portaria, para que os laboratórios referidos no art. 21° desta Portaria promovam as adequações necessárias para a implantação do sistema de gestão da qualidade, conforme os requisitos especificados na NBR ISO/IEC 17025:2005.

13

14 twitter.com/funasa APLICABILIDADE Art. 3º. Toda água destinada ao consumo humano, distribuída coletivamente por meio de sistema ou solução alternativa coletiva de abastecimento de água, deve ser objeto de controle e vigilância da qualidade da água. Art. 4º. Toda água destinada ao consumo humano proveniente de solução alternativa individual de abastecimento de água, independentemente da forma de acesso da população, está sujeita à vigilância da qualidade da água. Art. 3º. Toda água destinada ao consumo humano, distribuída coletivamente por meio de sistema ou solução alternativa coletiva de abastecimento de água, deve ser objeto de controle e vigilância da qualidade da água. Art. 4º. Toda água destinada ao consumo humano proveniente de solução alternativa individual de abastecimento de água, independentemente da forma de acesso da população, está sujeita à vigilância da qualidade da água. Não se aplica Art. 2º - Parágrafo único Água mineral natural, à água natural e às águas adicionadas de sais, destinadas ao consumo humano após o envasamento, e a outras águas utilizadas como matéria-prima para elaboração de produtos, conforme Resolução (RDC) nº 274, de 22 de setembro de 2005, da Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA). Art. 2º - Parágrafo único Água mineral natural, à água natural e às águas adicionadas de sais, destinadas ao consumo humano após o envasamento, e a outras águas utilizadas como matéria-prima para elaboração de produtos, conforme Resolução (RDC) nº 274, de 22 de setembro de 2005, da Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA). CAPÍTULO I -DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

15 twitter.com/funasa I - água para consumo humano: II - água potável:III - padrão de potabilidade:IV - padrão organoléptico:IX - rede de distribuição:X - ligações prediais:XI - cavalete:XII – interrupção:XIII – intermitência:XIV - integridade do sistema de distribuição:XVII - garantia da qualidade:XVIII – recoleta:XIX - passagem de fronteira terrestre:

16 twitter.com/funasa Setor Saúde VIGILÂNCIA, CONTROLE e APOIO ART. Nº 07 II - estabelecer ações especificadas no Programa Nacional de Vigilância da Qualidade da Água para Consumo Humano (VIGIAGUA) ART. Nº 07 II - estabelecer ações especificadas no Programa Nacional de Vigilância da Qualidade da Água para Consumo Humano (VIGIAGUA) Art. 9° Compete à Fundação Nacional de Saúde (FUNASA) apoiar as ações de controle da qualidade da água para consumo humano proveniente de sistema ou solução alternativa de abastecimento de água para consumo humano, em seu âmbito de atuação, conforme os critérios e parâmetros estabelecidos nesta Portaria.

17 twitter.com/funasa CONTROLE Prestadores de Serviço de Saneamento Do responsável pela operação do SAA e ou SAC ART. 13°, 14º,15º e 16º ART. 13º IV - manter avaliação sistemática do sistema ou solução alternativa coletiva de abastecimento de água, sob a perspectiva dos riscos à saúde, com base nos seguintes critérios: a) ocupação da bacia contribuinte ao manancial; b) histórico das características das águas; c) características físicas do sistema; d) práticas operacionais; e e) na qualidade da água distribuída, conforme os princípios dos Planos de Segurança da Água (PSA) recomendados pela Organização Mundial de Saúde (OMS) ou definidos em diretrizes vigentes no País; DESTAQUE

18 twitter.com/funasa O que é o Plano de Segurança da Água ? Ferramenta metodológica de avaliação e gerenciamento de riscos à saúde, associados aos sistemas de abastecimento de água, desde a captação até o consumidor. É um instrumento de boas práticas com abordagem preventiva, para garantir a segurança da água para consumo humano.

19 twitter.com/funasa Bacia de captação Captação Exposição Risco Torneira consumidor Tratamento Rede distribuição -Lançamento de esgotos sanitários - Atividades agropecuárias - Animais silvestres - Algas - Efetividade do tratamento - Etapas do tratamento - Recontaminação - Uso de diferentes fontes - Reservatórios desprotegidos - Biofilmes - Recontaminação - Consumo - DI, viabilidade, infectividade Adaptado de Stevens et al. (1995) Planos de Segurança da água ART. 13º letra (e) Construção do diagrama de fluxo para avaliação de risco: todas as etapas e possibilidades devem ser abordadas

20 twitter.com/funasa Art. 22. As metodologias analíticas para determinação dos parâmetros previstos nesta Portaria devem atender às normas nacionais ou internacionais mais recentes, tais como: I - Standard Methods for the Examination of Water and Wastewater de autoria das instituições American Public Health Association (APHA), American Water Works Association (AWWA) e Water Environment Federation (WEF); II – United States Environmental Protection Agency (USE-PA); III – normas publicadas pela International Standartization Organization (ISO); e IV – metodologias propostas pela Organização Mundial da Saúde (OMS). Portaria Nº 2.914, de 12 de Dezembro de 2011 Art. 21. ABNT NBR ISO/IEC – Requisitos Gerais para a Competência de Laboratórios de Ensaio e Calibração. Aplicada a todos os tipos de laboratórios de ensaios e calibrações, em qualquer área de conhecimento, incluindo exames físicos, químicos e biológicos referidos às industrias metalúrgicas, de plásticos, da borracha, automobilística, eletroeletrônica, química, de análise ambiental, etc.

21 twitter.com/funasa POLUIÇÃO DA ÁGUA PARÂMETROS INDICADORES Parâmetros biológicos Organismos patogênicos: bactérias do grupo coliforme; Coliformes totais; E.coli; Algas: cianobactérias cianotoxinas.

22 twitter.com/funasa População abastecida : habitantes Número de coletas no mês: 100 Número de amostras positivas : 8 Número de recoletas necessárias : 24 Número de recoletas satisfatórias : 22 Número de recoletas (segunda vez): 6 Número de recoletas satisfatórias (segunda vez): 6 Informações para autoridade de saúde pública: 8 % de amostras com resultado positivo § 3º Para verificação do percentual mensal das amostras com resultados positivos de coliformes totais, as recoletas não devem ser consideradas no cálculo. Capitulo v - Padrão de Potabilidade Recoleta: Exemplo Numérico § 4º O resultado negativo para coliformes totais das recoletas não anula o resultado originalmente positivo no cálculo dos percentuais de amostras com resultado positivo ART. 27°

23 twitter.com/funasa Capitulo v - Padrão de Potabilidade Determinação das Bactérias Heterotróficas Art. 28º. A determinação de bactérias heterotróficas deve ser realizada como um dos parâmetros para avaliar a integridade do sistema de distribuição (reservatório e rede). § 1º A contagem de bactérias heterotróficas deve ser realizada em 20% (vinte por cento) das amostras mensais para análise de coliformes totais nos sistemas de distribuição (reservatório e rede). § 2º Na seleção dos locais para coleta de amostras devem ser priorizadas pontas de rede e locais que alberguem grupos populacionais de risco. § 3º Alterações bruscas ou acima do usual na contagem de bactérias heterotróficas devem ser investigadas para identificação de irregularidade e providências devem ser adotadas para o restabelecimento da integridade do sistema de distribuição (reservatório e rede), recomendando-se que não se ultrapasse o limite de 500 UFC/mL. Art. 28º. A determinação de bactérias heterotróficas deve ser realizada como um dos parâmetros para avaliar a integridade do sistema de distribuição (reservatório e rede). § 1º A contagem de bactérias heterotróficas deve ser realizada em 20% (vinte por cento) das amostras mensais para análise de coliformes totais nos sistemas de distribuição (reservatório e rede). § 2º Na seleção dos locais para coleta de amostras devem ser priorizadas pontas de rede e locais que alberguem grupos populacionais de risco. § 3º Alterações bruscas ou acima do usual na contagem de bactérias heterotróficas devem ser investigadas para identificação de irregularidade e providências devem ser adotadas para o restabelecimento da integridade do sistema de distribuição (reservatório e rede), recomendando-se que não se ultrapasse o limite de 500 UFC/mL.

24 twitter.com/funasa Avaliação da eficiência na remoção de bactérias das diversas etapas de operação de estações de tratamento de água; Avaliações das condições higiênicas e de proteção de poços, fontes, reservatórios, piscinas e sistemas de distribuição de água para consumo humano Estimativa da biomassa de bactérias heterotróficas presentes em corpos de água; Determinação da presença de patógenos oportunistas, que podem representar risco à saúde dos consumidores, principalmente à saúde de pacientes debilitados em hospitais, creches, berçários, casas de repouso, entre outros. Determinação da deterioração da qualidade da água, com desenvolvimento de odores e sabores desagradáveis. Avaliação da eficiência na remoção de bactérias das diversas etapas de operação de estações de tratamento de água; Avaliações das condições higiênicas e de proteção de poços, fontes, reservatórios, piscinas e sistemas de distribuição de água para consumo humano Estimativa da biomassa de bactérias heterotróficas presentes em corpos de água; Determinação da presença de patógenos oportunistas, que podem representar risco à saúde dos consumidores, principalmente à saúde de pacientes debilitados em hospitais, creches, berçários, casas de repouso, entre outros. Determinação da deterioração da qualidade da água, com desenvolvimento de odores e sabores desagradáveis. Importância da determinação da densidade de bactérias heterotróficas Comentários Importância da determinação da densidade de bactérias heterotróficas Comentários Capitulo V - Padrão de Potabilidade RESULTADO: CONTAGEM DE BACTÉRIAS HETEROTRÓFICAS A 35 O C POR 48 HORAS: _ _ _ UFC / mL. OBS.: UFC = Unidade Formadora de Colônia

25 twitter.com/funasa Portaria nº 2914/11 M.S Anexo XI Frequência de monitoramento de cianobactérias no manancial de abastecimento de água Quando a densidade de cianobactérias (células/mL) for: Frequência < = Mensal > Semanal FLORAÇÃO DE CIANOBACTÉRIAS

26 twitter.com/funasa Recomendação do monitoramento dos Vírus entéricos em mananciais Art. 29º. Monitoramento mensal de Escherichia coli no(s) ponto(s) de captação de água Art. 31º § 1º Média geométrica anual a E. coli/100mL: monitorar cistos de Giardia spp. e oocistos de Cryptosporidium spp. § 2º Média aritmética de oocistos de Cryptosporidium spp. a 3,0 oocistos/L = turbidez a 0,3 uT na água filtrada § 3º Turbidez: 1,0 uT, para filtração rápida e 2,0 uT para filtração lenta. § 4° Tempo para cálculo da concentração média de oocistos de Cryptosporidium spp horas. Considerando período de 1 ano no mínimo e e 2 anos no máximo. Recomendação do monitoramento dos Vírus entéricos em mananciais Art. 29º. Monitoramento mensal de Escherichia coli no(s) ponto(s) de captação de água Art. 31º § 1º Média geométrica anual a E. coli/100mL: monitorar cistos de Giardia spp. e oocistos de Cryptosporidium spp. § 2º Média aritmética de oocistos de Cryptosporidium spp. a 3,0 oocistos/L = turbidez a 0,3 uT na água filtrada § 3º Turbidez: 1,0 uT, para filtração rápida e 2,0 uT para filtração lenta. § 4° Tempo para cálculo da concentração média de oocistos de Cryptosporidium spp horas. Considerando período de 1 ano no mínimo e e 2 anos no máximo. Capitulo V - Padrão de Potabilidade

27 twitter.com/funasa Monitoramento do cloro residual livre, cloro combinado e dióxido de cloro Art. 32 – anexos IV, V e VI Art. 33. Os sistemas ou soluções alternativas coletivas de abastecimento de água supridas por manancial subterrâneo com ausência de contaminação por Escherichia coli devem realizar cloração da água mantendo o residual mínimo do sistema de distribuição (reservatório e rede), conforme as disposições contidas no art. 34 desta Portaria. Art. 34. É obrigatória a manutenção de, no mínimo, 0,2 mg/L de cloro residual livre ou 2 mg/L de cloro residual combinado ou de 0,2 mg/L de dióxido de cloro em toda a extensão do sistema de distribuição (reservatório e rede).

28 twitter.com/funasa. Padrão de turbidez - Anexos II e III Art. 30 § 1º Entre os 5% (cinco por cento) dos valores permitidos de turbidez superiores ao VMP estabelecido no Anexo II desta Portaria, para água subterrânea com desinfecção, o limite máximo para qualquer amostra pontual deve ser de 5,0 uT, assegurado, simultaneamente, o atendimento ao VMP de 5,0 uT em toda a extensão do sistema de distribuição (reservatório e rede). § 2° O valor máximo permitido de 0,5 uT para água filtrada por filtração rápida (tratamento completo ou filtração direta), assim como o valor máximo permitido de 1,0 uT para água filtrada por filtração lenta, estabelecidos no Anexo II desta Portaria, deverão ser atingidos conforme as metas progressivas definidas no Anexo III desta Portaria. § 3º O atendimento do percentual de aceitação do limite de turbidez, expresso no Anexo II desta Portaria, deve ser verificado mensalmente com base em amostras, preferencialmente no efluente individual de cada unidade de filtração, no mínimo diariamente para desinfecção ou filtração lenta e no mínimo a cada duas horas para filtração rápida. Capitulo V - Padrão de Potabilidade

29 twitter.com/funasa Capitulo V – Padrão de potabilidade - ART. 39º - Tabelas X Padrão Organoléptico § 1º pH = 6,0 a 9,5. § 2º Teor máximo de CRL em qualquer ponto do SAA = 2 mg/L § 4º Ferro e Manganês VMP > estabelecidos, desde que: I -Ferro e Manganês estejam complexados com produtos químicos comprovadamente de baixo risco à saúde, conforme preconizado no art. 13 desta Portaria e nas normas da ABNT; II - Os VMP dos demais parâmetros do padrão de potabilidade não sejam violados; III - Ferro e Manganês não ultrapassem 2,4 e 0,4 mg/L, respectivamente. ParâmetroUnidadeVMP Ferromg/L0,3 Manganêsmg/L0,1 Norma da ABNT:NBR n° Ortopolifosfatos Art ° Para os parâmetros ferro e manganês são permitidos valores superiores ao VMP:

30 twitter.com/funasa TUBULAÇÃO DE FERRO GALVANIZADO – PRESENÇA DE INCRUSTAÇÕES ( Ferro e Manganês)

31 twitter.com/funasa Quais as exigências do consumidor? Qualidade de acordo com a Portaria 2914/11 M.S A ÁGUA DEVE SER SEGURA: isenta de microorganismos e de substâncias químicas que possam constituir potencial de perigo para a saúde humana Sabor, odor e apararência agradável, Disponível de forma contínua à pressão adequada

32 twitter.com/funasa Palestrante: Elizabete Souza Diniz gov.br Tel.: (31) / ÁGUA É SAÚDE


Carregar ppt "Www.funasa.gov.br www.facebook.com/funasa.oficial twitter.com/funasa MINISTÉRIO DA SAÚDE FUNDAÇÃO NACIONAL DE SAÚDE Superintendência Estadual de Minas."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google