A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

I Semana de Integração Diamantina, maio de 2012 Anne Margareth Batista.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "I Semana de Integração Diamantina, maio de 2012 Anne Margareth Batista."— Transcrição da apresentação:

1 I Semana de Integração Diamantina, maio de 2012 Anne Margareth Batista

2 Conduta frente a acidentes com material biológico contaminado Mestranda : Anne Margareth Batista

3 Por que vocês estão aqui? Onde se acidenta com material biológico? Quais são as doenças que eu posso adquirir? O que se faz quando acontece um acidente deste tipo? Como posso me prevenir?

4 O que são acidentes com material biológico? Acidentes de trabalho que possibilitem a infecção por um patógeno.

5 Onde ocorrem estes acidentes? Hospitais Ambulatórios, Clínicas e Unidades de Emergência Consultórios Odontológicos Centros de permanência de idosos Laboratórios Residências (home care)

6 Quais são os patógenos que já foram transmitidos por acidentes ocupacionais? HVBHCV HIVTBC Malária Herpes

7 Em laboratórios: ebola, gonorréia, blastomicose,leptospirose, difteria, febre maculosa (Fonte: CDC de Atlanta) Fonte: google

8 Os CDC estimam que ocorram acidentes/ano entre os trabalhadores da saúde exposições /dia

9 Hepatite B No Brasil: percentual elevado de vacinação entre estudantes e trabalhadores Mas... proporção de vacinação com esquemas completos de três doses é inferior a 50%.

10 No caso de exposição ocupacional ao vírus da hepatite B, o risco de infecção varia de 6 a 30%, podendo chegar até a 60%, dependendo do estado do paciente-fonte. (WERNER; GRADY, 1982; BRASIL, 2003).

11 Diretriz do Programa Nacional de Imunizações, de 02/03/2010 Além da vacina, é necessária a administração da imunoglobulina humana anti-hepatite B (IGHAHB), disponível nos CRIE, nas seguintes situações:

12 ... - vítimas de exposição sanguínea em acidentes com perfurocortantes ou exposição de mucosas, quando o caso fonte for portador de HBV ou de alto risco....

13 Hepatite C É a forma mais grave de hepatites O nº de trabalhadores que adquirem HCV ocupacional não é conhecido

14 Fontes de contaminação pelo HCV

15 O risco de transmissão, após um acidente percutâneo com paciente-fonte HCV + é de 1,8% (0 a 7%). (RAPPARINI; VITÓRIA; LARA, 2004; RISCHITELLI et al., 2001; HENDERSON, 2003).

16 O risco está relacionado com exposições envolvendo agulhas com lúmen e previamente utilizadas em veias ou artérias,... mas há casos de soroconversão com agulha de sutura e outros perfurocortantes. Fonte: Yazdanpanah Y et al. Clinical of Infectious Diseases. 2005; 41:1423–30.

17 HIV O primeiro caso de transmissão de HIV de um paciente para um trabalhador da saúde foi relatado em Os CDC já receberam notificações de 57 casos documentados e 140 casos prováveis de transmissão ocupacional do HIV.

18 Dos 57casos comprovados, houve exposição a sangue através de acidente percutâneo, com agulha com lúmen que estava em um vaso sanguíneo.

19 O risco de infecção por HIV pós-exposição percutânea com sangue contaminado é de aproximadamente 0,3% (CARDO et al., 1997; BELL, 1997) Após exposição de mucosa, é de 0,09% (CARDO et al., 1997).

20 Quais são as atividades de maior risco? Equipe de enfermagem Cirurgiões Pessoal/equipe de limpeza

21 Quanto custa um acidente com material biológico? Profilaxia inicial e acompanhamento Custo emocional Reações a medicamentos Custo SocialCustos legais

22 Aconteceu o acidente! O que fazer? Pra onde ir? Seguimento do caso.

23

24 A exposição deve ser tratada como emergência médica. A quimioprofilaxia deve ser iniciada o mais rapidamente possível,preferencialmente nas primeiras 2 horas após o acidente e no máximo até 72 horas.

25 Protocolos de Segurança Estão prontos!

26 Aconselhamento na hora do acidente esclarecer as condições do acidente esclarecer sobre os riscos envolvidos acalmar o profissional ou preocupar o profissional

27 Cuidados com a área exposta Exposição percutânea: lavar com água e sabão Exposição em mucosas: irrigar com água ou soro fisiológico

28 Caracterização da fonte Fonte desconhecida Fonte conhecida

29 Conduta A decisão de QP deve ser tomada em função da possibilidade de infecção, que depende da gravidade do acidente e da probabilidade de tratar-se de um paciente contaminado

30 Avaliação do Risco da Exposição Biológica Tipo de Exposição: Exposição percutânea Exposição de membrana mucosa e pele não íntegra

31 Gravidade da Exposição: Grave: Agulhas com lúmen/grosso calibre, lesão profunda, sangue visível no dispositivo usado ou agulha usada recentemente em artéria ou veia do paciente Menos grave: agulha sem lúmen, lesão superficial, uso de luvas.

32 Gravidade da Exposição: Grave: Contato prolongado ou grande quantidade de material biológico de risco Menos grave: poucas gotas de material biológico de risco; curta duração

33 Gravidade da Exposição: HIV Material biológico com risco de transmissão : sangue, sêmen, secreção vaginal, líquor, tecidos, exudatos inflamatórios, cultura de células; líquidos pleural, pericárdico, peritoneal, articular, amniótico.

34 Material biológico sem risco de transmissão do HIV: saliva, urina, fezes, escarro, vômitos, lágrima OBS: a presença de sangue nestes materiais, tornam-no material de risco !

35 GRAVIDEZ: a gestação ou suspeita de gravidez é motivo para fazer a profilaxia relacionada à exposição biológica com risco de infecção pelo HIV

36 Quando começar? Em 24h. Até quanto tempo depois ainda é benéfico? 48 a 72h Por quanto tempo manter? 4 semanas.

37 Aconselhamento Pós-Exposição Biológica Efeitos adversos das drogas Sinais e sintomas de infecção aguda pelo HIV: febre, exantema, sintomas semelhantes aos da gripe Prevenir transmissão secundária

38 Mulheres amamentando devem suspender o aleitamento materno Evitar gravidez Sexo seguro Evitar doação de sangue, tecidos, córneas, sêmen

39 Seguimento dos casos Exame clínico semanal Exames sanguíneos Assegurar adesão e monitorar efeitos colaterais dos medicamentos

40 Em 6 semanas Em 3 meses Em 6 meses Em 1 ano

41 Prevenção de Acidentes com material biológico Biossegurança EPI Outros dispositivos de segurança Comportamento profissional

42 Comportamento profissional: usar instrumentos para segurar agulhas, retrair tecidos e montar/desmontar agulhas e lâminas de bisturis anunciar verbalmente ao passar perfurocortantes, sem apontá-los pra alguém

43 evitar a passagem de instrumentos perfurocortantes de mão em mão usar métodos alternativos de corte, como dispositivos de eletrocauterização cegos e a laser, quando adequados substituir a cirurgia aberta por cirurgia endoscópica, quando possível

44 posicionar brocas em peças de mão com a ponta para baixo usar lâminas de bisturi com ponta arredondada ao invés de lâminas pontiagudas usar agulhas de sutura cegas/rombas

45 evitar pegar instrumentos cortantes com as mãos:usar pinças, alicates ou porta- agulhas evitar que agulhas e limas fiquem fora dos limites da bandeja não reencapar as agulhas com as mãos

46 Descartar imediatamente agulhas e instrumentos afiados

47 Unidades de Atendimento Médico de acidentados Pronto- atendimento 24 horas Em Diamantina: Santa Casa de Caridade

48 Lembrete: Evitar o acidente é prolongar a vida profissional e social !

49 Para saber mais

50 Bibliografia SINAN – Ficha de notificação de acidente de trabalho com exposiçãoamaterialbiológico:http://dtr2004.saude.gov.br/sinan web/novo/Documentos/SinanNet/fichas/DRT_Acidente_Trabal ho_Biologico.pdf SINAN – Sistema de informação de agravos de notificação para doenças e agravos de notificação compulsória ao Ministério da Saúde:http://dtr2004.saude.gov.br/sinanweb/novo/# Vacinação de trabalhadores – SBIm e ANAMT: p?id=14

51 Manual de Implementação : Programa de prevenção de acidentes com materiais perfurocortantes em serviços de saúde Ministério da Saúde, Brasil.

52 Resumão: calma limpeza da lesão procurar o Técnico em Segurança do Trabalho ir ao Centro de Referência Regional preencher o CAT aceitar assistência multiprofissional

53 obter anamnese do paciente levar carteira de vacinação ouvir o médico procurar o médico do trabalho quando houver soroconversão

54 Obrigada pela atenção!


Carregar ppt "I Semana de Integração Diamantina, maio de 2012 Anne Margareth Batista."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google